Banho de sangue de Kalmar

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Banho de sangue de Kalmar
O Castelo de Kalmar onde ocorreu o banho de sangue de Kalmar
Outros nomes Kalmar blodbad (1599)
Participantes Carlos IX da Suécia
Localização Castelo de Kalmar, Kalmar, Suécia
Data 16 de maio de 1599
Resultado Execução de 22 defensores do castelo

O Banho de sangue de Kalmar (Kalmar blodbad), ocorrido em 16 de maio de 1599, na cidade sueca de Kalmar, foi a execução pública de 22 pessoas, ordenada pelo então duque Carlos – futuro rei Carlos IX da Suécia. As vítimas foram passadas à espada por terem defendido o Castelo de Kalmar em apoio do rei Sigismundo, na sua contenda com o referido duque Carlos.
Depois da batalha de Stångebro, em que o duque Carlos - futuro rei Carlos IX - derrotou o então rei legítimo Sigismundo, o exército vencedor atacou o castelo de Kalmar. Após um cerco de 6 meses, a fortaleza capitulou. Como represália, o duque Carlos mandou enforcar ou degolar 22 defensores do castelo, entre os quais os três comandantes e o capelão. As cabeças destes quatro homens foram espetadas em lanças e colocadas junto à porta da cidade, aí ficando durante vários anos. [1][2]

Referências

  1. «Kalmar bodbad» (em sueco). Kalmar Lexikon. Consultado em 19 de janeiro de 2017 
  2. «Kalmar blodbad» (em sueco). Projekt Runeberg - Nordisk familjebok. Consultado em 19 de janeiro de 2017 

Ver também[editar | editar código-fonte]