Batalha das Toninhas

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Broom icon.svg
As referências deste artigo necessitam de formatação (desde setembro de 2016). Por favor, utilize fontes apropriadas contendo referência ao título, autor, data e fonte de publicação do trabalho para que o artigo permaneça verificável no futuro.
NoFonti.svg
Esta página ou secção cita fontes confiáveis e independentes, mas que não cobrem todo o conteúdo (desde abril de 2017).
Por favor, adicione mais referências inserindo-as no texto ou no rodapé. Material sem fontes poderá ser removido.—Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

A Batalha das Toninhas foi um evento ocorrido com a Marinha do Brasil ao largo de Gibraltar, em Novembro de 1918, ao final da Primeira Guerra Mundial.[1]

Contexto[editar | editar código-fonte]

Os navios da Divisão Naval em Operações de Guerra receberam ordens do Almirantado inglês para seguirem para Gibraltar. O Almirante Pedro Max Fernando Frontin fora alertado para tomar cuidado, pois no Estreito de Gibraltar o encouraçado HMS Britannia, designado para acompanhar a flotilha brasileira havia sido afundado por um submarino alemão, e havia um alerta da presença de mais submarinos na área, então com um ataque alemão possível a qualquer momento.

Em uma noite os vigias do Cruzador Bahia teriam avistado um periscópio na água. Julgando ser um ataque alemão, então os marinheiros abriram fogo na água às cegas para tentar se defender do suposto submarino. Mas o que foi confundido com um periscópio de um submarino alemão era na verdade um cardume de Toninhas. O massacre foi devastador para o cardume, mas o ataque alemão não aconteceu.[2]

Anedotário à parte, note-se que à época não haviam mecanismos de detecção eletrônica de submarinos. E que esse tipo de incidente causado pela tensão e stress de batalha resultante nesse tipo de dano colateral, não é incomum mesmo no cenário da guerra naval. Um exemplo disso, é outro incidente da mesma natureza ocorrido mais de seis décadas depois, em 1982 durante a Guerra das Malvinas, quando a fragata britânica HMS Brilliant, dotada dos mais modernos equipamentos eletrônicos, tomou um grupo de baleias por submarinos argentinos, abrindo fogo contra os animais.[3]

Referências

  1. «Grandes Guerras - Os grandes conflitos do século XX». www.grandesguerras.com.br. Consultado em 8 de outubro de 2016 
  2. Daróz, 2016. Págs 167-68.
  3. Ibidem Daróz, 2016.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Daróz, Carlos. O Brasil na Primeira Guerra Mundial Editora Contexto, 2016. ISBN 9788572449526

Ver também[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.