Batalha de Saná (2017)

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Batalha de Saná (2017)
Guerra Civil Iemenita
Data 28 de novembro de 2017 - 4 de dezembro de 2017 [1][2]
Local Saná, Iêmen
Casus belli Ruptura da aliança Saleh-Houthis
Desfecho Vitória dos houthis[2]
Beligerantes
Iémen Conselho Político Supremo Congresso Geral do Povo (ala pró-Saleh)

Guarda Republicana

Coalizão árabe:[5]
 Arábia Saudita
 Emirados Árabes Unidos
Comandantes
Abdul-Malik al-Houthi
Mohammed Ali al-Houthi
Saleh Ali al-Sammad
Iémen Ali Abdullah Saleh 
Iémen Tareq Saleh
Iémen Khaled Ali Saleh
Iémen Arif al-Zuka 
Iémen Yasser al-Awadi 
   

A Batalha de Saná foi um confronto bélico entre as forças do Congresso Geral do Povo, com o apoio da Aliança Militar Islâmica liderada pela Arábia Saudita, contra o Conselho Político Supremo liderado pelos rebeldes zaiditas houthis pelo controle da cidade de Saná, capital do Iêmen, iniciado em 28 de novembro e encerrado em 4 de dezembro de 2017, com a vitória dos houthis.

A batalha começou a partir do âmbito político quando o ex-presidente Ali Abdullah Saleh — aliado dos militantes houthis desde a tomada do poder em 2014-2015 — tentou retomar as relações com as Monarquias do Golfo, especialmente a Arábia Saudita e os Emirados Árabes Unidos, que lideravam uma intervenção militar contra o país e bombardeavam constantemente as áreas ocupadas pelos rebeldes em Saná. Um dos poucos inconvenientes que existiam para a coalizão era a aliança entre o Congresso Geral do Povo (liderado por Saleh) e os houthis, por isso o ex-presidente não hesitou em romper a aliança e ordenou ao Congresso Geral do Povo que atacasse todas as forças houthi.[6][7] Em uma reunião secreta com uma representação saudita foi acordado apoiar um cerco contra os houthis e a Força Aérea Real Saudita, por sua vez, seria responsável por abrir o caminho para as forças de Saleh. Embora o cerco estivesse previsto para ser concluído em poucos dias, a resistência dos houthis e ainda a péssima relação e a desconfiança mútua entre os novos aliados fariam a batalha se expandir até o seu retrocesso, inclusive o alongamento dos combates serviria para que os rebeldes conseguissem se reorganizar e lançar uma contra-ofensiva que levaria a eliminação de seu antigo aliado, Ali Abdullah Saleh, em 4 de dezembro de 2017, no mesmo dia os rebeldes obtêm a vitória.

Referências