Batalha de Alepo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Alepo
معركة حلب
Guerra Civil Síria
Rif Aleppo2.svg

Situação da cidade e arredores, em meados de dezembro de 2016:

  Áreas controladas pelo regime sírio
  Áreas controladas pela Oposição
  Áreas controladas pelos curdos
  Áreas controladas pelo Estado Islâmico
Data 19 de julho de 201222 de dezembro de 2016[1]
Local Alepo, Síria
Desfecho Vitória decisiva do governo sírio e dos seus aliados[2][3]
  • Forças da oposição capturam vários distritos na região sul e nordeste da cidade durante a ofensiva de julho de 2012
  • Tropas rebeldes assumem o controle de dois distritos das regiões norte e centro de Alepo
  • O exército sírio retoma o distrito de Salaheddine em agosto[4] e avança em Saif al-Dawla[5][6][7]
  • O Exército Livre da Síria lança a operação "Vulcão do Norte" em setembro e conquista várias bases militares na região[8][9][10]
  • Após uma série de derrotas e vitórias sofridas por ambos os lados, o exército sírio lança, em junho de 2013, a chamada "Operação Tempestade do Norte" para reconquistar a região de Alepo,[11] porém a ofensiva acaba não conquistando seus principais objetivos[12]
  • Entre 2014 e 2015, em meio a violentos combates, a luta em Alepo chegou a um impasse tático
  • Em outubro de 2015, apoiado pelo Irã, pelo Hezbollah e pela Rússia, o exército sírio lança uma pesada ofensiva contra posições rebeldes no sul de Alepo[13]
  • Em meados de 2016, o governo Assad lançou uma grande ofensiva militar, apoiado por russos e iranianos, para expulsar opositores e jihadistas do leste de Alepo. Milhares de civis presos na cidade agravam crise humanitária na região[14]
  • Em dezembro de 2016, o exército sírio retomou praticamente todos os bairros controlados pelos rebeldes dentro da cidade; combates ainda eram reportados nas regiões vizinhas[15]
Beligerantes
Síria Governo sírio

Baath Battalions SSI.svg Brigadas Baath

Emblem of Liwa Al-Quds.svg Liwa Al-Quds

Syrian Resistance Flag.svg Resistência Síria

InfoboxHez.PNG Hezbollah[18]

 Irão

 Rússia

Flag of Syria (1932-1958; 1961-1963).svg Oposição síria

Fatah Halab operations room.jpg Fatah Halab

Emblem of the Jaish al-Fatah.svg Exército da Conquista

Apoio:

Flag of Syrian Kurdistan.svg Forças Democráticas Sírias

Flag of Jaysh al-Thuwar.svg Exército dos Revolucionários

  • Jabhat al-Akrad





No god but God.jpg Estado Islâmico do Iraque e do Levante[21][22][23][24] (nos distritos a leste da cidade; em guerra com todas as facções envolvidas)
Comandantes
Ali Abdullah Ayyoub[25]
Maher al-Assad
Ali Mohamed Hamdan
Yousef Ismail
Zaino Berri (Líder da milícia al-Berri Shabiha) [17]
Viktor Bondarev (comandante da força aérea russa)
Abdul Jabbar al-Oqaidi[26]
(comandante do ELS)
Abdullatif Abdullatif
(vice-comandante)[27]
Taufik Shiabuddin
(distrito de Salaheddine)[28]
Yusef al-Jader
Ebu Mohammed Suleiman
(Brigada Sultão Abdulhamid Han)[29]
Abdulrahman al-Salameh (comandante da al-Nursa)
Taufik Shiabuddin (exército dos Mujahedeens)
Zoran Birhat
Sharvan Efrin
Nujin Derik
Sewsen Bîrhat



Abu Ala al-Afri

Abu Ayman al-Iraqi
     
Forças
11ª Divisão de Infantaria
8ª Divisão de Infantaria
Guarda Republicana[30]
  • 20 000 soldados mobilizados[31]
    + reforços[32]
  • 1 500 milicianos Shabihaistas[33]
  • 2 000[34] -
    4 000[35] combatentes do Hezbollah
18 batalhões[36] Desconhecidas
Baixas
Desconhecidas (presume-se muito altas) Desconhecidas (presume-se muito altas) Desconhecidas (presume-se muito altas)


Fatalidades: ~ 108 174 pessoas mortas (estimado)[41]

A Batalha de Alepo foi um confronto militar travado na cidade de Alepo, na Síria, entre as diversas facções da oposição síria (encabeçadas pela chamada Coalizão Nacional) e as forças do regime sírio, leais ao presidente Bashar al-Assad.

Segundo a ONU, mais de 100 mil pessoas teriam morrido nos combates em Alepo e milhares de outras abandonaram suas casas. Foi denunciado que tanto as forças do regime, quanto os rebeldes e jihadistas, cometeram violentas atrocidades. A Rússia, que interveio em favor do regime Assad, também foi acusada de bombardeio indiscriminado contra civis. A situação humanitária na região foi descrita como "catastrófica".[41]

Foram quatro anos de intensos combates que deixaram a cidade e as regiões vizinhas em ruínas. A vitória do governo sírio em Alepo foi resguardada como potencialmente o ponto de virada no conflito na Síria.[42][43]

A escala e a devastação da batalha, assim como sua importância estratégica, levaram alguns a rotula-la como "a mãe de todas as batalhas"[44][45] ou "o Stalingrado da Síria".[46] A batalha foi marcada por violência terrível contra civis,[47] bombardeios atingindo escolas, hospitais e outras áreas civis,[48][49] incluindo uso de artilharia e ataques aéreos indiscriminados que causaram milhares de mortes.[50][51][52]

Outro aspecto desta batalha foi a inabilidade da comunidade internacional de conseguir resolver o conflito por meios pacíficos. Enviados da ONU para a Síria propuseram ideias de cessar-fogo, mas tais propostas eram rejeitadas por um lado ou pelo outro.[53] Milhares de pessoas foram deslocadas de suas casas e esforços para dar auxílio ou ajudar na evacuação dos civis eram frequentemente frustrados pelos contínuos combates e desconfiança entre as partes envolvidas na guerra.[54][55]

Batalha[editar | editar código-fonte]

Ver artigo principal: Guerra Civil Síria

A batalha começou em 19 de julho de 2012, dentro do contexto da Guerra Civil Síria. Os combates tomaram grandes proporções no fim de julho quando tropas do governo e da oposição iniciaram uma pesada luta pelo controle do centro da maior cidade do país, que tem um enorme valor estratégico e econômico para ambos os lados.[56] A batalha foi chamada pelos especialistas como uma das maiores e mais decisivas do conflito, naquele momento.[57][58][59][60] Ao começo da ofensiva, os rebeldes foram bem sucedidos em tomar boa parte da cidade, porém o governo lançou vários contra-ataques a fim de recuperar o terreno perdido.[61] Em setembro, os combates continuavam ferozes enquanto ambos os lados tentavam avançar pelos distritos da cidade.[62] Segundo informações de jornalistas, a cidade estaria em ruínas enquanto intensas batalhas são travadas em cada rua.[63] Em janeiro de 2013, apesar dos avanços das forças rebeldes e dos contra-ataques das tropas do regime, pouco terreno foi ganho e a batalha seguia em um impasse militar estratégico.[64]

Em junho de 2013, após poucos ganhos militares por ambos os lados nos últimos meses, tropas do governo sírio, apoiados por combatentes da milícia libanesa Hezbollah, iniciaram uma grande ofensiva para reconquistar a região.[65] Combates violentos foram reportados por toda Alepo, com várias mortes em ambos os lados, enquanto militantes dos dois lados lutavam pelo controle da maior cidade da Síria.[66]

Em meados de dezembro de 2013, foi reportado que o governo sírio já controlava pelo menos 60% da região do município de Alepo.[67] Em 2014, a situação da luta ficou incerta. O governo perdeu terreno, mas não cedia regiões vitais da cidade (como o aeroporto local). O auto-proclamado grupo extremista Estado Islâmico começou a fazer progressos pelo leste, combatendo tanto o regime quanto as diversas facções da oposição síria que lutavam por lá, mas seu avanço também foi enfraquecido. Em 2015, os combates se intensificaram mas nenhum lado conseguiu uma vitória decisiva. Governo, oposição e jihadistas lançavam diversas ofensivas uns contra os outros, causando centenas de mortes. Assim a batalha se arrastava em um impasse tático.[68]

Segundo a ONU, em meados de 2014, pelo menos 31 mil pessoas já haviam morrido na batalha.[69]

A fim de quebrar o impasse, em outubro de 2015, o governo sírio lançou uma enorme ofensiva por terra pelo sul de Alepo. Os ataques eram apoiados por militantes do grupo Hezbollah e por soldados iranianos. Aviões russos bombardearam posições dos insurgentes e jihadistas antes dos ataques no solo acontecerem. Intensas batalhas voltaram a acontecer, com dezenas de mortes em ambos os lados.[13]

Em setembro de 2016, após meses de pequenas incursões terrestres localizadas, o governo sírio anunciou uma enorme operação militar para expulsar os rebeldes sírios e os jihadistas do leste de Alepo. As forças de Assad mobilizaram milhares de tropas do exército, tanques, helicópteros e aviões para encabeçar a ofensiva e contavam ainda com apoio de combatentes de milícias locais, do Hezbollah e do Iraque, além de soldados do Irã e aeronaves russas. Enquanto a batalha se intensificava consideravelmente em terra, com ferozes combates sendo travados rua a rua, aviões do regime Assad e da Rússia iniciaram uma maciça campanha de bombardeio aéreo contra redutos da oposição em Alepo, deixando centenas de mortos (a maioria civis). A ONU chamou a atenção da comunidade internacional para uma crise humanitária de centenas de milhares de civis ainda presos na cidade, pegos no fogo cruzado e vítimas do bombardeio indiscriminado do governo sírio.[14]

Segundo dados oficiais, a população de Alepo havia se reduzido para a metade do que era no pré-guerra.[70] Entre outubro e novembro de 2016, apoiados por imensos bombardeios russos, as tropas do governo sírio do presidente Bashar al-Assad prosseguiram avançando nos últimos redutos significativos da oposição no leste de Alepo. Desesperados, rebeldes e jihadistas tentaram reverter o quadro de perdas e se lançaram em diversas contra-ofensivas para tentar salvar os poucos territórios que ainda tinham em sua posse. Apesar de alguns sucessos iniciais, tais ofensivas acabaram fracassando. De forma lenta, mas eficiente, as forças do regime começaram a avançar, bairro por bairro, casa por casa, expulsando os rebeldes dos seus redutos.[71][72]

Tomada da cidade[editar | editar código-fonte]

Após meses de violentos combates que deixaram milhares de mortos (entre civis e militares), foi reportado, no começo de dezembro de 2016, que as forças do regime Assad haviam tomado os últimos redutos da oposição síria no leste de Alepo, após os rebeldes terem se retirado de tais posições. Não houve confirmações independentes destes últimos desenvolvimentos.[73] Contudo, a 13 de dezembro de 2016, o governo da Rússia afirmou que os rebeldes de fato haviam abandonado suas últimas posições defensivas e que as forças do regime controlavam Alepo quase que em sua totalidade.[74] Em 22 de dezembro, os últimos pelotões de rebeldes na cidade foram evacuados, abrindo caminho para as tropas do governo ocupar estas áreas. Nas regiões vizinhas, contudo, combates esporádicos ainda eram reportados.[1]

Fotos[editar | editar código-fonte]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. a b "4,000 rebels leave Aleppo in 'last stages' of evacuation". Página acessada em 22 de dezembro de 2016.
  2. "After more than 1600 days and the death of about 21500 civilians… Bashar al-Assad’s regime forces regain control of Aleppo city with the support of its loyal parties". Página acessada em 22 de dezembro de 2016.
  3. "Endgame in Aleppo, the most decisive battle yet in Syria’s war". Página acessada em 22 de dezembro de 2016.
  4. «Syria crisis: Rebels lose key district of Aleppo». 10 agosto 2012. Consultado em 24 dezembro 2016 – via www.bbc.co.uk 
  5. «NOW أخبـار». nowlebanon.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  6. «Syrian army batters parts of Damascus, 47 killed». reuters.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  7. «NOW أخبـار». nowlebanon.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  8. Syrian fighters in Aleppo form ‘Revolutionary Transitional Council’
  9. Syrian rebels launch new operation in Aleppo
  10. «Page not found – World Tribune: Window on the Real World». worldtribune.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  11. «Syria: Assad forces massing for major assault on Aleppo». The Daily Telegraph. Consultado em 10 de junho de 2013 
  12. «For Syria's Assad, Homs is the key target, not Aleppo». upi.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  13. a b "Syrian army, backed by Iranian fighters, advance south of Aleppo". Página acessada em 17 de outubro de 2015.
  14. a b "Syrian Army surrounds east Aleppo as zero hour approaches". Página acessada em 6 de outubro de 2016.
  15. Abdulrahim, Raja (12 de dezembro de 2016). «Syria Expands Control to Most of Aleppo» – via Wall Street Journal 
  16. Kat Iskander. «Syria rebels to target intel, as Assad hails army». The Daily Star. Consultado em 1 de agosto de 2012 
  17. a b Anita McNaught. «Syrian MP killed publicly by FSA firing squad». Al Jazeera. Consultado em 2 de agosto de 2012 
  18. "4,000 Hezbollah fighters reach rebel-held Aleppo: FSA". Página acessada em 4 de junho de 2013.
  19. «INSIGHT-Syria rebels see future fight with foreign radicals» Reuters [S.l.] 8 de agosto de 2012. Consultado em 9 de setembro de 2012 
  20. «Rebels fighting against al-Assad rule fragmented, disorganized in Syria» (PDF). Hürriyet Daily News [S.l.: s.n.] 2 de setembro de 2012. Consultado em 10 de setembro de 2012 
  21. "Syrian opposition turns on al-Qaida-affiliated Isis jihadists near Aleppo". Página acessada em 26 de novembro de 2014.
  22. "Jihadists join Aleppo fight, eye Islamic state, surgeon says". Página acessada em 11 de outubro de 2016.
  23. "'Islamic State' retreats from northern Aleppo amid rebel offensives". Página acessada em 11 de outubro de 2016.
  24. "The fight against ISIS". Página acessada em 11 de outubro de 2016.
  25. «Fighting flares in crucial Syrian city of Aleppo». syrianassistance.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  26. «Syrian forces 'step up attacks on Aleppo'». The Australian [S.l.: s.n.] Australian Associated Press. Consultado em 29 de julho de 2012 
  27. Van Wilgenburg, Wladimir. «Kurdish Militias Help Out Syrian Rebels in Aleppo» [S.l.: s.n.] Consultado em 9 de setembro de 2012 
  28. «The people who live on Aleppo's fiercest frontline have fled. Only». independent.co.uk. 31 julho 2012. Consultado em 24 dezembro 2016 
  29. «Syrian Turkmen fighting for better future» TimeTurk [S.l.] Consultado em 10 de setembro de 2012 
  30. «Aleppo rebels wait anxiously for Bashar al-Assad's elite to attack». 5 agosto 2012. Consultado em 24 dezembro 2016 – via The Guardian 
  31. «Syria conflict: Troops 'mass for Aleppo assault'». 5 agosto 2012. Consultado em 24 dezembro 2016 – via www.bbc.co.uk 
  32. "Syria troops 'preparing for Aleppo assault'". Página acessada em 11 de junho de 2013.
  33. a b «Syria: Battle for Aleppo - live updates». The Guardian. Consultado em 29 de julho de 2012 
  34. "Syrian rebels fight Hezbollah in Lebanon". Página acessada em 23 de junho de 2013.
  35. "4,000 Hezbollah fighters reach rebel-held Aleppo: FSA". Página acessada em 23 de junho de 2013.
  36. «Battles for key cities of Aleppo, Damascus heat up in Syrian civil war». cnn.com. Consultado em 24 dezembro 2016 
  37. «Syria crisis: Assad's new offensive in Aleppo - Wednesday 8 August». 8 agosto 2012. Consultado em 24 dezembro 2016 – via The Guardian 
  38. Ignatius, David. «Al-Qaeda affiliate playing larger role in Syria rebellion». Washington Post [S.l.: s.n.] Consultado em 1 de dezembro de 2012 
  39. Clinton visits Turkey for Syria talks as army pounds rebels in Aleppo
  40. «Syrian army starts "purging" Aleppo from "Jihadists", minister pledges to eradicate terrorism» newstrackindia.com [S.l.] Asian News International. Consultado em 29 de julho de 2012 
  41. a b «Violations Documenting Center» (PDF). Violations Documenting Center. 6 de dezembro de 2016. Consultado em 13 de dezembro de 2016 
  42. Aron, Lund (15 de dezembro de 2016). «A Turning Point in Aleppo». Carnegie Middle East Center [S.l.: s.n.] Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  43. «Syria's long, brutal civil war may be reaching turning point». CBS News. Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  44. McElroy, Damien (28 de julho de 2012). «Badly armed rebels face tanks as Syria's mother of battles begins». The Telegraph. Londres [s.n.] 
  45. Hermant, Norman (28 de julho de 2012). «Fears about the 'mother of all battles' for Aleppo». ABC [S.l.: s.n.] 
  46. Spencer, Richard (11 de agosto de 2012). «Aleppo 'is becoming Syria's Stalingrad'». The Telegraph. Alepo [s.n.] 
  47. BBC News, 28 de abril de 2014 "BBC witnesses devastation of Syrian air bombardment on Aleppo"
  48. «Russia's Brutal Bombing of Aleppo May Be Calculated, and It May Be Working». 29 de setembro de 2016 – via The New York Times 
  49. CNN, Schams Elwazer and Laura Smith-Spark. «Aleppo violence touches both sides of divide». Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  50. «Syrian rebels shell government-held Aleppo neighbourhood». CTV News [S.l.: s.n.] AP. 11 de abril de 2015. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  51. Elwazer, Schams; Smith-Spark, Laura (13 de outubro de 2016). «Children among the dead as violence touches both sides of Aleppo divide». CNN [S.l.: s.n.] Consultado em 4 de janeiro de 2016 
  52. «The Latest: Syrian gov't: rebel shelling of Aleppo kills 8». Yahoo! News [S.l.: s.n.] AP. 7 de outubro de 2016. Consultado em 30 de outubro de 2016 
  53. «Syria rejects idea of rebel autonomy in eastern Aleppo» Xinhua [S.l.] 20 de novembro de 2016. Consultado em 29 de dezembro de 2016 
  54. «Civilians in east Aleppo say they're being shot at by rebels to stop them leaving during the truce». 21 de outubro de 2016 
  55. Shaheen, Kareem. «Syria: UN considers role in Russia's 'deeply flawed' humanitarian corridors plan». The Guardian. Consultado em 24 de dezembro de 2016 
  56. Luke Harding and Martin Chulov. «Syrian rebels fight Assad troops in Aleppo». The Guardian. Consultado em 29 de julho de 2012 
  57. «Syrian Rebels Pushed out of Key Aleppo District - Army» RIA Novosti [S.l.] Consultado em 12 de agosto de 2012 
  58. McElroy, Damien (28 de julho de 2012). «Badly armed rebels face tanks as Syria's mother of all battles begins». The Telegraph [S.l.: s.n.] 
  59. Hermant, Norman (28 de julho de 2012). «Fears about the 'mother of all battles' for Aleppo». ABC [S.l.: s.n.] 
  60. Syria's regime, rebel troops amass in Aleppo for 'mother of all battles'. Página acessada em11 de junho de 2013.
  61. «Syrian forces blast rebel-held districts of Aleppo, according to activists». Al Jazeera. Consultado em 29 de julho de 2012 
  62. «Four killed in Aleppo as Syria fighting rages». Times of India [S.l.: s.n.] Consultado em 13 de setembro de 2012 
  63. Alepo, a “mãe de todas as batalhas” (EuroNews). Página acessada em 13 de setembro de 2012.
  64. «Damascus Rebels Stuck in Stalemate». thedailybeast.com. 17 janeiro 2013. Consultado em 24 dezembro 2016 
  65. "After Qusayr victory, Syrian army launches Aleppo operation". Página acessada em 11 de junho de 2013.
  66. "Fighting intensifies in Syria's north after Assad gains". Página acessada em 11 de junho de 2013.
  67. "Disillusioned Fighters Abandon Frontlines as Syria’s Revolution Goes Awry". Página acessada em 18 de dezembro de 2013.
  68. "Intense clashes in Syria's Aleppo as militants attack government-held neighborhood". Página acessada em 22 de julho de 2015.
  69. «Síria: quase 200 mil mortos em um conflito abandonado». Estadão. Consultado em 22 de agosto de 2014 
  70. Kareem Shaheen (8 de agosto de 2016). «Battles rage across Aleppo as Assad regime fights to quell rebels». Guardian 
  71. "Who Is Laying Siege to Whom in Aleppo?". Página acessada em 12 de dezembro de 2016.
  72. Fadel, Leith (28 de novembro de 2016). «Complete battlefield update from east Aleppo: map» 
  73. "Syrian Army takes control of Aleppo areas abandoned by rebels, military source says". Página acessada em 13 de dezembro de 2016.
  74. "Governo sírio retoma controle de toda a área rebelde de Aleppo e combates na cidade terminam, diz Rússia". Página acessada em 13 de dezembro de 2016.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]