Banda cambial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Banda cambial é a denominação de um regime cambial que foi utilizado pelo Banco Central do Brasil (BC) em março de 1995 até 1998, no início da implementação do Plano Real. Nesse regime, o BC estabelecia uma faixa (ou banda) em que o câmbio poderia flutuar livremente.

A taxa de câmbio é um dos instrumentos básicos para o controle da inflação. Em termos conceituais, a taxa de câmbio é equilibrada quando reflete a competitividade externa do país e a confiança em relação a fatores macroeconômicos fundamentais da economia, de difícil instrumentação. Esse enunciado envolve, portanto, empecilhos práticos para estipular a taxa de câmbio de equilíbrio. Assim, a questão da taxa de câmbio tem sido resolvida por meio de três caminhos básicos: [1]

Todavia, sendo o preço da moeda estrangeira uma das variáveis mais importantes da economia, mesmo no caso da adoção do regime de câmbio flutuante, podem ocorrer intervenções das autoridades monetárias ("flutuação suja"[1]), mediante a compra ou a venda de divisas pelo Banco Central, para manter as cotações dentro dos parâmetros predeterminados.

Referências

  1. a b Os três tipos de regimes cambiais existentes - e qual seria o mais adequado para o Brasil. Instituto Ludwig von Mises Brasil, 2 de outubro de 2015

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Tebchirani, Flávio Ribas . Princípios da economia micro e macro - . Editora: IBPEX 2°Edição, Curitiba, 2008
Ícone de esboço Este artigo sobre economia é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.