Barras paralelas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Barras paralelas
Gymnasta.jpg
Ginasta treinando para a competição
Olímpico desde: 1896
Desporto: Ginástica artística
Praticado por: Homens
Campeão Olímpico
Londres 2012
Feng Zhe
 China
Campeão do Mundo
Nanning 2014
Oleg Verniaiev
 Ucrânia



As Barras paralelas são um aparelho creditado ao alemão Friedrich Ludwig Jahn utilizado na ginástica artística e exclusivamente para homens. O aparelho é formado por dois barrotes paralelos,[1] apoiados em dois suportes de metal.[2]

O ginasta deve realizar uma série de movimentos giratórios, equilibrados nessas duas barras. As rotinas nelas executadas, variam de acordo com o grupo de elementos apresentados pelos ginastas, embora possuam o tempo médio gire entre quinze e trinta segundos.

História[editar | editar código-fonte]

UULLAAAALLLLAAAAErro de citação: Elemento de abertura <ref> está mal formado ou tem um nome inválido

Este aparelho foi criado pelo alemão Friedrich Jahn, em seu Hasenheide, em Berlim, local onde os ginastas faziam exercícios de dificuldade para a ginástica no cavalo.

Aparelho[editar | editar código-fonte]

O aparelho é composto por duas barras de madeira, recobertas com fibra de vidro com 3,50m de comprimento, colocados a uma distância que varia de 42 cm a 52cm uma da outra – dependendo da largura ombro-ombro do atleta -, a uma altura de 1,75 m[2] .[3][4]

Atualmente, os barrotes são cobertos com o mesmo material utilizado nas barras assimétricas e na barra fixa[2] . A diferença é que não há cabos de aço que prendam o aparelho ao chão.

Características da competição[editar | editar código-fonte]

O ginasta norueguês Espen Jansen

Os exercícios nas paralelas combinam diversos movimentos, mas principalmente largadas e balanços[4] , chamados elementos de impulso. Em uma série de exercícios neste aparato deverão constar ainda elementos de força e estáticos. As habilidades desenvolvidas

Para uma série ser bem sucedida, o ginasta necessita:

  • Percorrer toda a extensão dos barrotes, seja com largadas e retomadas, seja com movimentos de equilíbrio
  • Executar movimentos em ambas as barras simultaneamente e em apenas uma delas
  • Executar ao menos uma largada. O movimento acrobático – que envolve mortais e piruetas – não desconta ponto ao ginasta que não o executa, mas deixa sua rotina com uma nota A (de partida) mais baixa
  • Manter a postura angular correta: 180º vertical e 90º nas paradas e movimentos de equilíbrio, além da correta execução das largadas
  • Finalizar sua apresentação com um salto de saída de dificuldade D

Para não sofrer com despontuações, o ginasta não deve arrumar suas mãos nas barras - quando não estiver executando o próprio movimento -, desprender-se do aparelho, perder a postura – como dobrar os joelhos e cotovelos -, não cumprir com as exigências acrobáticas e plásticas exigidas pelo Código de Pontos, tocar as pernas nas barras em qualquer situação e não finalizar um movimento – qualquer passagem ou acrobacia[5] .

Movimentos[editar | editar código-fonte]

Como nos demais aparelhos, os exercícios nas barras paralelas realizados são bastante variados. Em geral, as acrobacias executadas são de chegada ao apoio braquial –protegidas ou não pelas braçadeiras -, que ajudam a reduzir o impacto nas aterrizagens dos movimentos e dão ao atleta a possibilidade de um melhor apoio e saída para a continuação de sua performance. Abaixo, alguns movimentos básicos nomeados[6] :

  • Esquadro: Como utilizado nas argolas, o ginasta forma uma figura angular com o corpo, apenas em um dos barrotes. O ginasta firma as mãos e passa as pernas por entre os braços, parando na posição que se assemelha a um esquadro.
  • Luftrolle: O movimento começa com o ginasta erguendo as pernas em posição esticada para se lançar ao impulso. Como em um mortal esticado para trás, o atleta larga as barras e chega em posição esticada, como uma parada de mãos. Este movimento se assemelha ao giro-gigante executado na barra fixa.
  • Stützkehre: O ginasta parte da posição “parada de mãos”, sobre as barras. Lançando-se à frente, solta-se de apenas um dos barrotes, faz-se um giro de 180º graus do corpo e torna à “parada de mãos”, dessa vez, virado para o outro lado.
  • Felge: Movimento utilizado para entradas nas barras. Partindo da parte de baixo, o ginasta desenha, lançando as pernas esticadas para cima, uma forma angular com o corpo, de modo a atingir, durante o embalo, um X entre as pernas e os braços. Ao elevar-se, passa-se à “parada de mãos”.

Ginastas de destaque[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Parallel bars» (em inglês). FreeDictionary. Consultado em 2009-05-17. 
  2. a b c «D&G Sports Equipaments» (em inglês). D&G Sports. Consultado em 2009-05-17. 
  3. «Apparatus norms» (em inglês). FIG site. Consultado em 2009-05-17. 
  4. a b «Ginástica artística - Provas». Consultado em 2009-05-17. 
  5. «Code of points > Men’s artistics» (em inglês). FIG site. Consultado em 2009-05-17. 
  6. «Paralelas simétricas». Ginásticas.com. Consultado em 2009-05-17. 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • NUNOMURA, Myrian & NISTA-PICCOLO, Vilma Lení, Compreendendo a Ginástica Artística, Editora Phorte. (em português)

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Barras paralelas