Batalha de Minorca

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Batalha de Minorca
Parte da Guerra Civil Espanhola
Localització de Menorca respecte les Illes Balears.svg
As ilhas Baleares, em azul Minorca
Data 3 de fevereiro de 1939 - 7 de fevereiro de 1939
Local Minorca
Desfecho
  • Rendição da guarnição republicana
  • Ocupação nacionalista de Minorca
Beligerantes
Segunda República Espanhola República Espanhola Espanha Franquista Espanha Nacionalista
Espanha Franquista Quinta coluna
Comandantes
Segunda República Espanhola Luis González de Ubieta
Segunda República Espanhola Marcelino Rodríguez 
Espanha Juan Thomas
Forças
1 brigada 3 batalhões
Baixas
1 morto

A Batalha de Minorca ocorreu entre os 4 e 9 de fevereiro de 1939 na ilha de Minorca durante a Guerra Civil Espanhola.

Antecedentes[editar | editar código-fonte]

Após a queda da Catalunha, Minorca, a única das Baleares sob controle da República, foi isolada de qualquer outro território republicano pelo bloqueio naval dos nacionalista. O general Francisco Franco, prometeu ao governo britânico que as tropas italianas de Mussolini iriam abandonar as Ilhas Baleares após a guerra, se o governo britânico concordasse em organizar a rendição da guarnição republicana.[1]

Negociações[editar | editar código-fonte]

Em 08 janeiro de 1939 o almirante Luis González de Ubieta foi transferido para Minorca para tomar o comando da base naval republicana em Port Mahon, sendo-lhe também dada a autoridade para comandar todas as forças militares republicanas na ilha.[2]

Em 7 de fevereiro, o cruzador da Marinha Real Britânica HMS Devonshire chegou ao porto de Mahon com um emissário nacionalista a bordo. Este disse ao comandante republicano, Luis Ubieta, que as forças nacionalistas iriam ocupar a ilha no dia seguinte, e que concordaria que os oficiais e partidários da republica se retirassem a bordo do navio inglês.

No mesmo dia, três batalhões da guarnição republicana, liderada por um membro da quinta coluna, Juan Thomas ocuparam a Ciutadella de Menorca, depois de matar o comandante republicano Marcelino Rodríguez. Uma brigada de tropas republicanas chegou de Mahon, derrotando as tropas rebeldes após um breve combate.

Os dirigentes republicanos acreditavam que a luta era inútil, estavam dispostos a rendição da ilha e desejavam abandonar esta a bordo do HMS Devonshire. Em 8 de fevereiro o cruzador partiu para Marselha com 452 refugiados republicanos a bordo.[3] No dia seguinte, a divisão 105 do Exército Nacionalista desembarcou em Minorca, e aceitou a rendição das tropas republicanas.[4]

Após a rendição de Minorca, muitos oficiais republicanos no continente acreditavam que seria aconselhavel negociar um acordo com os nacionalistas, e começaram a planejar um golpe contra o governo de Juan Negrín.[5]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Beevor, Antony. The Battle for Spain. THe Spanish Civil War, 1936-1939. Penguin Books. London. 2006. p. 385
  2. Diario oficial nº22, 22 de enero de 1939
  3. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2006. London. p. 861
  4. Salas Larrazábal, Ramón & Jesús (1986). Historia general de la Guerra de España.Rialp, p. 393. ISBN 84-321-2340-4 (em castelhano)
  5. Thomas, Hugh. The Spanish Civil War. Penguin Books. 2006. London. p. 861