Batalha de Castelnuovo

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2011). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Batalha de Castelnuovo
Campanha da Itália
Segunda Guerra Mundial
Data 5 de março de 1945 - 6 de março de 1945
Local Castelnuovo (Vergato), Itália
Desfecho Vitória dos Aliados
Beligerantes
Flag of Brazil (1889–1960).svg Brasil Alemanha Nazi Alemanha Nazista
Comandantes
Flag of Brazil (1889–1960).svg Mascarenhas de Morais
Forças
Flag of Brazil (1889–1960).svg FEB (Força Expedicionária Brasileira) Alemanha Nazi Exército alemão
Baixas
70 (aproximadamente) Desconhecidas

A Batalha de Castelnuovo foi travada ao final da Segunda Guerra Mundial, entre as tropas aliadas e as forças do Exército alemão, que tentavam conter o seu avanço no Norte da Itália.

Iniciando o Assalto[editar | editar código-fonte]

Tal como fora planejado pela 3ª Seção, o ataque contra Castelnuovo, aldeia na comuna de Vergato, devia ser desenvolvido sob a forma de um cerco. O cerco começou de manhã cedo (dia 5 de março), antes que os norte-americanos dessem o sinal para o início do ataque.

O 1º Batalhão do 11º Regimento de Infantaria, comandado por Manoel Rodrigues de Carvalho Lisboa, conquistou o controle de Precaria, ao Sul de Castelnuovo, enquanto o 2º Batalhão do mesmo Regimento, comandado por Orlando Ramagem, num movimento que lhe custou 22 baixas, alcançou o terreno a Sudeste de Castelnuovo.

Com o sinal dos norte-americanos, dado ao meio-dia, o 1º e 2º Batalhões do 6º RI, comandados por João Carlos Gross e Henrique Cordeiro Oeste, iniciaram sua primeira missão, que era a de dominar as eficientes posições de fogo dos alemães em Soprassano, ao Sudoeste de Castelnuovo. Ao redor de Precaria, o 1º Batalhão do 11º RI cobriu o flanco do 6º RI e, ao mesmo tempo, apoiou o principal ataque imediato a Castelnuovo, executado do leste, pelos homens de Ramagem.

Campos minados e pesado fogo inimigo retardaram o progresso do batalhão de Ramagem. Crittenberger (General Willis D. Crittenberger, Comandante Aliado do Teatro de Operações do Mediterrâneo), chegando a Riola, às 5 da tarde, queixou-se da demora pelos brasileiros e telefonou ao comandante do 6º RI, coronel Nelson de Mello, para enfatizar a tomada de Castelnuovo antes de cair a noite. O coronel então ordenou que o batalhão do major Gross continuasse rumo a Castelnuovo, sem esperar a tomada de Soprassano. Às 6 da tarde, com ajuda considerável da artilharia, Castelnuovo caia em poder da FEB. Ao mesmo tempo, o batalhão de Cordeiro, a Oeste, conquistava o controle de Soprassano.

A vitória e o reconhecimento americano[editar | editar código-fonte]

A relativa facilidade desses êxitos do 6º RI foi devida, em parte, à ação do 11º RI no sul e no leste. Foram aprisionados 98 alemães. Das quase 70 baixas brasileiras, cerca de metade foi sofrida pelo 2º Batalhão do 11º RI (o de Ramagem), que enfrentou dificuldades a leste, no início do dia.

Crittenberger, tal como já havia feito por ocasião da vitória brasileira em Monte Castelo, enviou uma mensagem de congratulações a Mascarenhas, dessa vez mencionando também o valioso trabalho de Zenóbio na proteção do flanco esquerdo da Divisão da Montanha.

Mascarenhas elogiou o trabalho de muitos, inclusive dos grupos de Artilharia de José de Souza Carvalho, Waldemar Levi Cardoso e Hugo Panasco Alvim, e os engenheiros do Cel. José Machado Lopes. O comandante da Divisão Brasileira declarou que a tomada de Castelnuovo foi notável pela precisão do planejamento e fidelidade da execução.

Ver também[editar | editar código-fonte]


Ícone de esboço Este artigo sobre Força Expedicionária Brasileira é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.