Barra fixa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barra fixa
Figure on horizontal bar.jpg
Um ginasta em demonstração
Olímpico desde: 1896
Desporto: Ginástica artística
Praticado por: Homens
Campeão Olímpico
Londres 2012
Epke Zonderland
 Países Baixos
Campeão do Mundo
Glasgow 2015
Kohei Uchimura
 Japão


A barra fixa é um dos oito aparelhos utilizados na ginástica artística.[1]

A disputa nas competições nesse aparelho são exclusivamente para homens. O ginasta deve fazer movimentos giratórios em uma rotina acrobática. Está presente nos Jogos Olímpicos de Verão desde sua primeira edição. Este aparelho está creditado ao alemão., como seu criador/aperfeiçoador, que, no começo do século XIX, o introduziu.

ARREBITA
ARREBITA ʡ

HISTÓRIA

A barra alta, tradução literal do inglês high bar, foi, originalmente o nome dado ao poleiro horizontal. Mais tarde, Jahn adotara o nome para este aparelho. Contudo, antes do surgimento oficial do aparato, fora datado o uso de semelhante pelos chineses, helenos e esquimós, que já realizavam os chamados giro-gigantes.[2]

Á partir daí, a barra fixa continuou a desenvolver-se e melhorar. Seja pela engenhosidade dos ginastas em realizar na barra movimentos impossíveis de serem executados em outros aparelhos, ou pela natural evolução dos movimentos[2] .

Em meados do século XX, a elasticidade da barra gerou mudanças nas apresentações, que ganharam maior velocidade e as largadas e retomadas. Pelas inovações apresentadas durante a evolução do aparelho, tira-se os ginastas Alberto Braglia – destacado por sua técnica de giros e variações de pegadas e Stojan Deltchev – por sua inovação acrobática, que gerou movimentos como o Gienger[2] .

Aparelho[editar | editar código-fonte]

A barra fixa, enquanto aparelho, é composta pelos mesmos materiais das barras assimétricas femininas - atualmente fabricadas com fibras sintéticas: de vidro e recobertas com madeira e, por vezes, material aderente – e possui semelhante maleabilidade para dar maior segurança aos movimentos dos ginastas. A maleabilidade da barra contribui para um amortecimento dos movimentos acrobáticos que o atleta executa durante sua apresentação.

A barra está localizada a 2,80 m do solo,[3] tem 2,40 m de comprimento e possui 28mm de diâmetro na barra propriamente dita[4] . A barra, assim como as paralelas assimétricas, está presa ao chão através de presilhas e cabos de aço, que impedem qualquer movimento das barras verticais, não comprometendo nem a segurança e nem as apresentações dos atletas.

Características da competição[editar | editar código-fonte]

O ginasta alemão Fabian Hambüchen, em apresentação durante o Campeonato Mundial de Stuttgart

Sua sigla, para provas internacionais regulamentadas pela Federação Internacional de Ginástica, é HB. Para as saídas, são usados os mesmos movimentos das provas de salto sobre a mesa. As provas exigem força e coordenação[5] .

A competição masculina conta com o auxílio dos protetores palmares, que impedem lesões nas mãos e ajudam a manter a aderência com o aparelho. A competição varia de quinze a trinta segundos e inclui giros nas duas direções (para frente e para trás). Nesta prova, o ginasta não pode parar de mover-se e necessita de uma velocidade maior nos giros antes de cada acrobacia – para ganhar altura e velocidade rotacional[4] .[6]

Para realizar uma boa prova, o atleta necessita cumprir com as seguintes características[6] :

  • Largadas e retomadas – com as quais sai e retoma a barra durante as acrobacias
  • Giros – dos quais depende para bem realizar os movimentos acrobáticos e manter a postura
  • Variação de pegadas – com as quais conta pontos. São usadas ao início e término de cada movimento, inclusive durante os giros
  • Limite de elementos – movimentos acrobáticos necessários durante a prova. As exigências constam no Código de Pontos e os movimentos são listados na Tabela de Elementos. Na saída do aparto, a acrobacia necessita ter a dificuldade D de realização.

Para não ser descontado em sua performance, o ginasta não deve soltar-se do aparelho - sem que esteja a realizar um movimento acrobático -, dobrar os joelhos e cotovelos – quando o movimento não pedir tal postura -, hesitar durante um giro, não cumprir com as exigências mínimas acrobáticas e abrir as pernas – quando não solicitar o movimento[6] .

Movimentos[editar | editar código-fonte]

A respeito dos demais aparelhos da ginástica artística, a barra fixa conta com uma gama variada de exercícios e movimentos, que vão, desde as simples empunhaduras às largadas acrobáticas[6] .[5]

  • Empunhadura cubital: Para se entender esta empunhadura, estenda seus braços para frente com as palmas das mãos voltadas para o chão. Faça a seguir uma rotação dos braços para fora, ficando os cotovelos voltados para cima. Desta forma, é que deve ser empunhada a barra. Esta empunhadura exige flexibilidade para rodar os braços e uma grande exigência incide sobre o pulso.
  • Apoio: Diz-se apoio quando os pontos de sustentação do corpo estão sobre o aparelho.
  • O kippe de apoio: É um movimento que leva da suspensão ao apoio. Com o corpo estendido, o ginasta dá um impulso para a frente, com empunhadura dorsal. Após passar à vertical, flexiona-se o quadril. No final do impulso para a frente, flexiona-se fortemente os quadris e impulsiona-se o peito do pé para a barra.
  • Überschlag: Com empunhadura dorsal, o ginasta dá um impulso estendido a partir da parada de mãos. Pouco antes da vertical, estende-se mais o corpo, para passar pela vertical totalmente estendido e em seguida acelerar o movimento das pernas. Chegando à horizontal, diminui-se a velocidade do impulso das pernas. A cabeça fica em posição normal, e as mãos dão um impulso para se soltarem do aparelho. Continua-se o giro até pousar com segurança nos pés.

Ginastas de destaque[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «High bar» (em inglês). FreeDictionary. Consultado em 2009-05-15. 
  2. a b c «The history of high bar» (em inglês). GymMedia. Consultado em 2009-05-15. 
  3. «Horizontal bar» (em inglês). MerriamWebsterDictionary. Consultado em 2009-05-15. 
  4. a b «High Bar» (em inglês). Encyclopedia Britannica. Consultado em 2009-05-15. 
  5. a b «Gymnastics Basics: The Horizontal Bar» (em inglês). Articlesbase.com. Consultado em 2009-05-15. 
  6. a b c d «Barra fixa» (em inglês). Ginástica.com. Consultado em 2009-05-15. 

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Barra fixa