Base (Dzogchen)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.

Na tradição dzogchen do budismo tibetano, base (em tibetano: གཞི; Wylie: gzhi; IAST: āśraya[1] or sthāna[nota 1][nota 2]) também traduzido como fundamento ou solo, é o estado primordial ou Absoluto. É um componente essencial do Dzogchen para ambos os bonpo e os nyingmapa.[2][3] O conhecimento desse Solo é chamado rigpa.[nota 3]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

O tibetano གཞི, Wylie: gzhi, já foi renderizado como 'Base', 'Solo', 'Fundamento do Ser', entre outros glossários. Segundo Dudjom, o termo original em sânscrito é āśraya (IAST ; sânscrito devanagari: आश्रय; etimologia: आ- √श्रि),[5][nota 1] mas também pode ser sthāna.

Sam van Schaik afirma que o gzhi deve ser diferenciado do kun gzhi. Na série Coração Seminal, é feita uma distinção entre kun gzhi, neste caso ālaya, "a base de tudo isso", a base samsárica da consciência, de todas as aparências samsáricas; e gzhi, "a base nirvânica conhecida como solo".[6][nota 4]

Três qualidades[editar | editar código-fonte]

De acordo com os ensinamentos dzogchen, a natureza do solo ou do Buda tem três qualidades:[7][8]

(Em Goodman e Davidson, 1992,) Herbert V. Guenther ressalta que essa Base é tanto um potencial estático quanto um desdobramento dinâmico. Eles dão uma tradução orientada ao processo, para evitar associações essencialistas, pois

ngo-bo (facticidade) não tem nada a ver com nem pode ser reduzido às categorias (essencialistas) de substância e qualidade; [...] rang-bzhin (atualidade) permanece de dimensão aberta, em vez de ser ou se transformar em uma essência rígida, apesar de ser o que é; e que thugs-rje (ressonância) é uma sensibilidade e resposta atemporais, em vez de uma operação distinta e restritamente circunscrita.[9]

A Natureza de Buda é vista como intrínseca ao solo da existência na tradição nyingma, sendo tema predominante em seus tantras. Todos os seres a possuem, tendo ela aspectos de imanência e transcendência, o que foi discutido mais modernamente nos comentários de Mipam (1846–1912).[10] O estudioso budista tibetano do século XIX/XX, Shechen Gyaltsap Gyurme Pema Namgyal, vê a natureza búdica como verdade suprema,[11] nirvana, que é constituída de profundidade, paz e esplendor primordiais:

A Natureza de Buda é imaculada. Ela é profunda, serena, talidade não fabricada, uma expansão de luminosidade não composta, não emergente, incessante, paz primordial, nirvana espontaneamente presente.[12]

A Oração de Kuntuzangpo[editar | editar código-fonte]

Os seres ficam presos no samsara por não reconhecerem o Solo. A Oração de Kuntuzangpo do Gonpa Zangthal declara:

Desde o princípio vós seres sois iludidos

Porque não reconheceis

A consciência da base[13]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas

  1. a b De acordo com A Dictionary of Buddhism, Oxford University Press, 2003, 2004[web 1] "āśraya" é um sinônimo para ālaya-vijñāna, a "consciência-armazém".
  2. Outras traduções de gzhi: chinês: 基 (Pinyin: Ji); coreano 의지 (ŭiji); japonês:エジ (eji)
  3. Wylie: rig pa; IAST: vidyā)[4]
  4. Sam van Schaik: "....the Seminal Heart distinction between two types of basis, the nirvanic basis known as the ground (gzhi) and the samsaric basis of consciousness, the ālaya (kun gzhi).[6]

Referências

  1. Longchen Rabjam 1998, p. 288.
  2. Rossi 1999, p. 52.
  3. Dudjom Rinpoche & Jikdrel Yeshe Dorje 1991, p. 354.
  4. Dudjom Rinpoche & Jikdrel Yeshe Dorje 1991, p. 336.
  5. Dudjom Rinpoche & Jikdrel Yeshe Dorje 1991, p. 354 Index of Technical Terms.
  6. a b Schaik 2004.
  7. Tenzin Wangyal Rinpoche 2001, p. 44.
  8. Petit 1999, p. 78-79.
  9. Goodman & Davidson 1992, p. 14.
  10. Duckworth, Douglas S. (24 de julho de 2008). Mipam on Buddha-Nature: The Ground of the Nyingma Tradition (em inglês). [S.l.]: SUNY Press 
  11. Rabjam, Shechen (2007). The Great Medicine: Steps in Meditation on the Enlightened Mind. Boston: Shambhala: p. 21
  12. Rabjam, Shechen (2007). The Great Medicine: Steps in Meditation on the Enlightened Mind. Boston: Shambhala: p. 4
  13. Ranjung Yeshe 2006, p. Chapter 9.

Fontes[editar | editar código-fonte]

Fontes publicadas[editar | editar código-fonte]

  • Dudjom Rinpoche; Jikdrel Yeshe Dorje (1991), Gyurme Dorje with Matthew Kapstein, ed., The Nyingma School of Tibetan Buddhism: its Fundamentals and History. Two Volumes. Translated and, ISBN 0-86171-087-8, Wisdom Publications 
  • Goodman, Steven D.; Davidson, Ronald M. (1992), Tibetan Buddhism: reason and revelation, ISBN 0-7914-0785-3, SUNY Press 
  • Hubbard, Jamie (2008), Original Purity and the Arising of Delusion (PDF) 
  • Ranjung Yeshe (2006), Quintessential Dzogchen, traduzido por Kunsang, Erik Pema 
  • Longchen Rabjam (1998), The Precious Treasury of the Way of Abiding, traduzido por Richard Barron, Padma Publishing 
  • Petit, John Whitney (1999), Mipham's Beacon of Certainty: Illuminating the View of Dzochen, the Great Perfection, ISBN 0-86171-157-2, Boston: Wisdom Publications 
  • Tenzin Wangyal Rinpoche (2001), Het wonder van onze oorspronkelijke geest. Dzokchen in de bontraditie van Tibet (Dutch translation of "Wonders of the Natural Mind"), Elmar BV 
  • Rossi, Donatella (1999), The Philosophical View of the Great Perfection in the Tibetan Bon Religion, ISBN 1-55939-129-4, Snow Lion 
  • Schaik, Sam (2004), Approaching the Great Perfection: Simultaneous and Gradual Methods of Dzogchen Practice in the Longchen Nyingtig (PDF), Wisdom Publications Inc., consultado em 15 de junho de 2014, cópia arquivada (PDF) em 14 de julho de 2014 

Fontes da Web[editar | editar código-fonte]

Leitura adicional[editar | editar código-fonte]

  • Lipman, Kennard (c. 1984). "How Samsara is Fabricated from the Ground of Being." Translated from Klong-chen rab-'byams-pa's "Yid-bzhin rin-po-che'i mdzod". "Crystal Mirror V". Berkeley: Dharma Publishing, pp. 336–356 ed. revisada 1991; Primeiro publicado em 1977
  • Hubbard, Jamie (1994, 2008). Original Purity and the Arising of Delusion. Smith College.