Açude Coremas–Mãe d'Água

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Barragem Dr Estevam Marinho)
Ir para: navegação, pesquisa
Question book-4.svg
Esta página ou secção cita fontes fiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo, o que compromete a verificabilidade (desde setembro de 2015). Por favor, insira mais referências no texto. Material sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Açude Coremas–Mãe D'Água (Açude Estevam Marinho)
Caudal do sangradouro da represa do Açude
Coremas no período das chuvasF
Localização
Localização Microrregião de Piancó
País  Brasil
Localidades mais próximas Coremas, Aguiar, Igaracy, Piancó e Emas
Características
Tipo artificial
Bacia hidrográfica rio Piranhas–Açu
Afluentes rio Piancó
Época das secas, sem “sangria”

O Açude Coremas–Mãe d'Água, oficialmente denominado Açude Estevam Marinho, é uma barragem localizada na microrregião de Piancó, Na cidade de Coremas no estado brasileiro da Paraíba.[1] Esse açude beneficia 112 municípios espalhados pela Mesorregião do Sertão Paraibano.

História[editar | editar código-fonte]

A construção foi executada pelo DNOCS, que no dia 8 de abril de 1937 iniciou a maior obra de engenharia brasileira da época, a qual foi concluída no dia 8 de maio de 1942,[1] tendo como responsável o engenheiro potiguar Estevam Marinho (1896–1953). Na época, Coremas–Mãe d'Água foi considerada a maior barragem do Brasil, assim permanecendo até 1960, quando foi inaugurada a Barragem de Orós.

Essa barragem teve grande importância na vida das pessoas naquela região e no aproveitamento do potencial hídrico da Paraíba, a ponto de receber três visitas presidenciais: Getúlio Dornelles Vargas em 16 de outubro de 1940, Eurico Gaspar Dutra em 1º de outubro de 1949 e Juscelino Kubitschek em 15 de janeiro de 1957.

Características[editar | editar código-fonte]

Mar no sertão[editar | editar código-fonte]

Embora o Açude Coremas tenha sido construído através do barramento do Piancó, enquanto que o de Mãe d’Água através do barramento do rio Aguiar, ambos os reservatórios estão tão próximos que formam um único espelho d'água através do canal vertedor de 237 metros, com capacidade máxima de transposição de doze metros cúbicos de água por segundo.[2]

Juntos somam uma capacidade máxima de acumulação de 1,358 bilhões de metros cúbicos e uma bacia hidrográfica de 8.700,34 km², formando um “mar no sertão”.[2] Ainda hoje a maior reserva hídrica do estado da Paraíba.[2] E o Quinto maior do Brasil.

Dados da barragem[editar | editar código-fonte]

  • Tipo da obra: terra zoneada com cortina central de concreto armado.
  • Capacidade: 720 milhões[3] de metros cúbicos
  • Bacia Hidrográfica: rios Piancó e Piranhas–Açu
  • Deflúvio anual médio: 632.1 milhões de metros cúbicos
  • Localização: municípios de Coremas e Piancó
  • Pluviosidade média anual: 860mm
  • Coeficiente de deflúvio: 9,2%
  • Altura máxima: 47m
  • Extensão: 1550m

Referências

  1. a b Adm. do DNOCS (1999). «Sistema Curema–Mãe d'Água». Departamento Nacional de Obras Contras as Secas. Consultado em 22 de setembro de 2015 
  2. a b c Andreia C.L. Rodrigues; et al. (2006). «Influência dos reservatórios a montante do sistema Coremas–Mãe d'água no processo de outorga da bacia hidrográfica do rio Piancó – PB» (PDF). ABRH.org. Consultado em 23 de março de 2015 
  3. José Jacinto de Araújo (2002). No roteiro das secas. [S.l.]: João Pessoa. 205 páginas 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre construção civil é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.