Barisão de Lacon Gunale

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Question book-4.svg
Este artigo cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde fevereiro de 2019). Ajude a inserir referências. Conteúdo não verificável poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Barisão I de Lacon Gunale, Barisão I de Torres ou Torquitório Barisão de Lacon Gunale (em italiano: Torchitorio Barisone de Lacon Gunale; m. 1073) foi um governante da Sardenha que administrou uma grande parte daquela ilha, que se dividiria nos julgados de Arbórea e Logudoro. O seu território compreendia portanto toda a zona oeste da Sardenha.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Filho de Gonário Cosme de Lacon-Gunale, sucedeu-lhe como juiz de Arbórea e Logudoro.

Favoreceu a imigração religiosa para a ilha. O ato de doação que fez redigir em 1063 é o primeiro e a este seguiram numerosos atos da parte de todos os outros juízes-reis da ilha. No ato de doação o Judike de Logudoro (ou Torres) cede a Desidério de Benevento[1], abade de Montecassino, quando envia um grupo de religiosos para tomarem posse de uma vasta área que lhe pertencia, que compreendia as igrejas de Santa Maria de Bubalis (Nossa Senhora de Mesumundu) e a de Santa Hélia e Enoc. Os monges instalaram-se em Monte Santu, Siligo. Desidério mandou um grupo de doze monges com livros, relíquias,e outros objetos sagrados, mas foram capturados pelos pisanas na Ilha de Giglio e nunca chegaram ao seu destino. Barisão solicitou então, fazendo pressão sobre o Papa Alexandre II, a a restituição dos bens roubados pelos pisanos e a permissão da viagem de um novo grupo de monges. Os monges só puderam assim assumir a possessão das terras dadas pelo juiz em 1065[2].

Nesse ano Barisão resolve dividir o governo de Logudoro com André Tanca, seu filho, mas foi o neto, Mariano I quem lhe sucedeu no governo após a sua morte. Mariano, seu filho, já governava a zona de Arbórea independentemente desde 1060.

Barisão faleceu em 1073.

Referências

  1. Tornar-se ia no Papa Vítor III
  2. A. Saba, Montecassino e la Sardegna medioevale. Note storiche e codice diplomatico sardo cassinese, Montecassino, 1927, pp. 21-23. Saba menciona a notícia relatada por Leone Ostiense

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Aldo Ferrabino (edição), Dizionario Biografico degli Italiani, vol. VI (Baratteri – Bartolozzi), Roma, Istituto della Enciclopedia Italiana, 1964.
  • Dionigi Scano, Serie cronologica dei giudici sardi in Archivio Storico Sardo, vol. 21, 3 e 4, 1939, pp. 1-114.
  • Enrico Besta, Arrigo Solmi, I condaghi di San Nicolas di Trullas e di Santa Maria di Bonarcado, Milão, A. Giuffrè, 1937.
  • A. Saba, Montecassino e la Sardegna medioevale. Note storiche e codice diplomatico sardo cassinese, Montecassino, 1927.


Precedido por:
Gonário I
Albero Eradicato del Giudicato di Arborea.svg
Juiz-rei de Arbórea

1038-1060
Sucedido por:
Mariano I
Torre Merlata del Giudicato di Torres.svg
Juiz-rei de Logudoro

1038-1073
com André I Tanca desde 1065
Sucedido por:
Mariano I