Batalha de Kismayo (2012)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Merge-arrow 2.svg
Este artigo ou secção deverá ser fundido com Kismayo. (desde março de 2019)
Se discorda, discuta esta fusão aqui.
Batalha de Kismayo (2012)
Guerra Civil Somali
Kismayo.jpg
Data 28 de setembro - 1 de outubro de 2012
Local Kismayo, Somália
Desfecho Vitória da coalizão
  • Al-Shabab se retira de Kismayo em 29 de setembro[1]
  • Forças somalis, AMISOM e Raskamboni capturam cidade em 1 de outubro.
Beligerantes
Al-Shabaab Somália Exército Nacional da Somália

AMISOM

Movimento Raskamboni

Alegado:

 Estados Unidos
Comandantes
Sheikh Mohamed Abu-Fatma Somália Ismail Sahardiid

AMISOM

  • Quénia Brigadeiro General Anthony Ngere
  • Quénia Lt. Col. Hassan[2]
118 mortos, 60 feridos[3]

Segunda Batalha de Kismayo foi uma ofensiva militar combinada liderada pelas forças do Exército Nacional da Somália e seus aliados da Missão da União Africana para a Somália (AMISOM) e do Movimento Raskamboni contra o al-Shabaab no último grande reduto do grupo insurgente em Kismayo, na Somália. Começou em 28 de setembro de 2012 e foi referida como Operação Sledge Hammer pelo porta-voz do exército queniano Major Emmanuel Chirchir.[4]

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Em agosto de 2008, os combatentes da Al-Shabaab e da União dos Tribunais Islâmicos capturaram a cidade portuária de Kismayo, no sul, durante a uma batalha. Kismayo havia se tornado o quartel-general estratégico do grupo islâmico depois que as forças do Governo Federal de Transição da Somália e tropas aliadas da União Africana expulsaram os militantes de Mogadíscio durante a Batalha de Mogadíscio (2010-2011). O controle do porto, entre outras coisas, permitiu que os insurgentes importassem armas e suprimentos.[5]

Em outubro de 2011, uma operação coordenada entre os militares somalis e os militares quenianos começou contra o al-Shabaab no sul da Somália.[6][7] A missão foi oficialmente liderada pelas Forças Armadas Somalis, com as forças quenianas fornecendo um papel de apoio.[7] No início de junho de 2012, as forças quenianas foram formalmente integradas na AMISOM.[8]

Desenvolvimento[editar | editar código-fonte]

No início de setembro, os exércitos somalis e quenianos avançaram em direção a Kismayo e tomaram várias aldeias após lutar contra o al-Shabaab. O ataque iminente faz com que 13 mil dos 200 mil moradores de Kismayo fujam, segundo o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados.[9][10]

Nos dias 25 e 26 de setembro, o exército queniano inicia o ataque bombardeando a cidade.[11]

Na noite de 27 para o dia 28, os militares lançaram uma incursão à cidade. Quatro navios desembarcam soldados na praia, estes participam dos combates terrestres, apoiados por helicópteros Mil Mi-17 e MD 500. Caças F-5 também participam.[9][3] No solo, os militares dispõem de tanques pesados Vickers MBT e blindados WZ5511.[3]

Em 24 horas, os atacantes tomam o norte da cidade enquanto as forças navais continuavam seu bombardeio.[12]

Finalmente o al-Shabaab inicia a evacuação da cidade, na noite de 28 para o dia 29, recuando principalmente para a cidade de Jilib. Antes da chegada dos soldados, as áreas abandonadas pelos islamitas são invadidas por habitantes que saqueiam tudo o que encontram: alimentos, móveis, computadores, armas e munições.[9] [13]

Os militares avançam lentamente, por receio de emboscadas e bombas escondidas.[14] Antes de deixar a cidade, o al-Shabaab também teria distribuído armas para a população, convocando os civis para lutar contra a AMISOM.[15]

Finalmente, em 1 de outubro, os militares assumiram o controle de Kismayo, com uma coluna de 450 soldados entrando no centro da cidade.[16] Em relação às vítimas, a AMISOM informou que 118 dos seus soldados foram mortos e 60 ficaram feridos.[3]

Referências

  1. «Al-Shabab rebels pull out of key Somali town». Al Jazeera. 29 de setembro de 2012 
  2. «Somali troops and AU forces control Kismayu's airport». Halganka. 3 de outubro de 2012. Arquivado do original em 22 de fevereiro de 2013 
  3. a b c d «La prise de Kysmaayo par les armées kényanes et somaliennes» (PDF). African Union Mission in Somalia. Outubro de 2012 
  4. «Kenya Says It Has Captured Last Islamist Bastion in Somalia». The New York Times. 28 de setembro de 2012 
  5. «Kenyan forces surround Somali rebel bastion». Al Jazeera. 28 de setembro de 2012 
  6. «Somalia government supports Kenyan forces' mission». Standard Digital News. 31 de outubro de 2011 
  7. a b Joint Communique – Operation Linda Nchi
  8. «Kenya: Defense Minister appointed as acting Internal Security Minister». Garowe Online. 19 de Junho de 2012. Arquivado do original em 30 de Novembro de 2012 
  9. a b c Les Shebab somaliens reconnaissent la perte de leur dernier bastion - France 24
  10. L'Amisom se prépare à la bataille de Kismayo - Rádio França Internacional
  11. Opération imminente de l'Amisom sur la base shebab de Kismayo - Rádio França Internacional
  12. Somalie : l'armée kényane délivre Kismayo des islamistes shebabs - Rádio França Internacional
  13. Somalie : les shebabs se retirent de Kismayo, leur dernier bastion - Rádio França Internacional
  14. Somalie : l'armée progresse avec prudence à Kismayo après le retrait des shebabs - Rádio França Internacional
  15. Somalie : le spectre du chaos plane sur Kismayo - Rádio França Internacional
  16. Somalie: Kismayo sous le contrôle des soldats somaliens et kényans - Rádio França Internacional

Ligações externas[editar | editar código-fonte]