Batalha de Aduá

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Batalha de Aduá
Primeira Guerra Ítalo-Etíope
Adwa Map Menelik progression before battle of Adwa.jpg
Mapa da Batalha de Aduá
Data 1 de março de 1896
Local Aduá, Etiópia
Desfecho Vitória Etíope;
A Itália toma parte do Corno de África, fomentando a criação da Eritreia
Beligerantes
Ethiopian Pennants.svg Império Etíope
Apoiado por:
 Rússia[1][2]
 França [3][4]
Flag of Italy (1861-1946) crowned.svg Reino de Itália
Forças
80.000 (armados com rifles)[5][nb 1]
20.000 (armados com lanças e espadas)[5]
8.600 cavalos[5]
42 peças de artilharia
15 orientadores russos[7]
Total:
100.000
10.443 Italianos
4.076 Ascari[8]
56 canhões de montanha[8] (e rifles de padrão obsoleto)[7][9]
Total:
14.519
Baixas
3.886 mortos[10][nb 2]
6.000 feridos[nb 3]
3.643 mortos (3.025 italianos e 618 askari)[10][nb 4]
1.681 capturados[10]
56 canhões de montanha capturados

A Batalha de Aduá[14] (Adwa), ocorreu a 1 de março de 1896 entre a Etiópia e Itália, perto da cidade de Aduá, na Etiópia.

História[editar | editar código-fonte]

A partir de 1870, a Abissínia passa a ser cobiçada pela Itália, que então procurava juntar-se às demais potências européias na corrida desenfreada pela repartição da África.

No final do século XIX, todo continente africano estava sob o domínio europeu, com excepção da Etiópia e da Libéria. A Libéria havia se tornado independente em 1847 e na Etiópia, a independência foi garantida depois da Conferência de Berlim, com a vitória do exército do imperador Menelik II sobre tropas italianas na batalha de Aduá.

Após a Conferência de Berlim, em 26 de fevereiro de 1885, ingleses, franceses, alemães, belgas, italianos, espanhóis e portugueses já haviam conquistado e repartido entre si 90% da África.

Em 1895, a Etiópia foi invadida pela Itália, que pretendia anexar o país ao seu protetorado. Em 1896, os italianos subjugaram a parte oriental da região, estabelecendo a Colônia da Eritreia. No entanto, neste mesmo ano, em 1896, o exército etíope, sob a liderança de Menelique II da Abissínia, um dos grandes estadistas de história africana, que acompanhado da sua esposa, a imperatriz Taitu Bitul, derrotaram os italianos, na famosa batalha de Aduá.

Ver também[editar | editar código-fonte]

Notas[editar | editar código-fonte]

  1. De acordo com Richard K. P. Pankhurst, os etíopes estavam armados com aproximadamente 100.000 rifles, dos quais cerca de metade eram de "disparo rápido".[6]
  2. Não incluindo os notáveis como Däjjazmach Bäshah Aboyé  , Fitawrari Dämtew Kätäma , Fitawrari Täkle of Wälläga  , Fitawrari Gebeyehu  ou Qäññazmach Taffäsä Abaynäh  e vários outros que, pelo cronista Yoséf Negusé, foram listados separadamente com nome[11]
  3. O diário de Leontiev registrou que os vários comandantes relataram a Menilek perdas de cerca de 4.000 mortos e 6.000 feridos[12]
  4. Cadáveres recuperados pela comissão funerária em abril de 1896. Oficialmente 3.025 italianos e 618 ascari[13]

Referências

  1. The activities of the officer the Kuban Cossack army N. S. Leontjev in the Italian-Ethiopic war in 1895–1896 Arquivado em 2014-10-28 no Wayback Machine (em russo)
  2. Richard, Pankhurst. «Ethiopia's Historic Quest for Medicine, 6». The Pankhurst History Library. Arquivado do original em 3 de outubro de 2011 
  3. «Soviet Appeasement, Collective Security, and the Italo-Ethiopian war of 1935 and 1936». Consultado em 3 de outubro de 2019. Arquivado do original em 3 de outubro de 2019 
  4. Thomas Wilson, Edward (1974). Russia and Black Africa Before World War II. New York: [s.n.] p. 57-58 
  5. a b c McLachlan, Sean (2011). Armies of the Adowa Campaign 1896. Osprey Publishing: [s.n.] p. 42 
  6. Pankhurst, The Ethiopians, p. 190
  7. a b Mekonnen, Yohannes (2013). Ethiopia: the Land, Its People, History and Culture. New Africa Press: [s.n.] pp. 76–80 
  8. a b Abdussamad H. Ahmad and Richard Pankhurst (1998). Adwa Victory Centenary Conference, 26 February – 2 March 1996. Addis Ababa University: [s.n.] pp. 158–62 
  9. Mclachlan, Sean. Armies of the Adowa Campaign 1896. [S.l.: s.n.] pp. 41–42. ISBN 978-1-84908-457-4 
  10. a b c Caulk, Richard (2002). "Between the Jaws of Hyenas": A Diplomatic History of Ethiopia (1876-1896). Harrassowitz Verlag, Wiesbaden: [s.n.] pp. 563, 566–567 
  11. Richard Caulk, "Between the Jaws of Hyenas": A Diplomatic History of Ethiopia (1876–1896), p. 567
  12. Richard Caulk, "Between the Jaws of Hyenas": A Diplomatic History of Ethiopia (1876–1896), p. 566
  13. Richard Caulk, "Between the Jaws of Hyenas": A Diplomatic History of Ethiopia (1876–1896), p. 563
  14. Melo, Francisco Manuel de (2008). Viagens de Pêro da Covilhã. Lisboa: Fronteira do Caos Editores. p. 281 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outros ficheiros sobre Batalha de Aduá
Ícone de esboço Este artigo sobre tópicos militares é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.