Beilhique de Dilmaç

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa ou a usada não é a mais adequada. Foi sugerido que adicionasse esta.
Ambox important.svg
Foram assinalados vários aspectos a serem melhorados nesta página ou se(c)ção:
  • Contém referências que necessitam de formatação.
  • A tradução está abaixo da qualidade média aceitável.

O Beilhique de Dilmaç, Dimleç ou Demleç (em turco: Dilmaçoğulları Beyliği) foi um pequeno principado (beilhique) na Anatólia Oriental (parte da moderna Turquia) fundado no século XI.

História[editar | editar código-fonte]

Após a Batalha de Manziquerta, em 1071, as vitoriosas guerreiros das tribos Turcomanas, lideradas por um Gazi, começaram a se estabelecer na Anatólia. Um desses guerreiros foi Dilmaç oğlu Mehmet (filho de Dilmaç). Depois do Império Seljúcida ter conquistado Bitlis, esta cidade foi doada a Mehmet como uma propriedade ikta, isto é, não hereditária em 1085. [1]

Depois de conquistar cidade vizinha de Erzen (agora uma aldeia), Mehmet morreu em 1104. Durante o reinado de seu filho Togan Aslan, o beilhique não mais era um vassalo do Grande Império Seljúcida. Nos primeiros anos de seu reinado, Togan Aslan aceitou a suserania dos Artúquidas e junto com os Artúquidas, participou de várias operações militares contra os Cruzados, sendo a mais importante a Batalha do Campo de Sangue em 28 de junho de 1119, onde o regente do Principado de Antioquia (1112-1119).[2] Rogério de Salerno perdeu a vida. [3] Rogério que anteriormente, em 114 e em 1115, juntamente com Balduíno II de Edessa, havia obtido vitória contra os seljúcidas na Batalha de Sarmine.

Depois de garantir a independência, ele também teve que lutar contra outros beilhiques turcos como o de Shah-Armens e o ex-suserano artúquida para defender Bitlis de ataques. Após a morte de Togan (1134?), seus sucessores lutaram contra os Georgianos e Danismendidas. Como os pequenos principados foram substituídos e adquiriram maiores poderes, o beilhique teve que aceitar a suserania dos Aiúbidas, do Império Corásmio, Ilcanato e Tamerlão. Após o retorno de Tamerlão, os turcomanos da Confederação do Cordeiro Branco (Ak Koyunlu) capturaram todo o seu território provavelmente por volta de 1410. [4]

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Beeler, John (1971). Warfare in Feudal Europe 730-1200. Ítaca: Cornell University Press. ISBN 0-8014-9120-7 
  • Smail, R. C. (1995) [1956]. Crusading Warfare 1097-1193. Nova Iorque: Barnes & Noble Books. ISBN 1-56619-769-4 

Referências

  1. beylikler
  2. Steven Runciman, A History of the Crusades, vol. II: The Kingdom of Jerusalem and the Frankish East, 1100–1187 (Cambridge: University Press, 1952), p. 125
  3. Prof.Yaşar Yücel-Prof Ali Sevim:Türkiye tarihi Cilt I, Akdtykttk Yayınları, 1991, pp 160
  4. Smail 1995, p. 145