Grupo Santander

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Banco Santander)
Grupo Santander
Grupo Santander
Grupo Santander
Edifício sede do banco no Paseo Pereda, em Santander
Razão social Banco Santander, S.A.
Empresa de capital aberto
Slogan O que a gente pode fazer por você hoje? (em português)
Cotação BMAD: SAN
NYSE: SAN
BMV:SAN
WSE:SAN
LSE:BNC
Atividade Serviços financeiros
Fundação 15 de maio de 1857 (166 anos)
Sede Santander, Cantábria, Espanha
Área(s) servida(s) Mundo
Presidente Ana Patricia Botín[1]
Vice-presidente Rodrigo Echenique Gordillo
Pessoas-chave José Antonio Alvarez (CEO)
Empregados Aumento193,863 (2015)[2]
Clientes 36,2 milhões
Produtos Banco de varejo, comercial, investimento e private banking, seguros, gestão de ativos, private equity
Ativos Aumento€1.444 trilhões (2017)[2]
Lucro Aumento€8.963 bilhões (2017)[2]
Faturamento Aumento€48.392 bilhões (2017)[2]
Website oficial www.santander.com

Grupo Santander é um grupo bancário global, liderado pelo Banco Santander, S.A., maior banco da Zona Euro em 2021.[3] Tem sua origem em Santander, Cantábria, Espanha. É a marca mais valiosa da Espanha.[4]

História[editar | editar código-fonte]

O Banco Santander foi fundado em 1857 como Banco de Santander.[5] Em 1999, ocorreu a fusão com o Banco Central Hispano, ou BCH, que, por sua vez, havia sido formado pela fusão em 1991 do Banco Central e do Banco Hispanoamericano. O banco resultante, conhecido como Banco Santander Central Hispano, ou BSCH,[6][7] foi concebido como uma "fusão de iguais", na qual os principais executivos das duas empresas preexistentes compartilhariam o controle da entidade combinada. Pouco após a fusão, antigos executivos do BCH acusaram o presidente do Banco Santander, Emilio Botín Sanz de Sautuola, e García de los Ríos, que o sucedeu, de tentar impor sua própria agenda e ameaçaram tomar medidas legais. Esse desacordo pós-fusão foi resolvido quando os executivos do BCH, José Amusátegui e Angel Corcóstegui, concordaram em aceitar pagamentos de rescisão, se aposentar e ceder o controle a Botín, a um custo de 183 milhões de euros para os acionistas.[6] Os grandes pagamentos de rescisão geraram publicidade negativa, e Botín acabou sendo levado a julgamento por acusações criminais de "desvio de fundos" e "gestão irresponsável". No entanto, em abril de 2005, o tribunal o absolveu de todas as acusações, sendo constatado que os pagamentos de aposentadoria de 164 milhões de euros feitos aos dois ex-executivos eram legais e "compensação pelos serviços prestados ao banco". Ainda naquele ano, a divisão anticorrupção do Ministério Público da Espanha também absolveu Botín de todas as acusações em um caso separado, no qual ele foi acusado de insider trading.[8] Em 2007, o banco oficialmente retomou o nome oficial Banco Santander S.A.[9]

Em 1996, o Banco Santander adquiriu o Grupo Financiero InverMexico.[10] Em 2000, o Banco Santander Central Hispano adquiriu o Grupo Financiero Serfin do México.[11] Em 26 de julho de 2004, o Banco Santander Central Hispano anunciou a aquisição da Abbey National plc. Após a aprovação dos acionistas na Assembleia Geral Extraordinária da Abbey (95% votaram a favor, apesar da oposição vocal da maioria dos presentes) e do Santander, a aquisição foi formalmente aprovada pelos tribunais e a Abbey se tornou parte do Grupo Santander em 12 de novembro de 2004.[12] Em junho de 2006, o Banco Santander Central Hispano adquiriu quase 20% do Sovereign Bank e obteve a opção de comprar o banco (na época, o valor de mercado era de aproximadamente 40 dólares por ação) por um ano a partir do meio de 2008.[13]

Em maio de 2007, o Banco Santander Central Hispano anunciou que, em conjunto com o Royal Bank of Scotland e o Fortis, faria uma oferta pela ABN AMRO. A participação do BSCH na oferta totalizava 28% e a oferta deveria ser composta por um aumento de capital por meio de uma nova emissão de ações. Em outubro de 2007, o consórcio superou a oferta do Barclays e adquiriu a ABN AMRO. Como parte do acordo, o Grupo Santander adquiriu a subsidiária da ABN AMRO no Brasil, o Banco Real, e a subsidiária na Itália, a Banca Antonveneta.[14] Em 13 de agosto de 2007, o Banco Santander Central Hispano mudou seu nome legal para Banco Santander. Naquele mesmo ano, vendeu a Banca Antonveneta para o Banco Monte dei Paschi di Siena, exceto uma subsidiária, a Interbanca. Em março de 2008, o Banco Santander vendeu a Interbanca para a GE Commercial Finance, recebendo em troca os negócios da GE Money na Alemanha, Finlândia e Áustria, e os negócios de cartão e financiamento de automóveis da GE no Reino Unido, que foram integrados à Santander Consumer Finance.[15]

"Cidade Financeira de Boadilla", localizada em Madri, Espanha.
"Banco Santander Building" at 53rd Street, Nova Iorque, anteriormente a sede do banco nos Estados Unidos.

Em julho de 2008, o grupo anunciou que pretendia adquirir o banco do Reino Unido, Alliance & Leicester, que possuía 24 bilhões de libras esterlinas em depósitos e tinha 254 agências.[16] O Santander também comprou o negócio de poupança do Bradford & Bingley em setembro de 2008, que possuía depósitos de 22 bilhões de libras esterlinas, 2,6 milhões de clientes, 197 agências e 140 agências.[17] A aquisição do Alliance & Leicester foi concluída em outubro de 2008, quando as ações do B&B foram retiradas da Bolsa de Valores de Londres. No final de 2010, os dois bancos se fundiram com o Abbey National sob a marca Santander UK.[18] Em outubro de 2008, o Grupo anunciou a aquisição de 75,65% do Sovereign Bancorp que ainda não possuía por aproximadamente 1,9 bilhões de dólares (1,4 bilhões de euros). Devido à crise financeira de 2008 na época, o preço das ações do Sovereign havia caído muito: em vez dos 40 dólares por ação que teria custado em 2006, o Banco Santander acabou pagando menos de 3 dólares por ação. A aquisição do Sovereign deu ao Santander seu primeiro banco de varejo no continente dos Estados Unidos.[19] O Santander renomeou o banco para melhorar o reconhecimento global de sua marca em outubro de 2013.[20] Em 14 de dezembro de 2008, foi revelado que o colapso do esquema Ponzi de Bernard Madoff poderia significar a perda de 2,33 bilhões de euros no Banco Santander.[21]

Em 10 de novembro de 2009, a HSBC Finance Corporation anunciou que suas entidades de financiamento automotivo haviam chegado a um acordo com a Santander Consumer USA Inc. (SC USA) para vender as operações de empréstimo automotivo dos EUA do HSBC, US$ 1 bilhão em recebíveis de empréstimo automotivo por 904 milhões de dólares em dinheiro e celebrar um acordo de prestação de serviços de empréstimo para o restante de sua carteira de empréstimo automotivo dos EUA liquidada. A transação foi concluída no primeiro trimestre de 2010.[22]

Em setembro de 2010, o Santander comprou o Bank Zachodni WBK do Allied Irish Banks. Em 28 de fevereiro de 2012, o Santander anunciou que havia chegado a um acordo com o KBC Bank para comprar a subsidiária do KBC, o Kredyt Bank, na Polônia. O Santander fundiu o Bank Zachodni WBK e o Kredyt para criar o terceiro maior banco da Polônia, avaliado em cerca de 5 bilhões de euros (6,7 bilhões de dólares), com uma participação de mercado de 9,6% em depósitos, 8,0% em empréstimos, 12,9% em agências (899) e mais de 3,5 milhões de clientes de varejo. Como resultado da fusão, o Santander passou a deter 76,5% do banco combinado e o KBC passou a deter cerca de 16,4%; outros acionistas detinham cerca de 7,1% das ações do banco combinado. O Santander afirmou que pretendia comprar mais ações do KBC no banco combinado para reduzir a participação do KBC abaixo de 10%; o KBC afirmou que pretendia vender sua participação restante.[23] O KBC vendeu sua participação acionária e o Santander possui 75% do banco, o restante está em flutuação livre. Em dezembro de 2012, o Banco Santander anunciou que absorveria o Banesto e o Banco BANIF, comprando os 10% restantes do Banesto que ainda não possuía.[24]

Em outubro de 2013, o Santander adquiriu 51% da maior empresa de financiamento ao consumidor da Espanha, a Financiera El Corte Inglés, por cerca de 140 milhões de euros.[25] Em 2013, o Santander adquiriu uma participação de 470 milhões de euros no Banco de Xangai do HSBC, a fim de reequilibrar seus negócios para o mercado asiático.[26] Em junho de 2014, o Santander comprou o GE Money Bank, o negócio de financiamento ao consumidor da GE Capital na Suécia, Noruega e Dinamarca, por 700 milhões de euros (950 milhões de dólares).[27] Em setembro de 2014, foi anunciado que o Santander estava em negociações para fundir sua unidade de gestão de ativos com a da UniCredit para criar uma empresa europeia avaliada em 350 bilhões de euros em ativos.[28] Em novembro de 2014, o Banco Santander adquiriu uma participação de 5,1% na Monitise Plc por 33 milhões de libras esterlinas.[29] Em 7 de junho de 2017, o Banco Santander comprou o Banco Popular Español por um preço simbólico de 1 euro.[30]

Em 2018, o banco anunciou um esforço de três anos na América Latina para aumentar sua presença no mercado, especialmente no Brasil e no México, com foco nos super-ricos desses países.[31]

Em 13 e 14 de julho de 2019, a integração de toda a rede do Banco Popular foi concluída. Isso significou o fim definitivo da marca Popular do ponto de vista comercial.[32]

Em 13 de junho de 2022, a Dodge & Cox tornou-se o segundo maior acionista do Santander em uma operação realizada. O fundo americano tem uma participação de 3,038% no banco. No momento da compra, dada o valor de 2,64 euros por ação, essa participação foi avaliada em 1.364 milhões de euros.[33]

Presença internacional[editar | editar código-fonte]

Países com presença de empresas do Grupo Santander

Brasil[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Banco Santander (Brasil)

O Banco Santander no Brasil é o terceiro maior banco no país, atrás somente do Itaú Unibanco e do Bradesco.[34]

Em 20 de novembro de 2000, o Grupo Santander adquiriu o capital votante do então Banco do Estado de São Paulo, que por sua vez imprimiu novos rumos na administração.[35] No entanto, por força do regulamento da privatização, os vencimentos dos funcionários públicos do estado de São Paulo permaneceram até 31 de dezembro de 2006 no então Banco do Estado de São Paulo. Após esta data todos os funcionários públicos estaduais sejam da ativa ou aposentados transferiram seus vencimentos para a Nossa Caixa, que na época era o novo banco estadual de São Paulo, vendido posteriormente ao Banco do Brasil.

A operação do Banco Santander Brasil representa 30% do lucro do grupo.[36]

Portugal[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Banco Santander Portugal

O Banco Santander em Portugal foi fundado em 1988,[37] e é atualmente o terceiro maior banco (o segundo é o Banco Comercial Português e o primeiro é a Caixa Geral de Depósitos, banco público). A presença do Banco Santander em Portugal começou pela compra de 10% do Banco de Comércio e Indústria em 1988 tendo atingido a participação maioritária em 1993. Banco Santander Totta surgiu da fusão em 2004 entre o Banco Santander, o Banco Totta e Açores e o Banco Crédito Predial Português, adquiridos em 2000. Nesta fusão o Banco Santander permaneceu como accionista maioritário. As 3 marcas mantêm-se até 2006 passando a denominar-se Banco Santander Totta.

Em dezembro de 2015, o Banco Internacional do Funchal é também incorporado. Em junho de 2017, o Banco Popular é incorporado no Banco Santander Totta. Em 2018, o Banco Santander Totta passou a designar-se Banco Santander Portugal, no âmbito da estratégia de renovação da marca global do Grupo Santander.

Operações internacionais[editar | editar código-fonte]

Agência do Santander em Berlim, Alemanha.
Uma agência do Santander em Cardiff, País de Gales.
Agência do Santander no Rio de Janeiro.
Santander Tower em Dallas, Texas.

O Grupo Santander opera em toda a Europa, América do Sul, América do Norte e Ásia, em parte devido às suas aquisições. Em 2013, contava com mais de 186.000 funcionários, 14.392 agências, 3,26 milhões de acionistas e 102 milhões de clientes. A atividade principal das operações do Santander é a banca de varejo, que gera 74% do lucro do grupo.[38]

Em 10 de junho de 2010, o Grupo Santander anunciou que investiria aproximadamente US$ 270 milhões (200 milhões de euros) em Campinas, Brasil, para criar um centro de tecnologia para pesquisa e processamento de dados e um centro de dados para apoiar operações na América do Norte, América Central e América do Sul. O novo centro seria estabelecido dentro da 'Development Company for High Technology Cluster of Campinas' em 1 milhão de metros quadrados. A construção começou em janeiro de 2011, oferecendo mais de 8.000 empregos diretos e indiretos, a inauguração aconteceu somente em 2014.[39][40][41]

Em 2013, a empresa global de crescimento de capital General Atlantic, juntamente com a Warburg Pincus LLC, adquiriu uma participação de 50% na Santander Asset Management.[42]

Em 2010, o Banco Santander expandiu-se para a China, concentrando-se em serviços de financiamento comercial e estabelecendo uma joint venture com o China Construction Bank.[43] A parceria foi criada em 2011 com fundos iniciais de 3,5 bilhões de yuans (530 milhões de dólares).[44]

Europa[editar | editar código-fonte]

  • Áustria
    • Santander Consumer Bank GmbH
  • Bélgica
    • Santander Consumer Finance Benelux B.V.
  • Dinamarca
    • Santander Consumer Bank AS
  • Finlândia
    • Santander Consumer Finance Oy
  • França
    • Banco Santander, S.A. - Escritório de Representação em Paris
  • Alemanha
    • Santander Consumer Bank AG
    • Santander Bank (Filial da Santander Consumer Bank AG)
    • Santander Consumer Debit GmbH
    • Santander Consumer Leasing GmbH
  • Itália
    • Santander Consumer Bank S.p.A.
    • Santander Private Banking
  • Luxemburgo
    • Banco Santander Totta S.A.
  • Países Baixos
    • Santander Consumer Finance Benelux B.V.
  • Noruega
    • Santander Consumer Bank AS
  • Polônia
  • Portugal
    • Banco Santander Totta
    • Banco Popular Portugal
    • Banco Santander Consumer Portugal, SA
    • WiZink Portugal
    • Hispamer
  • Espanha
  • Suécia
    • Santander Consumer Bank AS
  • Suíça
    • Santander Private Banking
  • Reino Unido

Américas[editar | editar código-fonte]

  • Argentina
  • Brasil
  • Canadá
    • Santander Consumer - Anteriormente conhecido como CARFINCO - Baseado em Edmonton, Alberta, Canadá
  • Chile
  • Colômbia
    • Banco Santander de Negocios Colombia S.A.
  • México
  • Peru
    • Banco Santander Peru S.A.
  • Estados Unidos
    • Banco Santander Puerto Rico
    • Santander Private Banking
    • Santander Bank
    • Santander Consumer USA
    • Santander Global Banking & Markets
    • Santander Overseas Bank
    • RoadLoans
    • HelpingLoans
    • TotalBank (Miami Dade)
  • Uruguai
    • Banco Santander Uruguai

Ásia e Austrália[editar | editar código-fonte]

  • China
    • Banco Santander, S.A. - Filial de Xangai
    • Banco Santander, S.A. - Filial de Pequim
  • Hong Kong
    • Banco Santander, S.A. - Filial de Hong Kong
  • Singapura
    • Banco Santander, S.A. - Filial de Singapura

África[editar | editar código-fonte]

  • Attijariwafa Bank (participação de 4,55%)

Referências

  1. «Após morte do pai, Ana Botín é eleita nova presidente do Grupo Santander». Folha de S.Paulo. Consultado em 10 de setembro de 2014 
  2. a b c d «Cópia arquivada» (PDF). Consultado em 10 de junho de 2018. Arquivado do original (PDF) em 20 de fevereiro de 2018 
  3. «Top 10 largest banks in Europe». FinTech Magazine (em inglês). Consultado em 22 de novembro de 2021 
  4. «Santander, Zara e Movistar se consolidam como as marcas mais valiosas da Espanha – Espanha Fácil». 26 de março de 2021. Consultado em 23 de julho de 2023 
  5. chcom (8 de fevereiro de 2020). «Santander Bank (Banco Santander)». CompaniesHistory.com - The largest companies and brands in the world (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  6. a b Guillén, Mauro F.; Tschoegl, Adrian (1 de julho de 2008). Building a Global Bank: The Transformation of Banco Santander (em inglês). [S.l.]: Princeton University Press 
  7. Wankel, C., Encyclopedia of Business in Today's World, Vol 1 (Thousand Oaks: SAGE Publishing, 2009) page 106.
  8. Guillén, M. F., & Tschoegl, A., Building a Global Bank: The Transformation of Banco Santander (Princeton: Princeton University Press, 2008),p. 175
  9. «Corporate name | Shareholders and Investors | Santander Bank». www.santander.com (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  10. Alonso, Carlos (24 de outubro de 1996). «El Santander cierra la compra del 75% del Banco Mexicano». Madrid. El País (em espanhol). ISSN 1134-6582. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  11. https://www.latimes.com/staff/chris-kraul (9 de maio de 2000). «Mexican Banking Deal Reflects Brighter Outlook». Los Angeles Times (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  12. «HBOS fury as EU backs Santander's Abbey bid». The Independent (em inglês). 5 de setembro de 2004. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  13. Talcott, Sasha (25 de outubro de 2005). «Spanish bank buys Sovereign stake». Boston.com. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  14. Bjork, Christopher. «Santander buys ABN global clients in Brazil from RBS». MarketWatch (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  15. «GE, Santander finalize GE Money, Interbanca deal». Reuters (em inglês). 2 de junho de 2008. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  16. «Santander agrees £1.2bn A&L deal» (em inglês). 14 de julho de 2008. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  17. «Santander buys B&B branch network and deposit book». www.telegraph.co.uk. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  18. «Santander scraps UK bank brands». Consultado em 2 de agosto de 2023 
  19. October 20, Linda McGlasson •; 2008. «Banco Santander Buys Sovereign Bank for $1.9 Billion». www.bankinfosecurity.com (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  20. O'Leary, Noreen. «Sovereign\Santander Picks New Agency». www.adweek.com (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  21. «Bloomberg Politics - Bloomberg». Bloomberg.com (em inglês). 1 de agosto de 2023. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  22. «HSBC Finance, Santander Consumer in Agreement on HSBC's US Auto Business». www.sec.gov. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  23. «Santander to Buy KBC's Kredyt Bank to Boost Polish Business». Consultado em 2 de agosto de 2023 
  24. «Santander absorbs Banesto and Banif and shuts branches». BBC News (em inglês). 17 de dezembro de 2012. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  25. «Spain's Santander to buy 51 percent of El Corte Ingles finance arm». Reuters (em inglês). 7 de outubro de 2013. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  26. Bray, Chad (11 de dezembro de 2013). «Santander to Buy Stake in Bank of Shanghai for $647 Million». DealBook (em inglês). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  27. «UPDATE 1-Santander to buy GE consumer finance business in Northern Europe». Reuters (em inglês). 23 de junho de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  28. «UniCredit, Santander in talks to merge asset management units». Reuters (em inglês). 23 de setembro de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  29. «Santander takes five percent stake in mobile banking firm Monitise». Reuters (em inglês). 27 de novembro de 2014. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  30. Buck, Tobias (7 de junho de 2017). «Santander takes over 'failing' rival Banco Popular after EU steps in». Financial Times. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  31. Ross, Alice (2 de dezembro de 2018). «Santander targets super-rich in three-year expansion plan». Financial Times. Consultado em 2 de agosto de 2023 
  32. https://es-es.facebook.com/EconomiaDigital.es (15 de julho de 2019). «Fin del Banco Popular: Santander extingue la marca - Economía Digital» (em espanhol). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  33. Sobrino, Ricardo (16 de junho de 2022). «Dodge & Cox aflora un 3% en Santander y se convierte en su segundo accionista». Cinco Días (em espanhol). Consultado em 2 de agosto de 2023 
  34. «Com ABN Amro Real, Santander vira 3o maior banco do Brasil». O Globo. 5 de outubro de 2007. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  35. Londrina, Folha de. «Santander compra Banespa por R$ 7 bi». Folha de Londrina. Consultado em 11 de janeiro de 2021 
  36. «Lucro da filial brasileira do Santander cai 15,8% no 2.º trimestre». Estadão. 30 de julho de 2013. Consultado em 25 de novembro de 2013 
  37. «Cópia arquivada». Consultado em 20 de abril de 2019. Arquivado do original em 28 de dezembro de 2014 
  38. «Dónde estamos | Sobre Nosotros | Banco Santander». www.santander.com (em espanhol). Consultado em 27 de julho de 2023 
  39. «Santander vai construir data center de R$ 450 mi em Campinas». Exame. 10 de outubro de 2010. Consultado em 27 de julho de 2023 
  40. EFE, Agencia (10 de junho de 2010). «Santander deve investir RS$ 450 milhões em polo tecnológico em Campinas». Mundo. Consultado em 27 de julho de 2023 
  41. Conteúdo, Estadão (21 de agosto de 2022). «Santander investe R$ 1,1 bi em novo data center em SP». Época Negócios. Consultado em 27 de julho de 2023 
  42. Dezember, Ryan (30 de maio de 2013). «Warburg, General Atlantic Buy Half of Santander's Asset Management Arm». Wall Street Journal (em inglês). ISSN 0099-9660. Consultado em 27 de julho de 2023 
  43. «Banco Santander to put China as priority». South China Morning Post (em inglês). 5 de novembro de 2010. Consultado em 27 de julho de 2023 
  44. «CCB, Santander to Set Up 3.5 Billion Yuan Rural Joint Venture». Bloomberg.com (em inglês). 27 de março de 2011. Consultado em 27 de julho de 2023 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um banco ou instituição financeira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.