Batalha de Köse Dağ

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Köse Dağ
Bataille de Közä Dagh (1243).jpeg
Ilustração mongol da batalha.
Data 26 de julho de 1243
Local Kösedağ
(cerca de 60 km a leste de Sivas) [1]
Desfecho Vitória Timúrida
Beligerantes
Império Mongol
armênios
mercenários georgianos [2]
Sultanato de Rum
auxiliares georgianos
auxiliares trabizondinos
mercenários latinos
Comandantes
Baiju Caicosroes II
Pharadavla de Akhaltsikhe
Dardin Shervashidze  
Forças
3 000

[3] [4] -40 000 [5]

[6]
60 000[3] [6] - 80 000 [4]
(20 000-25 000 participantes, o restante abandonado) [5] [7] [8] [9]
Baixas
~ desconhecido ~ 3 000 mortos, feridos ou capturados. [5]

A Batalha de Köse Dağ foi travada entre o Sultanato de Rum, governado pela dinastia Seljúcida e Império Mongol em 26 de junho de 1243 no desfiladeiro de Köse Dağ, um local entre Sivas-Erzincan, entre esta última cidade e Gümüşhane, no que é hoje o nordeste da Turquia; [10] [11] os mongóis, liderados pelo general Chormaqan, conseguiram uma vitória decisiva.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Durante o reinado de Ögedei Khan (1186-1241), o sultanato de Rum ofereceu amizade e um modesto tributo a Chormaqan, um kheshig e um dos maiores generais dos mongóis. [12] Com Caicosroes II (1237-1246), no entanto, os mongóis começaram a pressionar o sultão para que fosse pessoalmente à Mongólia levando reféns e aceitando um Mongol darughachi.

Quando os mongóis entraram pela primeira em suas terras, os turcos procuraram ajuda dos mamelucos do Cairo que, liderados pelo sultão Baibars (1257-1277), se dirigiram à Anatólia e derrotaram os mongóis. No entanto, Baibars não recebeu nenhuma ajuda dos seljúcidas após seu sucesso inicial e se retirou. Após isso, os mongóis iniciaram a guerra.

Batalha[editar | editar código-fonte]

Em 1241 os mongóis atacaram pela primeira vez o Sultanato seljúcida de Rum. Sob a liderança do comandante mongol Baiju, eles atacaram Rum, no inverno de 1242-1243, e cercaram e capturaram a cidade de Erzurum. O sultão Caicosroes II pediu, imediatamente, ajuda aos seus vizinhos para enviarem tropas e organizar um exército combinado para resistir à invasão mongol. O Império de Trebizonda enviou um destacamento. Para reforças seu contingente, Caicosroes contratou os serviços de um grupo de mercenários francos. [13] E, alguns georgianos nobres como Pharadavla de Akhaltsikhe e Dardin Shervashidze também se juntaram às tropas, mas a maioria dos georgianos foram obrigados a lutar ao lado de seus senhores mongóis.

Os nobres georgianos[editar | editar código-fonte]

Muitos desses georgianos haviam deixado seu país após a invasão mongol, como era o caso de [Dardin Shervashidz, membro de uma dinastia influente no oeste da Geórgia e duque na província da Abkházia, na Geórgia que, contrariamente às decisões de sua rainha Rusudan da Geórgia, esposa do imperador da Trebizanda Manuel I (1238-1263), ele, juntamente com outros nobres georgianos, não aceitou a suserania do Império Mongol e ofereceu ajuda ao sultanato seljúcida de Rum contra os mongóis. Na batalha que se seguiu, Dardin comandou cerca de 3.000 auxiliares georgianos, sendo morto em batalha. [14] O cronista descreve-o como "proeminente" e "corajoso". Coisa igual se deu com Pharadavla de Akhaltsikhe, de uma família nobre, seu pai Shalva de Torelli-Akhaltsikhe fora um nobre, comandante militar, cortesão, que serviu à rainha Tamara [nota 1] da Geórgia (1184-1213), onde ocupou diversos cargos superiores, comandou a vanguarda das tropas mesquianas do sul da Geórgia [16] e, na Batalha de Shamkor contra o atabegue de Ildenizid do Azerbaijão, em 1195, ele desempenhou papéis de relevância. E seu tio Ivane de Akhaltsikhe cumulara as funções de comandante militar, governante de Kars 1205-1206, atabegue e emir, depois morto pelos corasmios na batalha de Garni. Pharadavla. e outrosnobres, fugiram com Dardin para o Sultanato de Rum e se juntaram ao exército de Caicosroes II. Pharadavla também foi um dos comandantes naquela batalha.

Desfecho[editar | editar código-fonte]

Foi uma batalha decisiva foi travada em Köse Dağ em 26 de junho de 1243. As fontes primárias não registram o tamanho dos exércitos opostos, mas sugerem que os mongóis enfrentaram uma força numericamente superior. [17] Baiju ignorou um aviso alarmante de seu oficial georgiano sobre o tamanho do exército seljúcida, afirmando que eles contavam como nada o número de seus inimigos: quanto mais eles são, mais glorioso é ganhar, e mais pilhagem nós asseguraremos. [18]

Caicosroes II rejeitou a sugestão de seus comandantes experientes para esperar o ataque Mongol. Em vez disso, ele enviou uma força de 20.000 homens, liderados por comandantes inexperientes, contra o exército mongol. [7] O exército mongol, fingindo uma retirada, voltou atrás, cercou o exército Seljúcida e derrotou-o e a seus aliados, [9] e tomaram o controle das cidades de Sivas e Kayseri.

O restante do do exército Seljúcida viu que sua derrota era eminente, então muitos comandantes, seus soldados, incluindo Caicosroes II, começaram a abandonar o campo de batalha. [7] Eventualmente, o exército Seljúcida ficou sem líderes e a maioria de seus soldados desertaram, sem ver nenhum combate. [7] [9]

O sultão fugiu para Antália, no sul da Anatólia, mas foi posteriormente forçado a fazer as pazes com Baiju e pagar um tributo substancial ao Império Mongol.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A derrota em Köse Dağ resultou em um período de turbulência na Anatólia e levou diretamente ao declínio e desintegração do Sultanato de Rum e do estado seljúcida. O Império de Trebizonda e o o Reino Armênio da Cilícia, tornaram-se vassalos do império mongol. [19] O poder real sobre a Anatólia foi exercido pelos mongóis. [20]

Notas

  1. O nome Tamara possui origem hebraica e, assim como outros nomes bíblicos, foi favorecido pela Dinastia Georgiana Bagrationi por se auto clamarem descendentes diretos de David. [15]

Referências[editar | editar código-fonte]

  1. Enver Behnan Şapolyo: Selçuklu İmparatorluğu tarihi , Güven Matbaasi, 1972, página 191(em turco)
  2. John Freely, Filhos de Aquiles: Os Gregos na Ásia Menor desde os Dias de Tróia, (I. B. Tauris, 2010), 143.
  3. a b S. Burhanettin Akbaş: Kayseri yöresine yerleşen Türk boyları ve akraba topluluklar, Geçit, 1997, página 45 (em turco) [Estados de origem=exército mongol: 30.000 homens; Exército Seljuq: 70.000 homens]
  4. a b Ali Çimen, Göknur Akçadağ Göğebakan: Tarihi değiştiren savaşlar (enl.: Guerras que mudaram a história), Timaş Yayınevi, 2. Edição, 2007, ISBN 975-263-486-9, pg 134 (em turco) [Estados de origem=exército mongol: 30.000 homens; Exército Seljuq: 80 000 homens]
  5. a b c Hüseyin Köroğlu: "Konya ve Anadolu medreseleri", Fen Yayınevi, 1999, páginas 29, 367. (em turco)
  6. a b Universidade da Anatólia, I. Documentos do Simpósio de Imagens Turcas e Ocidentais em Travelogues Internacionais: 28. X-1 XI. 1985, página 28 (em turco) [Fonte afirma: exército mongol= 40.000 homens; Exército Seljúcida= 60.000 homens]
  7. a b c d Ali Sevim, Erdoğan Merçil: Selçuklu devletleri tarihi: siyaset, teşkilât ve Cultura, ISBN 9789751606907, página 472 (em turco)
  8. Murat Ocak: "Os turcos: Idade Média", Yeni Türkiye, 2002, ISBN 9756782552
  9. a b c Nuri Ünlü: İslâm tarihi 1, Marmara Üniversitesi, İlâhiyat Fakültesi Vakfı, 1992, ISBN 9755480072, página 492. (em turco)
  10. Anthony Bryer e David Winfield, Os monumentos bizantinos e a topografia dos pontos, vol. 1, (Washington DC: Dumbarton Oaks, 1985) 172, 353.
  11. Aldeias e vilas da Turquia, atlas rodoviário (Istambul: Mapmedya, 2006), mapa 61.
  12. C. P. Atwood, Eciclopédia da mongólia e o Império mongol, p. 555
  13. Claude Cahen, Turquia pré-otomana: uma pesquisa geral sobre a cultura e história material e espiritual, trad. J. Jones-Williams, (Nova York: Taplinger, 1968) 137.
  14. Claude Cahen, «Köse Dagh» na Encyclopaedia of Islam , P. Bearman et al. (Brill 2007).
  15. Toumanoff, Cyril (julho 1940), "On the Relationship between the Founder of the Empire of Trebizond and the Georgian Queen Thamar", Speculum, Vol. 15, No. 3: pp. 299–312., p. 299, fn. 4.
  16. Rapp, Stephen H. (2003), Studies In Medieval Georgian Historiography: Early Texts And Eurasian Contexts. Peeters Publishers.
  17. Claude Cahen, Köse Dagh Encicloédia do Islão, ed. por P. Bearman, e al. (Brill 2007)
  18. Henry Desmond Martin,Jornal da Sociedade Real Asiática, 1943/1-2, pp 46-85
  19. İdris Bal, Mustafa Çufalı: Relações turco-armênicas do passado e do presente, Nobel, 2003, ISBN 9755914889, página 61.
  20. Josef W. Meri, Jere L. Bacharach - Civilização islâmica medieval: A-K, índice, p.442

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

40° 15′ 00″ N, 39° 33′ 00″ L