Batalha de Itaparica

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Itaparica
Parte da Guerra da independência do Brasil
Data 7 de janeiro a 9 de janeiro de 1823
Local Ilha de Itaparica, Bahia
Desfecho Vitória brasileira
Beligerantes
 Império do Brasil Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Reino de Portugal
Comandantes
Flag of Brazil (1870–1889).svg Joaquim Pires de Carvalho e Albuquerque Flag of the United Kingdom of Portugal, Brazil, and the Algarves.svg Inácio Luís Madeira de Melo
Forças
3.257 soldados[1]
2 canhoneiras
1.200 soldados[2]
2 brigues[2]
1 escuna[2]
1 barca[2]
35 canhoneiras e outras embarcações menores[2]
Baixas
Desconhecido Desconhecido

A Batalha de Itaparica foi travada na então província da Bahia, entre 7 de janeiro de 1823 a 9 de janeiro de 1823, entre o Exército Brasileiro e a Armada contra a Marinha e o Exército Português durante a Guerra da Independência do Brasil.

Apesar da independência do Brasil ter sido proclamada em 7 de setembro de 1822, a luta armada prosseguiu na Bahia, com o enfrentamento da resistência portuguesa. As lutas duraram até 2 de julho de 1823, quando enfim, foi proclamada a vitória baiana. Em janeiro de 1823, a Ilha de Itaparica foi palco da Batalha de Itaparica, triunfo brasileiro fundamental para a vitória na guerra.

Locais históricos de Itaparica como a Ponte do Funil, o Largo da Quitanda, a Fonte da Bica, a Praia da Convento, o Forte de São Lourenço, além das praias de Amoreiras e da Ponta do Mocambo foram palco da batalha. A população de Itaparica não é era das maiores, o que leva a crer, de acordo com historiadores, que os baianos montaram espécies de guerrilhas para a batalha. [3]

A batalha teria durado entre 7 e 9 de janeiro. Entre os fatos determinantes para a vitória baiana está a ação de Maria Felipa, heroína negra filha de Itaparica. Maria Felipa teria liderado um grupo de mulheres para seduzir e embriagar soldados portugueses. Depois disso, Felipa e seu grupo, com apoio de homens da cidade, queimaram inúmeras embarcações portuguesas, diminuindo o poderio colonizador no decorrer da batalha.

O grupo de Maria Felipe ainda foi responsável por enfrentar os portugueses usando folhas de cansanção, uma folha típica da região, que em contato com a pele dá a sensação de queimação. Para alguns historiadores, essa foi uma pequena batalha pontual, no dia 7 de janeiro de 1823, na Ilha de Itaparica, mas que resultou em uma queda no número de soldados da tropa portuguesa. [4]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Rodrigues, José Honório. Independência: Revolução e contra-revolução - As Forças Armadas. Rio de Janeiro: F. Alves, 1975, p.218
  2. a b c d e Rodrigues, José Honório. Independência: Revolução e contra-revolução - As Forças Armadas. Rio de Janeiro: F. Alves, 1975, p.215
  3. Pacheco, Clarissa. «Itaparica: batalha de 7 de janeiro de 1823 expulsou portugueses». CORREIO | O QUE A BAHIA QUER SABER 
  4. Pacheco, Clarissa. «Itaparica: batalha de 7 de janeiro de 1823 expulsou portugueses». CORREIO | O QUE A BAHIA QUER SABER 
Ícone de esboço Este artigo sobre História do Brasil é um esboço relacionado ao Projeto História do Brasil. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.