Batalha de Viena

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Batalha de Viena
Parte da Grande Guerra Turca e das guerras habsburgo-otomanas
Vienna Battle 1683.jpg
Socoroo à Batalha de Viena, de Frans Geffels
Data 12 de setembro de 1683
Local Viena, Áustria
Desfecho
Beligerantes
Chorągiew królewska króla Zygmunta III Wazy.svg Comunidade Polaco-Lituana

Banner of the Holy Roman Emperor with haloes (1400-1806).svg Sacro Império Romano-Germânico

Coa Hungary Country History (14th century).svg Hungria dos Habsburgo

Cossacos de Cossacos da Zaporójia

Flag of Wallachia.svg Valáquia (secretamente)
Flag of the Ottoman Empire (1453-1844).svg Império Otomano

Vassalos otomanos:

Comandantes
Chorągiew królewska króla Zygmunta III Wazy.svg João III Sobieski Carlos V da Lorena Ottoman Vienna standard.svgKara Mustafá
Forças
aproximadamente 84 450 homens,
152 canhões
c. 90 000 homens,
incluindo aproximadamente 12 000 janízaros,
cerca de 300 canhões
Baixas
2 000 mortos, 2 500 feridos pelo menos 10 000 mortos,
pelo menos 5 000 feridos,
mais de 5 000 prisioneiros
todos os canhões perdidos

A Batalha de Viena ou Batalha de Kahlenberg (em alemão: Schlacht am Kahlenberg; em polonês: Bitwa pod Wiedniem ou Odsiecz Wiedeńska, em turco: İkinci Viyana Kuşatması; em ucraniano: Віденська відсіч ou Viděns'ka Vidsič) foi o confronto militar que pôs termo ao segundo cerco de Viena. Foi travada no monte Kahlenberg, junto a Viena, em 12 de setembro de 1683, após um cerco de dois meses à que era então a capital Sacro Império Romano-Germânico, por tropas do Império Otomano. A vitória dos sitiados impediu o avanço do Império Otomano na Europa, e marcou a hegemonia política da Casa de Habsburgo na Europa Central.

A batalha em larga escala foi vencida pelas forças polaco-austro-alemãs lideradas pelo rei da Polônia e da Lituânia João III Sobieski contra o exército otomano comandado pelo grão-vizir Merzifonlu Kara Mustafa Paşa.

O cerco propriamente dito começou em 14 de julho de 1683, pelo exército otomano de aproximadamente 90 mil homens (participando diretamente do cerco: 15 a 20 mil homens; dando cobertura às tropas do cerco e executando incursões rápidas no território inimigo: c. 70 mil homens).[1] A batalha decisiva aconteceu em 12 de setembro, após a chegada da força conjunta de socorro composta de 84 450 homens, que investiram contra o exército otomano.

A batalha marcou o momento decisivo na luta de trezentos anos entre as forças dos reinos da Europa Central e o Império Otomano. Ao longo dos dezesseis anos que se seguiram à batalha, os Habsburgos da Áustria gradualmente ocuparam e dominaram o sul da Hungria e a Transilvânia, que haviam ficado livres das forças otomanas.

Fatos precedentes[editar | editar código-fonte]

A captura da cidade de Viena já vinha há muito sendo uma aspiração estratégica do Império Otomano, por ser o ponto de cruzamento das rotas de comércio do Danúbio (Mar Negro-Europa Ocidental) do sul da Europa e por terra (Mediterrâneo Oriental-Alemanha). Durante os anos que antecederam o segundo cerco (o primeiro foi em 1529), sob os auspícios dos grão-vizires da influente família Köprülü, o Império Otomano empreendeu uma longa preparação logística desta vez, incluindo a reparação e construção de estradas e pontes que conduziam à Áustria e aos centros logísticos, bem como o envio de munições, canhões e outros recursos bélicos, de todas as partes do Império para esses centros logísticos e para os Bálcãs.

Na frente política, o Império Otomano vinha fornecendo ajuda militar aos húngaros e às minorias não católicas, nos territórios ocupados dos Habsburgos da Hungria, onde, nos anos que antecederam ao cerco, tumultos generalizados tinham se tornado rebelião aberta, devido à constante perseguição de Leopoldo I aos princípios da Reforma Protestante e seu feroz desejo de esmagar o protestantismo. Em 1681, os protestantes e outras forças anti-Habsburgos, liderados por Imre Thököly, foram reforçados com um contingente significativo de otomanos, que reconheceram Imre como rei da Alta Hungria (parte oriental da Eslováquia e partes do nordeste da atual Hungria, que ele havia anteriormente tomado dos Habsburgos pela força das armas). Este apoio viria para os húngaros até que o "Reino de Viena" caísse nas mãos dos otomanos.

No entanto, antes do cerco, houve um período de paz durante vinte anos entre os Habsburgos e o Império Otomano, como resultado da Paz de Vasvár.

Em 1681 e 1682, atritos entre as forças de Imre Thököly e as forças militarizadas de fronteira dos Habsburgos se intensificaram e as incursões das forças dos Habsburgos na Hungria Central serviram como argumento para que o grão-vizir Kara Mustafá Paxá tentasse convencer o sultão, Maomé IV, o Caçador e seu ministério, a autorizarem a interferência do exército otomano. Maomé IV autorizou Kara Mustafá Paxá a operar até os castelos de Győr (em turco: Yanıkkale; em alemão: Raab) e Komárom (em turco: Komaron; em alemão: Komorn), ambos no noroeste da Hungria e sitiá-los. O Exército Otomano foi mobilizado em 21 de janeiro de 1682 e a guerra foi declarada em 6 de agosto de 1682.

A logística do tempo indicou que teria sido arriscado ou impossível iniciar uma invasão em agosto ou setembro de 1682 (uma campanha de três meses faria com que os otomanos chegassem em Viena por ocasião do inverno). No entanto, este período de quinze meses entre a mobilização e o começo de uma invasão em grande escala possibilitou o tempo necessário para que as forças dos Habsburgos preparassem sua defesa e firmassem alianças com outros governantes da Europa Central, e, sem dúvida, contribuiu para o fracasso da campanha. Isto ficou mais que provado quando os Habsburgos e a Polônia concluíram um tratado durante este inverno, no qual Leopoldo apoiaria o rei polonês João III Sobieski caso os otomanos atacassem Cracóvia; em contrapartida, o exército polonês viria em auxílio de Viena, caso fosse atacada.

Em 31 de março de 1683 outra declaração, enviada por Kara Mustafa, em nome de Maomé IV, chegou à Corte Imperial, em Viena. No dia seguinte a marcha do exército otomano teve início a partir de Edirne, na Trácia. As tropas chegaram a Belgrado no início de maio, e então tomaram a direção da cidade de Viena. Cerca de 40 mil soldados tártaros da Crimeia chegaram a 40 quilômetros a leste de Viena em 7 de julho, número duas vezes maior do que as forças austríacas naquela área. Depois das lutas iniciais, Leopoldo retirou-se para Linz com 80 000 habitantes de Viena.

O rei da Polônia preparou uma expedição de socorro a Viena durante o verão de 1683, honrando com seu compromisso no tratado. Ele chegou mesmo a deixar a sua nação praticamente indefesa quando partiu de Cracóvia em 15 de agosto. Sobieski compensou isso com uma advertência dura feita a Imre Thököly, o líder da Alta Hungria, que o rei polonês ameaçou de destruição caso tentasse tirar vantagem da situação — o que Thököly fez.

Acontecimentos durante o cerco[editar | editar código-fonte]

O principal exército otomano finalmente investiu contra Viena em 14 de julho. No mesmo dia, Kara Mustafá enviou a tradicional exigência de renúncia à cidade.[2]

Ernst Rüdiger, Conde de Starhemberg, líder dos restantes 11 000 soldados, 5 000 cidadãos e voluntários com 370 canhões, recusou-se a capitular. Alguns dias antes, ele havia recebido a notícia do assassinato em massa em Perchtoldsdorf, uma cidade ao sul de Viena, cujos cidadãos haviam entregado as chaves da cidade depois terem recebido semelhante proposta.

Os vienenses tinham demolido muitas casas ao redor dos muros da cidade e retirado seus escombros, a fim de criar uma área livre que exporia os otomanos ao fogo defensivo caso eles tentassem atacar a cidade. Kara Mustafá Paşa resolveu este problema ao ordenar que suas forças escavassem longas linhas de trincheira diretamente em direção à cidade, para ajudar a protegê-los dos defensores à medida que iam avançando em direção à cidade.

Embora os otomanos tivessem 300 bons canhões, as fortificações de Viena eram muito fortes e modernas, e os otomanos tiveram que planejar um uso mais eficaz para sua pólvora. Túneis foram escavados sob os muros maciços da cidade para explodi-los com explosivos.

Os otomanos tinham essencialmente duas opções para tomarem a cidade: a primeira, um assalto total, teria sucesso praticamente garantido, uma vez que os defensores estavam em número menor, quase 20-1. A segunda era a de estabelecer um cerco à cidade, e esta foi a opção escolhida.

Isto parece ir contra a lógica militar, mas atacar fortificações adequadamente defendidas sempre resultou em baixas muito pesadas para os atacantes. Um cerco era uma razoável tática de ação para minimizar perdas e capturar a cidade intacta, e, na realidade, quase foi conseguido. O que os otomanos não levaram em conta, contudo foi que o tempo não estava do seu lado. Sua falta de urgência nesta altura, combinada com o atraso no avanço de seu exército após a declaração de guerra, permitiu a chegada de uma força de socorro. Os historiadores têm especulado que Kara Mustafá quis tomar a cidade intacta para ter acesso a todas as suas riquezas, e recusou um ataque total, a fim de impedir o direito de saque que acompanharia este tipo de assalto.[3]

O cerco otomano cortou praticamente todos os meios de fornecimento de alimentos para Viena,[4] e a guarnição e civis voluntários sofreram extremas baixas. A fadiga se tornou tal problema que o conde Ernst Rüdiger von Starhemberg ordenou que qualquer soldado que fosse encontrado dormindo no posto de vigilância seria fuzilado. Cada vez mais desesperadas, as pessoas que defendiam Viena já se encontravam no limite de suas forças quando, em agosto, as forças imperiais sob o comando de Carlos V da Lorena derrotaram Imre Thököly da Hungria em Bisamberg, cinco quilômetros a nordeste de Viena.

Em 6 de setembro, os poloneses cruzaram o rio Danúbio em Tulln, 30 quilômetros a noroeste de Viena, para se unirem às forças imperiais e às tropas adicionais da Saxônia, Baviera, Baden, Francônia e Suábia que haviam respondido à chamada da Santa Liga que era apoiada pelo papa Inocêncio XI. Apenas Luís XIV, rival dos Habsburgos, não só não os ajudou, como aproveitou a oportunidade para atacar cidades na Alsácia e em outras partes do sul da Alemanha, como na Guerra dos Trinta Anos décadas antes.

Durante o início de setembro, os experientes 5 000 sapadores otomanos repetidamente explodiram grandes partes dos muros, a guarita Burg, a guarita Löbel e o baluarte Burg entre elas, criando aberturas de cerca de 12 metros de largura. Os austríacos tentaram contê-los cavando seus próprios túneis, para interceptar o depósito de pólvora instalado nas cavernas subterrâneas. Os otomanos finalmente conseguiram conquistar o baluarte Burg e a muralha Nieder naquela área em 8 de setembro. Prevendo uma abertura nos muros da cidade, os austríacos que lá permaneceram se prepararam para a luta no interior da cidade.

Organizando a batalha[editar | editar código-fonte]

Batalha de Viena, óleo em tela por Józef Brandt, 1863; Museu Wojska Polskiego de Varsóvia

O exército de ajuda tinha que agir rapidamente, para salvar a cidade dos otomanos e para impedir outro longo cerco caso acontecesse. Apesar da composição internacional e o tempo curto de apenas seis dias, uma estrutura de liderança eficaz foi estabelecida, centrada no Rei da Polônia e sua cavalaria pesada. A motivação era grande, uma vez que esta guerra não era como é habitual pelos interesses dos reis, mas para a defesa da fé cristã. E, diferentemente das cruzadas, o campo de batalha se encontrava no coração da Europa.

Kara Mustafá Paşa, por sua vez, foi menos eficaz, apesar de vir há meses organizando suas forças, promovendo suas motivações e lealdade e se preparando para o esperado ataque militar. Ele tinha confiado a defesa da retaguarda de seu exército ao cã da Crimeia e a sua força de cavalaria, que contava com cerca de 30 a 4 000 homens.

Existem sérias dúvidas quanto à forma como as forças tártaras participaram da batalha final em Viena. Seu cã sentia-se humilhado pelas repetidas ofensas proferidas por Kara Mustafá. Ele recusou-se a atacar as forças de socorro polonesas quando elas cruzassem as montanhas, onde a cavalaria ligeira tártara teria vantagem sobre a cavalaria pesada polonesa.[3] Também não eram eles os únicos componentes do exército otomano a desafiar abertamente Mustafá ou a recusar atribuições.

Isto deixou pontes vitais indefesas e permitiu a passagem do exército combinado Habsburgos-poloneses, que chegou para levantar o cerco. Os críticos desta explicação dizem que foi Kara Mustafá Paşa, e não o cã da Crimeia, que foi considerado responsável pelo fracasso do cerco.

Além disso, os otomanos não podiam contar com os seus aliados valáquios e moldavos. Estes povos tinham ressentimento dos otomanos, que lhes cobravam pesados tributos. Os otomanos também intervieram na política interna desses países, procurando substituir seus príncipes governantes por homens que seriam meros fantoches otomanos. Quando os príncipes da Moldávia e da Valáquia perceberam os planos dos otomanos, eles tentaram alertar os Habsburgos. Eles também tentaram evitar participarem da campanha, mas os otomanos insistiram para que eles enviassem tropas. Há um grande número de lendas populares sobre as forças valáquias e moldavas no cerco. Quase invariavelmente, estas lendas descrevem-nos carregando seus canhões com bolas de palhas, de modo a não causar impacto nos muros da cidade sitiada.

As forças da Santa Liga chegaram em Kahlenberg (uma montanha nos arredores de Viena), sinalizaram sua chegada com fogueiras. Nas primeiras horas de 12 de setembro, antes da batalha, uma missa foi rezada para o rei da Polônia e seus nobres.

Batalha final[editar | editar código-fonte]

Sobieski em Viena por Juliusz Kossak

A batalha começou antes de todas as unidades estarem plenamente posicionadas. Na madrugada, às quatro horas da manhã, os otomanos atacaram, procurando interferir na preparação das tropas da Santa Liga. Carlos V da Lorena avançou tendo o exército austríaco à esquerda e as forças alemãs ao centro.

Mustafá Paşa lançou um contra-ataque, com a maior parte de sua força, mas deixou para trás parte da elite de janízaros e unidades de sipahis para um ataque simultâneo à cidade. Os comandantes otomanos tinham a intenção de tomar Viena antes da chegada de Sobieski, mas o tempo se esgotou. Seus sapadores tinham preparado outra grande e final detonação sob a guarita Löbel,[5] para promover o acesso à cidade. Enquanto os otomanos apressadamente terminavam seu trabalho e fechavam o túnel para tornar a explosão mais potente, os "toupeiras" austríacos encontraram o túnel pela tarde. Um deles entrou e desativou a carga bem a tempo.

Sobieski enviando a mensagem de vitória para o papa, após a Batalha de Viena, por Jan Matejko

Nessa altura, acima do "campo de batalha subterrâneo", uma grande batalha estava em andamento, uma vez que também a infantaria polonesa lançou um ataque maciço sobre o flanco direito otomano. Em vez de se concentrarem unicamente na batalha contra o exército de socorro, os otomanos também tentaram forçar seu caminho em direção à cidade, carregando sua bandeira.

Depois de doze horas de luta, os poloneses atingiram o terreno mais alto do lado direito. A cavalaria da Santa Liga aguardou nas colinas, e assistiu a batalha da infantaria por todo o dia. Então, por volta das cinco horas da tarde, a cavalaria atacou em quatro grupos. Um grupo era austro-alemão, e os outros três eram poloneses. Mais de 20 mil homens atacaram descendo as colinas (um dos maiores ataques de cavalaria da história). O ataque foi comandado por Sobieski à frente de 3 mil pesados lanceiros poloneses, os famosos "hussardos alados poloneses". O ataque rompeu as linhas dos otomanos, que estavam cansados da longa luta em duas frentes. Na confusão, a cavalaria foi direta para os acampamentos otomanos, enquanto a guarnição de dentro da cidade de Viena deixava sua posição defensiva e se juntava ao ataque.

As tropas otomanas estavam cansadas e desmotivadas após as fracassadas tentativas de explosão das muralhas e da impossibilidade de invasão da cidade. A chegada da cavalaria virou a maré da batalha contra eles e se retiraram em direção ao sul e ao leste. Em menos de três horas após o ataque da cavalaria, as forças cristãs venceram a batalha e salvaram Viena.

Após a batalha, Sobieski parafraseou a famosa citação de Júlio César ao dizer Venimus, Vidimus et Deus vicit — "Viemos, vimos, e Deus conquistou".

Consequências[editar | editar código-fonte]

Retorno de Viena, por Józef Brandt; o exército polaco-lituano retornando com os despojos das forças otomanas

Os otomanos perderam pelo menos 15 mil homens entre mortos e feridos nos combates, além de cerca de 5 mil homens capturados e todos os seus canhões; contra cerca de 4 500 mortos e feridos das forças Habsburgo-polonesas.

Ernst Rüdiger, Conde de Starhemberg ordenou a imediata reconstrução das fortificações de Viena severamente danificadas, temendo um possível contra-ataque otomano. No entanto, isto revelou-se desnecessário. A vitória em Viena, foi o ponto de partida para a reconquista da Hungria e (temporariamente) de alguns dos países dos Bálcãs pelo príncipe Eugênio de Saboia, nos anos seguintes. A Áustria assinou um acordo de paz com o Império Otomano em 1699.

Muito antes disto, os otomanos haviam se livrado do seu comandante derrotado. Em 25 de dezembro de 1683, Kara Mustafá Paxá foi executado em Belgrado (na forma aprovada, por estrangulamento com uma corda de seda puxada por vários homens em cada extremidade), por ordem do comandante dos janízaros.

Significância[editar | editar código-fonte]

Memorial austríaco a Sobieski em Kahlenberg
Placa comemorativa do 300.º aniversário da bem sucedida defesa contra os otomanos às portas de Viena

Embora ninguém tenha percebido isto na ocasião, a batalha mostrou bem todo o resultado da guerra. Os otomanos lutaram por mais dezesseis anos, perdendo no processo o controle sobre a Hungria e a Transilvânia, antes de finalmente se renderem. O término do conflito foi finalizado com o Tratado de Karlowitz.

A Batalha de Viena é vista por muitos historiadores como o marco do início do declínio do Império Otomano e o fim da expansão turca no sudeste europeu.

O comportamento de Luís XIV da França também serviu para mostrar o que seria esperado para os próximos séculos: os países de língua alemã tiveram de lutar em guerras simultâneas, no Oeste e no Leste. Enquanto as tropas alemãs estavam lutando para a Santa Liga, Luís XIV, implacável, aproveitou a ocasião, antes e depois da batalha de Viena, para anexar territórios na Europa Ocidental, como Luxemburgo, Alsácia com Estrasburgo, etc. Devido à sua guerra contra os otomanos, a Áustria não podia apoiar os interesses dos aliados alemães no Ocidente. A biografia de Ezéchiel du Mas, Conde de Mélac ilustra as devastações de grandes partes do sul da Alemanha pela França.

Em homenagem a Sobieski, os austríacos construíram uma igreja no alto de uma colina na montanha Kahlenberg, ao norte de Viena. Também, a linha de trem de Viena a Varsóvia é chamada de Sobieski em sua homenagem. A constelação Scutum Sobieskii (o Escudo de Sobieski) foi nomeada para lembrar a batalha.[6] Porque Sobieski confiou seu reino na proteção da Virgem Bem-aventurada (Nossa Senhora de Czestochowa), antes da batalha, o Papa Inocêncio XI comemorou sua vitória, estendendo a festa do Santíssimo Nome de Maria, que até então era comemorado apenas no interior da Espanha e no Reino de Nápoles, para a toda igreja católica; é comemorado em 12 de setembro.

O período de amizade polaco-austríaca durou somente até quando Carlos V da Lorena começou a minimizar a importância do papel de Jan III Sobieski e de suas tropas na batalha. Nem Sobieski, nem a República das Duas Nações beneficiaram-se por terem salvo a Áustria; pelo contrário, a batalha de Viena abriu caminho para a futura formação do Império Austríaco (1804 a 1867) e à destruição da República das Duas Nações. Em 1772 e 1795 a Monarquia Habsburgo tomou parte na primeira e na terceira partições da Polônia, que tirou a República das Duas Nações do mapa da Europa. Em contrapartida, o Império Otomano nunca reconheceu as partições e serviu de local de refúgio para muitos poloneses.

Significado religioso[editar | editar código-fonte]

A festa do Santíssimo Nome de Maria é comemorado em 12 de setembro no calendário litúrgico da Igreja Católica em comemoração à vitória nessa batalha da Europa cristã sobre as forças muçulmanas do Império Otomano. Antes da batalha o rei Jan III Sobieski colocou suas tropas sob a proteção da Virgem Maria. Após a batalha, o Papa Inocêncio XI, desejando homenagear Maria, estendeu a festa para toda a Igreja.

Referências

  1. Simon Millar, Vienna 1683, Osprey Publishing, 2008, ISBN 1846032318
  2. O documento original foi destruído durante a Segunda Guerra Mundial. Para a tradução alemã, veja aqui 0
  3. a b Bates, Brandon J. (2003). «The Beginning of the End: The Failure of the Siege of Vienna of 1683» (PDF) (em inglês). Brigham Young University. Consultado em 28 de agosto de 2006 
  4. Ripperton, Lisa. «The Siege of Vienna» (em inglês). The Baldwin Project. Consultado em 28 de agosto de 2006 
  5. «Duell im Dunkeln» (em alemão). 2DF. 6 de novembro de 2005. Consultado em 28 de agosto de 2006 
  6. Grzechnik, Slawek K. «Hussaria – Polish Winged Cavalry» (em inglês). Consultado em 28 de agosto de 2006 

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bruce, George (1981). Harbottle's Dictionary of Battles. [S.l.]: Van Nostrand Reinhold 
  • Stéphane Gaber, Et Charles V arrêta la marche des Turcs, Presses universitaires de Nancy, 1986, ISBN 2-86480-227-9.
  • Cezary Harasimowicz "Victoria" Warsaw 2007, novel ISBN 978-83-925589-0-3
O Commons possui uma categoria com imagens e outros ficheiros sobre a Batalha de Viena