Batalha de Messines (1917)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Messines (1917)
Primeira Guerra Mundial
Battle of Messines - Map.jpg
Mapa da batalha com a situação da frente em 7 de Junho e respectivas operações até 14 de Junho.
Data 7-14 de Junho de 1917
Local Flandres Ocidental, Bélgica
Desfecho Vitória dos Aliados
Beligerantes
Reino Unido Império Britânico Império Alemão Império Alemão
Comandantes
Reino Unido Douglas Haig
Reino Unido Herbert Plumer
Império Alemão Rodolfo da Baviera
Império Alemão Friedrich Bertram Sixt von Armin
Forças
Segundo exército: 12 divisões[1]
num total de 216 000 homens
XIX Corpo: 5 divisões[2]
num total de 126 000 homens
Baixas
24 562 baixas de 1 a 12 de Junho.[3] 25 000.[4]

A Batalha de Messines (7–14 Junho de 1917) consistiu numa ofensiva coordenada pelo Segundo Exército britânicoi, sob o comando do general Herbert Plumer, na Frente Ocidental perto da vila de Mesen, na região belga da Flandres Ocidental, durante a Primeira Guerra Mundial. A Ofensiva Nivelle, em Abril e Maio, não conseguiu atingir os seus principais objectivos, desmoralizando as tropas francesas e alterando a estratégia anglo-francesa para 1917. A ofensiva em Messines forçou o Exército Alemão a mobilizar as suas reservas das frentes de Arras e Aisne para a Flandres, o que retirou alguma pressão sobre o Exército Francês. O objectivo táctico do ataque em Messines era a captura das defesas alemãs posicionadas na colina - que se estendiam desde Ploegsteert ("Plugstreet") Wood, a sul, até Messines, e de Wytschaete a Mt. Sorrel - para expulsar o Quarto Exército alemão das zonas altas de Ypres. A colina seria o local de coordenação das defesas britânicas e das áreas de retagurada a norte, a partir de onde os britânicos pretendiam lançar a "Operação do Norte", e avançar até à colina de Passchendaele e, depois, capturar a costa belga até à fronteira holandesa.

O Segundo Exército era constituído por cinco corpos, dos quais três fizeram parte do ataque, e dois permaneceram no flanco norte, afastados da acção principal; outro corpo encontrava-se disponível no "Quartel-General de Reservas" (‘’GHQ reserve’’). As divisões do Quarto Exército alemão Gruppe Wijtschate controlavam a colina, mais tarde reforçada por uma divisão de Gruppe Ypern.[nota 1] A batalha começou com a detonação de 19 minas, que destruíram as defesas frontais alemãs, seguida de fogo de barragem numa extensão de 640 m, o que permitiu às tropas de ataque controlar a colina com o apoio de tanques, patrulhas a cavalo e aeronaves. A eficácia das minas, barragem em bombardeamentos britânicos, evoluiu positivamente com os avanços das sondagens da artilharia, detecção do inimigo com a ajuda de very-lights e centralização das operações de artilharia a partir do quartel-general do Segundo Exército. Os ataques entre os dias 8 e 14 de Junho fizeram avançar a nova linha da frente para além da linha (Oosttaverne) Sehnen alemã. A Batalha de Messines representou o prelúdio para a muito maior campanha da Terceira Batalha de Ypres, cujo bombardeamento preliminar teve início a 11 de Julho de 1917.

Notas

  1. As forças britânicas em acção eram o II Corpo Anzac com a 3.ª Divisão australiana; Divisão Neozelandêsa, 25.ª Divisão e 4.ª Divisão australiana de reserva; IX Corpo com as 36.ª, 16.ª e 19.ª Divisões, e a 11.ª Divisão de reserva; X Corpo com as 41.ª, 47.ª e 23.ª Divisões e 24.ª Divisão de reserva. O XIV Corpo estava no "GHQ reserve" com os Guardas, 1.ª, 8.ª e 32.ª Divisões, e 30.ª, 55.ª, 39.ª e 38.ª Divisões do II Corpo e o VIII Corpo, não envolvido na ofensiva principal, defendia o flanco norte efectuando ataques de teste a 8 de Junho.[5]. O Gruppe Wijtschate (IX Corpo de Reserva) controlava a colina com as 204.ª, 35.ª, 2.ª, 3.ª (Bávara) (substituiu a 40.ª Divisão quando o ataque britânico teve início) e 4.ª (Bávara) Divisões, apoiadas pela 7.ª Divisão e pela 1.ª Divisão de Guardas de Reserva como divisões de Eingreif ("contrataque").[6] A 24.ª Divisão Saxónica tinha sido substituída a 5 de Junho, e foi afastada quando o ataque britânico começou; a 11.ª Divisão de Reserva da Gruppe Ypern chegou a 8 de Junho.[7]

Referências

  1. Wolff 1958, p. 95.
  2. Wolff 1958, p. 98.
  3. Edmonds 1948, pp. 87–88.
  4. Groom 2002, p. 169.
  5. Edmonds 1948, p. 417 & 107.
  6. Sheldon 2007, p. 40.
  7. Edmonds 1948, p. 85.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bean, C.E.W. (1941). «15» (PDF). The Official History of Australia in the War of 1914–1918: Volume IV: The Australian Imperial Force in France, 1917 1982 ed. St Lucia, Queensland: University of Queensland in association with the Australian War Memorial. ISBN 0-702-21710-7 
  • Boraston, J.H. (1920). Sir Douglas Haig's Despatches (December 1915 – April 1919). London: Dent. OCLC 479257 
  • BROWN, I. M. The Evolution of the British Army's Logistical and Administrative Infrastructure and its Influence on GHQ's Operational and Strategic Decision-Making on the Western Front, 1914 – 1918. Londres: London University, 1996.
  • Bülow, K von; Kranz, W.; et al. (1938). Wehrgeologie Engineer Research Office, New York 1943 ed. Leipzig: Quelle & Meyer. OCLC 44818243 
  • Cleland, H. (1918). «The Geologist in War Time: Geology on the Western Front». Economic Geology. XIII (2): 145–146. ISSN 0361-0128 
  • Edmonds, J. (1929). Military Operations France and Belgium 1914 II (Antwerp, La Bassée, Armentieres, Messines and Ypres, October–November 1914) IWM & Battery Press 1992 ed. London: Macmillan. ISBN 1-870423-55-0 
  • Edmonds, J. E.; Wynne, G. C. (1927). Military Operations France and Belgium 1915 I (Winter 1915: Battle of Neuve Chapelle: Battle of Ypres) IWM & Battery Press 1995 ed. London: Macmillan. ISBN 0-89839-218-7 
  • Edmonds, J. E. (1948). Military Operations France and Belgium 1917 II. 7 June – 10 November. Messines and Third Ypres (Passchendaele) IWM & Battery Press 1991 ed. London: HMSO. ISBN 0-89839-166-0 
  • Farndale, M. (1986). History of the Royal Regiment of Artillery, Western Front 1914–18. London: Royal Artillery Institution. ISBN 1-870114-00-0 
  • Groom, W. (2002). A Storm in Flanders, the Ypres Salient, 1914–1918. New York: Atlantic Monthly Press. ISBN 0-87113-842-5 
  • Hart, P.; Steel, N. (2001). Passchendaele: The Sacrificial Ground. London: Cassell. ISBN 978-1-4072-1467-2 
  • Hoeppner, E. W. von (1921). Germany's War in the Air Battery Press 1994 ed. Leipzig: K.F. Koehle. ISBN 0-89839-195-4 
  • Jones, H. A. (1928). The War in the Air, Being the Story of the part played in the Great War by the Royal Air Force: Vol II N & M Press 2002 ed. London: Clarendon Press. ISBN 1-84342-413-4 
  • Jones, H. A. (1934). The War in the Air: Being the part played in the Great War by the Royal Air Force Vol. IV N & M Press 2002 ed. London: Clarendon Press. ISBN 1-84342-415-0 
  • Kincaid-Smith, M. (1918). The 25th Division in France and Flanders N & M Press 2010 ed. London: Harrison And Sons. ISBN 1-84342-123-2 
  • Liddell Hart, B. H. (1930). The Real War 1914–1918 1963 ed. New York: Little, Brown. ISBN 0-31652-505-7 
  • Liddle, P. H. (1997). Passchendaele in Perspective: The Third Battle of Ypres. London: Pen & Sword. ISBN 0-85052-588-8 
  • Maude, A. H. (1922). The 47th (London) Division 1914 – 1919 (PDF). London: Amalgamated Press. ISBN 1-84342-205-0 
  • McRandle, J. H.; Quirk, J. (Julho de 2006). «The Blood Test Revisited: A New Look at German Casualty Counts in World War I». The Journal of Military History. 70 (3): 667–701. ISSN 1543-7795 
  • Prior, R.; Wilson, T. (1996). Passchendaele: The Untold Story. Cumberland: Yale University Press. ISBN 0-300-07227-9 
  • Sheldon, J. (2007). The German Army at Passchendaele. London: Pen & Sword Books. ISBN 1-84415-564-1 
  • SIMPSON, A. The Operational Role of British Corps Command on the Western Front 1914–18. Londres: London University, 2001.
  • Terraine, J. (1977). The Road to Passchendaele: The Flanders Offensive 1917, A Study in Inevitability. London: Leo Cooper. ISBN 0-436-51732-9 
  • Wise, S. F. (1981). Canadian Airmen and the First Word War: The Official History of the Royal Canadian Air Force. Toronto: University of Toronto Press. ISBN 0-8020-2379-7 
  • Wolff, L. (1958). In Flanders Fields: Passchendaele 1917 2001 ed. London: Penguin. ISBN 0-14139-079-4 
  • Wynne, G. C. (1939). If Germany Attacks: The Battle in Depth in the West 1976 ed. Cambridge: Clarendon Press. ISBN 0-8371-5029-9 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Portal A Wikipédia tem o portal:
Ícone de esboço Este artigo sobre batalhas (genérico) é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.


O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Batalha de Messines (1917)