Batalha de Maalula

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Batalha de Maalula
Quarta ofensiva de Rif Dimashq, Guerra Civil Síria
Maaloula 01.jpg
Data 4 de setembro de 2013 - 15 de abril de 2014
Local Maalula,  Síria
Desfecho
  • Em setembro de 2013, tropas do exército sírio repelem ofensiva rebelde e retomam Maalula;[1]
  • Bolsões de resistência dos jihadistas prosseguiram nas montanhas próximas;
  • A oposição retoma a cidade em dezembro;[2]
  • Em abril de 2014, o regime de Assad reconquista o município de Maalula;
Beligerantes
Síria República Árabe Síria Hezbollah Flag of Jabhat al-Nusra.jpg Frente al-Nusra
Flag of Syria 2011, observed.svg Exército Livre da Síria
Logo of the Islamic Front (Syria).svg Ahrar al-Sham
Frente de Libertação de Qalamoun
Comandantes
desconhecido Abu Mohammad Golani
Abu Khaled
Forças
3.000 400
Baixas
+8 mortos 19 mortos
+100 feridos
(fontes independentes)

300 - 400 mortos (segundo o governo sírio)[3][4]

A batalha de Maalula (ou Maaloula) foi travada em Setembro de 2013, quando os rebeldes atacaram a vila maioritariamente cristã que se situa 56 km a nordeste de Damasco. A batalha opôs o Exército Sírio e suas milícias contra as forças rebeldes jihadistas e seus aliados no Exército Sírio Livre.[5]

A batalha[editar | editar código-fonte]

Ataque inicial[editar | editar código-fonte]

Em 4 de setembro, um caminhão conduzido por um suicida jordaniano explodiu perto de um posto de controle do exército sírio na entrada da Maalula. A explosão deu o sinal para o ataque. Os jihadistas tomaram de assalto o posto de controle, matando oito soldados e capturando dois tanques. Durante a luta, os guerrilheiros também capturam o Hotel Safir e vários segmentos da vila.[6]

Contra-ataque do exército sírio[editar | editar código-fonte]

Em 6 de setembro, o exército sírio enviou reforços, incluindo tanques e veículos blindados para recuperar o controle de partes da vila, obrigando os rebeldes a recuar.[7] Em 7 de setembro, a retomada das hostilidades em torno Maalula toma impulso com o retorno dos jihadistas.[8]

Nova ofensiva rebelde[editar | editar código-fonte]

Em 8 de setembro, foi relatado que forças rebeldes (em sua maioria, milicianos islamitas) tomaram boa parte de Maaloula depois de receber reforços e conseguir forçar o exército sírio a retirar-se. Durante o dia, ao menos 18 jihadistas morreram e outros 100 ficaram feridos.[9] Muitos moradores relataram que os rebeldes obrigaram os habitantes da vila, de maioria cristã, a se converter ao islã, sob ameaça de tortura e morte.[10]

Reação do exército[editar | editar código-fonte]

Em 9 de Setembro, tropas do exército sírio lançaram uma grande ofensiva para retomar a cidade e as posições islamista que se situava nas colinas. Em 10 de Setemebro, as tropas rebeldes, por meio de um porta-voz da Coalizão de Oposição Síria, anunciram a retirada se o exército governamental faz o mesmo.[11] No entanto, no dia seguinte, os jihadistas não recuam e a luta no interior do vilarejo se intensificou onvamente. Com a retirada do exército livre sírio e de outros grupos rebeldes, além dos incessantes bombardeios e do avanço das forças terrestres lealistas, os jihadistas perderam terreno e sofrem pesadas baixas.[12]

Em 15 de Setembro, após perderem centenas de homens, as forças islamistas se retiram definitivamente e se refugiam nas montanhas. O exército sírio anunciou então na televisão estaval ter retomado a vila de Maalula completamente.[13]

A oposição recaptura Maaloula[editar | editar código-fonte]

Ao fim de novembro, o Exército Livre da Síria, apoiado por grupos jihadistas, iniciaram uma grande ofensiva terrestre na região. Ao anoitecer do dia 2 de dezembro, a cidade já havia sido recapturada.[2]

O governo reconquista a cidade[editar | editar código-fonte]

Em 15 de abril de 2014, as tropas do regime retomaram Maalula. Essa foi a quarta vez em um ano que a cidade muda de mãos.[14]

Referências

  1. «RT live report: Syrian Army battles jihadists in ancient Christian village — RT News». Rt.com. Consultado em 9 de novembro de 2013. 
  2. a b "Rebels retake Christian town of Maaloula". Página acessada em 6 de dezembro de 2013.
  3. "Syrian forces kill 300-400 al-Nusra terrorists near Maaloula". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  4. "Síria registra novos conflitos após acordo para eliminação de armas químicas". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  5. "Robert Fisk in Damascus: Assad's troops may be winning this war in Syria's capital". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  6. "Syria crisis: al-Qaeda seizes village that still speaks the ancient language of Christ". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  7. "Rebeldes sírios deixam a entrada de antiga cidade cristã". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  8. "Syrie : reprise des combats près d'une ville chrétienne au nord de Damas". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  9. «Activists: Syrian rebels take Christian village». Daily Star. Consultado em 8 de setembro de 2013. 
  10. «Jihadists force Syria Christian 'to convert at gunpoint'». The Daily Star. 11 de setembro de 2013. Consultado em 9 de novembro de 2013. 
  11. "Syria rebels announce withdrawal from Christian town"
  12. «Reef Dimashq: Violent clashes are taking... - Syrian Observatory for Human Rights». Facebook. Consultado em 14 de setembro de 2013. 
  13. "Syria gov’t gains Christian site Maaloula". Página acessada em 9 de novembro de 2013.
  14. Assad Claims a ‘Turning Point’ in Syria As Military Makes Gains