Batalhão da Guarda Presidencial

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalhão da Guarda Presidencial
Brasilia em Luto TAM.jpg
Soldado do Batalhão realizando a guarda do Palácio do Planalto
Estado  Distrito Federal
Subordinação Comando Militar do Planalto
Sigla BGP
Criação 1823
Comando
Comandante Cel Fabiano Augusto Cunha da Silva[1]
Sede
Endereço Setor Militar Urbano
A guarda presidencial saúda a chanceler alemã Angela Merkel.

O Batalhão da Guarda Presidencial (BGP), também conhecido como Batalhão Duque de Caxias, é uma unidade de elite, (leva a faixa vermelha no capacete), do exército brasileiro que tem por finalidade realizar a proteção do presidente da República Federativa do Brasil e a guarda das instalações dos principais palácios da Presidência da República.

Para integrar esta unidade, que tem a missão mais importante das forças armadas brasileiras, seus integrantes passam por uma rigorosa seleção técnica operacional, psicológica e física. Sua denominação histórica é uma homenagem a Luís Alves de Lima e Silva, patrono do Exército Brasileiro, que foi o primeiro porta-estandarte do Batalhão.

História[editar | editar código-fonte]

O BGP foi criado em 18 de janeiro de 1823, como o Batalhão do Imperador, por Decreto de Dom Pedro I e sediado no Rio de Janeiro, formado por infantes e granadeiros, para apaziguar os ânimos naquela região, por ocasião da Independência do Brasil. Em 1825, deslocou-se para a Província Cisplatina, em Montevidéu, com o objetivo de atuar na Colônia do Sacramento. Com a abdicação de Dom Pedro I, e por falta de normatização, o batalhão é extinto.

Seria recriado por Getúlio Vargas, em 1933, agora como Batalhão de Guardas, com sede no Rio de Janeiro. Envergava, em ocasiões solenes, o mesmo uniforme especial, exibindo as tradições herdadas da Infantaria do Império. Lutou contra a Intentona Comunista em 1935, debelou o Levante integralista em 1937, quando combateu dentro do Palácio da Guanabara.

Em 1960, tem sua sede transferida junto com a Capital Federal para Brasília, passando também a ter a atual denominação.[2]

Emprego[editar | editar código-fonte]

Tem por finalidade realizar a proteção do presidente da República Federativa do Brasil, a guarda das instalações dos principais palácios da Presidência da República e também de algumas instalações do Exército Brasileiro.

Além disso, tem por missão participar da cerimônia de entrega de credenciais de embaixadores, guardas de honra a autoridades nacionais e estrangeiras e ainda participar de operações da garantia da lei e da ordem em territórios do Planalto Central.

Toda segunda-feira no início da manhã, o Ex. Presidente Figueiredo subia a rampa do Palácio do Planalto, assim iniciando, simbolicamente, a semana de trabalho.

Na sexta-feira, ao final da tarde, a mesma cerimônia, agora de encerramento dos trabalhos da semana, era realizada, com o Ex. Presidente Figueiredo descendo a rampa.

Ocasiões onde a Guarda do BGP, evoluía subindo a rampa para esperar a subida ou descida da rampa. Ao final do Governo do Presidente Figueiredo, essa cerimônia virou atração turística na Capital Federal.[3]

Referências

  1. «Biografia do Comandante do BGP». Consultado em 21 de maio de 2017 
  2. «História do BGP». Consultado em 21 de maio de 2017 
  3. «Missões do BGP». Consultado em 21 de maio de 2017 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalhão da Guarda Presidencial