Baleia-bicuda-de-cuvier

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBaleia-bicuda-de-cuvier
Ocorrência: Plioceno

[1]

Wal Cuviera.jpg
Cuvier's beaked whale size.svg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [2]
Classificação científica
Reino: Animal
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Cetáceos
Subordem: Odontocetos
Família: Zifiídeos
Género: Ziphius
G. Cuvier, 1823[3]
Espécie: Z. cavirostris
Nome binomial
Ziphius cavirostris
G. Cuvier, 1823
Distribuição geográfica
Distribuição da baleia-bicuda-de-cuvier
Distribuição da baleia-bicuda-de-cuvier
Sinónimos

A baleia-bicuda-de-cuvier (nome científico: Ziphius cavirostris) é um cetáceo e a mais amplamente distribuída de todas as baleias-bicudas da família Ziphiidae.[6] É menor do que a maioria das baleias de barbatanas, mas grande entre as baleias-bicudas. É pelágica, habitando águas mais profundas do que 1 000 pés (300 metros). Tem os mergulhos mais profundos e mais longos registrados entre as baleias a 9 816 pés (2 992 metros) e 222 minutos, respectivamente, embora a frequência e as razões para esses mergulhos extraordinários não sejam claras.[7][8] Apesar de seu habitat em águas profundas, é uma das baleias encalhadas mais frequentemente avistadas.[9]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O nome do gênero zífio vem do grego xiphos "espada" e o nome da espécie cavirostris do latim cavus "oco" e rostrum "bico", referindo-se ao recuo na cabeça na frente do espiráculo.[10]

Taxonomia[editar | editar código-fonte]

O naturalista e zoólogo francês Georges Cuvier descreveu a espécie pela primeira vez em Recherches sur les ossements fossiles ("Pesquisa sobre ossos fósseis", 1823)[11] com base em um crânio encontrado na costa mediterrânea da França em Fos-sur-mer, Bouches de Rhone. O chamou de Ziphius cavirostris do latim cavus para "oco" ou "côncavo", referindo-se à bacia prenariana, um oco profundo no crânio que é um traço diagnóstico da espécie. Cuvier acreditava que o crânio representava os restos de uma espécie extinta. Mais tarde, em 1850, o paleontólogo e zoólogo Paul Gervais descobriu que o crânio era idêntico ao de uma carcaça de baleia mais recentemente encalhada em uma praia.[12]

Descrição[editar | editar código-fonte]

O corpo da baleia-bicuda-de-cuvier é robusto e em forma de charuto, semelhante ao de outras baleias-bicudas e pode ser difícil de distinguir de muitas das baleias mesoplodontes no mar. O corpo dos machos adultos é tipicamente cinza escuro, com a cabeça nitidamente mais clara, ou mesmo branca. Esta coloração clara se estende ao longo da parte posterior. As fêmeas variam em cor de cinza escuro a marrom-avermelhado. A pele da cabeça da fêmea clareia menos do que nos machos e não se estende ao longo da parte posterior.[13] Geralmente nascem pesando cerca de 500 libras e entre 6,8 e pouco mais de 2,5 metros de comprimento. Os filhotes são pretos ou azul-escuros com barriga branca. As fêmeas atingem a maturidade com uma média de 19 a 23 pés de comprimento e os machos de 19 a 22,5 pés, pesando cerca de 2 a 3,5 toneladas.[14]

Mergulhando fundo para pegar a presa, abrem suas mandíbulas de uma forma que cria sucção. Um par de ranhuras na garganta permite que expanda essa região ao sugar sua presa. Este tipo de mandíbula e construção muscular faz com que pareçam ter uma aparência sorridente. Seu crânio tem uma reentrância e o formato de um capacete de bicicleta com sulcos no topo de um nariz semelhante a um ganso, dando a ele o nome de "bico". Todas as baleias-bicudas têm esta aparência geral, mas a baleia-bicudas-de-cuvier tem um bico mais curto em comparação com outras da família dos zifiídeos. Têm um melão ligeiramente bulboso, que pode ser branco ou às vezes mais marrom para as fêmeas. Têm uma cabeça particularmente inclinada gradualmente levando ao melão e um rostro pequeno e suavemente definido, que lhes dá seu apelido ou nome alternativo de baleia de bico de ganso.[13]

Ecologia[editar | editar código-fonte]

Mergulho[editar | editar código-fonte]

Em 2014, os cientistas relataram que usaram marcas ligadas a satélite para rastrear as baleias-bicudas-de-cuvier na costa da Califórnia e descobriram que um espécime mergulhou até 9 816 pés (2 992 metros) abaixo da superfície do oceano, o que representa o mergulho mais profundo já documentado para qualquer mamífero.[7][15][16][17] Outro estudo, publicado em 2020, relatou uma espécime fazendo um mergulho que durou 222 minutos, o que representa o mergulho mais longo já documentado para qualquer mamífero.[8] O cientista supervisor Nicola Hodgkins observou que "o tempo de mergulho registrado de mais de três horas provavelmente não é típico, e sim o resultado de um indivíduo levado ao seu limite absoluto". A exposição a altos níveis de ruído de um sonar militar próximo provavelmente causou o comportamento anormal.[18]

Alimentação e forrageamento[editar | editar código-fonte]

Esqueleto

As baleias-bicudas-de-cuvier se alimentam de várias espécies de lulas, incluindo cranquiídeos (Cranchiidae), onicotêutidas (Onychoteuthidae), braquiotêutidas (Brachioteuthidae), enoplotêutidas (Enoploteuthidae), octopotêutidas (Octopoteuthidae) e histiotêutidas (Histioteuthidae), bem como peixes de águas profundas.[19] Os cientistas usaram espécimes encalhados para estudar os hábitos alimentares das baleias por meio de análises estomacais.[20]

Distribuição e habitat[editar | editar código-fonte]

Tem uma distribuição cosmopolita em águas profundas e no mar aberto, desde os trópicos até os mares frios e temperados. No Pacífico Norte, ocorre tanto ao norte quanto as ilhas Aleutas e no Atlântico Norte ao extremo norte das províncias atlânticas do Canadá no oeste até as Xetlândias no leste. No Hemisfério Sul, ocorre tão ao sul quanto na Terra do Fogo, na África do Sul, no sul da Austrália, na Nova Zelândia e nas ilhas Chatham. Também frequenta corpos de águas interiores como os golfos do México e os mares do Caribe e Mediterrâneo.[21] A população mediterrânea pode ser geneticamente distinta da(s) população (ões) do Atlântico Norte.[22]

As baleias-bicudas-de-cuvier pode ser uma das baleias-bicudas mais comuns e abundantes, com uma população mundial provavelmente superior a 100 000 indivíduos. Cerca de 80 000 indivíduos estão no Pacífico Oriental tropical, quase 1 900 estão na costa oeste dos Estados Unidos (excluindo o Alasca) e mais de 15 000 estão ao largo do Havaí.[2]

Interação com os seres humanos[editar | editar código-fonte]

Baleeira e pesca[editar | editar código-fonte]

Exemplar encalhado em Terra Nova e Labrador

Antes de 1955, estima-se que os baleeiros japoneses capturavam de 3 a 35 cuvier por ano. De 1955 até a década de 1990, mais de 4 000 espécimes foram capturadas. A espécie foi supostamente capturada acidentalmente em pescarias na Colômbia, na pesca do espadarte italiano e na pesca com rede de emalhar de deriva na Califórnia e Oregão, na costa oeste dos Estados Unidos, onde entre 22 e 44 indivíduos morreram a cada ano de 1992 a 1995.[2] É abrangida pelo Acordo sobre a Conservação de Pequenos Cetáceos dos Mares Báltico, Atlântico Nordeste, Irlandês e do Norte (ASCOBANS) e pelo Acordo sobre a Conservação dos Cetáceos no Mar Negro, Mar Mediterrâneo e Área Atlântica Contígua (ACCOBAMS). A espécie também está incluída no Memorando de Entendimento Sobre a Conservação do Peixe-Boi e Pequenos Cetáceos da África Ocidental e da Macronésia (MoU dos Mamíferos Aquáticos da África Ocidental) e no Memorando de Entendimento para a Conservação de Cetáceos e Seus Habitats na Região das Ilhas do Pacífico (MoU dos cetáceos do Pacífico Cetáceos).[23]

Sonar e manobras militares[editar | editar código-fonte]

A baleia-bicudo-de-cuvier parece ter uma reação ruim ao sonar. Encalhes geralmente ocorrem perto de bases navais onde o sonar pode estar em uso. Foi observada no Havaí evitando mergulhar em busca de comida ou evitar uma área onde o sonar está em uso. Uma maior incidência de encalhes foi registrada em mares barulhentos, como o Mediterrâneo, e vários encalhes em massa ocorreram após as operações da marinha espanhola nas ilhas Canárias.[24][25] Em 2019, uma revisão das evidências sobre o encalhe em massa de baleias de bico ligado a exercícios navais onde o sonar foi usado concluiu que os efeitos do sonar ativo de média frequência são mais fortes, mas variam entre indivíduos ou populações, e a força da resposta das baleias pode depender se os indivíduos tiveram exposição anterior ao sonar. O relatório considerou a explicação mais plausível dos sintomas da doença da descompressão, como embolia gasosa encontrada em baleias encalhadas, como a resposta das baleias ao sonar. Observou que não ocorreram mais encalhes em massa nas ilhas Canárias uma vez que os exercícios navais usando sonar foram proibidos lá, e recomendou que a proibição fosse estendida a outras áreas, como o Mediterrâneo, onde encalhes em massa continuam a ocorrer.[26][27]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Ziphius cavirostris Cuvier 1824 (Cuvier's beaked whale)». PBDB 
  2. a b c Baird, R. W.; Brownell Jr., R. L.; Taylor, B. L. (2020). «Cuvier's Beaked Whale - Ziphius cavirostris». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T23211A50379111. doi:10.2305/IUCN.UK.2020-3.RLTS.T23211A50379111.en. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  3. William Perrin (2014). «Ziphius Cuvier, 1823». World Cetacea Database. World Register of Marine Species 
  4. «Ziphius». Species. GBIF. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  5. «Ziphius cavirostris». Species. GBIF. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  6. Grzimek, Bernhard (2003). Hutchins, Michael; Kleiman, Devra G.; Geist, Valerius; et al., eds. Grzimek's Animal Life Encyclopedia, Vol 15, Mammals IV 2nd ed. Farmington Hills, MI: Gale Group. ISBN 0-7876-5362-4 
  7. a b Schorr, Gregory S.; Falcone, Erin A.; Moretti, David J.; Andrews, Russel D. (26 de março de 2014). «First Long-Term Behavioral Records from Cuvier's Beaked Whales (Ziphius cavirostris) Reveal Record-Breaking Dives». PLOS ONE. 9 (3): e92633. Bibcode:2014PLoSO...992633S. PMC 3966784Acessível livremente. PMID 24670984. doi:10.1371/journal.pone.0092633 
  8. a b Quick, Nicola J.; Cioffi, William R.; Shearer, Jeanne M.; Fahlman, Andreas; Read, Andrew J. (15 de setembro de 2020). «Extreme diving in mammals: first estimates of behavioural aerobic dive limits in Cuvier's beaked whales». The Journal of Experimental Biology. 223 (18): jeb222109. PMID 32967976. doi:10.1242/jeb.222109 
  9. «Cuvier's Beaked Whale (Ziphius cavirostris. NOAA. 15 de janeiro de 2015. Consultado em 29 de março de 2017. Arquivado do original em 30 de março de 2017 
  10. «Cuvier's Beaked Whales, Ziphius cavirostris». The MarineBio Conservation Society (MarineBio). 18 de maio de 2017. Consultado em 18 de janeiro de 2021 
  11. Cuvier, Georges (1823). Recherches sur les ossemens fossiles (em francês). 5 2nd ed. Paris: [s.n.] pp. 350–2, fig. 7 
  12. Turner, W (1872). «On the occurrence of Ziphius cavirostris in the Shetland Seas, and a comparison of its skull with that of Sowerby's whale (Mesoplodon Sowerbyi)». Edinburgh. Transactions of the Royal Society of Edinburgh. 26 (4): 759–80. OCLC 26145032. doi:10.1017/s0080456800025618 
  13. a b Heyning, John E.; Mead, James G. (2009). «Cuvier's Beaked Whale». Encyclopedia of Marine Mammals. Cambrígia, Massachussetes: Imprensa Acadêmica. pp. 294–295. ISBN 978-0-12-373553-9. doi:10.1016/B978-0-12-373553-9.00069-9 
  14. «Cetacean Research & Rescue Unit | Cuvier's beaked whale». www.crru.org.uk. Consultado em 8 de dezembro de 2020 
  15. Lee, Jane J. (26 de março de 2014). «Elusive Whales Set New Record for Depth and Length of Dives Among Mammals». National Geographic. Cópia arquivada em 29 de março de 2014 
  16. Dunham, Will (26 de março de 2014). «How low can you go? This whale is the champion of deep diving». Reuters – via in.reuters.com 
  17. «The Globe and Mail» 
  18. McGrath, Matt (24 de setembro de 2020). «Mysterious beaked whale smashes mammal diving record». BBC News 
  19. Evans, Peter GH (1987). The Natural History of Whales and Dolphins. Nova Iorque: Facts on File Publications. ISBN 0816017328. OCLC 14271801 
  20. West, Kl; Walker, Wa; Baird, Rw; Mead, Jg; Collins, Pw (4 de julho de 2017). «Diet of Cuvier's beaked whales Ziphius cavirostris from the North Pacific and a comparison with their diet world-wide». Marine Ecology Progress Series. 574: 227–242. Bibcode:2017MEPS..574..227W. doi:10.3354/meps12214 
  21. Reeves, Randall R; Stewart, Brent S; Clapham, Phillip J; Powell, James A (2002). National Audubon Society Guide to Marine Mammals of the World. [S.l.]: Alfred A. Knopf. p. 254. ISBN 0375411410 
  22. Holcer, D.; Fortuna, M. C.; Mackelworth C. P. (2014). Status and Conservation of Cetaceans in the Adriatic Sea (PDF). Túnis e Paris: Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente, Centro Regional de Atividades para Áreas Especialmente Protegidas 
  23. «Species». CMS 
  24. «Lethal Sounds: The use of military sonar poses a deadly threat to whales and other marine mammals». NRDC. Junho de 2006. Consultado em 3 de fevereiro de 2013 
  25. Faerber, Meghan M.; Baird, Robin W. (março de 2010). «Does a lack of observed beaked whale strandings in military exercise areas mean no impact has occurred? A comparison of stranding and detection probabilities in the Canary and the main Hawaiian Islands». Marine Mammal Science. doi:10.1111/j.1748-7692.2010.00370.x 
  26. Bernaldo de Quirós, Y.; Fernandez, A.; Baird, R. W.; Brownell, R. L.; Aguilar de Soto, N.; Allen, D.; Arbelo, M.; Arregui, M.; Costidis, A.; Fahlman, A.; Frantzis, A.; Gulland, F. M. D.; Iñíguez, M.; Johnson, M.; Komnenou, A.; Koopman, H.; Pabst, D. A.; Roe, W. D.; Sierra, E.; Tejedor, M.; Schorr, G. (30 de janeiro de 2019). «Advances in research on the impacts of anti-submarine sonar on beaked whales». Proceedings of the Royal Society B: Biological Sciences. 286 (1895). 20182533 páginas. PMC 6364578Acessível livremente. PMID 30963955. doi:10.1098/rspb.2018.2533 
  27. Batchelor, Tom (30 de janeiro de 2019). «Scientists demand military sonar ban to end mass whale strandings». The Independent