Bancada evangélica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Senador Magno Malta exibe cartaz em um pronunciamento no senado. Cantor e pastor, Malta é considerado um dos líderes da bancada evangélica.

Frente Parlamentar Evangélica, ou simplesmente bancada evangélica, é um termo aplicado a uma frente parlamentar do Congresso Nacional do Brasil composta por políticos evangélicos de partidos políticos distintos. Diferentemente dos evangélicos, que compõem a maioria da bancada, os parlamentares católicos não participam da frente.[1][2]

A frente parlamentar se articula contra temas como igualdade racial[3] e de gênero,[4] direito ao aborto,[5] eutanásia e casamento entre pessoas do mesmo sexo, além de também se opor à criminalização da violência e discriminação contra homossexuais, bissexuais e transexuais e de castigos físicos impostos por pais aos filhos.[1][6] O grupo também tenta derrubar resoluções do Conselho Federal de Psicologia (CFP) que impedem que psicólogos tratem a homossexualidade como uma doença, apesar da decisão do CFP estar de acordo com a resolução de 1990 da Organização Mundial da Saúde (OMS), que retirou a homossexualidade da lista de distúrbios mentais depois que diversas outras organizações psiquiátricas respeitadas, como a Associação Americana de Psiquiatria e a Associação Americana de Psicologia,[7] terem feito o mesmo nas décadas anteriores.[8] Também buscam a aprovação do Estatuto da Família,[9] que restringe o conceito de família, discrimina homossexuais e regulamenta a heteronormatividade no Brasil.[10]

Em 2013, foram considerados líderes da bancada os parlamentares João Campos (PSDB-GO), Anthony Garotinho (PR–RJ), Eduardo Cunha (PMDB-RJ), Lincoln Portela (PR-MG) e o senador Magno Malta (PR-ES).[11] Se fosse um partido, teria a terceira bancada de deputados do Congresso Nacional Brasileiro, sendo superada apenas pelas bancadas de Partido do Movimento Democrático Brasileiro (PMDB) e do Partido dos Trabalhadores (PT).[1][12]

Composição[editar | editar código-fonte]

A Bancada Evangélica no Parlamento titular eleita em 2014 é composta, em setembro de 2016, por 87 deputados/as federais e 3 senadores, num total de 90 parlamentares. Em outubro de 2016, entre os parlamentares da Câmara dos Deputados, cinco estão licenciados para exercerem cargos públicos, para tratamento de saúde ou de questões pessoais, e cinco são suplentes em exercício, formando um total de 87 deputados evangélicos em atuação. No Senado, dois estão  licenciados. Nesta lista aqui apresentada estão aqueles/as deputados/as e senadores com vinculação identificada ou declarada a uma igreja evangélica. Não estão considerados parlamentares apoiados por igrejas. Os dados foram levantados com base em pesquisa do DIAP, na lista de eleitos apresentados pela Frente Parlamentar Evangélica e em consultas a assessores de parlamentares da Bancada da legislatura anterior. Foram examinados nomes por nomes e checados os/as eleitos/as que, de fato, tem vinculação religiosa – descartados o simples pertencimento a partidos identificados como religiosos ou o apoio recebido por uma determinada denominação evangélica na campanha eleitoral.[13]

Nem todos integram a Frente Parlamentar Evangélica registrada seguindo o Ato da Mesa da Câmara, n. 69, de 10/11/2005, que formalizou a existência de Frentes Parlamentares para que pudessem fazer uso de recursos da Câmara. A FPE do Congresso Nacional registrada, em 2015, para a 55ª Legislatura (2015-2018), é composta por 203 signatários, conforme informação oficial da Câmara dos Deputados  – há nela muitos católicos, inclusive praticantes, ligados à Renovação Carismática, e muitos deputados eleitos com apoio de igrejas evangélicas, por conta de compromissos regionais, mas não são vinculados a elas. Na Câmara dos Deputados, em 2016, segundo ano da atual legislatura, 32 dos deputados da lista a seguir mudaram de partido. O PRB fica consolidado como partido mais forte da bancada, com crescimento de vinculados. Chama a atenção o crescimento significativo de filiações ao DEM, ao PMDB e ao PSD. O PSC e o SD perderam deputados. Estas mudanças significam redução considerável nas filiações a partidos identificados como "esquerda", o que reafirma a tendência conservadora da bancada.[13]

A força da Assembleia de Deus como igreja que predomina na bancada evangélica na Câmara fica mantida, seguida da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD) e da Igreja Batista. Dos 92 parlamentares da bancada na Câmara (titulares eleitos + suplentes em exercício), mais da metade (49) pertence a estas três igrejas (26 na primeira e 11 na segunda e 12 na terceira). O presbiterianismo tem nove representantes e configura uma força entre as igrejas históricas. Os demais parlamentares seguem distribuídos em 22 denominações diferentes.[13]

Membros[editar | editar código-fonte]

Segundo levantamento do DIAP, foram identificados 74 deputados que compõe a bancada evangélica eleitos em 2014, cujas legislaturas se iniciaram em 2015.[14]

Parlamentar Partido UF Votação Situação Profissão Evangélica
Alan Rick PRB AC 17.903 Novo Jornalista e apresentador de TV Assembleia de Deus
JHC SD AL 135.929 Novo Empresário de comunicações Igreja Internacional da Graça de Deus
Silas Câmara PSD AM 166.281 Reeleito Empresário Assembleia de Deus
André Abdon PRB AP 13.798 Novo Político Assembleia de Deus
Erivelton Santana PSC BA 74.836 Reeleito Auxiliar de administração e assessor político Assembleia de Deus
Irmão Lazaro PSC BA 161.438 Novo Músico Batista
Márcio Marinho PRB BA 117.470 Reeleito Radialista Igreja Universal do Reino de Deus (Iurd)
Sérgio Brito PSD BA 83.658 Reeleito Empresário, servidor público e administrador de empresas Batista
Tia Eron PRB BA 116.912 Nova Técnica em Administração e estudante de Direito Iurd
Ronaldo Martins PRB CE 117.930 Novo Radialista, acadêmico de Direito, músico, compositor e cantor Iurd
Ronaldo Fonseca Pros DF 84.583 Reeleito Advogado Assembleia de Deus
Manato SD ES 67.631 Reeleito Empresário e médico Igreja Cristã Maranata
Max Filho PSDB ES 91.210 Novo Servidor público federal Presbítero da Igreja Presbiteriana da Glória
Sérgio Vidigal PDT ES 161.744 Novo Médico Batista
Fábio Sousa PSDB GO 82.204 Novo Bacharel em Gestão Pública e Teologia Igreja Fonte da Vida
João Campos PSDB GO 107.344 Reeleito Delegado de polícia Assembleia de Deus
Cleber Verde PRB MA 105.243 Reeleito Vendedor autônomo, professor, servidor público e bacharel em Direito Congregação Cristã
Eliziane Gama PPS MA 133.575 Nova Jornalista Assembleia de Deus
George Hilton PRB MG 146.792 Reeleito Radialista, apresentador de televisão, teólogo e animador Iurd
Leonardo Quintão PMDB MG 118.470 Reeleito Empresário Igreja Presbiteriana
Lincoln Portela PR MG 98.834 Reeleito Radialista Batista Nacional
Stefano Aguiar PSB MG 144.153 Reeleito Administrador de Empresas Evangelho Quadrangular
Fábio Garcia PSB MT 104.976 Novo Empresário - energia Sara Nossa Terra
Professor Victório Galli PSC MT 64.691 Novo Professor do ensino superior Assembleia de Deus
Josué Bengtson PTB PA 122.995 Reeleito Pastor Evangélico Evangelho Quadrangular
Julia Marinho PSC PA 86.949 Nova Pedagoga Assembleia de Deus
Aguinaldo Ribeiro PP PB 161.999 Reeleito Empresário Batista
Anderson Ferreira PR PE 150.565 Reeleito Empresário Assembleia de Deus
Pastor Eurico PSB PE 233.762 Reeleito Comerciário e radialista Assembleia de Deus
Rejane Dias PT PI 134.157 Nova Administradora Batista
Christiane Yared PTN PR 200.144 Nova Empresária e pastora Catedral do Reino de Deus
Delegado Francischini SD PR 159.569 Reeleito Empresário e delegado da Polícia Federal Assembleia de Deus
Edmar Arruda PSC PR 85.155 Reeleito Empresário e Economista Igreja Presbiteriana Independente
Takayama PSC PR 162.952 Reeleito Empresário, professor e ministro evangélico Assembleia de Deus
Toninho Wandscheer PT PR 71.822 Novo Empresário imobiliário Assembleia de Deus
Altineu Cortes PR RJ 40.593 Novo Produtor agropecuário Assembleia de Deus
Arolde de Oliveira PSD RJ 55.380 Reeleito Empresário, engenheiro, economista e professor Igreja Batista
Aureo SD RJ 58.117 Reeleito Empresário Metodista
Benedita da Silva PT RJ 48.163 Reeleita Assistente social Assembleia de Deus
Cabo Daciolo PSol RJ 49.831 Novo Bombeiro militar Batista
Clarissa Garotinho PR RJ 335.061 Nova Jornalista Igreja Presbiteriana
Eduardo Cunha PMDB RJ 232.708 Reeleito Empresário e economista Sara Nossa Terra
Ezequiel Teixeira SD RJ 35.701 Novo Advogado Projeto Vida Nova
Francisco Floriano PR RJ 47.157 Reeleito Apresentador de televisão, locutor, publicitário, representante comercial Igreja Mundial do Poder de Deus
Marcos Soares PR RJ 44.440 Novo Advogado, especialista em teologia prática Evangelho Quadrangular
Roberto Sales PRB RJ 124.087 Novo Administrador Iurd
Rosangela Gomes PRB RJ 101.686 Nova Formada em Direito Iurd
Sóstenes Cavalcante PSD RJ 104.697 Novo Sacerdote Assembleia de Deus - Ministério Vitória em Cristo
Washington Reis PMDB RJ 103.190 Reeleito Empresário e economista Igreja Nova Vida
Antônio Jácome PMN RN 71.555 Novo Médico e Pastor Assembleia de Deus
Lindomar Barbosa Alves PMDB RO 24.146 Novo Comerciante Assembleia de Deus
Marcos Rogério PDT RO 60.780 Reeleito Jornalista e bacharel em Direito Assembleia de Deus
Nilton Capixaba PTB RO 42.353 Reeleito Empresário Assembleia de Deus
Carlos Andrade PHS RR 6.733 Novo Servidor público federal Assembleia de Deus
Jhonatan de Jesus PRB RR 20.677 Reeleito Empresário Iurd
Carlos Gomes PRB RS 92.323 Novo Aposentado e pastor Iurd
Onyx Lorenzoni DEM RS 148.302 Reeleito Empresário e médico veterinário Igreja Luterana
Ronaldo Nogueira PTB RS 77.017 Novo Administrador de empresas Assembleia de Deus
Geovania de Sá PSDB SC 52.757 Nova Administradora Assembleia de Deus
Laércio Oliveira SD SE 84.198 Reeleito Empresário e administrador de empresas Igreja Presbiteriana
Pastor Jony PRB SE 53.455 Novo Pastor evangélico Iurd
Antônio Bulhões PRB SP 137.939 Reeleito Empresário, apresentador de televisão, administrador, teólogo e bispo evangélico Iurd
Bruna Furlan PSDB SP 178.606 Reeleita Formada em Direito Congregação Cristã no Brasil
Edinho Araújo PMDB SP 112.780 Reeleito Advogado, professor Igreja Presbiteriana
Eduardo Bolsonaro PSC SP 82.224 Novo Escrivão da Polícia Federal Igreja Batista
Jefferson Campos PSD SP 161.790 Reeleito Ministro do Evangelho, advogado, tecnólogo, radialista, bacharel em Teologia Evangelho Quadrangular
Jorge Tadeu Mudalen DEM SP 178.771 Reeleito Engenheiro Civil Igreja Internacional da Graça de Deus
Missionário José Olimpio PP SP 154.597 Reeleito Empresário e comerciante Igreja Mundial do Poder de Deus
Pastor Gilberto Nascimento PSC SP 120.044 Novo Advogado, delegado de polícia e formado em Teologia Assembleia de Deus
Pastor Marco Feliciano PSC SP 398.087 Reeleito Conferencista, empresário, pastor evangélico Catedral do Avivamento, igreja ligada à Assembleia de Deus
Paulinho Freire PR SP 111.300 Reeleito Ministro do Evangelho Assembleia de Deus
Roberto Alves PRB SP 130.516 Novo Metalúrgico Iurd
Roberto de Lucena PV SP 67.191 Reeleito Conferencista, escritor, pastor evangélico O Brasil para Cristo
Vinicius Carvalho PRB SP 80.643 Novo Advogado Iurd

Críticas e controvérsias[editar | editar código-fonte]

De acordo com dados obtidos através do site Transparência Brasil, a maior parte dos parlamentares que participam da bancada evangélica são alvos de processos judiciais na Justiça Eleitoral e no Supremo Tribunal Federal (STF) por diversos crimes, tais como peculato, improbidade administrativa, sonegação de impostos, formação de quadrilha ou bando, abuso do poder econômico em eleições de que participaram, reprovação de prestação de contas nos Tribunais de Contas de estados e municípios e aos próprios TREs de seus estados de origem.[1][2][15][16]

Na matéria "Vinde a mim os eleitores", de 23 de março de 2013, a revista Veja publicou:

"A bancada evangélica também não foge à regra do Congresso Nacional quando o assunto são denúncias de corrupção. Dos 73 integrantes na Câmara, 23 respondem a processo no Supremo Tribunal Federal (STF). Há acusados de corrupção, peculato (desvio praticado por servidor público), crime eleitoral, uso de documento falso, lavagem de dinheiro e estelionato. Há até um condenado a prisão que pode ir para a cadeia em breve, que tem pena de treze anos e quatro meses a cumprir."[2]

Entre as críticas direcionadas a esse grupo político estão o uso de fiéis como plataforma política e massa de manobra, o desrespeito à laicidade do Estado brasileiro e ações para retroceder ou impedir o avanço da legislação em temas sociais e direitos de minorias.[1][2]

O deputado Tadeu Mudalen foi relator de uma comissão especial da Câmara dos Deputados, criada inicialmente para avaliar a ampliação da licença maternidade. No texto final divulgado em novembro de 2017 ele inseriu alterações que os movimentos feministas consideraram como um passo inicial à proibição do aborto até mesmo em casos de estupro.[5]

Representatividade[editar | editar código-fonte]

Pesquisa qualitativa coordenada por professores da Universidade Federal de São Paulo (Unifesp), sobre as atitudes políticas dos fieis participantes da 25ª Marcha para Jesus (realizada em São Paulo, a 15 de junho de 2017), mostrou que 76,9% dos pesquisados não se identificam com partido político, nem com lideranças da bancada evangélica. Os entrevistados também mostraram uma expressiva rejeição a propostas apoiadas pela bancada evangélica, tais como as reformas trabalhista e previdenciária). A maioria respondeu que "não confia" em políticos historicamente ligados aos evangélicos, como o deputado Jair Bolsonaro, do PSC (57,4%), a ex-senadora Marina Silva, da Rede (57%), o pastor e deputado federal Marco Feliciano, do PSC (54,1%), e o pastor e prefeito do Rio, Marcelo Crivella, do PRB (53,9%). Foram entrevistados 484 fieis, e a margem de erro da pesquisa é de 4.5%.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b c d e Gabriel Castro e Marcela Mattos (23 de março de 2013). Revista Veja, ed. «Vinde a mim os eleitores: a força da bancada evangélica no Congresso». Consultado em 1 de maio de 2013 
  2. a b c d Gabriel Castro e Marcela Mattos (23 de março de 2013). «Vinde a mim os eleitores». Revista Veja, Ed. Abril. Consultado em 22 de maio de 2014 
  3. Folha de S. Paulo, ed. (17 de junho de 2010). «Discussão do projeto mobilizou negros, ruralistas e evangélicos». Consultado em 5 de junho de 2014 
  4. Folha de S. Paulo, ed. (4 de dezembro de 2013). «Comissão de Feliciano derruba projetos sobre igualdade de gênero e raça». Consultado em 5 de junho de 2014 
  5. a b Bedinelli, Talita (10 de novembro de 2017). «Bancada evangélica converte proposta pró-mulher em projeto antiaborto». EL PAÍS. Consultado em 11 de novembro de 2017 
  6. iG, ed. (14 de abril de 2013). «Bancada evangélica age para barrar mudanças polêmicas no Código Penal». Consultado em 5 de junho de 2014 
  7. «Nota Pública - Comissão Nacional de Direitos Humanos apóia decisão do CFP». POL - Psicologia On Line 
  8. Folha de S. Paulo, ed. (2 de julho de 2013). «Líderes da bancada evangélica se articulam para apresentar novo projeto da 'cura gay'». Consultado em 5 de junho de 2014 
  9. «www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_mostrarintegra?codteor=1159761&filename=PL+6583/2013». www.camara.gov.br. Consultado em 28 de junho de 2015 
  10. «PL 6583/2013 - Projetos de Lei e Outras Proposições - Câmara dos Deputados». www.camara.gov.br. Consultado em 28 de junho de 2015 
  11. IG, ed. (14 de abril de 2013). «Principais líderes da bancada evangélica». Consultado em 1 de maio de 2013 
  12. Chico Marés (21 de abril de 2013). «Bancada evangélica seria 3.º partido da Câmara». Gazeta do Povo. Consultado em 22 de abril de 2013 
  13. a b c «Composição da Bancada Evangélica | Mídia, Religião e Política». www.metodista.br. Consultado em 31 de janeiro de 2017 
  14. «Atualização da bancada evangélica: DIAP identificou 74 deputados». Consultado em 7 de Junho de 2017 
  15. Paulo Lopes (3 de abril de 2013). «Maioria dos Deputados Evangélicos respondem por processos judiciais». Paulolopes.org.br. Consultado em 1 de maio de 2013 
  16. Gospel Mais (ed.). «Mais da metade dos deputados da bancada evangélica enfrenta processos na Justiça». Consultado em 1 de maio de 2013 
  17. Evangélicos da Marcha rejeitam lideranças religiosas na política e apoiam "respeito a gays", diz pesquisa. Por Janaina Garcia. UOL, 16 de junho de 2017

Ligações externas[editar | editar código-fonte]