Batalha da Vuelta de Obligado

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Vuelta de Obligado
Batalla de la Vuelta de Obligado.jpg
Batalha da Vuelta de Obligado (tela de Manuel Larravide (1871-1910)
Data 20 de novembro de 1845
Local Rio Paraná, Argentina
Desfecho Vitória pírrica Anglo-Francesa
Combatentes
Flag of France.svg Reino da França
Flag of the United Kingdom.svg Império Britânico
Flag of the Argentine Confederation.svg Confederação Argentina
Líderes e comandantes
Flag of France.svg François Thomas Tréhouart
Flag of the United Kingdom.svgSamuel Inglefield
Flag of the Argentine Confederation.svg Lucio Norberto Mansilla
Forças
11 navios de guerra 2 160 homens e 4 baterias
Vítimas
28 mortos, 95 feridos e pesados danos na esquadra necessitando de reparos de emergência. 150 mortos, 90 feridos e 21 canhões perdidos.

A Batalha da Vuelta de Obligado foi um combate naval travado em 20 de novembro de 1845, entre a Confederação Argentina, sob a liderança de Juan Manuel de Rosas, e uma frota anglo-francesa combinada. A ação fazia parte do maior bloqueio anglo-francês do Río de la Plata. Embora as forças de ataque tenham rompido as defesas navais argentinas e ultrapassado as defesas terrestres, a batalha provou que os navios estrangeiros não podiam navegar com segurança nas águas internas da Argentina contra a vontade de seu governo. A batalha também mudou o sentimento político na América do Sul, aumentando o apoio a Rosas e seu governo.[1]

Plano de fundo[editar | editar código-fonte]

Durante as décadas de 1830 e 1840, os governos britânico e francês estavam em conflito com a liderança de Rosas na Confederação Argentina. A política econômica de Rosas de exigir que o comércio passasse pela alfândega de Buenos Aires - que era seu método de impor sua vontade às províncias do litoral - combinada com suas tentativas de incorporar Paraguai e Uruguai à Confederação, entraram em conflito com a economia francesa e britânica interesses na região. Durante seu governo, Rosas teve que enfrentar inúmeros problemas com essas potências estrangeiras, que em alguns casos chegaram a níveis de confronto aberto. Esses incidentes incluíram dois bloqueios navais, o bloqueio francês em 1838 e o anglo-francês de 1845.[2]

Com o desenvolvimento da navegação a vapor (que ocorreu principalmente na Grã-Bretanha, França e Estados Unidos) na terceira década do século 19, grandes (e, portanto, oceânicos) navios mercantes e militares tornaram-se capazes de subir rios a uma boa velocidade e com uma carga pesada. Esta nova tecnologia permitiu que os governos britânico e francês evitassem a alfândega de Buenos Aires navegando diretamente pelo estuário do Prata e fazendo comércio diretamente com as cidades do interior em Entre Ríos, Corrientes, Uruguai e Paraguai. Isso evitou a tributação de Buenos Aires, garantiu direitos especiais aos europeus e permitiu que exportassem seus produtos a preços baixos.[2]

O governo de Rosas tentou impedir essa prática declarando os rios argentinos fechados ao transporte estrangeiro, barrando o acesso ao Paraguai e outros portos no processo. Os governos britânico e francês não reconheceram esta declaração e decidiram desafiar Rosas navegando rio acima com uma frota conjunta, preparando o cenário para a batalha.[2]

Batalha[editar | editar código-fonte]

Ordem da batalha[editar | editar código-fonte]

A esquadra anglo-francesa que navegava pelo rio Paraná nos primeiros dias de novembro era composta por onze navios de guerra.

Plano de batalha.
  • britânico
    • Gorgon, remo (6 armas, capitão Charles Hotham)
    • Firebrand, remo (6 armas, capitão James Hope)
    • Philomel, (8 armas, Comandante Bartholomew James Sulivan)
    • Comus, (18 armas, Comandante Edward Augustus Inglefield (atuando))
    • Dolphin, (3 armas, Tenente Reginald Thomas John Levinge)
    • Fanny, escuna (1 arma, Ten. Astley Cooper Key)
  • francês
    • San Martin, (8 armas, capitão François Thomas Tréhouart)
    • Fulton, remo (2 armas, Ten. Louis Mazères (fr))
    • Expéditive, (16 armas, Lieut. Miniac)
    • Pandour, (10 armas, Tenente Duparc)
    • Procida, (4 armas, Tenente de la Rivière)

Esses navios estavam entre as máquinas militares mais avançadas de seu tempo, e pelo menos três - Fulton, HMS Firebrand e HMS Gorgon - eram vapores , que inicialmente ficaram para trás dos navios à vela.[3] Eles eram parcialmente blindados e tinham armas de fogo rápido e foguetes Congreve.[4]

O principal reduto argentino estava localizado em uma falésia que se erguia entre 30 e 180 m sobre as margens da Vuelta de Obligado, onde o rio tem 700 metros de largura e uma curva torna a navegação difícil.[5]

O general argentino Lucio Norberto Mansilla montou três grossas correntes de metal suspensas em 24 barcos do outro lado do rio, para impedir o avanço da frota europeia. A operação estava a cargo de um imigrante italiano chamado Filipo Aliberti.[6] Apenas três desses barcos eram navios de guerra; o restante eram barcaças requisitadas cujos proprietários recebiam uma indenização em caso de sinistro.[7] Aliberti era o mestre de um dos barcos, o Jacoba, afundado na batalha. Pelo menos 20 barcos e barcaças foram perdidos na barragem de correntes em Obligado.

Na margem direita do rio, os argentinos montaram quatro baterias com 30 canhões, muitas delas de bronze de 8, 10, 12 e 20 libras. Estes eram servidos por uma divisão de 160 soldados gaúchos. Estavam também 2 mil homens nas trincheiras sob o comando do coronel Ramón Rodríguez (es), juntamente com o bergantim Republicano (es) e duas pequenas canhoneiras, Restaurador e Lagos,[8][3] com a missão de guardar as correntes ao longo do rio.[9]

Combate da Vuelta de Obligado

Ação principal[editar | editar código-fonte]

O combate começou na madrugada, com tiros intensos de canhões e disparos de foguetes sobre as baterias argentinas, que dispunham de canhões de carregamento menos precisos e mais lentos. Desde o início, os argentinos sofreram muitas baixas - 150 mortos, 90 feridos. Além disso, as barcaças que seguravam as correntes foram incendiadas e o Republicano foi perdido, explodido pelo próprio comandante quando este não conseguiu mais defendê-lo. Vários lançamentos armados também foram afundados em batalha. As canhoneiras Restaurador e Lagos desembaraçaram-se com sucesso e retiraram-se rio acima, para o passo do Tonelero.[7][10] A terceira canhoneira e as barcaças armadas também sobreviveram à ação, mas o brigantino desmantelado Vigilantefoi afundado por sua tripulação e os lançamentos restantes foram destruídos pela frota combinada em 28 de novembro.[7]

Os europeus conseguiram passagem gratuita ao custo de 28 mortos e 95 feridos. No entanto, seus navios sofreram graves danos, deixando-os encalhados em Obligado por 40 dias para fazer reparos de emergência.[3][9]

Ação secundária[editar | editar código-fonte]

Enquanto isso, a 40 km ao norte, uma pequena força naval argentina composta pelo saveiro Chacabuco, pelas canhoneiras Carmen, Arroyo Grande, Apremio e Buena Vista vigiava um braço secundário do Paraná cujo controle dá pleno acesso aos portos de Entre Ríos.[8] Como em Obligado, uma corrente dupla mantida por sete barcaças também foi implantada através do rio. Quando a notícia do resultado da batalha chegou ao esquadrão, o Chacabuco foi afundado e o restante da flotilha se abrigou no porto de Victoria.[11]

Fragmento das correntes usadas na batalha, exposto no Museu do Bicentenário, em Buenos Aieres.

Rio acima[editar | editar código-fonte]

Apenas 50 dos 92 navios mercantes que esperavam nas ilhas Ibicuy continuaram sua viagem rio acima. O resto desistiu e voltou para Montevidéu.[12] Os navios britânicos e franceses que conseguiram navegar rio acima foram novamente atacados no caminho de volta em Paso del Tonelero e em Angostura del Quebracho em 4 de junho de 1846. A frota combinada sofreu a perda de seis navios mercantes durante o último combate.[13]

Consequências[editar | editar código-fonte]

A vitória anglo-francesa não atingiu seus objetivos econômicos. Ficou praticamente impossível navegar pelos rios argentinos sem a autorização das autoridades argentinas.[14]

A batalha teve um grande impacto no continente. Chile e Brasil mudaram de postura (até então eram contra Rosas) e apoiaram a Confederação. Até mesmo alguns líderes unitários, inimigos tradicionais do caudilho argentino, ficaram comovidos com os acontecimentos, com o general Martiniano Chilavert se oferecendo para ingressar no exército da Confederação.

A França e o Reino Unido finalmente levantaram o bloqueio e abandonaram suas tentativas de contornar as políticas de Buenos Aires. Eles reconheceram o direito legal do governo argentino sobre o Paraná e outros rios internos, e sua autoridade para determinar quem tinha acesso a ele, em troca da retirada do exército de Rosas do Uruguai.

A Batalha de Obligado é lembrada na Argentina em 20 de novembro, que foi declarada um "Dia da Soberania Nacional" em 1974,  e se tornou um feriado nacional em 2010. O metrô de Paris tinha uma estação chamada "Obligado" para esta batalha até 1947, quando foi rebatizada de Argentina, como um gesto de boa vontade após a visita de Eva Perón à França.

Referências

  1. «Combate de la Vuelta de Obligado» (em espanhol). Consultado em 23 de novembro de 2013 
  2. a b c Lewis, Daniel K (2003), A história da Argentina , As histórias de Greenwood das nações modernas. Palgrave Essential Histories, Palgrave Macmillan, pp. 46-47,ISBN 1-4039-6254-5.
  3. a b c Marley, David (1998), Wars of the Americas: a chronology of armed conflict in the New World, 1492 to the present, ABC-CLIO, ISBN 0-87436-837-5, p. 495
  4. De León, pp. 18–19.
  5. Rodríguez, Moises Enrique (2006), Freedom's Mercenaries: British Volunteers in the War of Independence of Latin America: Southern South America, 2, Hamilton Books, p. 566, ISBN 0-7618-3438-9.
  6. Mansilla, Lucio Victorio (1994), Mis memorias y otros escritos [My memories and other writings] (in Spanish), Secretaría de Cultura de la Nación; Lugar Editorial, ISBN 950-9129-91-7, p 175
  7. a b c Las naves argentinas que participaron del combate de la Vuelta de Obligado [The Argentinian ships that participated in the combat of Vuelta de Obligado] (in Spanish), AR: Histarmar
  8. a b Batalla de la Vuelta de Obligado (in Spanish), AR: Ateneo HYV, archived from the original on 8 March 2010
  9. a b "Batalla de Obligado", Luche y Vuelve (in Spanish), AR, archived from the original on 17 June 2006.
  10. Investigaciones y ensayos (in Spanish), AR: Academia Nacional de la Historia, 1993, p. 119.
  11. Carlos, Anadón; del Carmen, Murature María (1968), Historia de Matanza-Victoria: desde los orígenes hasta 1900 [History of Matanza‐Victoria: from the origins to 1900] (in Spanish), Talleres Gráficos Nueva Impresora, p. 102
  12. Después de Obligado, AR: Histarmar.
  13. De León, Pablo (2008), Historia de la Actividad Espacial en la Argentina [History of the spatial activity in Argentina] (in Spanish), Lulu, ISBN 0-557-01782-3, pp. 18–19.
  14. Chapman 1889, p. 165: ‘For nearly four years we kept a squadron there, seldom consisting of less than a dozen ships, to cooperate with the similar force maintained by the French; yet, after all our trouble and lavish expenditure, we concluded a treaty in 1849, which was only a diplomatic avowal of the failure of our intervention’

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalha da Vuelta de Obligado