Basílio Horta

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Basílio Horta
GCIH
Basílio Horta
GCIH
SNT.png Presidente da Câmara Municipal de Sintra
Período II Governo

Ministro do Comércio e Turismo
VI Governo
Ministro do Comércio e Turismo
VII Governo
Ministro de Estado Adjunto
do Primeiro-Ministro
VIII Governo
Ministro da Agricultura, Comércio
e Pescas

Dados pessoais
Nascimento 16 de novembro de 1943 (78 anos)
Tábua
Partido CDS-PP (1974-2001),

PS (2009-atualmente)

Profissão Jurista

Basílio Adolfo de Mendonça Horta da Franca GCIH (Tábua, 16 de novembro de 1943) é um jurista e político português, sendo o atual presidente da Câmara Municipal de Sintra.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Basílio Horta fez os estudos secundários no Colégio Militar, licenciou-se em Direito e concluiu o Curso Complementar de Ciências Político-Económicas, pela Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa.

Iniciou a sua carreira como magistrado do Ministério Público, exercendo funções como subdelegado e delegado do Procurador da República. Em seguida foi admitido como técnico superior da Inspeção-Geral de Crédito e Seguros, exercendo posteriormente os cargos de secretário-geral da Corporação da Indústria e de diretor-geral da Confederação da Indústria Portuguesa.

Militante fundador do Partido do Centro Democrático Social, hoje CDS-PP, em 1974, assumiria ao longo dos anos o papel de membro histórico deste partido da direita portuguesa. Foi deputado à Assembleia Constituinte e à Assembleia da República; Ministro do Comércio e Turismo dos II e VII Governos Constitucionais; Ministro de Estado e Adjunto do Primeiro-Ministro do VII Governo Constitucional; Ministro da Agricultura, Comércio e Pescas do VIII Governo Constitucional.

Entretanto, a nível partidário, foi vice-presidente do CDS-PP, entre 1988 e 1991, e seu secretário-geral, entre março de 1990 e maio de 1991.

O mesmo partido apoiar-lhe-ia a sua candidatura nas eleições para a Presidência da República, em 1991, em que saiu derrotado por Mário Soares, que contava então não apenas como o apoio do PS, como também o do PPD/PSD.

De novo no Parlamento, exerceu funções como vice-presidente da Assembleia da República e, igualmente, de membro do Conselho de Estado.

Foi embaixador de Portugal na OCDE.

Por nomeação do governo de José Sócrates, foi presidente do Conselho de Administração da AICEP Portugal Global, marcando o seu consulado por anúncios de grandes investimentos externos em Portugal.

Mudou, entretanto, de Partido, do CDS para o PS, facto que foi eludido por um Deputado na Assembleia da República.[1]

Nas eleições legislativas de 2011 aceitou encabeçar a lista do Partido Socialista no Círculo Eleitoral de Leiria, como candidato independente. O mesmo partido viria a apoiar-lhe, já em 2013, uma candidatura a Presidente da Câmara Municipal de Sintra, cargo que exerce atualmente. Fizeram parte da Comissão de Honra da sua candidatura a Sintra [1] Jorge Sampaio, Mário Soares e Freitas do Amaral. Basílio Horta tem destacado na governação de Sintra medidas e propostas para atrair mais empresas [2] tendo já afirmado [3] que a sua campanha não aceita apoios financeiros de forma a combater os interesses instalados.

Pertenceu à Comissão Eventual para Acompanhamento das Medidas do Programa de Assistência Financeira a Portugal que antecedeu o resgate da Troika. Pertenceu também à Comissão Parlamentar de Inquérito ao Processo de Nacionalização, Gestão e Alienação do Banco Português de Negócios (BPN).

É professor convidado do Instituto Superior de Ciências Sociais e Políticas.

A 30 de janeiro de 2006 foi agraciado com a Grã-Cruz da Ordem do Infante D. Henrique.[2]

Candidatura à Presidência da República[editar | editar código-fonte]

Em janeiro de 1991, foi candidato às eleições presidenciais para a Presidência da República, tendo obtido o resultado de 14% dos votos, tendo sido ganhas por Mário Soares candidato que somara ao apoio do Partido Socialista o do PPD/PSD.

Câmara Municipal de Sintra[editar | editar código-fonte]

Foi eleito presidente da Câmara Municipal de Sintra nas Eleições Autárquicas de 29 de setembro de 2013, com 26,8% dos votos (sem maioria absoluta), contando com Mário Soares na sua Comissão de Honra.[3]

No dia 1 de outubro de 2017 foi reeleito presidente da Câmara Municipal de Sintra com maioria absoluta, com 43,1% dos votos.[4] Nas eleições autárquicas de 2021, foi reeleito presidente da Câmara Municipal de Sintra para um terceiro e último mandato, com 35,29% dos votos, perdendo a maioria absoluta.[5]

Entre 2015 e 2017 foi presidente do conselho metropolitano da Área Metropolitana de Lisboa.

Funções governamentais exercidas[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

Precedido por
Carlos Alberto da Mota Pinto
Ministro do Comércio e Turismo
II Governo Constitucional
1978
Sucedido por
Pedro Pires de Miranda
Precedido por
Acácio Pereira Magro
Ministro do Comércio e Turismo
VI Governo Constitucional
1980 – 1981
Sucedido por
Alexandre Vaz Pinto
Precedido por
Francisco Pinto Balsemão
(como ministro adjunto do primeiro-ministro)
Ministro de Estado adjunto do primeiro-ministro
VII Governo Constitucional
1981
Sucedido por
Fernando do Amaral
(como ministro adjunto do primeiro-ministro e dos Assuntos Parlamentares)
Precedido por
António Cardoso e Cunha
(como ministro da Agricultura e Pescas)
Alexandre Vaz Pinto
(como ministro do Comércio e Turismo)
Ministro da Agricultura, Comércio e Pescas
VIII Governo Constitucional
1981 – 1983
Sucedido por
Manuel Soares Costa
(como ministro da Agricultura, Florestas e Alimentação)
Álvaro Barreto
(como ministro do Comércio e Turismo)
Carlos Melancia
(como ministro do Mar)
Ícone de esboço Este artigo sobre uma pessoa é um esboço relacionado ao Projeto Biografias. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.