Baltasar Lisboa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Baltazar da Silva Lisboa)
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde dezembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde setembro de 2015).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2015). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.

Baltasar da Silva Lisboa (Bahia, 6 de janeiro de 1761Rio de Janeiro, 14 de agosto de 1840) foi um magistrado e historiador brasileiro.[1]

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Henrique da Silva Lisboa e de Helena de Jesus e Silva, e irmão mais novo de José da Silva Lisboa (o futuro Visconde de Cayru), Baltasar foi comendador da Ordem de Cristo (no Brasil) e sócio da Academia Real das Ciências de Lisboa.[carece de fontes?]

Iniciou seus estudos na Bahia mas, aos 14 anos, foi para a Universidade de Coimbra (patrocinado pelo bispo Francisco de Lemos Pereira Coutinho), doutorando-se em direito civil e canônico 1783.[carece de fontes?]

Em 1786, iniciou sua carreira de magistrado como juiz de fora, ouvidor da comarca de Ilhéus (Bahia) e desembargador de Relações da Corte. Assumindo a presidência do Senado da Câmara do Rio de Janeiro, já no início de sua gestão enfrentou a inimizade do vice-rei, conde de Resende, por opor-se aos negócios ilícitos do próprio visconde e de seus acólitos. Por conta disso, foi vítima de uma devassa em 1793, sob a acusação de ter escrito uma carta anônima difamatória. Em 1794, foi alvo de outra devassa, por suposto envolvimento na chamada Conjuração do Rio de Janeiro. Em 1821, foi acusado de opor-se à constituição das Cortes portuguesas e, em 1823, de opor-se à independência do Brasil.[carece de fontes?]

Mas saiu ileso de todas essas acusações, sendo distinguido pelo imperador D. Pedro I com o título de conselheiro e uma cadeira de lente na Faculdade de Direito de São Paulo (1827). Também tornou-se membro do Instituto Histórico e Geográfico Brasileiro e da Sociedade Literária do Rio de Janeiro.

Como historiador, produziu os "Anais do Rio de Janeiro" (1834-1835), obra sobre geografia e história regionais, que resgata o período colonial até a chegada de Dom João VI. Também escreveu "Apontamentos para a história eclesiástica do Rio de Janeiro" em 1840.[carece de fontes?]

Referências

  1. Dicionario brasileiro de datas historicas. [S.l.]: Ed. Pan-Americana. 1944-01-01  Verifique data em: |ano= (ajuda)

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.