Batalha de Veios

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Batalha de Veios (desambiguação).
Batalha de Veios
Guerras romano-etruscas
Data 396 a.C.
Local Veios, perto de Roma
Desfecho Decisiva vitória romana
Beligerantes
República Romana República Romana   Veios
Comandantes
República Romana Marco Fúrio Camilo
Veios está localizado em: Itália
Veios
Localização de Veios na Itália

A Batalha de Veios, também conhecida como o Cerco de Veios é uma batalha da República Romana, datada de cerca de 396 a.C. A principal fonte sobre ela é a Ab Urbe Condita de Tito Lívio.

Os romanos eram liderados por um ditador (na República Romana, este era um general de emergência e não um tirano), chamado Marco Fúrio Camilo. Sua oponente, a cidade etrusca de Veios, uma grande cidade próxima de Roma que havia se envolvido em uma longa e inconclusiva guerra com os romanos, que tinha muitas vezes estado sob cerco. A fim de romper o cerco de uma vez por todas, vários túneis foram construídos durante o cerco à cidade.

Tito Lívio descreve a cena com os veientines escondidos na cidade, com a força romana se estabelecendo do lado de fora e uma segunda força preparada para atacar a partir de dentro, através do túnel. Após esta oração de Camilo,

Apolo, guiado e inspirado por sua vontade, saiu para destruir a cidade de Veios, e uma décima parte do espólio foi dedicado a ele. Para a rainha Juno, que também habitava Veios, pediu que o acompanhasse após a vitória, para que a cidade seja também dela, onde um digno templo seria construído. Assim, atacaram dos dois lados.[1]

Neste momento, os romanos saíram da entrada do túnel no interior do templo de Juno e as forças que já estavam dentro, rapidamente esmagaram Veios. Após a luta afrouxar, Camilo ofereceu poupar os desarmados que começaram a se render, como os soldados romanos tomavam o espólio.

A riqueza impressionou tanto Camilo que ele fez um discurso, durante o qual ele se virou e tropeçou, no qual foi visto como um presságio de sua condenação e depois o saque de Roma, o último dos quais seguido anos mais tarde, depois da Batalha do Ália.

Consequências[editar | editar código-fonte]

A anexação de Veii e suas terras ampliou as dimensões do território romano em cerca de 60%. Tito Lívio afirma que foi nos dias que antecederam o cerco de Veii que os soldados romanos passaram a ser pagos pela primeira vez, com fundos dos impostos, indicando um movimento em direção a uma organização mais centralizada dos exércitos romanos e ao declínio dos exércitos particulares de patrícios.[2]

Referências

  1. Grant, Michael (1993). The History of Rome. [S.l.]: Faber and Faber. 42 páginas. ISBN 0-571-11461-X 
  2. Beard, Mary Ritter (2015). Spqr - Uma História da Roma Antiga. São Paulo: Planeta. pp. 155–156. ISBN 978-1631492228 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

Fontes primárias
Fontes secundárias