Doação de sangue

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Banco de sangue)
Doação de sangue em Brasília, Brasil

Doação de sangue é o processo pelo qual um doador tem seu sangue coletado para armazenamento em um banco de sangue ou hemocentro para um uso subsequente em uma transfusão de sangue.

No mundo desenvolvido, a maioria dos doadores de sangue são voluntários não remunerados que doam sangue para um suprimento comunitário. Em alguns países, os suprimentos estabelecidos são limitados e os doadores geralmente doam sangue quando familiares ou amigos precisam de uma transfusão. Muitos doadores doam por diversos motivos, como uma forma de caridade, conscientização geral sobre a demanda de sangue, aumento da confiança em si mesmo, ajuda a um amigo ou parente pessoal e pressão social. Apesar das muitas razões pelas quais as pessoas doam, poucos doadores em potencial doam ativamente. No entanto, isso é revertido durante os desastres, quando as doações de sangue aumentam, muitas vezes criando um estoque excessivo que terá de ser descartado posteriormente. No entanto, em países que permitem doações pagas, algumas pessoas são pagas e, em alguns casos, existem outros incentivos além do dinheiro, como férias pagas do trabalho. As pessoas também podem ter sangue coletado para seu próprio uso futuro (doação autóloga). Doar é relativamente seguro, mas alguns doadores apresentam hematomas onde a agulha é inserida ou podem desmaiar.

Os doadores potenciais são avaliados por qualquer coisa que possa tornar seu sangue inseguro para uso. A triagem inclui testes para doenças que podem ser transmitidas por uma transfusão de sangue, incluindo HIV e hepatite viral. A Organização Mundial de Saúde celebra desde 2005, o Dia Mundial do Doador de Sangue em 14 de junho.[1]

Tipos[editar | editar código-fonte]

Um ônibus de coleta de sangue da Cruz Vermelha Japonesa.

As doações de sangue são divididas em grupos com base em quem receberá o sangue coletado.[2] Uma doação 'alogênica' (também chamada de 'homóloga') ocorre quando um doador dá sangue para armazenamento em um banco de sangue para transfusão a um receptor desconhecido. Uma doação 'dirigida' ocorre quando uma pessoa, geralmente um membro da família, doa sangue para transfusão a um indivíduo específico.[3] As doações direcionadas são relativamente raras quando existe um suprimento estabelecido.[4] Uma doação de 'doador de reposição' é um híbrido das duas, nesse caso, um voluntário doa sangue para repor o sangue armazenado e usado em uma transfusão, geralmente vinculada a uma pessoa, garantindo um estoque.[5] Quando um sujeito tem sangue guardado, em que será transfundido de volta ao doador em uma data posterior, geralmente após a cirurgia, isso é chamado de 'doação autóloga'.[6] O sangue usado para fazer medicamentos pode ser feito de doações alogênicas ou de doações usadas exclusivamente para a fabricação.[7]

O processo real varia conforme as leis do país, e as recomendações aos doadores variam conforme a organização de coleta.[8][9][10] A Organização Mundial da Saúde fornece recomendações para políticas de doação de sangue,[11] mas em países em desenvolvimento muitas delas não são seguidas. Por exemplo, o teste recomendado requer instalações de laboratório, equipe treinada e reagentes especializados, os quais podem não estar disponíveis ou podem ser muito caros em países em desenvolvimento.[12]

Triagem[editar | editar código-fonte]

Normalmente, os doadores precisam dar consentimento para o processo e atender a determinados critérios, como peso e níveis de hemoglobina, e esse requisito significa que os menores não podem doar sem a permissão de um dos pais ou responsável.[13] Em alguns países, as respostas são associadas ao sangue do doador, mas não ao nome, para fornecer anonimato; em outros, como os Estados Unidos, os nomes são mantidos para criar listas de doadores inelegíveis.[14] Se um doador potencial não atender a esses critérios, eles serão 'adiados'. Este termo é usado porque muitos doadores que não são elegíveis podem ter permissão para doar mais tarde. Os bancos de sangue nos Estados Unidos podem ser obrigados a rotular o sangue se for de um doador terapêutico, portanto, alguns não aceitam doações de doadores com qualquer doença do sangue.[15] Outros, como o Serviço de Sangue da Cruz Vermelha Australiana, aceitam sangue de doadores com hemocromatose. É uma doença genética que não afeta a segurança do sangue.[16]

A raça ou origem étnica do doador às vezes é importante, pois certos sistemas de grupos sanguíneos, especialmente os raros, são mais comuns em certos grupos étnicos.[17] Historicamente, nos Estados Unidos, os doadores eram segregados ou excluídos por raça, religião ou etnia, mas isso não é mais uma prática padrão.[18][19]

Segurança do destinatário[editar | editar código-fonte]

Políticas de doação de sangue para homens que fazem sexo com homens
  Os homens que fazem sexo com homens podem doar sangue; sem adiamento
  - Os homens que fazem sexo com homens podem doar sangue; adiamento temporário
  - Os homens que fazem sexo com homens não podem doar sangue; diferimento permanente
  - Sem dados
Políticas de doação de sangue para parceiras sexuais de homens que fazem sexo com homens
  - Os parceiros sexuais femininos de homens que fazem sexo com homens podem doar sangue; sem adiamento
  - Os parceiros sexuais femininos de homens que fazem sexo com homens podem doar sangue; adiamento temporário
  - Os parceiros sexuais femininos de homens que fazem sexo com homens não podem doar sangue; diferimento permanente
  - Sem dados

Os doadores são examinados quanto a riscos à saúde que podem tornar a doação insegura para o receptor. Algumas dessas restrições são controversas, como restringir as doações de homens que fazem sexo com homens (HSH) devido ao risco de transmissão do HIV.[20] Em 2011, o Reino Unido (excluindo a Irlanda do Norte) reduziu sua proibição geral de doadores HSH a uma restrição que apenas impede de doarem sangue se eles fizeram sexo com outros homens no ano passado.[21] Uma mudança semelhante foi feita nos EUA no final de 2015 pelo FDA.[22] Em 2017, o Reino Unido e os EUA reduziram ainda mais suas restrições para três meses. Em 2020, o Brasil revogou uma medida que restringiam a doação de homens que tiveram relações sexuas com outros homens nos últimos 12 meses.[23] HSH podem doar sem impedimentos no Brasil,[23][24] e em Portugal.[25][26] Os doadores autólogos nem sempre são rastreados para problemas de segurança do receptor, visto que o doador é a única pessoa que receberá o sangue.[27] Como o sangue doado pode ser dado a mulheres grávidas ou em idade fértil, os doadores que tomam medicamentos teratogênicos (causadores de defeitos de nascença) são adiados. Esses medicamentos incluem acitretina, etretinato, isotretinoína, finasterida e dutasterida.[28]

Os doadores são examinados em busca de sinais e sintomas de doenças que podem ser transmitidas em uma transfusão de sangue, como HIV, malária e hepatite viral.[29][30][31]

Segurança do doador[editar | editar código-fonte]

O doador também é examinado e recebe perguntas específicas sobre seu histórico médico para garantir que a doação de sangue não seja prejudicial à saúde. O hematócrito ou o nível de hemoglobina do doador são testados para garantir que a perda de sangue não os torne anêmicos, e essa verificação é o motivo mais comum de um doador não ser elegível.[32] Os níveis de hemoglobina aceitos para doações de sangue, pela Cruz Vermelha Americana, são 12,5g/dL (para mulheres) e 13,0g/dL (para homens) a 20,0g/dL, qualquer pessoa com um nível de hemoglobina maior ou menor não pode doar.[33] Pulso, pressão sanguínea e temperatura corporal também são avaliados. Os doadores idosos às vezes também são adiados apenas pela idade devido a questões de saúde.[34]  Além da idade, o peso e a altura são fatores importantes ao se considerar a elegibilidade para doadores. Por exemplo, a Cruz Vermelha Americana exige que um doador tenha 110 libras (50 kg) ou mais para doação de sangue total e plaquetas e pelo menos 130 libras (59 kg) (homens) e pelo menos 150 libras (68 kg) (mulheres) para red donations.[35] A segurança da doação de sangue durante a gravidez não foi estudada completamente, e as mulheres grávidas são geralmente adiadas até seis semanas após a gravidez.[36]

Teste de sangue[editar | editar código-fonte]

Relatório de triagem de saúde de um paciente dado após uma doação de sangue (em inglês)

O tipo de sangue do doador deve ser determinado se o sangue será usado para transfusões. A agência de coleta geralmente identifica se o sangue é do tipo A, B, AB ou O e do tipo Rh (D) do doador e fará a triagem de anticorpos para antígenos menos comuns. Mais testes, incluindo uma prova cruzada, são geralmente feitos antes de uma transfusão. O tipo O Negativo é frequentemente citado como o "doador universal",[37] mas isso só se refere a célula vermelha e transfusões de sangue total. Para transfusões de plasma e plaquetas, o sistema é invertido: AB positivo é o tipo de doador universal de plaquetas, enquanto AB positivo e AB negativo são tipos universais de doador de plasma.[38][39]

A maior parte do sangue é testada para doenças, incluindo algumas DSTs.[40] Os testes usados ​​são testes de triagem de alta sensibilidade e nenhum diagnóstico real é feito. Posteriormente, alguns dos resultados do teste foram considerados falsos positivos usando testes mais específicos.[41] Falsos negativos são raros, mas os doadores são desencorajados a usar a doação de sangue para fins de rastreamento anônimo de DST porque um falso negativo pode significar uma unidade contaminada. O sangue é geralmente descartado se esses testes forem positivos, mas há algumas exceções, como doações autólogas. O doador é geralmente notificado sobre o resultado do teste.[42]

O sangue doado é testado por vários métodos, mas os testes básicos recomendados pela Organização Mundial da Saúde são estes quatro:[43]

A OMS relatou em 2006 que 56 dos 124 países pesquisados ​​não usaram esses testes básicos em todas as doações de sangue.[12]

Uma variedade de outros testes para infecções transmitidas por transfusão são frequentemente usados ​​com base nos requisitos locais. Testes adicionais são caros e, em alguns casos, os testes não são implementados por causa do custo.[44] Esses testes adicionais incluem outras doenças infecciosas, como febre do Nilo Ocidental[45] e babesiose.[46] Às vezes, vários testes são usados ​​para uma única doença para cobrir as limitações de cada teste. Por exemplo, o teste de anticorpos do HIV não detectará um doador infectado recentemente, portanto, alguns bancos de sangue usam um antígeno p24 ou ácido nucleico do HIV, além do teste básico de anticorpos para detectar doadores infectados durante esse período. O citomegalovírus é um caso especial no teste de doadores, pois muitos doadores apresentam resultado positivo.[47] O vírus não é um perigo para um receptor saudável, mas pode prejudicar bebês[48] e outros receptores com sistema imunológico fraco.[47]

Obtendo o sangue[editar | editar código-fonte]

Um marinheiro da Marinha dos EUA doando sangue.
O braço de um doador em vários estágios de doação. As duas fotos à esquerda mostram um medidor de pressão arterial sendo usado como torniquete

Existem dois métodos principais de obtenção de sangue de um doador. O mais frequente é simplesmente retirar o sangue de uma veia como sangue total. Esse sangue é normalmente separado em partes, geralmente glóbulos vermelhos e plasma, uma vez que a maioria dos receptores precisa apenas de um componente específico para as transfusões. Uma doação típica é de 450 mililitros (ou aproximadamente meio litro)[49] de sangue total, embora 500 mililitros também sejam comuns. Historicamente, os doadores de sangue na Índia doariam apenas 250 ou 350 mililitros e os doadores na República Popular da China doariam apenas 200 mililitros, embora doações maiores de 300 e 400 mililitros tenham se tornado mais comuns.[50]

Para transfusões diretas, uma veia pode ser usada, mas o sangue pode ser retirado de uma artéria.[51] Nesse caso, o sangue não é armazenado, mas é bombeado diretamente do doador para o receptor. Este foi um dos primeiros métodos de transfusão de sangue e raramente é usado na prática moderna.[52] Foi interrompido durante a Segunda Guerra Mundial por causa de problemas com logística, e os médicos que voltavam do tratamento de soldados feridos abriram bancos para o sangue armazenado quando eles voltaram à vida civil.[53]

Preparação do local e extração de sangue[editar | editar código-fonte]

Inserção de uma agulha em forma de borboleta em uma veia para iniciar o processo de coleta de sangue

O sangue é coletado de uma grande veia do braço próxima à pele, geralmente a veia cubital mediana na parte interna do cotovelo. A pele sobre o vaso sanguíneo é limpa com um antisséptico como iodo ou clorexidina[54] para evitar que bactérias da pele contaminem o sangue coletado[54] e também para prevenir infecções onde a agulha perfurou a pele do doador.[55]

Uma agulha grande[56] (calibre 16 a 17) é usada para minimizar as forças de cisalhamento que podem danificar fisicamente os glóbulos vermelhos à medida que fluem pela agulha.[57] Às vezes, um torniquete é enrolado na parte superior do braço para aumentar a pressão do sangue nas veias do braço e acelerar o processo. O doador também pode ser solicitado a segurar um objeto e apertá-lo repetidamente para aumentar o fluxo sanguíneo na veia.[58]

Sangue total[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Sangue total
Uma bandeja mecânica agita a bolsa para misturar o sangue com anticoagulantes e evitar a coagulação

O método mais comum é coletar o sangue da veia do doador em um recipiente. A quantidade de sangue retirada varia de 200 mililitros a 550 mililitros, dependendo do país, mas 450–500 mililitros é típico.[47] O sangue geralmente é armazenado em um saco plástico flexível que também contém citrato de sódio, fosfato, dextrose e adenina. Essa combinação evita que o sangue coagule e o preserva durante o armazenamento por até 42 dias.[59][60][61]

O plasma do sangue total pode ser usado para fazer plasma para transfusões ou também pode ser processado em outros medicamentos por meio de um processo chamado fracionamento. Este foi um desenvolvimento do plasma seco usado para tratar os feridos durante a Segunda Guerra Mundial e variantes do processo ainda são usadas para fazer uma variedade de outros medicamentos.[62][63]

Aférese[editar | editar código-fonte]

Plaquetas coletadas usando aférese em um centro de doação da Cruz Vermelha Americana

A aférese é um método de doação de sangue em que o sangue passa por um aparelho que separa um constituinte específico e retorna o restante ao doador. Normalmente, o componente retornado são os glóbulos vermelhos, a parte do sangue que leva mais tempo para ser substituída. Usando este método, um indivíduo pode doar plasma ou plaquetas com muito mais frequência do que doar sangue total com segurança.[64]

As plaquetas também podem ser separadas do sangue total, mas devem ser reunidas de várias doações. De três a dez unidades de sangue total são necessárias para uma dose terapêutica.[65] Durante uma doação de plaquetas, o sangue é coletado do paciente e as plaquetas são separadas dos outros componentes do sangue. O restante do sangue, glóbulos vermelhos, plasma e glóbulos brancos são devolvidos ao paciente. Este processo é realizado várias vezes por um período de até duas horas para coletar uma única doação.[66]

A aférese também é usada para coletar mais glóbulos vermelhos do que o normal em uma única doação e para coletar glóbulos brancos para transfusão.[67][68]

Recuperação e tempo entre doações[editar | editar código-fonte]

Uma agulha relativamente grande é usada para doações de sangue

Os doadores geralmente são mantidos no local da doação por 10-15 minutos após a doação, pois a maioria das reações adversas ocorre durante ou imediatamente após a doação.[69] Os hemocentros normalmente fornecem lanches leves, como suco de laranja e biscoitos, ou uma mesada para ajudar o doador a se recuperar.[70] O local da agulha é coberto com um curativo e o doador é orientado a mantê-lo por várias horas.[49]

O plasma doado é substituído após 2–3 dias.[71] Os glóbulos vermelhos são substituídos pela medula óssea no sistema circulatório em uma taxa mais lenta, em média 36 dias em homens adultos saudáveis. Em um estudo, o intervalo foi de 20 a 59 dias para a recuperação.[72]

Os doadores de plasmaférese e plaquetaférese podem doar com muito mais frequência porque não perdem quantidades significativas de glóbulos vermelhos. A taxa exata de frequência com que um doador pode doar difere de país para país. Por exemplo, os doadores de plasmaferese nos Estados Unidos podem doar grandes volumes duas vezes por semana e podem doar nominalmente 83 litros (cerca de 22 galões) em um ano, enquanto o mesmo doador no Japão pode doar apenas a cada duas semanas e só poderia doar cerca de 16 litros (cerca de 4 galões) em um ano.[73]

A suplementação de ferro diminui as taxas de adiamento do doador devido à baixa hemoglobina, tanto na primeira visita de doação quanto nas doações subsequentes. Os doadores com suplemento de ferro têm maiores estoques de hemoglobina e ferro. Por outro lado, a suplementação de ferro frequentemente causa diarréia, constipação e desconforto abdominal epigástrico. Os efeitos a longo prazo da suplementação de ferro sem medição dos estoques de ferro são desconhecidos.[74]

Complicações[editar | editar código-fonte]

Os doadores são examinados quanto a problemas de saúde que os colocariam em risco de complicações graves devido à doação. Doadores pela primeira vez, adolescentes e mulheres correm maior risco de uma reação.[75][76] Um estudo mostrou que 2% dos doadores tiveram uma reação adversa à doação.[77] A maioria dessas reações são menores. Um estudo de 194 000 doações encontrou apenas um doador com complicações de longo prazo.[78] Nos Estados Unidos, um banco de sangue é obrigado a relatar qualquer morte que possa estar ligada a uma doação de sangue. Uma análise de todos os relatórios de outubro de 2008 a setembro de 2009 avaliou seis eventos e descobriu que cinco das mortes não estavam claramente relacionadas à doação e, no caso restante, não encontraram evidências de que a doação foi a causa da morte.[79]

As reações hipovolêmicas podem ocorrer devido a uma rápida mudança na pressão arterial. O desmaio é geralmente o pior problema encontrado.[80]

Hematomas três dias após a doação

O processo apresenta riscos semelhantes a outras formas de flebotomia. Hematomas no braço devido à inserção da agulha é a preocupação mais comum. Um estudo descobriu que menos de 1% dos doadores tinham esse problema.[81] Sabe-se que várias complicações menos comuns da doação de sangue ocorrem. Estes incluem punção arterial, sangramento retardado, irritação do nervo, lesão do nervo, lesão do tendão, tromboflebite e reações alérgicas.[82]

Os doadores às vezes têm reações adversas ao citrato de sódio usado em procedimentos de coleta de aférese para impedir a coagulação do sangue. Como o anticoagulante é devolvido ao doador junto com os componentes do sangue que não estão sendo coletados, ele pode ligar o cálcio no sangue do doador e causar hipocalcemia.[83] Essas reações tendem a causar formigamento nos lábios, mas podem causar convulsões, hipertensão ou problemas mais sérios.[84] Às vezes, os doadores recebem suplementos de cálcio durante a doação para evitar esses efeitos colaterais.[85]

Nos procedimentos de aférese, os glóbulos vermelhos são devolvidos. Se isso for feito manualmente e o doador receber o sangue de um doador diferente, pode ocorrer uma reação transfusional. A aférese manual é extremamente rara no mundo desenvolvido por causa desse risco e os procedimentos automatizados são tão seguros quanto doações de sangue total.[86]

O risco final para os doadores de sangue é o equipamento que não foi esterilizado adequadamente.[87] Na maioria dos casos, o equipamento que entra em contato direto com o sangue é descartado após o uso.[88] O equipamento reutilizado foi um problema significativo na China na década de 1990, e até 250 000 doadores de plasma sanguíneo podem ter sido expostos ao HIV a partir de equipamentos compartilhados.[89][90][91]

Armazenamento, oferta e demanda[editar | editar código-fonte]

O sangue total é frequentemente separado, usando uma centrífuga, em componentes para armazenamento e transporte

Armazenamento e vida útil do sangue[editar | editar código-fonte]

O sangue coletado geralmente é armazenado em um banco de sangue como componentes separados e alguns deles têm vida útil curta. Não existem métodos de armazenamento para manter as plaquetas por longos períodos de tempo, embora alguns estivessem sendo estudados em 2008.[92] A vida útil mais longa usada para as plaquetas é de sete dias.[93]

Os glóbulos vermelhos (RBC), o componente usado com mais frequência, têm uma vida útil de 35–42 dias em temperaturas refrigeradas.[94][93] Para aplicações de armazenamento de longo prazo (relativamente raras), isso pode ser estendido pelo congelamento do sangue com uma mistura de glicerol, mas esse processo é caro e requer um freezer extremamente frio para armazenamento.[47] O plasma pode ser armazenado congelado por um longo período de tempo e normalmente tem uma data de validade de um ano e manter um suprimento é menos problemático.[95]

Demanda de sangue[editar | editar código-fonte]

A Cruz Vermelha Americana afirma que, nos Estados Unidos, alguém precisa de sangue a cada dois segundos e alguém precisa de plaquetas a cada trinta segundos.[96] Sem mencionar que não há uma demanda consistente para cada tipo de sangue. A existência de um tipo de sangue em estoque não garante que o outro seja. Os bancos de sangue podem ter algumas unidades em estoque, mas não há outras, fazendo com que os pacientes que precisam de unidades para tipos específicos de sangue tenham procedimentos adiados ou cancelados.[97] Além disso, a cada ano há um aumento de cerca de 5-7% para transfusões sem um aumento de doadores para equilibrar isso, bem como uma população crescente de idosos que precisarão de mais transfusões no futuro sem um aumento previsto nas doações[98] para refletir esses números crescentes. Isso foi apoiado em 1998, onde as doações de sangue para a Cruz Vermelha aumentaram para 8%, totalizando 500 000 unidades, mas a necessidade de doações dos hospitais aumentou 11%.[99]

As doações de sangue tendem a ser sempre de alta demanda, com vários relatos declarando repetidamente a escassez periódica ao longo das décadas.[100] No entanto, essa tendência é interrompida durante desastres nacionais. A tendência demonstra que as pessoas estão doando mais durante catástrofes quando, sem dúvida, as doações não são tão necessárias em comparação com períodos sem desastres.[100] De 1988 a 2013, foi relatado que durante cada desastre nacional, houve um excedente de doações; um excedente que consistia em mais de cem unidades.[101] Um dos exemplos mais notáveis ​​desse padrão foram os ataques de 11 de setembro. Um estudo observou que, em comparação com as quatro semanas antes de 11 de setembro, houve um aumento estimado de 18 700 doações de doadores pela primeira vez na primeira semana após o ataque: 4 000 foi a média de doações de doadores pela primeira vez antes do ataque, que aumentou para cerca de 22 700 doações; enquanto os doadores repetidos aumentaram suas doações em 10 000 por semana: inicialmente, as doações foram estimadas em cerca de 16 400, o que aumentou para 26 400 doações após 11 de setembro.[102] Portanto, na primeira semana após o ataque de 11 de setembro, houve um aumento geral estimado de 28 700 nas doações em comparação com a média de doações semanais feitas quatro semanas antes do ataque. Aumentos nas doações foram observados em todos os centros de doação de sangue, a partir do dia do ataque.[102] Embora as doações de sangue estivessem acima da média após as primeiras semanas após o 11 de setembro, o número de doações caiu de cerca de 49 000 doações na primeira semana para 26 000-28 000 doações entre a segunda e a quarta semanas após o 11 de setembro.[102][100] Apesar do aumento substancial de doadores, a taxa de doadores pela primeira vez se tornariam doadores repetidos foi a mesma antes e depois do ataque.[102]

O tempo de armazenamento limitado significa que é difícil ter um estoque de sangue para se preparar para um desastre. O assunto foi discutido longamente após os ataques de 11 de setembro nos Estados Unidos, e o consenso era que coletar durante um desastre era impraticável e que os esforços deveriam ser focados em manter um suprimento adequado em todos os momentos.[103] Os hemocentros nos EUA costumam ter dificuldade em manter até mesmo um suprimento de três dias para as demandas de transfusão de rotina.[104]

Níveis de doação[editar | editar código-fonte]

A Organização Mundial da Saúde (OMS) reconhece o Dia Mundial do Doador de Sangue em 14 de junho de cada ano para promover a doação de sangue. Este é o aniversário de Karl Landsteiner, o cientista que descobriu o sistema de grupo sanguíneo ABO.[105] O tema da campanha do Dia Mundial do Doador de Sangue de 2012, "Todo doador de sangue é um herói" concentra-se na ideia de que todos podem se tornar heróis ao doar sangue. Com base em dados informados por 180 países entre 2011 e 2013, a OMS estimou que aproximadamente 112,5 milhões de unidades de sangue estavam sendo coletadas anualmente.[106]

Nos Estados Unidos, estima-se que 111 milhões de cidadãos são doadores de sangue elegíveis,[107] ou 37% da população.[108] No entanto, menos de 10% dos 37% dos doadores de sangue elegíveis doam anualmente.[108] No Reino Unido, o NHS relata níveis de doação de sangue em "apenas 4%",[109] no Canadá a taxa é de 3,5%,[110] no Brasil somente 1,8% da população entre 16-69 anos doam sangue.[111] Em Portugal, 209 mil portugueses doam sangue.[112]

Incentivo e dissuasão do doador[editar | editar código-fonte]

Vários estudos têm mostrado que o principal motivo pelo qual as pessoas doam são abnegação, caridade, consciência geral sobre a demanda de sangue, aumento da confiança em si mesmo, ajuda a um amigo/parente pessoal e pressão social.[113]

Benefícios de saúde do doador[editar | editar código-fonte]

Em pacientes com tendência à sobrecarga de ferro, a doação de sangue evita o acúmulo de quantidades tóxicas.[114] A doação de sangue pode reduzir o risco de doenças cardíacas para os homens, mas a ligação não foi firmemente estabelecida e pode ser decorrente do viés de seleção, pois os doadores são examinados para problemas de saúde.[115][116]

Uma pesquisa publicada em 2012 demonstraram que, em doentes com síndrome metabólico, repetindo a doação de sangue é eficaz na redução da pressão arterial, da glicose no sangue, HbA1c, lipoproteína de baixa densidade/lipoproteínas de alta densidade proporção, e a frequência cardíaca.[117]

Remuneração de doadores[editar | editar código-fonte]

A Organização Mundial da Saúde estabeleceu uma meta em 1997 para que todas as doações de sangue viessem de doadores voluntários não pagos, mas em 2006, apenas 49 dos 124 países pesquisados ​​estabeleceram isso como um padrão.[12] A maioria dos plasmaférese doadores no Estados Unidos e Áustria e Alemanha ainda são pagos por suas doações.[118] Os doadores recebem entre 25 dólares americanos e 50 dólares americanos por doação.[119] No Brasil, é ilegal receber qualquer compensação, monetária ou outra, pela doação de sangue.[120]

Prêmio Ruby da Cruz Vermelha de Cingapura por 75 doações voluntárias
Prêmios do Reino Unido por 50, 25 e 100 doações
Monumento aos doadores de sangue em Ávila, Espanha

Os doadores regulares geralmente recebem algum tipo de reconhecimento não monetário.[121] A folga do trabalho é um benefício comum. Por exemplo, na Itália, os doadores de sangue recebem o dia da doação como um feriado remunerado do trabalho.[122] Os hemocentros também às vezes adicionam incentivos, como garantias de que os doadores teriam prioridade durante a escassez, camisetas gratuitas, kits de primeiros socorros, raspadores de pára-brisa, canetas e bugigangas semelhantes. Também há incentivos para as pessoas que recrutam doadores em potencial, como sorteios de prêmios para doadores e recompensas para organizadores de campanhas bem-sucedidas.[123] O reconhecimento de doadores dedicados é comum. Por exemplo, a Sociedade da Cruz Vermelha de Singapura apresenta prêmios para doadores voluntários que fizeram um certo número de doações no Programa de Recrutamento de Doadores de Sangue começando com um "prêmio de bronze" para 25 doações.[124] O governo da Malásia também oferece benefícios ambulatoriais e de hospitalização gratuitos para doadores de sangue, por exemplo, 4 meses de tratamento ambulatorial e benefícios de hospitalização gratuitos após cada doação.[125] Na pandemia de COVID-19, muitos centros de sangue dos EUA anunciaram o teste gratuito de anticorpos COVID-19 como um incentivo para doar; no entanto, esses testes de anticorpos também foram úteis para os centros de sangue na determinação de quais doadores poderiam ser sinalizados para doações de plasma convalescente.[126][127][128]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «World Blood Donor Day». www.who.int (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021 
  2. Technical manual. Mark E. Brecher, American Association of Blood Banks 15ª ed. Bethesda, Md.: American Association of Blood Banks. 2005. pp. 98–103. ISBN 1-56395-196-7. OCLC 61719908 
  3. «Directed Blood Donations». Mayo Clinic. 24 de maio de 2008. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 24 de maio de 2008 
  4. Wales, P.W.; Lau, Wendy; Kim, P.C.W. (maio de 2001). «Directed blood donation in pediatric general surgery: Is it worth it?». Journal of Pediatric Surgery (5): 722–725. ISSN 0022-3468. doi:10.1053/jpsu.2001.22945. Consultado em 19 de junho de 2021 
  5. «O que é uma doação de reposição?». Fundação Hemocentro de Brasília. Consultado em 19 de junho de 2021 
  6. «Autologous vs. Allogeneic Blood Donation». American Association of Blood Banks. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 12 de junho de 2008 
  7. «Recovered Plasma». American Association of Blood Banks. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 12 de junho de 2008 
  8. «Giving Blood → What to Expect». Australian Red Cross Blood Service. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 29 de agosto de 2007 
  9. «The Donation Experience». Canadian Blood Services. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2007 
  10. «Tips for a Good Donation Experience». American Red Cross. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 14 de dezembro de 2006 
  11. «Blood safety and availability». www.who.int (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 29 de junho de 2008 
  12. a b c «World Blood Donor Day 2006». WHO. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 17 de junho de 2008 
  13. «Parental consent form» (PDF). Australian Red Cross Blood Service. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 29 de agosto de 2007 
  14. «FDA regulations on donor deferral». www.accessdata.fda.gov. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 14 de maio de 2008 
  15. «Variances for Blood Collection from Individuals with Hereditary Hemochromatosis». US Food and Drug Administration. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 8 de julho de 2007 
  16. «Hereditary Hemochromatosis: Perspectives of Public Health, Medical Genetics, and Primary Care». CDC Office of Public Health Genomics. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 8 de março de 2008 
  17. Severo, Richard (13 de janeiro de 1990). «Donors' Races to Be Sought To Identify Rare Blood Types». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 3 de março de 2009 
  18. «Red Gold, Innovators and Pioneers» (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 17 de maio de 2008 
  19. «How Science Students Helped End Segregated Blood Banks». ncse.ngo (em inglês). National Center for Science Education. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 7 de novembro de 2017 
  20. Press, The Associated (24 de maio de 2007). «Drug Agency Reaffirms Ban on Gay Men Giving Blood». The New York Times (em inglês). ISSN 0362-4331. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 24 de maio de 2013 
  21. «HIV charities welcome the lifting of lifetime ban on gay men donating blood». National Aids Trust. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 2 de fevereiro de 2014 
  22. «Revised Recommendations for Reducing the Risk of Human Immunodeficiency Virus Transmission by Blood and Blood Products - Questions and Answers». FDA (em inglês). 11 de abril de 2019. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 30 de março de 2016 
  23. a b «Anvisa revoga resolução que proibia doação de sangue por homens gays». Agência Brasil. 8 de julho de 2020. Consultado em 19 de junho de 2021 
  24. «Maioria dos ministros do STF vota contra restrições à doação de sangue por gays». G1. Consultado em 19 de junho de 2021 
  25. «AR aprova diploma que permite a homossexuais dar sangue». Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 22 de novembro de 2015 
  26. Kotowicz, Ana. «Doação de sangue. Orientação sexual deixa de ser critério de exclusão». Observador. Consultado em 19 de junho de 2021 
  27. Heim, M. U.; Mempel, W. (1991). «[The need for thorough infection screening in donors of autologous blood]». Beitrage Zur Infusionstherapie = Contributions to Infusion Therapy: 313–316. ISSN 1011-6974. PMID 1725645. Consultado em 19 de junho de 2021 
  28. «Avodart Consumer Information». US Food and Drug Administration. Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 9 de maio de 2009 
  29. Manual Técnico para Investigação da Transmissão de Doenças pelo Sangue (PDF) 1ª ed. Brasília: Editora MS. 2004. pp. 25–27. ISBN 85-334-0810-2 
  30. «Saíba quais as doenças transmitidas através do sangue». www5.saude.ba.gov.br. Consultado em 19 de junho de 2021 
  31. «Informações sobre doenças infecciosas transmitidas pelo sangue». www.uel.br. Consultado em 19 de junho de 2021 
  32. Gómez-Simón, Antonia; Navarro-Núñez, Leyre; Pérez-Ceballos, Elena; Lozano, María L.; Candela, María J.; Cascales, Almudena; Martínez, Constantino; Corral, Javier; Vicente, Vicente (junho de 2007). «Evaluation of four rapid methods for hemoglobin screening of whole blood donors in mobile collection settings». Transfusion and Apheresis Science (3): 235–242. ISSN 1473-0502. doi:10.1016/j.transci.2007.01.010. Consultado em 19 de junho de 2021 
  33. «Iron and Blood Donation». www.redcrossblood.org (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021 
  34. Goldman, M.; Fournier, E.; Cameron-Choi, K.; Steed, T. (2007). «Effect of changing the age criteria for blood donors». Vox Sanguinis (em inglês) (4): 368–372. ISSN 1423-0410. doi:10.1111/j.1423-0410.2007.00897.x. Consultado em 19 de junho de 2021 
  35. «Eligibility Requirements». www.redcrossblood.org (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021 
  36. «Donating - FAQ». Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 6 de junho de 2008 
  37. «Blood Types: What to Know». WebMD (em inglês). Consultado em 19 de junho de 2021. Cópia arquivada em 29 de maio de 2008 
  38. «Plasma fact sheet» (PDF). Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 26 de março de 2009 
  39. «Right Type, Right Time». www.scbb.org. Consultado em 19 de junho de 2021 
  40. Bhattacharya, Prasun; Chandra, Partha Kumar; Datta, Sibnarayan; Banerjee, Arup; Chakraborty, Subhashish; Rajendran, Krishnan; Basu, Subir Kumar; Bhattacharya, Sujit Kumar; Chakravarty, Runu (21 de julho de 2007). «Significant increase in HBV, HCV, HIV and syphilis infections among blood donors in West Bengal, Eastern India 2004-2005: Exploratory screening reveals high frequency of occult HBV infection». World Journal of Gastroenterology (em inglês) (27): 3730–3733. PMC 4250646Acessível livremente. PMID 17659734. doi:10.3748/wjg.v13.i27.3730. Consultado em 19 de junho de 2021 
  41. «Testing of Donor Blood for Infectious Diseases». AABB. Consultado em 19 de junho de 2021. Arquivado do original em 9 de maio de 2008 
  42. Miller, R.; Hewitt, P. E.; Warwick, R.; Moore, M. C.; Vincent, B. (1998). «Review of Counselling in a Transfusion Service: The London (UK) Experience». Vox Sanguinis (em inglês) (3): 133–139. ISSN 1423-0410. doi:10.1046/j.1423-0410.1998.7430133.x. Consultado em 19 de junho de 2021 
  43. Screening Donated Blood for Transfusion Transmissible Infections (PDF) (em inglês). Genebra: World Health Organization. 2010. p. 8. 67 páginas. ISBN 978 92 4 154788 8 
  44. «Advisory Committee on MSBTO, 28 June 2005» (PDF). Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 28 de maio de 2008 
  45. «Precautionary West Nile virus blood sample testing». Héma-Québec. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 13 de setembro de 2007 
  46. «FDA approves first tests to screen for tickborne parasite in whole blood and plasma to protect the U.S. blood supply». FDA (em inglês). 24 de março de 2020. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 7 de março de 2018 
  47. a b c d «Circular of Information for use of Blood and Blood Products» (PDF). AABB, ARC, America's Blood Centers. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 7 de outubro de 2009 
  48. «Red blood cell transfusions in newborn infants: Revised guidelines». Canadian Paediatric Society (CPS). Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 3 de fevereiro de 2007 
  49. a b «Blood donation: What to expect». www.mayoclinic.org. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 4 de dezembro de 2008 
  50. Wang, Jingxing; Guo, Nan; Guo, Xiaoming; Li, Julin; Wen, Guo-Xing; Yang, Tonghan; Yun, Zhongqiao; Huang, Yi; Schreiber, George B. (2010). «Who donates blood at five ethnically and geographically diverse blood centers in China in 2008». Transfusion (em inglês) (12): 2686–2694. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2010.02722.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  51. Sagi, F.; Eyal, F.; Armon, Y.; Arad, I.; Robinson, M. (1 de novembro de 1981). «Exchange transfusion in newborns via a peripheral artery and vein». European Journal of Pediatrics (em inglês) (3): 283–284. ISSN 1432-1076. doi:10.1007/BF00443258. Consultado em 20 de junho de 2021 
  52. «Blood on the Hoof». Public Broadcasting Service (em inglês). Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 4 de junho de 2008 
  53. «ISBT Quarterly Newsletter, June 2006, "A History of Fresh Blood", p. 15» (PDF). International Society of Blood Transfusion (ISBT/SITS). Arquivado do original (PDF) em 3 de agosto de 2008 
  54. a b Lee, C. K.; Ho, P. L.; Chan, N. K.; Mak, A.; Hong, J.; Lin, C. K. (2002). «Impact of donor arm skin disinfection on the bacterial contamination rate of platelet concentrates». Vox Sanguinis (em inglês) (3): 204–208. ISSN 1423-0410. doi:10.1046/j.1423-0410.2002.00219.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  55. Turgeon, Mary Louise (2005). Clinical Hematology: Theory and Procedures (em inglês). [S.l.]: Lippincott Williams & Wilkins. p. 30. ISBN 978-0-7817-5007-3 
  56. «Blood banking laboratory supplies» (PDF). Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de junho de 2008 
  57. «What is Hemolysis?» (PDF). www.bd.com (em inglês). Becton-Dickinson. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada (PDF) em 25 de junho de 2008 
  58. Erhabor, Osaro; Adias, Teddy (2012). Transfusion Medicine Made Easy For Students of Biomedical Science, Allied Medical Sciences and Medicine. [S.l.]: BoD – Books on Demand. p. 57. ISBN 953510523X. OCLC 1096648351 
  59. Åkerblom, Olof; Kreuger, Anders (1975). «Studies on Citrate-Phosphate-Dextrose (CPD) Blood Supplemented with Adenine». Vox Sanguinis (em inglês) (2): 90–100. ISSN 1423-0410. doi:10.1111/j.1423-0410.1975.tb00484.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  60. Sugita, Yoshiki; Simon, Ernest R. (1 de abril de 1965). «The Mechanism of Action of Adenine in Red Cell Preservation». The Journal of Clinical Investigation (em inglês) (4): 629–642. ISSN 0021-9738. PMC 292538Acessível livremente. PMID 14278179. doi:10.1172/JCI105176. Consultado em 20 de junho de 2021 
  61. Simon, Ernest R.; Chapman, Robert G.; Finch, Clement A. (1 de fevereiro de 1962). «ADENINE IN RED CELL PRESERVATION». The Journal of Clinical Investigation (em inglês) (2): 351–359. ISSN 0021-9738. PMC 289233Acessível livremente. PMID 14039291. doi:10.1172/JCI104489. Consultado em 20 de junho de 2021 
  62. «Plasma Equipment and Packaging, and Transfusion Equipment». history.amedd.army.mil. Office of Medical History (OTSG). Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 9 de junho de 2017 
  63. «Plasma fractionation - medicines derived from plasma». Sanquin Blood Supply Foundation. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 1 de janeiro de 2009 
  64. «Do you know what component means?». The National Blood Service. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 11 de outubro de 2009 
  65. «Indications for Platelet Transfusion Therapy». www.scbcinfo.org. Southeastern Community Blood Center. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 12 de maio de 2008 
  66. «Platelet Donation». www.redcrossblood.org (em inglês). The American National Red Cross. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 29 de março de 2019 
  67. «Double up to save lives». United Blood Services. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 30 de dezembro de 2006 
  68. «Double Red Cell». American Red Cross (Greater Chesapeake and Potomac Region). Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 13 de maio de 2007 
  69. Eder, Anne F. (21 de maio de 2008). «Adverse Reactions to Allogeneic Whole Blood Donation by 16- and 17-Year-Olds». JAMA (em inglês) (19). 2279 páginas. ISSN 0098-7484. doi:10.1001/jama.299.19.2279. Consultado em 20 de junho de 2021 
  70. «Report on the promotion by Member States of voluntary unpaid blood donation» (PDF). Commission of the European Communities. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 3 de agosto de 2008 
  71. «Donating Apheresis and Plasma». Community Blood Center. Consultado em 20 de junho de 2021. Cópia arquivada em 4 de julho de 2008 
  72. Pottgiesser, Torben; Specker, Wolfgang; Umhau, Markus; Dickhuth, Hans-Hermann; Roecker, Kai; Schumacher, Yorck O. (2008). «Recovery of hemoglobin mass after blood donation». Transfusion (em inglês) (7): 1390–1397. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2008.01719.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  73. «Blood Products Advisory Committee, 12 December 2003». Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 8 de novembro de 2008 
  74. Smith, Graham A; Fisher, Sheila A; Doree, Carolyn; Di Angelantonio, Emanuele; Roberts, David J (3 de julho de 2014). «Oral or parenteral iron supplementation to reduce deferral, iron deficiency and/or anaemia in blood donors». Cochrane Database of Systematic Reviews. ISSN 1465-1858. doi:10.1002/14651858.cd009532.pub2. Consultado em 20 de junho de 2021 
  75. Eder, Anne F. (21 de maio de 2008). «Adverse Reactions to Allogeneic Whole Blood Donation by 16- and 17-Year-Olds». JAMA (em inglês) (19). 2279 páginas. ISSN 0098-7484. doi:10.1001/jama.299.19.2279. Consultado em 20 de junho de 2021 
  76. Yuan, Shan; Gornbein, Jeffrey; Smeltzer, Barbara; Ziman, Alyssa F.; Lu, Qun; Goldfinger, Dennis (2008). «Risk factors for acute, moderate to severe donor reactions associated with multicomponent apheresis collections». Transfusion (em inglês) (6): 1213–1219. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2008.01674.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  77. «Adverse Effect of Blood Donation, Siriraj Experience» (PDF). American Red Cross. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de junho de 2008 
  78. Newman, Bruce H.; Graves, Susan (2001). «A study of 178 consecutive vasovagal syncopal reactions from the perspective of safety». Transfusion (em inglês) (12): 1475–1479. ISSN 1537-2995. doi:10.1046/j.1537-2995.2001.41121475.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  79. «Fatalities Reported to FDA». US Food and Drug Administration. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2011 
  80. Wiltbank, Thomas B.; Giordano, Gerald F.; Kamel, Hany; Tomasulo, Peter; Custer, Brian (2008). «Faint and prefaint reactions in whole-blood donors: an analysis of predonation measurements and their predictive value». Transfusion (em inglês) (9): 1799–1808. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2008.01745.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  81. Ranasinghe; Harrison (2000). «Bruising following blood donation, its management and the response and subsequent return rates of affected donors». Transfusion Medicine (em inglês) (2): 113–116. ISSN 1365-3148. doi:10.1046/j.1365-3148.2000.00240.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  82. «Standard for Surveillance of Complications Related to Blood D Donation» (PDF). European Haemovigilance Network. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 15 de fevereiro de 2010 
  83. Bolan, Charles D.; Greer, Sarah E.; Cecco, Stacey A.; Oblitas, Jaime M.; Rehak, Nadja N.; Leitman, Susan F. (2001). «Comprehensive analysis of citrate effects during plateletpheresis in normal donors». Transfusion (em inglês) (9): 1165–1171. ISSN 1537-2995. doi:10.1046/j.1537-2995.2001.41091165.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  84. Sorensen, B. S.; Johnsen, S. P.; Jorgensen, J. (2008). «Complications related to blood donation: a population-based study». Vox Sanguinis (em inglês) (2): 132–137. ISSN 1423-0410. doi:10.1111/j.1423-0410.2007.01000.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  85. «Jerome H. Holland Laboratory for the Biomedical Sciences Volunteer Research Blood Program (RBP)». American Red Cross. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 15 de março de 2008 
  86. Wiltbank, Thomas B.; Giordano, Gerald F. (2007). «The safety profile of automated collections: an analysis of more than 1 million collections». Transfusion (em inglês) (6): 1002–1005. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2007.01224.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  87. Marlink, Richard G.; Kotin, Alison G. (2004). Global AIDS Crisis: A Reference Handbook (em inglês). [S.l.]: ABC-CLIO. p. 16. ISBN 1851096558 
  88. «Blood Donor Information Leaflet». Irish Blood Transfusion Service. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 19 de novembro de 2007 
  89. «Keeping China's blood supply free of HIV». US Embassy, Beijing. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 7 de setembro de 2008 
  90. Cohen, Jon (4 de junho de 2004). «An Unsafe Practice Turned Blood Donors Into Victims». Science (em inglês) (5676): 1438–1439. ISSN 0036-8075. PMID 15178781. doi:10.1126/science.304.5676.1438. Consultado em 20 de junho de 2021 
  91. «Chinese contaminated blood whistleblower dies in US». The Guardian (em inglês). 26 de setembro de 2019. Consultado em 20 de junho de 2021 
  92. Beard, M.; Garwood, M.; Cookson, P.; Bashir, S.; Hancock, V.; Pergande, C.; Smith, K.; Turner, C.; Wiltshire, M. (2006). «P04 In Vitro Evaluation of Buffy Coat Derived Platelet Concentrates in SSP+ Platelet Storage Medium». Transfusion Medicine (em inglês) (s1): 26–26. ISSN 1365-3148. doi:10.1111/j.1365-3148.2006.00694_4.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  93. a b «Transfusion Handbook, summary information for Platelets». National Blood Transfusion Committee. Consultado em 20 de junho de 2021. Arquivado do original em 4 de agosto de 2008 
  94. Lockwood, William B.; Hudgens, Russell W.; Szymanski, Irula O.; Teno, Richard A.; Gray, Alan D. (2003). «Effects of rejuvenation and frozen storage on 42-day-old AS-3 RBCs». Transfusion (em inglês) (11): 1527–1532. ISSN 1537-2995. doi:10.1046/j.1537-2995.2003.00551.x. Consultado em 20 de junho de 2021 
  95. «Transfusion of Fresh Frozen Plasma, products, indications» (PDF). Agence française de sécurité sanitaire des produits de santé. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de junho de 2008 
  96. «American Red Cross Issues Emergency Need for Blood Donors». www.redcross.org (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  97. Glynn, Simone A.; Williams, Alan E.; Nass, Catharie C.; Bethel, James; Kessler, Debra; Scott, Edward P.; Fridey, Joy; Kleinman, Steven H.; Schreiber, George B. (2003). «Attitudes toward blood donation incentives in the United States: implications for donor recruitment». Transfusion (em inglês) (1): 7–16. ISSN 1537-2995. doi:10.1046/j.1537-2995.2003.00252.x. Consultado em 21 de junho de 2021 
  98. McCarthy, Leo J. (2007). «How do I manage a blood shortage in a transfusion service?». Transfusion (em inglês) (5): 760–762. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2007.01187.x. Consultado em 21 de junho de 2021 
  99. «Blood Shortages Become More Common». Modern Healthcare (em inglês). 25 de outubro de 1999. Consultado em 21 de junho de 2021 
  100. a b c Sass, Reuben G. (1 de junho de 2013). «Toward a More Stable Blood Supply: Charitable Incentives, Donation Rates, and the Experience of September 11». The American Journal of Bioethics (6): 38–45. ISSN 1526-5161. PMID 23641850. doi:10.1080/15265161.2013.781703. Consultado em 21 de junho de 2021 
  101. Schmidt, Paul J. (21 de fevereiro de 2002). «Blood and Disaster — Supply and Demand». New England Journal of Medicine (8): 617–620. ISSN 0028-4793. PMID 11856803. doi:10.1056/NEJM200202213460813. Consultado em 21 de junho de 2021 
  102. a b c d Glynn, Simone A.; Busch, Michael P.; Schreiber, George B.; Murphy, Edward L.; Wright, David J.; Tu, Yongling; Kleinman, Steven H.; for the NHLBI REDS Study Group (7 de maio de 2003). «Effect of a National Disaster on Blood Supply and Safety». JAMA (em inglês) (17). 2246 páginas. ISSN 0098-7484. doi:10.1001/jama.289.17.2246. Consultado em 21 de junho de 2021 
  103. «Maintaining an Adequate Blood Supply Is Key to Emergency Preparedness» (PDF). Government Accountability Office. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 24 de dezembro de 2013 
  104. «Current status of America's Blood Centers blood supply"». America's Blood Centers. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 1 de fevereiro de 2009 
  105. «World Blood Donor Day». World Health Organization. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 15 de setembro de 2008 
  106. «Blood safety and availability». www.who.int (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021 
  107. Riley, William; Schwei, Matthew; McCullough, Jeffrey (2007). «The United States' potential blood donor pool: estimating the prevalence of donor-exclusion factors on the pool of potential donors». Transfusion (em inglês) (7): 1180–1188. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2007.01252.x. Consultado em 21 de junho de 2021 
  108. a b «Facts About Blood». America's Blood Centers. Consultado em 21 de junho de 2021. Cópia arquivada em 8 de novembro de 2013 
  109. «Why give blood». NHS Blood Donation (em inglês). Consultado em 21 de junho de 2021. Cópia arquivada em 30 de dezembro de 2011 
  110. «Canadian Blood Services». Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 23 de maio de 2013 
  111. «O que falta para o Brasil doar mais sangue?». BBC News Brasil. 19 de agosto de 2015. Consultado em 21 de junho de 2021 
  112. «209 mil portugueses dão sangue. Jovens são apenas 14%». www.dn.pt. Consultado em 21 de junho de 2021 
  113. «Blood donor development: Effects of personality, motivational and situational variables». Personality and Individual Differences (em inglês) (6): 743–751. 1 de janeiro de 1985. ISSN 0191-8869. doi:10.1016/0191-8869(85)90085-6. Consultado em 21 de junho de 2021 
  114. Fields, A. C.; Grindon, A. J. (1999). «Hemochromatosis, iron, and blood donation: a short review». Immunohematology (3): 108–112. ISSN 0894-203X. PMID 15373512. Consultado em 21 de junho de 2021 
  115. Tuomainen, Tomi-Pekka; Salonen, Riitta; Nyyssouml, Kristiina; nen; Salonen, Jukka T. (15 de março de 1997). «Cohort study of relation between donating blood and risk of myocardial infarction in 2682 men in eastern finland». BMJ (em inglês) (7083): 314. 793 páginas. ISSN 0959-8138. PMC 2126176Acessível livremente. PMID 9080998. doi:10.1136/bmj.314.7083.793. Consultado em 21 de junho de 2021 
  116. Atsma, Femke; Vegt, Femmie de (2011). «The healthy donor effect: a matter of selection bias and confounding». Transfusion (em inglês) (9): 51. ISSN 1537-2995. doi:10.1111/j.1537-2995.2011.03270.x. Consultado em 21 de junho de 2021 
  117. Manco, Melania; Fernandez-Real, Josè Manuel (30 de maio de 2012). «Back to past leeches: repeated phlebotomies and cardiovascular risk». BMC Medicine (1): 10. 53 páginas. ISSN 1741-7015. PMC 3409018Acessível livremente. PMID 22647488. doi:10.1186/1741-7015-10-53. Consultado em 21 de junho de 2021 
  118. «Blood Plasma Safety» (PDF). GAO. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de junho de 2008 
  119. «Donate Blood For Money». Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 18 de dezembro de 2014 
  120. «Lei cria selo para empresas que incentivarem doação de sangue». www.unasus.gov.br. Consultado em 21 de junho de 2021 
  121. «Guidelines for Implementation of Employee Blood Donation Leave» (PDF). New York State Department of Labor. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original (PDF) em 25 de junho de 2008 
  122. «Legge 21 ottobre 2005, n. 219 (Law 21 October 2005, n. 219)». www.camera.it. Italian Parliament. Consultado em 21 de junho de 2021. Cópia arquivada em 27 de abril de 2009 
  123. «Incentives program for blood donors and organizers». American Red Cross Connecticut Blood Services Region. Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 2 de junho de 2008 
  124. «Red Cross Honour Roll». Consultado em 21 de junho de 2021. Arquivado do original em 28 de setembro de 2012 
  125. «Keistimewaan Penderma Darah - Laman Web Rasmi Pusat Darah Negara (PDN)». pdn.gov.my. Consultado em 21 de junho de 2021 
  126. «Donate blood, get antibody test». Queens Chronicle. Consultado em 21 de junho de 2021. Cópia arquivada em 26 de fevereiro de 2021 
  127. Dunbar, Erin. «Blood drive in Huntsville offering free COVID-19 antibody test». WHNT 19. Consultado em 21 de junho de 2021. Cópia arquivada em 1 de março de 2021 
  128. «Red Cross calls on donors to refuel the blood supply». The Star. Consultado em 21 de junho de 2021. Cópia arquivada em 26 de março de 2021 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Wikidata Base de dados no Wikidata