Batilda Bagshot

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde junho de 2010). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)

Batilda Bagshot é uma personagem da série de livros Harry Potter de J. K. Rowling. (? - Godric's Hollow, dezembro de 1997) É uma famosa historiadora de magia, e escreveu um livro utilizado em Hogwarts, "História da Magia", que é usado na disciplina homônima. Ela é mencionada primeiramente no primeiro livro, Harry Potter e a Pedra Filosofal, em que seu livro está na lista de materiais para a Escola de Magia e Bruxaria de Hogwarts. Só "aparece" realmente no último livro, Harry Potter e as Relíquias da Morte, mas não é realmente ela, e sim a serpente de Voldemort, Nagini, disfarçada, tentando atrair Harry e Hermione para uma armadilha em Godric's Hollow, vilarejo habitado tanto por bruxos e trouxas, onde os pais de Harry morreram. A falsa Batilda surge com o pretexto de passar informações importantes sobre a Espada de Gryffindor (artefato deixado por Alvo Dumbledore para Harry, capaz de destruir Horcruxes) para a dupla, mas depois é transformada na cobra Nagini, fazendo com que o leitor conclua que a verdadeira historiadora foi morta por Voldemort. Hermione consegue salvá-los do ataque, desaparatando (desaparecendo e reaparecendo em outro lugar), mas antes, lança o Feitiço Detonador no aposento, fazendo com que a varinha de Harry seja destruída despropositalmente. Além disso, Batilda é mencionada várias outras vezes no livro, sendo ela a principal fonte de informações do livro biográfico "A Vida e as Mentiras de Alvo Dumbledore", de Rita Skeeter, uma vez que foi vizinha da família Dumbledore.

Ver também[editar | editar código-fonte]