Basílio de Jerusalém

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Basílio de Jerusalém foi o patriarca de Jerusalém entre 821 e 842 Durante o seu episcopado, ele se opôs ao iconoclasmo defendido pelo imperador bizantino Teófilo.

Vida e obras[editar | editar código-fonte]

Basílio era discípulo de seu antecessor, Tomé I de Jerusalém e forte opositor dos iconoclastas. Em 836, ele convocou um sínodo em Jerusalém, com a participação de Cristóvão de Alexandria e o patriarca de Antioquia,[1] para defender a veneração de ícones e, ao seu término, enviou a posição dos bispos ali reunidos ao imperador Teófilo numa carta enviada através do sincelo (secretário) Miguel. Teófilo, um iconoclasta, mandou prender o mensageiro logo que ele chegou.

Em 841, Basílio conseguiu evitar um ataque à Jerusalém pelo exército de 30 000 soldados do árabe Tamim Abu Harbe, do Iêmem, subornando-o. Basílio morreu no ano seguinte, 842, e foi sucedido por Sérgio I, que foi entronado pelos árabes.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Basílio de Jerusalém
(821 - 842)
Precedido por: PatriarchsCross.svg
Lista sucessória dos patriarcas de Jerusalém
Sucedido por:
Tomé I 66.º Sérgio I


Referências

  1. Moshe Gil. «A History of Palestine, 634-1099» (em inglês). Google Books. p. 460 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]