Batalha do Mar de Barents

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Batalha do Mar de Barents
Parte da Segunda Guerra Mundial
The Battle of the Barents Sea.jpg
Pintura de Erwin J. Kappes do naufrágio do Z16 Friedrich Eckoldt
Data 31 de dezembro de 1942
Local Mar de Barents, ao norte da Noruega
Desfecho Vitória britânica
Beligerantes
 Reino Unido  Alemanha
Comandantes
Robert Burnett
Robert Sherbrooke
Oskar Kummetz
Forças
2 cruzadores rápidos
6 contratorpedeiros
2 corvetas
1 draga-minas
2 traineiras
2 cruzadores pesados
6 cruzadores rápidos
Baixas
250 mortos
1 contratorpedeiro afundado
1 draga-minas afundado
1 contratorpedeiro danificado
330 mortos
1 contratorpedeiro afundado
1 cruzador pesado danificado

A Batalha do Mar de Barents foi uma batalha naval da Segunda Guerra Mundial em 31 de dezembro de 1942 entre navios de guerra da Kriegsmarine e navios britânicos escoltando o comboio JW 51B para Kola Inlet na União Soviética. A ação ocorreu no Mar de Barents, ao norte de Cabo do Norte, na Noruega. O fracasso dos invasores alemães em infligir perdas significativas ao comboio enfureceu Adolf Hitler, que ordenou que a estratégia naval alemã se concentrasse doravante na frota de submarinos em vez de navios de superfície.[1][2][3]

Resultado[editar | editar código-fonte]

Análise[editar | editar código-fonte]

O encontro ocorreu no meio da noite polar de meses e as forças alemãs e britânicas estavam dispersas e inseguras sobre as posições do restante de suas próprias forças, muito menos das de seu oponente. A batalha tornou-se um assunto bastante confuso e às vezes não estava claro quem estava atirando em quem ou quantos navios estavam engajados. Apesar dos esforços alemães, todos os 14 navios mercantes chegaram a seus destinos na União Soviética ilesos.[4]

Adolf Hitler ficou furioso com o que considerou a inutilidade dos invasores de superfície, visto que o ataque inicial dos dois cruzadores pesados ​​foi contido por contratorpedeiros antes da chegada dos dois cruzadores leves. Houve sérias consequências: esse fracasso quase fez Hitler impor a decisão de descartar a frota de superfície e ordenar que a Marinha alemã se concentrasse na guerra de submarinos. O almirante Erich Raeder, comandante supremo da Kriegsmarine, apresentou sua renúncia - que Hitler aceitou. Raeder foi substituído pelo almirante Karl Dönitz, o comandante da frota de submarinos.[4]

Dönitz salvou a frota de superfície alemã do sucateamento; embora Admiral Hipper, Emden e Leipzig tenham ficado parados até o final de 1944, enquanto os reparos e a reconstrução do encouraçado Gneisenau foram abandonados. Embora os U-boats alemães continuassem a operar na costa da França, apenas mais uma grande operação de superfície foi executada após a batalha. Esta foi a tentativa de ataque ao Comboio JW 55B pelo encouraçado Scharnhorst.  O encouraçado foi afundado por uma força-tarefa de escolta britânica no que mais tarde ficou conhecido como a Batalha do Cabo Norte.[4]

Referências

  1. Hinsley, F. H. (1994) [1993]. British Intelligence in the Second World War: Its Influence on Strategy and Operations. History of the Second World War (2nd rev. abr. ed.). London: HMSO. ISBN 978-0-11-630961-7
  2. O'Hara, Vincent P. (2004). The German Fleet at War. Annapolis, MD: Naval Institute press. ISBN 978-1-59114-651-3
  3. ichards, Denis; St G. Saunders, H. (1975) [1954]. Royal Air Force 1939–1945: The Fight Avails. History of the Second World War, Military Series. Vol. II (pbk. ed.). London: HMSO. ISBN 978-0-11-771593-6
  4. a b c Woodman, Richard (2004) [1994]. Arctic Convoys 1941–1945. London: John Murray. ISBN 978-0-7195-5752-1