Bardas Mamicônio

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bardas Mamicônio
Nacionalidade
Derafsh Kaviani.png
Império Sassânida
Etnia Armênio
Progenitores Mãe: Joique Arcruni
Pai: Maiactes Mamicônio
Ocupação General

Bardas Mamicônio (em armênio/arménio: Վար Մամիկոնյան; transl.: Vard Mamikonian; m. 508,[1] 510/511[2] ou 514) foi marzobam (governador) da Armênia ao Cavades I (488-496; 499-531) por quatro anos, de 505/510 a 509/514. Governa em sucessão de seu irmão Baanes I.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bardas era o terceiro filho de Maiactes e Joique, uma filha de Vararanes ou Bassaces Arcruni, e o irmão mais novo de Baanes I. Foi refém dos persas durante sua juventude.[3] Seu irmão Baanes o fez asparapetes (comandante-em-chefe) quando tornou-se marzobam em 485.[4] Sucedeu seu irmão como marzobam em 505[5] ou 510. Também reteve o título bizantino de patrício segundo Sebeos (século VII) e Estêvão de Taraunita (século X), porém, nem Lázaro de Parpi (século V) nem o Livro das Cartas cita o título, indicando possível má interpretação dos historiadores posteriores.[6] Ele foi afastado do cargo quatro anos depois e deportado à Pérsia, por ordem do xá que suspeitou, talvez por calúnia de algum naxarar,[7] que mantinha relações com o Império Bizantino.[8] Bardas foi substituído por um marzobam persa, que pôs fim à autonomia armênia de curta duração por 25 anos. O rei Cavades I (488-496; 499-531), ansioso por manter a paz, manteve a liberdade religiosa na Armênia.[9]

Posteridade[editar | editar código-fonte]

Bardas teve ao menos dois filhos:

Hipoteticamente são adicionados mais dois filhos: Amazaspes, mestre dos soldados da Armênia (magister militum per Armeniam) em 536 e Artavasdes IV.[2][10]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Precedido por
Baanes I
Marzobam da Armênia
505/510-509/514
Sucedido por
Vários marzobans persas,
então Mecécio I Gnuni

Referências

  1. Settipani 2006.
  2. a b Toumanoff 1990, p. 331.
  3. Dédéyan 2007, p. 193.
  4. Dédéyan 2007, p. 194.
  5. Garsoian 1996, p. 232.
  6. Garsoian 1996, p. 215.
  7. Dédéyan 2007, p. 195.
  8. Grousset 1947, p. 232-233.
  9. Grousset 1947, p. 233.
  10. Settipani 2006, p. 133-138.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Garsoian, Nina (1996). L'Arménie et Byzance : histoire et culture. Paris: Publications de la Sorbonne. ISBN 9782859443009 
  • Grousset, René (1947). Histoire de l’Arménie des origines à 1071. Paris: Payot 
  • Settipani, Christian (2006). Continuité des élites à Byzance durant les siècles obscurs. Les princes caucasiens et l'Empire du vie au ixe siècle. Paris: de Boccard. ISBN 978-2-7018-0226-8 
  • Toumanoff, Cyril (1990). Les dynasties de la Caucasie chrétienne de l'Antiquité jusqu'au xixe siècle : Tables généalogiques et chronologiques. Roma: Edizioni Aquila