Batalha da Baía de Mobile

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Batalha da Baía de Mobile
Guerra de Secessão
Bataille de la baie de Mobile par Louis Prang (1824-1909).jpg
Batalha da Baía de Mobile, pintura de Louis Prang (1824-1909)
Data 2 a 23 de Agosto de 1864
Local Baía de Mobile, Alabama
Desfecho Vitória da União.
Beligerantes
U.S. flag, 34 stars.svg Estados Unidos da América (a União) CSA FLAG 4.3.1861-21.5.1861.svg Estados Confederados da América (a Confederação)
Comandantes
David Farragut (Marinha)
Gordon Granger (Exército)
Franklyn Buchanan (Marinha)
Dabney H. Maury (Exército)
Forças
14 navios de madeira (2 bombardeiros), 2 monitores couraçados, 5.500 tropas terrestres 3 bombardeiros, 1 couraçado, 600 soldados em Forte Morgan e 818 soldados em Forte Gaines
Baixas
145 mortos
170 feridos
1 couraçado afundado
12 mortos
20 feridos
123 capturados
2 bombardeiros e 1 couraçado capturados
Forte Morgan:
1 morto
3 feridos

A Batalha da Baía de Mobile foi uma batalha naval ocorrida entre 2 e 23 de Agosto de 1864, durante a Guerra Civil Americana. A batalha foi uma vitória importante para a União, pois deixou os Confederados sem seu último porto no Golfo do México a leste do rio Mississipi.

História[editar | editar código-fonte]

Foi um confronto da Guerra de Secessão em que uma frota da União comandada pelo Contra-almirante David G. Farragut, assistida por um contingente de soldados, atacou uma frota confederada menor liderada pelo Almirante Franklin Buchanan e três fortes que guardavam a entrada para Mobile Bay. A ordem de Farragut de "Malditos torpedos! Quatro sinos. Capitão Drayton, vá em frente! Jouett, a toda velocidade!" tornou-se famosa, parafraseada, como "Malditos torpedos, a toda velocidade à frente!".

A batalha foi marcada pela corrida aparentemente precipitada, mas bem-sucedida, de Farragut passando por um campo minado que acabara de danificar um de seus Monitores encouraçados da União, permitindo que sua frota ultrapassasse o alcance dos canhões baseados na costa dos confederados. Isso foi seguido por uma redução da frota confederada a um único navio, o couraçado CSS Tennessee.

O CSS Tennessee permitiu causar mais danos a União do que recebeu, mas não conseguiu superar o desequilíbrio em números. Acabou sendo reduzida a um vulto imóvel e se rendeu, encerrando a batalha. Sem a Marinha para apoiá-los, os três fortes confederados também se renderam em poucos dias. O controle total da parte inferior da baía móvel passou, assim, para as forças da União.

Mobile foi o último porto importante no Golfo do México, a leste do rio Mississippi, que permaneceu em posse dos confederados, portanto, seu fechamento foi a etapa final para completar o bloqueio naquela região.

Esta vitória da União, junto com a captura de Atlanta, foi coberta pelos jornais da União e foi um impulso significativo para a candidatura de Abraham Lincoln à reeleição três meses após a batalha.[1][2][3][4][5][6]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Anderson, Bern, By Sea and By River: The Naval History of the Civil War. Alfred A. Knopf, 1962; reprint, Da Capo. ISBN 0-306-80367-4
  2. Duffy, James P., Lincoln's Admiral: The Civil War Campaigns of David Farragut. Wiley, 1997. ISBN 0-471-04208-0
  3. Scharf, J. Thomas, History of the Confederate States Navy From Its Organization to the Surrender of Its Last Vessel; etc. New York, Rogers & Sherwood, 1887; reprint, Gramercy, 1996
  4. Friend, Jack, West Wind, Flood Tide: The Battle of Mobile Bay. Annapolis: Naval Institute Press, 2004. ISBN 978-1-59114-292-8
  5. Johnson, Robert Underwood and Clarence Clough Buel, eds. Battles and Leaders of the Civil War. Century, c. 1894. Reprint ed., Castle, n.d. Johnston, James D., "The Ram 'Tennessee' at Mobile Bay." Vol. 4, pp. 401–406. Kinney, John Coddington, "Farragut at Mobile Bay." Vol. 4, pp. 379–400. Marston, Joseph, "The lashing of Admiral Farragut in the rigging." Vol. 4, pp. 407–408. Page, Richard L., "The Defense of Fort Morgan." Vol. 4, pp. 408–410. Watson, J. Crittenden, "The lashing of Admiral Farragut in the rigging." Vol. 4, pp. 406–407.
  6. Still, William N. Jr. Iron Afloat: The Story of the Confederate Armorclads. Vanderbilt University Press, 1971. Reprint, University of South Carolina Press, 1985. ISBN 0-87249-454-3

Ligações externas[editar | editar código-fonte]