Bashar al-Assad

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
(Redirecionado de Bashar al Assad)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bashar al-Assad
بشار حافظ الأسد
Presidente da Síria
Período 17 de julho de 2000
a atualidade
Vice-presidente Najah al-Attar[1]
Antecessor Abdul Halim Khaddam (interino)
Dados pessoais
Nascimento 11 de setembro de 1965 (53 anos)
Damasco, Distrito de Damasco
 Síria
Alma mater Universidade de Damasco
Primeira-dama Asma al-Assad
Filhos 3 (Hafez, Zein e Karim)
Partido Baath
Religião Islamismo (Alauísmo)
Profissão Médico

Bashar Hafez al-Assad, em árabe بشار حافظ الأسد‎ (Damasco, 11 de setembro de 1965) é um político sírio e o atual presidente de seu país e Secretário Geral do Partido Baath desde 17 de julho de 2000. Sucedeu a seu pai, Hafez al-Assad, que governou por 30 anos até sua morte.

Al-Assad formou-se na Faculdade de Medicina da Universidade de Damasco em 1988, e começou a exercer a profissão no exército. Quatro anos mais tarde, ele participou de estudos de pós-graduação do Hospital Ocidental Eye, em Londres, especializando-se em oftalmologia. Em 1994, depois de seu irmão mais velho, Bassel al-Assad, ser morto em um acidente de carro, Bashar foi chamado para a Síria para assumir o seu papel como herdeiro aparente. Ele entrou na academia militar, assumiu o comando da ocupação da Síria no Líbano em 1998. Em dezembro de 2000, Assad se casou com Asma al-Assad, nascida Akhras. Al-Assad foi reconfirmado pelo eleitorado nacional como o presidente da Síria em 2000 e 2007, após o Conselho Popular da Síria ter votado para propor o titular de cada vez.[2][3]

Inicialmente visto pela comunidade nacional e internacional como um potencial reformador, essas expectativas cessaram quando ele ordenou uma repressão em massa e cercos militares contra manifestantes pró-rebeldes em meio a uma guerra civil recente, descrito por alguns comentaristas como relacionados ao amplo movimento da Primavera Árabe. Posteriormente, a renúncia de al-Assad da presidência foi pedida por grande parte da oposição doméstica sunita do país, pelos Estados Unidos, pelo Canadá, pela União Europeia e pelos Estados membros da Liga Árabe.[4][5] Ele pertence à seita minoritária alauita e seu governo tem sido descrito como secular.[6] Assad é tachado como ditador por seus oponentes e seu regime recebeu condenação internacional de líderes mundiais, ativistas e jornalistas devido a acusações de violações de direitos humanos.[7][8][9] Em junho de 2014, chegou a ser incluído em uma lista, entregue à Corte Penal Internacional, de funcionários de governos e rebeldes acusados de crimes de guerra.[10] Assad sempre rejeitou as acusações de ter perpetrado crimes contra a humanidade e criticou a intervenção militar estrangeira, liderada nos Estados Unidos, em seu país como uma tentativa de "mudança de regime".[11]

Biografia

Nascido em Damasco, Bashar al-Assad veio de uma família muito envolvida com política, sendo seu pai o próprio Presidente da Síria. Ele estudou oftalmologia em sua cidade natal e depois foi para Londres concluir os estudos. Inicialmente tinha poucas aspirações políticas e seu pai educara seu irmão mais velho, Basil al-Assad, para ser o futuro presidente. Porém a morte deste em um acidente de automóvel mudou a situação e Bashar converteu-se no herdeiro político de seu pai, que viria a falecer em 10 de junho de 2000. Bashar al-Assad tornou-se então General do Estado Maior e Chefe Supremo das Forças Armadas Sírias. Nomeado candidato único pelo Partido Árabe Socialista Baath (único partido do regime) para a Presidência da República, foi eleito mediante referendo em 10 de julho de 2000, tomando posse em 17 de julho. Em dezembro de 2000 casou-se com Asma al-Assad.

Presidente da Síria

Bashar al-Assad foi inicialmente tachado como um "reformista" quando assumiu a presidência da Síria no ano 2000. Ele, contudo, perpetuou o sistema político deixado por seu pai Hafez al-Assad, concentrando em si toda a autoridade política, silenciando a oposição e colocando apoiadores e familiares em posições de poder dentro do governo.[12]

Período pré-guerra civil: 2000–2011

Assad se encontrando com o então presidente russo Dmitry Medvedev, em maio de 2010.

O começo de seu mandato foi marcado por uma esperança de mudanças democráticas, que foi frustrada com a continuidade da política de seu antecessor. Ante à ameaça da ideia de guerra preventiva levada a cabo pela administração norte-americana, a instabilidade do Líbano, na qual a Síria mantinha uma forte presença militar e as constantes tensões com seu vizinho Israel, Bashar al-Assad procurou manter um discurso reformista que poderia satisfazer os anseios da União Europeia e dos Estados Unidos, mas que na prática não produziu nenhuma concessão ao movimento de oposição do país. A forte pressão internacional sobre Bashar al-Assad após a morte do ex-primeiro-ministro libanês Rafik Hariri, cuja autoria foi atribuída aos serviços de inteligência sírios, fez com que as tropas mantidas no Líbano fossem retiradas.

Bashar al-Assad foi reeleito em um referendo convocado no dia 27 de maio de 2007 onde conseguiu 97% de aprovação, mas ele concorreu sozinho.[13] No dia 25 de junho de 2010, iniciou uma série de viagens pela América Latina, visitando Cuba, Venezuela, Brasil e Argentina.

Em 2011, frente a vários protestos no mundo árabe por reformas democráticas, o governo de al-Assad prometeu abrir mais a política do país para o povo. Porém frente a lentidão dessas mudanças, ou o não cumprimento da promessa, opositores ao seu regime começaram uma série de protestos pedindo a derrubada do Presidente, que respondeu aos manifestantes com o envio de tropas do Exército para áreas em protesto. A violência da repressão do governo fez com que vários países pelo mundo, como os Estados Unidos, Canadá e União Europeia adotassem sanções contra a Síria. Com as manifestações se transformando em revolta armada contra o seu governo, seus exércitos foram acusados, repetidas vezes, de crimes contra a humanidade, e a comunidade internacional e a oposição interna do seu país começaram a pedir a sua renúncia imediata da presidência, mas ele se recusou e afirmou que continuaria na luta para se manter no poder.[14] Por diversas vezes, Assad afirmou que seu país é vitima de uma "conspiração estrangeira", envolvendo terrorismo, com o objetivo de desestabilizar a Síria.[15][16][17]

Em 2014, mesmo em meio a uma brutal guerra civil, com 191 mil mortos entre março de 2011 e abril de 2014,[18][19] com quase metade da nação deslocada de suas casas e um-terço do país nas mãos da oposição, o governo Assad levou a cabo as eleições gerais para presidente.[nota 1] Com 88,7% dos votos, o líder sírio foi declarado vitorioso da eleição,[21] cujo resultado foi considerado duvidoso por grupos opositores anti-Assad e criticada por observadores internacionais do Ocidente.[22][23]

Economia

De acordo com a ABC News, como resultado da guerra civil, "as regiões da Síria controladas pelo governo estavam truncadas em tamanho, devastadas e empobrecidas".[24] As sanções econômicas impostas por Estados Unidos e Europa antes e durante a guerra ajudaram ainda mais a desintegrar a economia nacional.[25][26][27] A pouca indústria que ainda existe no país é estritamente controlada pelo governo, com as políticas de liberalização da economia sendo revertidas por causa do conflito.[28] Um estudo da London School of Economics afirmou que, como resultado da guerra civil, uma "economia de guerra" se desenvolveu na Síria.[29] A economia e infraestrutura do país está em ruínas, com o desemprego sendo superior a 50% em áreas já pacificadas pelo regime Assad e 85% da população vivendo na linha da pobreza. Ainda assim, segundo um estudo, a economia de guerra permitiu que, do caos e da violência, alguns negócios começassem a prosperar.[30]

Destruição na cidade de Azaz. Devido aos combates da guerra civil, muitas cidades da Síria ficaram em ruínas, enfraquecendo consideravelmente a economia do país.

Uma comissão das Nações Unidas reportou que cerca de dois-terços da população síria estaria vivendo em "pobreza extrema".[31] O desemprego e a inflação estavam absurdamente altos.[32] Em outubro de 2014, um shopping center de US$50 milhões de dólares foi aberto em Tartus que provocou críticas dentro do próprio governo. A construção foi atribuída a uma política de Assad de projetar um senso de normalidade no meio de uma guerra civil.[33] O regime tinha iniciado, no começo da guerra, uma política de dar preferência de empregos governamentais a famílias de soldados mortos em ação, mas essa ação foi cancelada, o que causou protestos. Manifestações contra corrupção teriam acontecido em várias cidades.[34] Em dezembro de 2014, a União Europeia baniu a venda de combustíveis de aviação para o governo Assad, forçando o regime a buscar alternativas mais caras.[35]

Abuso de direitos humanos

A imprensa na Síria é fortemente controlada pelo Estado. Websites como a Wikipédia em árabe, YouTube e Facebook foram intermitentemente bloqueados entre 2008 e 2011.[36][37][38]

Grupos de direitos humanos como a Human Rights Watch e a Anistia Internacional, emitiram relatórios detalhados sobre como a polícia secreta de Assad supostamente torturava, aprisionava e matava vários oponentes políticos e aqueles que falavam contra o regime.[39][40] Assad, numa entrevista para a ABC News em 2007, afirmou: "Nós não temos presos políticos". Contudo, o The New York Times reportou que dos mais de 30 dissidentes políticos sírios, que organizaram um grupo de oposição em 2007, ao menos 3 dos cabeças foram presos pelo regime.[41] O premiado jornalista William R. Polk afirmou que a Síria sob o Partido Baath é uma "tirania" e o povo "vive com medo" e que Assad, assim como seu pai, utiliza de eleições fraudulentas e controladas para dar uma aparência de legitimidade, embora mantenha a sociedade civil sob pressão.[42] Já James Denselow, do jornal britânico The Guardian, afirmou, logo no começo da guerra civil, que Assad não poderia realizar reformas nem se quisesse, o descrevendo como "o ditador que não pode ditar", argumentando que os grupos que formam a base de sustentação do regime não aceitariam isso.[43] No livro Syria at Bay, por Carsten Wieland, afirmou ainda que uma fonte jornalistica síria anônima descreveu Assad como alguém que "faz sua opinião baseado na última pessoa com quem falou", enquanto sua irmã, Bushra, referiu ao irmão como "estúpido e nervoso".[43]

Alegados crimes de guerra

Manifestações anti-governo em Hama. Nas bandeiras, esta escrito "Ash-shab yurid isqat an-nizam" ("O povo quer derrubar o regime"). Assad costumeiramente respondia com violência as manifestações de opositores.

O FBI (a polícia federal dos Estados Unidos) afirmava que ao menos dez cidadãos europeus foram torturados por agentes do governo sírio durante a guerra, potencialmente abrindo caminho para que Assad fosse julgado por uma corte europeia por crimes de guerras.[44] Stephen Rapp, o oficial responsável por questões de crimes de guerra do Departamento de Estado dos Estados Unidos, afirmou que os crimes cometidos por Assad eram os piores vistos desde os dias da Alemanha Nazista.[45] Em março de 2015, Rapp voltou a condenar o governo Assad, dizendo que o caso contra ele era "melhor" que aqueles contra Slobodan Milošević da Sérvia ou Charles Taylor da Libéria, ambos notórios criminosos de guerra condenados em tribunais internacionais.[46]

Em fevereiro de 2015, em uma entrevista para a BBC, Assad descreveu as acusações de que a força áerea síria utilizava bombas de barril como "infantil", afirmando que suas tropas não usariam tal tipo de armamento mas fez piada afirmando que eles também não usariam "panelas de cozinhar".[47] O editor para Oriente Médio da BBC, que conduziu a entrevista, Jeremy Bowen, descreveu a afirmação de Assad como "evidentemente não verdadeira".[48] A utilização de bombas de barril pelas forças de Bashar al-Assad era bem documentada, assim como seu uso indiscriminado em áreas civis, causando muitas mortes.[49]

Em fevereiro de 2016, o chefe da Comissão de Inquérito das Nações Unidas para a Síria, Paulo Pinheiro, falou com repórteres: "A grande quantidade de mortos e detidos sugere que o governo sírio é responsável por tais atos que beiram o extermínio e que constituiria crime contra a humanidade." A comissão da ONU reportou "abusos inimagináveis", incluindo de mulheres e crianças de idade de até sete anos perecendo nas mãos de autoridades do governo. O relatório ainda afirma: "Há uma base razoável para acreditar que altos oficiais do regime — incluindo das forças armadas e dos diretórios — comandam os edifícios onde as torturas acontecem, as autoridades policiais e os superiores civis, sabiam da vastidão das mortes nas detenções ... mas não fizeram nada para deter os abusos, ou apurar os responsáveis".[50]

Em abril de 2017, houve um ataque com gás sarin em Khan Sheikhoun que matou mais de 80 people. O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, ordenou, em retaliação, o lançamento de 59 mísseis de cruzeiro BGM-109 Tomahawk contra uma base da força aérea síria em Shayrat.[51] Sete meses mais tarde, um relatório das Nações Unidas e inspetores de armas químicas afirmaram ter encontrado evidências de que o regime Assad foi mesmo o responsável, violando a lei internacional.[52]

Um mural em apoio a Assad, erguido na cidade de Lataquia.

Em abril de 2018, cerca de 85 pessoas teriam morrido em um suposto ataque químico na cidade de Douma. Os Estados Unidos e seus aliados ocidentais imediatamente acusaram Assad de ter sido o responsável e por isso ter violado a lei internacional. Americanos, franceses e britânicos reagiram lançando outra campanha de bombardeios aeronavais contra alvos do regime em Damasco e Homs. Os governos da Síria e da Rússia negaram o envolvimento do regime no ocorrido.[53][54]

Em junho de 2018, o procurador-chefe da Alemanha emitiu uma ordem de prisão internacional para um dos principais oficiais militares de Assad, Jamil Hassan, que servia como chefe do Diretório de Inteligência da Força Aérea Síria. Esta organização governamental era uma das mais notórias em assuntos de violação de direitos humanos e acredita-se que milhares de pessoas foram mortas ou torturadas por agentes do regime por lá. O governo alemão afirmou que Hassan era o responsável pelos locais onde os abusos aconteciam e tinha conhecimento das atrocidades. Esta foi um dos mais notórios casos de um oficial do alto escalão do governo Assad a ser implicado diretamente em crimes de guerra por um tribunal.[55]

Apoio interno e oposição

A oposição síria sempre foi fragmentada e teve dificuldades em se articular. Os líderes seculares e que desejavam uma "mudança democrática" optavam ou foram forçados ao exílio. Os movimentos anti-Assad recebiam apoio dos Estados Unidos, da Europa e de potências do Oriente Médio (como a Arábia Saudita). Internamente, a oposição era dividida entre facções de secularistas, moderados e fundamentalistas islâmicos.[56][57] Dentro do Parlamento Sírio, não há partidos de oposição ao regime, mas existem grupos de parlamentares que afirmam ser independentes, embora tais políticos tenham que ser "sancionados" pelo governo.[58]

Durante a guerra civil, a população drusa permaneceu majoritariamente neutra, tentando ficar de fora do conflito, enquanto é citado que boa parte destes apoiavam o governo Assad.[59] Esse apoio foi abalado em fevereiro de 2015 quando o influente Xeique Wahid al-Balous foi assassinado. Isso levou a uma série de protestos em regiões drusas, que deixou ao menos seis policiais mortos.[60]

Foi reportado que durante boa parte da guerra civil síria a maioria das minorias religiosas, como os alauitas e os cristãos, favoreciam o regime Assad devido o seu secularismo e o medo diante dos radicais islâmicos.[61][62] Contudo, o apoio entre os cristãos assírios era pequeno pois estes acreditavam que o governo os utilizava como "marionetes" e negava sua distinta etnia, como não-árabes.[63] A comunidade síria alauita é descrita como a principal base de apoio ao regime da Família Assad e domina o governo (incluindo postos nos gabinetes de segurança),[64][65] mas este apoio não seria unanime.[66]

Em 2014, o Conselho Militar Siríaco, uma das maiores organizações cristãs da Síria, formou uma aliança com o Exército Livre Sírio para se opôr a al-Assad,[67] se juntando a outras milícias cristãs, como o Sutoro, em oposição ao governo.[68]

Relações exteriores

Assad se encontrando com o Presidente russo Vladimir Putin, em outubro de 2015. A Rússia é, atualmente, o maior aliado da Síria, junto com o Irã.

Bashar al-Assad mantinha relações com a França desde sua primeira visita oficial ao exterior, quando encontrou-se com o primeiro-ministro francês à época, Jacques Chirac.

Os Estados Unidos, a União Europeia, Israel e França acusam Al-Assad de apoiar grupos militantes contra Israel e grupos políticos opositores ao seu governo, exceto o Hezbollah e Hamas. De acordo com o Instituto de Pesquisas do Oriente Médio, Assad afirmou que os Estados Unidos poderia beneficiar-se da experiência síria no combate à Irmandade Islâmica.

A despeito das tensas relações com Israel, Assad buscou a retomada de negociações de paz para a devolução das Colinas de Golã, ocupadas por Israel desde 1967.

Guerra do Iraque
Bashar al-Assad e o representante especial iraniano Ali Akbar Velayati, em 2016.

Assad foi um dos principais opositores da Ivansão ao Iraque em 2003 apesar da histórica animosidade entre os dois países.[69] Neste período, o líder sírio fez uso de seu assento no Conselho de Segurança das Nações Unidas votando contra a resolução encabeçada pelos Estados Unidos.[70]

De acordo com o veterano da inteligência norte-americana Malcolm Nance, o governo sírio havia desenvolvido profundas relações com Izzat Ibrahim al-Douri, um dos líderes do Conselho do Comando Revolucionário. Apesar das divergências históricas entre as duas facções do Baathismo, al-Douri teria aconselhado Hussein a abrir seus dutos petrolíferos para a Síria, construindo uma relação financeira com a Família Assad. Após a Invasão do Iraque, al-Douri organizou o Comando Nacional de Resistência Islâmica que coordenava as maiores operações contra as forças armadas estadunidenses.[71][72] Em 2009, David Petraeus, que liderava o Comando Central dos Estados Unidos, informou que al-Douri estaria vivendo na Síria.[73]

George W. Casey, Jr., comandante da coalizão militar no Iraque, acusou Assad de prover armamentos e treinamento aos insurgentes contra as forças armadas estadunidenses.[74] Líderes iraquianos, como o secretário nacional de defesa Mowaffak al-Rubaie e o antigo Primeiro-ministro Nouri al-Maliki acusaram Assad de apoiar os militantes iraquianos.[75][76][77]

Egito

No auge da Primavera Árabe, a imprensa estatal síria divulgou negativamente a imagem do presidente egípcio Hosni Mubarak, destacando-o como aliado dos Estados Unidos. Em entrevista ao The Wall Street Journal, Assad afirmou-se "anti-Israel" e "anti-Ocidente" e que por conta destas posições ele não correria risco de ser deposto pelo povo.[78]

Estados Unidos

Em 2009, Assad reuniu-se com cientistas e líderes políticos norte-americanos durante um evento diplomático e expressou seu interesse em construir centros e pesquisa visando utilizar ciência e tecnologia ao crescimento econômico.

Em 2017, em resposta à Ordem Executiva 13769, que determinou a suspensão de refugiados sírios, Assad não discordou da medida, afirmando que "é contra terroristas que se infiltrariam entre os imigrantes no Ocidente... Acredito que o objetivo de Trump seja evitar estas pessoas de chegar lá... Não é uma medida contra o povo sírio".

Honras e condecorações

Assad é condecorado com a Ordem do Cruzeiro do Sul por Lula da Silva, em junho de 2010.

Notas

  1. Foi o primeiro em quase 50 anos a ter mais de um candidato a presidência, embora não ameaçassem a reeleição de al-Assad.[20]

Referências

  1. http://i-r-p.ru/page/stream-event/index-4399.html
  2. «Syrians Vote For Assad in Uncontested Referendum». Associated Press (em inglês). The Washington Post. 28 de maio de 2007. Consultado em 22 de novembro de 2013 
  3. «Syria's Assad wins another term». BBC (em inglês). BBC. 29 de maio de 2007. Consultado em 22 de novembro de 2013 
  4. Bassem Mroue (18 de abril de 2011). «Bashar Assad Resignation Called For By Syria Sit-In Activists» (em inglês). The Huffington Post. Consultado em 22 de novembro de 2013. Cópia arquivada em 12 de maio de 2011 
  5. «Arab League to offer 'safe exit' if Assad resigns». Consultado em 22 de novembro de 2013 
  6. Peace Out of Reach: Middle Eastern Travels and the Search for Reconciliation, Stephen Bronner - 2007 - p. 63
  7. «O ditador que conseguiu sobreviver a cinco anos de guerra». Diário de Notícias. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  8. «ONU distribuiu recursos para pessoas próximas à ditadura síria, diz jornal». Folha de São Paulo. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  9. «Syria war explained: Who is Bashar al-Assad?». News.com.au. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  10. Nebehay, Stephanie (10 de junho de 2014). «Assad tops list of Syria war crimes suspects handed to ICC: former prosecutor». Reuters. Consultado em 13 de março de 2015 
  11. King, Esther (2 de novembro de 2016). «Assad denies responsibility for Syrian war». Politico. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  12. «At home with the Assads: Syria's ruthless ruling family». The Guardian. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  13. «Syria». United States Department of State. 26 de janeiro de 2012. Consultado em 4 de março de 2012 
  14. Bassem Mroue. «Bashar Assad Resignation Called For By Syria Sit-In Activists». The Huffington Post. Consultado em 20 de abril de 2011 
  15. «O ditador que conseguiu sobreviver a cinco anos de guerra». DN.pt. Consultado em 9 de fevereiro de 2018 
  16. «Syria war explained: Who is Bashar al-Assad?». News.com.au. Consultado em 6 de agosto de 2018 
  17. G1 (20 de fevereiro de 2018). «Em Ghouta, na Síria, tropas do ditador Bashar al-Assad matam 250 pessoas» 
  18. http://blogs.estadao.com.br/jamil-chade/2014/08/22/siria-quase-200-mil-mortos-em-um-conflito-abandonado/
  19. http://www.lemonde.fr/proche-orient/article/2014/08/22/le-conflit-syrien-a-fait-plus-de-191-000-morts-selon-l-onu_4475250_3218.html
  20. EFE (1 de junho de 2014). «Após décadas, Síria terá mais de um candidato a presidente». Terra. Consultado em 9 de junho de 2014 
  21. «Parlamento confirma vitória de Bashar al-Assad nas eleições na Síria». G1. Consultado em 5 de junho de 2014 
  22. «Oposição síria considera 'ilegítima' a eleição de Assad». G1. Consultado em 5 de junho de 2014 
  23. Euronews.pt (3 de junho de 2014). «Síria organiza hoje presidenciais classificadas de "farsa" pelo Ocidente». Euronews.pt. Consultado em 9 de junho de 2014 
  24. Hadid, Diaa (2 de novembro de 2014). «Assad's Syria Truncated, Battered, but Defiant». Abc News. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  25. «Syria 'disintegrating under crippling sanctions'». BBC News. 19 de fevereiro de 2012. Consultado em 2 de novembro de 2014 
  26. Croft, Adrian (21 de outubro de 2014). «EU targets ministers, UAE firm in latest Syria sanctions». Reuters 
  27. Korte, Gregory (16 de outubro de 2014). «Tightened sanctions target Syrian human rights abuses». USA Today. Consultado em 9 de novembro de 2014 
  28. Al-Khalidi, Suleiman (4 de julho de 2012). «Syria reverts to socialist economic policies to ease tension». Reuters. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  29. «Local ceasefires best way to ease Syrians' suffering: researchers». Reuters. Consultado em 10 de novembro de 2014 
  30. Yazigi, Jihad (7 de abril de 2014). «Syria's War Economy» (PDF). European Council on Foreign Relations. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  31. Al-Khalidi, Suleiman (28 de maio de 2014). «Syria's economy heads into ruin: U.N. sponsored report». Reuters. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  32. Naylor, Hugh. «Syria's Assad regime cuts subsidies, focuses ailing economy on war effort». The Washington Post. Consultado em 6 de dezembro de 2014 
  33. Daou, Rita (17 de outubro de 2014). «Glitzy mall sparks anger from Assad backers». Agence France-Presse. Consultado em 19 de outubro de 2014 
  34. «Alawites find their voice against Assad». Al Monitor. Consultado em 1 de novembro de 2014 
  35. Blair, David (12 de dezembro de 2014). «EU tries to ground Bashar al-Assad's warplanes by banning fuel supplies». The Telegraph. Consultado em 13 de dezembro de 2014 
  36. «Red lines that cannot be crossed – The authorities don't want you to read or see too much». The Economist. 24 de julho de 2008 
  37. Jennifer Preston (9 de fevereiro de 2011). «Syria Restores Access to Facebook and YouTube». The New York Times 
  38. «Internet Enemies – Syria». Reporters Without Borders. Consultado em 29 de abril de 2011. Arquivado do original em 18 de maio de 2011 
  39. «A Wasted Decade». Human Rights Watch. 16 de julho de 2010. pp. 4, 8 
  40. «2010 Country Reports on Human Rights Practices – Syria». United Nations High Commissioner for Refugees. 8 de abril de 2011. Arquivado do original em 19 de outubro de 2012 
  41. Cambanis, Thanassis (14 de dezembro de 2007). «Challenged, Syria Extends Crackdown on Dissent». The New York Times. Consultado em 26 de abril de 2010 
  42. «Understanding Syria: From Pre-Civil War to Post-Assad». TheAtlantic.com. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  43. a b «Bashar al-Assad: the dictator who cannot dictate». The Guardian. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  44. Rogin, Josh (15 de dezembro de 2014). «U.S. says Europeans killed by Assad's death machine». Chicago Tribune. Bloomberg News. Consultado em 4 de janeiro de 2015 
  45. Pileggi, Tamar (15 de dezembro de 2014). «FBI says Europeans tortured by Assad regime». Consultado em 22 de setembro de 2018 
  46. Anna, Cara (11 de março de 2015). «US: War Crimes Case Vs. Assad Better Than One for Milosevic». ABC News. Associated Press 
  47. «'There are no barrel bombs': Assad's Syria 'facts'». Channel Four News. 10 de fevereiro de 2015. Consultado em 12 de fevereiro de 2015 
  48. Bowen, Jeremy. «What does Assad really think about Syria's civil war?». BBC News. Consultado em 15 de fevereiro de 2015 
  49. Bell, Matthew (4 de fevereiro de 2014). «What are 'barrel bombs' and why is the Syrian military using them?». PRI. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  50. Larson, Nina (8 de fevereiro de 2016). «UN probe accuses Syria govt of 'exterminating' detainees». Yahoo News. Agence France-Presse. Consultado em 11 de fevereiro de 2016 
  51. CNN, Lauren Said-Moorhouse and Sarah Tilotta,. «Airstrike to US intervention: How attack unfolded». CNN. Consultado em 12 de junho de 2018 
  52. CNN, Steve Almasy and Richard Roth,. «UN: Syria responsible for sarin attack that killed scores». CNN. Consultado em 12 de junho de 2018 
  53. «U.S. Says Syria Has Used Chemical Weapons at Least 50 Times During War» 
  54. «U.S., Britain and France Strike Syria Over Suspected Chemical Weapons Attack» 
  55. Loveluck, Louisa (8 de junho de 2018). «Germany seeks arrest of leading Syrian general on war crimes charges». The Washington Post. ISSN 0190-8286. Consultado em 12 de junho de 2018. Cópia arquivada em 12 de junho de 2018 
  56. «Understanding the Syrian Rebels». Thoughtco.com. Consultado em 23 de setembro de 2018 
  57. IHS Jane's. «Syria: nearly half rebel fighters are jihadists or hardline Islamists, says IHS Jane's report» (em inglês). The Daily Telegraph. Consultado em 2 de novembro de 2014 
  58. «Assad's party wins majority in Syrian election». France 24. 17 de abril de 2016. Consultado em 22 de setembro de 2018 
  59. «Druse ex-MK: Syrian brethren not abandoned by Assad». The Jerusalem Post. 21 de janeiro de 2016 
  60. «Six Syria regime loyalists killed after Druze cleric assassinated». The Times of Israel. AFP and AP. 5 de setembro de 2015. Consultado em 2 de fevereiro de 2016 
  61. «Loyalty to Assad runs deep on Syrian coast». csmonitor. 27 de junho de 2015 
  62. «Syria's Christians stand by Assad». CBS News. 6 de fevereiro de 2012 
  63. Ahmad, Rozh (23 de setembro de 2014). «A glimpse into the world of Syria's Christian "Sutoro" fighters (video)». Your Middle East. Consultado em 17 de março de 2015 
  64. Rosen, Nir. «Assad's Alawites: The guardians of the throne». Al Jazeera. Consultado em 8 de janeiro de 2017 
  65. Syria's Alawites: The People Behind Assad Arquivado em 26 de fevereiro de 2017 no Wayback Machine.
  66. Wyatt, Caroline (4 de abril de 2016). «Syrian Alawites distance themselves from Assad». BBC News. Consultado em 10 de abril de 2016 
  67. Bronstein, Scott; Griffin, Drew (26 de setembro de 2014). «Syrian rebel groups unite to fight ISIS». CNN. Consultado em 1 de outubro de 2014 
  68. Cousins, Sophie (22 de dezembro de 2014). «Remaining Christians in Syria fight to save their land». USA Today. Consultado em 9 de março de 2015 
  69. «Erdogan thinks he's Caliph, new sultan of the Ottoman». RT. Consultado em 9 de novembro de 2012 
  70. «Iraq War was illegal, says Annan». BBC News. 16 de setembro de 2004 
  71. Nance, Malcolm (2014). «The Terrorists of Iraq: Inside the Strategy and Tactics of the Iraq». Times of Israel 
  72. «An Intelligence Vet Explains ISIS, Yemen, and "the Dick Cheney of Iraq"». Gawker. 28 de dezembro de 2015 
  73. «US giving security support to Yemen: Petraeus». Al Arabiya. 13 de dezembro de 2012 
  74. Ricks, Thomas (17 de dezembro de 2004). «General: Iraqi Insurgents Directed From Syria». Washington Post 
  75. «Iraq asked Syria's Assad to stop aiding 'jihadists': Former official». Middle East Eye. 20 de outubro de 2015 
  76. «Maliki blames Syria». France24. 4 de outubro de 2009 
  77. «Iraqi Leader Backs Syria, With a Nudge From Iran». The New York Times. 13 de agosto de 2011 
  78. Issacharoff, Avi (1 de fevereiro de 2011). «Syria's Assad: Regime strong because of my anti-Israel stance». Haaretz 
  79. «Gobierno Nacional condecoró al Presidente sirio con Orden del Libertador». El Correo del Orinoco. 29 de junho de 2010 
  80. «Diário Oficial da União - Seção». 13 de julho de 2010 
  81. «Lula se reúne com o Presidente da Síria em Brasília». Terra. 30 de junho de 2010 

Ligações externas

Outros projetos Wikimedia também contêm material sobre este tema:
Commons Categoria no Commons
Precedido por
Abdul Halim Khaddam
(interino)
Presidente da Síria
2000atualidade
Sucedido por