Baleia-bicuda-de-layard

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Como ler uma infocaixa de taxonomiaBaleia-bicuda-de-layard
Straptoothed whale size.svg
Estado de conservação
Espécie pouco preocupante
Pouco preocupante (IUCN 3.1) [1]
Classificação científica
Reino: Animal
Filo: Cordados
Classe: Mamíferos
Ordem: Cetáceos
Subordem: Odontocetos
Família: Zifiídeos
Género: Mesoplodon
Espécie: M. layardii
Nome binomial
Mesoplodon layardii
(Gray, 1865)
Distribuição geográfica
Cetacea range map Layards Beaked Whale.png

A baleia-bicuda-de-layard (nome científico: Mesoplodon layardii) é um cetáceo da família dos zifiídeos (Ziphiidae) encontrado nas águas temperadas frias do hemisfério sul. É um dos maiores membros dos mesoplodontes, crescendo até 6,2 metros (20 pés) de comprimento e chegando a 1 300 quilos (2 900 libras).[2] O nome comum e científico foi dado em homenagem a Edgar Leopold Layard, o curador do Museu da África do Sul, que preparou desenhos de um esqueleto e os enviou ao taxonomista britânico John Edward Gray, que descreveu a espécie em 1865.[3]

Descrição[editar | editar código-fonte]

Espécimes adultos exibem uma coloração distinta que talvez as torne uma das espécies de baleias-bicudas mais facilmente distinguíveis. Os adultos têm um bico branco, com uma 'capa' branca clara que se estende até a metade entre a barbatana dorsal e a cabeça. A barbatana dorsal é inserida na parte inferior do corpo e tem a ponta branca. As pás também têm pontas brancas. Quando observadas de perto, seja no mar ou encalhadas, essas baleias apresentam uma faixa clara no pescoço que separa a coloração cinza mais escura encontrada na cabeça e no melão do resto do corpo. Enquanto as baleias adultas apresentam uma coloração marcante, os animais jovens são mais difíceis de distinguir de outras espécies de baleias-bicudas, tendo uma coloração cinza uniforme.[4] Os machos podem atingir cerca de 5,9 metros (19 pés), enquanto as fêmeas atingem 6,2 metros (20 pés) e provavelmente pesam cerca de 1 000-1 300 quilogramas (2 200-2 900 libras). Os recém-nascidos podem ter até 2,8 metros (9,2 pés) de comprimento.[3]

As baleias-bicudas apresentam notável dimorfismo sexual, pois apenas os machos mantêm dentes funcionais. Os machos começam a desenvolver uma grande presa achatada em cada lado da mandíbula inferior quando juvenis, crescendo em um ângulo de 45° para trás em direção à cabeça e sobre o rostro (bico). Alcançando até 34 centímetros de comprimento,[5] os dentes podem se sobrepor nas pontas, restringindo o tamanho da boca do animal. Registrou-se que dois machos adultos encalhados só conseguiam abrir a boca de 3,2 a 4 centímetros na largura, em comparação com as fêmeas e jovens que tinham a boca de 6,5 centímetros.[6] Acredita-se que os machos usam seus dentes para competir pelo acesso de acasalamento às fêmeas, como evidenciado por cicatrizes e arranhões em seus corpos. No entanto, é improvável que a baleia use a presa inteira para essas interações agressivas; em vez disso, é provável que apenas um pequeno dentículo encontrado na superfície superior do dente seja utilizado.[7]

Distribuição[editar | editar código-fonte]

Crânio de um macho

Com base em avistamentos esporádicos e em uma série de animais encalhados, parece que atravessa amplamente o Oceano Antártico, com uma possível distribuição circumpolar em águas subantárticas e temperadas. Registros foram feitos na Terra do Fogo e em Chubut, na Argentina, nas ilhas Malvinas, no oeste e sul da Austrália e na Nova Zelândia.[8] A extensão mais ao norte da faixa está mudando continuamente; encalhes foram observados em 31-32° ao sul do equador ao longo da costa sul do Brasil[9] até que um indivíduo emaciado foi encontrado a 13 ° ao sul da ilha Maré, na costa nordeste do Brasil em 2002.[10] No entanto, em 2011, um macho adulto baleia bicuda encalhou vivo em Mianmar a 16° ao norte do equador; mais de 5 000 quilômetros mais ao norte do que a distribuição anteriormente aceita da espécie. A baleia morreu e uma necropsia revelou que não havia presa dentro do estômago, mas o estado geral do corpo era bom.[11] É possível que esta espécie migre devido à sazonalidade dos encalhes observados.[12][13]

Comportamento[editar | editar código-fonte]

Pouco se sabe sobre o comportamento desta espécie. Acredita-se que as baleias-bicudas viajem em pequenos grupos, e os tamanhos dos grupos observados variam de dois a dez indivíduos.[14] A estrutura social dos mesoplodontes em geral é pouco estudada, devido à dificuldade de observação dos indivíduos no mar. É possível que o tamanho e a composição dos grupos sejam controlados pelo tipo de rostro e dentes encontrados nas várias espécies. Espécies maiores e fortemente armadas que podem causar ferimentos geralmente viajam em grupos onde apenas um ou dois machos estão presentes, reduzindo o risco de interações agressivas.[15] Apesar de terem presas grandes, os machos provavelmente usam apenas um pequeno dentículo protuberante em cada dente em interações antagônicas. Subsequentemente, essa espécie pode viajar em grupos com vários machos, pois o risco de lesões graves é reduzido.[4]

Já foi relatado que a espécie se aquece na superfície da água em dias calmos, mas é difícil de abordar em navios. Em geral não mostram suas pás ao mergulhar. Uma série de observações sugere que o mergulho é tipificado por uma descida lenta abaixo da superfície,[16] com duração do mergulho entre 10 e 15 minutos.[17] A orca (Orcinus orca) é um predador documentado desta espécie, e foi registrado perseguindo, atacando e matando uma baleia adulta solitária a aproximadamente 50 quilômetros da costa da baía de Bremer, no sudoeste da Austrália.[18] A principal presa da baleia-bicuda é considerada uma espécie de lula oceânica. Em uma extensa análise da dieta de 14 baleias encalhadas da Nova Zelândia e África do Sul, 94,8% do conteúdo estomacal era composto de cefalópodes, com evidência de alguns peixes e crustáceos.[19]

População e conservação[editar | editar código-fonte]

Espécime sendo atacado por uma orca

O tamanho da população é desconhecido, no entanto, foi notado que a espécie é uma das espécies de baleias-bicudas mais comuns encontradas no oceano do sul.[20][21] As baleias-bicudas-de-layard não têm sido caçadas comercialmente, mas correm o risco de emaranhamento e perturbação por ruído antropogênico. Foi demonstrado que o ruído intenso, particularmente o do sonar, causa pânico, subida rápida e subsequente morte devido à doença de descompressão.[22][23] Como a espécie tem uma distribuição amplamente circumpolar, é provável que esteja em risco pelos impactos das mudanças climáticas antropogênicas. A União Internacional para a Conservação da Natureza (UICN) lista as alterações e mudanças de habitat como possíveis ameaças relacionadas às mudanças climáticas.[12]

Notas[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Pitman, R. L.; Brownell Jr., R. L. (2020). «Strap-toothed Whale - Mesoplodon layardii». Lista Vermelha da IUCN. União Internacional para Conservação da Natureza (UICN). p. e.T13249A50366790. doi:10.2305/IUCN.UK.2020-3.RLTS.T13249A50366790.en. Consultado em 26 de agosto de 2021 
  2. Jefferson, Thomas; Webber, Marc A.; Pitman, Robert L. (2008). Marine Mammals of the World: A Comprehensive Guide to their Identification. Londres: Academic 
  3. a b Reeves, R.; Stewart, B.; Clapham, P.; Powell, J. (2002). Guide to Marine Mammals of the World. Nova Iorque: A.A. Knopf. p. 292. ISBN 978-0-375-41141-0 
  4. a b Pitman, RL; Totterdell, J; Wellard, R; Cullen, P; De Boer, M (2019). «Long in the tooth: Biological observations from at-sea sightings of strap-toothed beaked whales (Mesoplodon layardii)». Marine Mammal Science. 35 (3): 1141–1161. doi:10.1111/mms.12575 
  5. Best, P (2007). Whales and dolphins of the southern African subregion. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia 
  6. Sekiguchi, K (julho de 1996). «The diet of strap-toothed whales (Mesoplodon layardii)». Journal of Zoology. 239 (3): 453–463. doi:10.1111/j.1469-7998.1996.tb05935.x 
  7. Best, P (2007). Whales and dolphins of the southern African subregion. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia 
  8. Rice, DW (1998). Wartzok, D, ed. «Marine Mammals of the World: systematics and distribution.» (PDF). Lawrence, KS: Allen Press, Inc. (Society for Marine Mammalogy,Special Publication No. 4) 
  9. Pinedo, MC; Barreto, AS; Lammardo, MP; Andrade, ALV; Geracitano, L (2002). «Northernmost records of the spectacled porpoise, Layard's beaked whale, Commerson's dolphin and Peale's dolphin in the southwestern Atlantic Ocean». Aquatic Mammals. 28 (1): 32–37 
  10. Maia-Nogueira, R; Nunes, JAC (2005). «Record of Layard's beaked whale, Mesoplodon layardii (Gray,1856), in northeastern Brazil». Latin American Journal of Aquatic Mammals. 4 (2): 137–139. doi:10.5597/lajam00082 
  11. Chit, AM; Smith, BD; Tun, MT (2012). «An extreme extra-limital record of a strap-toothed beaked whale (Mesoplodon layardii)». Marine Biodiversity Records. 5 (e5): 1–3. doi:10.1017/S1755267211001060 
  12. a b Taylor, B.L.; Baird, R.; Barlow, J.; Dawson, S.M.; Ford, J.; Mead, J.G.; Notarbartolo di Sciara, G.; Wade, P.; Pitman, R.L. (2008). «Mesoplodon layardii». 2008: e.T13249A3429897. doi:10.2305/IUCN.UK.2008.RLTS.T13249A3429897.en 
  13. Pitman, R (2009). «Mesoplodont whales». In: Perrin, WF; Würsig, B; Thewissen, JGM. Encyclopedia of marine mammals, 2nd Ed. Rootstown, Oio: Elsevier. pp. 721–726. ISBN 9780128043813 
  14. Best, P (2007). Whales and dolphins of the southern African subregion. Cambrígia: Imprensa da Universidade de Cambrígia 
  15. Heyning, JE (1984). «Functional morphology involved in intraspecific fighting of the beaked whale, Mesoplodon carlhubbsi». Canadian Journal of Zoology. 62 (8): 1645–1654. doi:10.1139/z84-239 
  16. Culik, B (2011). Perrin, ed. Odontocetes- The Toothed Whales-CMS Technical Series No.24. Paris: Joint Secretariat of the Convention of Migratory Species of Wild Animals and the Agreement on the Conservation of Small Cetaceans of the Baltic, North East Atlantic, Irish and North Seas (UNEP/CMS/ASCOBANS). ISBN 978-3-937429-92-2 
  17. Carwardine, M. (1995). Whales, Dolphins and Porpoises. Londres: Darling Kindersley 
  18. Wellard, R; Lightbody, K; Fouda, L; Blewitt, M; Riggs, D; Erbe, C (2016). «Killer whale (Mesoplodon layardii) Predation on Beaked Whales (Mesoplodon spp.) in the Bremer sub-basin, Western Australia». PLOS ONE. 11 (12): e0166670. PMC 5140045Acessível livremente. PMID 27923044. doi:10.1371/journal.pone.0166670 
  19. Sekiguchi, K (julho de 1996). «The diet of strap-toothed whales (Mesoplodon layardii)». Journal of Zoology. 239 (3): 453–463. doi:10.1111/j.1469-7998.1996.tb05935.x 
  20. Pitman, R (2002). «Mesoplodont whales». In: Perrin, WF; Wursig, B; Thewissen, JGM. Encyclopedia of marine mammals, 1st Ed. Rootstown, Oio: Elsevier. pp. 738–742 
  21. Pitman, R (2009). «Mesoplodont whales». In: Perrin, WF; Wursig, B; Thewissen, JGM. Encyclopedia of marine mammals, 2nd Ed. Rootstown, Oio: Elsevier. pp. 721–726. ISBN 9780128043813 
  22. Rommel, SA; Costidis, AM; Fernández, A; Jepson, PD; Pabst, DA; McLellan, WA; Houser, DS; Cranford, TW; van Helden, AL; Allan, DM; Barros, NB (2006). «Elements of beaked whale anatomy and diving physiology and some hypothetical causes of sonar-related stranding». Journal of Cetacean Research and Management. 7 (3): 189–209. doi:10.1111/mms.12575 
  23. Filadelfo, R; Mintz, J; Michlovich, E; D’Amico, A; Tyack, PL; Ketten (2009). «Correlating Military Sonar Use with Beaked Whale Mass Strandings: What Do the Historical Data Show?». Aquatic Mammals. 35 (4): 435–444. doi:10.1578/AM.35.4.2009.435 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Mead, J. G.; Brownell, R. L. (2005). «Order Cetacea». In: Wilson, D. E.; Reeder, D. M. Mammal Species of the World: A Taxonomic and Geographic Reference 3.ª ed. Baltimore: Imprensa da Universidade Johns Hopkins. pp. 723–743