Beirute

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Disambig grey.svg Nota: Para outros significados, veja Beirute (desambiguação).
Beirute
Beirut Central District Collage.jpg
Cidade de Beirute
Árabe بيروت
Fundada em século XV a.C.
Governo Cidade
Coordenadas 33° 53′ N 35° 30′ E
População 1.812.000 (2007)
Jurisdição 648.000 dunams (648 km²)
Prefeito Abdel Mounim Ariss[1]
Website City of Beirut

Beirute (em árabe: بيروت Bayrūt; em hebraico: ביירות Beirut; em francês: Beyrouth; em turco: Beyrut; em arménio: Պէյրութ Beyrut) é a capital e maior cidade do Líbano. Segundo estimativas de 2007, cerca de 2 milhões de habitantes moram na Grande Beirute. Localizada em uma península no Mediterrâneo, Beirute é o maior e principal porto marítimo do país.

A primeira menção desta metrópole é encontrada nas Cartas de Amarna, feitas pelos egípcios antigos, que datam do século XV a.C. A cidade é habitada continuamente desde então. O rio Beirute percorre toda a cidade.

Beirute é sede do governo libanês e desempenha um papel central na economia local, sendo que muitos bancos e empresas mantém suas sedes no centro da cidade. Após a destrutiva Guerra Civil Libanesa, a paisagem cultural de Beirute sofreu uma grande reconstrução.[2][3][4] Um centro financeiro local, a capital libanesa é classificada como uma cidade global beta.[5]

História[editar | editar código-fonte]

Uma antiga cidade fenícia, cujas ruínas se erguem perto da atual Beirute, parece ter sido a origem da capital do Líbano, importante centro econômico e cultural do Oriente Médio até a década de 1970, quando a guerra civil começou a modificar a fisionomia da cidade.

Fundada pelos fenícios no século XV A.C., Beirute foi ocupada por gregos, romanos - que a chamaram "Julia Augusta" - e bizantinos. Famosa por sua escola de direito, foi devastada no século VI por violentos terremotos, e entrou em decadência até cair em poder dos árabes em meados do século VII.

Na época das cruzadas, cristãos e muçulmanos disputaram a cidade, que, após um período de dominação egípcia e turca, incorporou-se ao Império Otomano. Em 1830 caiu em poder do paxá egípcio Mehemet Ali. Onze anos depois, uma frota composta por forças coligadas do Reino Unido, da Áustria e da Turquia conseguiu, após violento bombardeio, restituí-la ao império turco.

Embora tenha sido um porto próspero ao longo da Idade Média e no período otomano, sua verdadeira expansão foi fruto da modernização de suas instalações portuárias e da construção da ferrovia Beirute-Damasco. Em 1946, depois de ocupada por ingleses e franceses durante a Segunda Guerra Mundial, tornou-se capital do Líbano. Em 1980, a cidade foi dividida pela "linha verde" em dois setores: o oriental, habitado quase exclusivamente por cristãos, e o ocidental, onde predominam os muçulmanos. A instalação de campos de refugiados palestinos nos arredores de Beirute contribuiu para reforçar seu caráter de cidade dividida e conturbada.[6]

Beirute foi tradicionalmente o maior centro de comércio e comunicações do país. Assentada sobre a baía de São Jorge, no mar Mediterrâneo, ganhou importância graças ao intenso tráfego terrestre e portuário com os países vizinhos, o qual, porém, praticamente cessou com a guerra civil. Sua indústria é pouco desenvolvida, à exceção da alimentícia, da têxtil e da editorial. É sede de três universidades e conta com um museu arqueológico onde se acham expostas as descobertas feitas em Biblos.

Panorama da cidade de Beirute no século XIX.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Fotografia aérea de Beirute.

Beirute está assentado sobre uma península no sudeste do mar Mediterrâneo, a cerca de 94 km a norte da fronteira Israel-Líbano.[7] A cidade está ladeada pelo Monte Líbano e possui uma geografia triangular, sendo bastante influenciada pela sua situação em cima de duas colinas: Al-Ashrafieh e Al-Musaytibah. O município de Beirute ocupa 18 km² e a região metropolitana 67 km². A costa apresenta diversos aspectos, com praias rochosas, costa arenosa e rochedos situados um ao lado do outro.

Clima[editar | editar código-fonte]

Beirute tem um clima mediterrâneo de verão quente (Köppen: Csa) caracterizado por dias e noites suaves. Outono e primavera são quentes, o inverno é suave e chuvoso, e o verão pode ser praticamente sem chuva. O mês de agosto é considerado o único mês muito quente, com temperatura média mensal de 32°C, enquanto janeiro e fevereiro são os meses mais frios, com uma baixa temperatura média mensal de 11°C. O vento predominante durante a tarde e a noite é do oeste (em terra, soprando no Mediterrâneo); à noite, inverte para o mar, soprando do país para o mar.[8]

A precipitação média anual é de 825 milímetros, na maior parte do inverno, outono e primavera. Grande parte da chuva de outono e primavera cai em fortes chuvas em um número limitado de dias, mas no inverno é espalhado mais uniformemente durante um grande número de dias. O verão recebe muito pouca chuva, se houver. A neve é ​​rara, exceto nos subúrbios montanhosos do leste, onde a queda de neve é ​​comum devido às altas altitudes da região.[8]

Panorama de Beirute a partir de Brumana.

Demografia[editar | editar código-fonte]

Igreja e mesquita no centro da cidade.

Não houve nenhum recenseamento da população no Líbano desde 1932[9] e as estimativas da população de Beirute variam de 938.940[10] para 1.303.1299[11] até 2.012.000, como parte da Grande Beirute.[12]

Religião[editar | editar código-fonte]

Beirute é uma das cidades mais cosmopolitas e religiosamente diversas do Líbano e todo o Oriente Médio.[13] A cidade possui importantes comunidades cristãs e muçulmanas. Em Beirute existem 18 grupos religiosos reconhecidos.[14] No final da guerra civil, os coptas tornaram-se outra confissão reconhecida, trazendo o número total para dezoito. Os outros 17 grupos incluem quatro seitas muçulmanas: sunitas, xiitas, alauítas e drusos; 12 seitas cristãs: assírios, siríacos, católicos, siríacos ortodoxos, caldeus, maronitas, católicos romanos, católicos gregos, ortodoxos gregos, ortodoxos armênios, católicos armênios, evangélicos e seitas cristãs menores, que são consideradas um grupo único; e judeus (muito poucos permanecem no Líbano hoje, mas filhos de pais judeus libaneses podem se registrar como cidadãos nas embaixadas libanesas.[15]

Governo[editar | editar código-fonte]

Sede da Prefeitura de Beirute.

Beirute é a capital do Líbano e é sede do governo.[16] O Parlamento libanês,[17] todos os ministérios e a maioria das administrações públicas, embaixadas e consulados estão presentes.[18] A província de Beirute é um dos seis mohafazat (plural de mohafazah) do país.[19]

Subdivisões[editar | editar código-fonte]

Distritos de Beirute.
Sede da Comissão Econômica e Social das Nações Unidas para a Ásia Ocidental.

Beirute está divida em 12 distritos:

  • Achrafieh;
  • Dar el Mreisse;
  • Bachoura;
  • Mazraa;
  • Medawar;
  • Minet el Hosn;
  • Porto;
  • Ras Beirut;
  • Rmeil;
  • Saifi;
  • Zuqaq al-Blat.

Estes distritos são ainda divididos em setores. [20]

Relações internacionais[editar | editar código-fonte]

A cidade é o lar de inúmeras organizações internacionais. A Comissão Econômica e Social das Nações Unidas para a Ásia Ocidental (CESAO) está sediada no centro de Beirute.[21] A Organização Árabe dos Transportadores Aéreos (AACO),[22] a União dos Bancos Árabes[23] e a União das Bolsas de Valores Árabes[24] também estão sediadas na cidade. A Organização Internacional do Trabalho (OIT)[25] e a UNESCO (Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura) possuem escritórios regionais na cidade voltados para o mundo árabe.[26]

Beirute é geminada com as seguintes cidades:[27]

Economia[editar | editar código-fonte]

Centro financeiro da capital libanesa.

A economia de Beirute é orientada para os serviços, com os principais setores de crescimento sendo o setor bancário e o turismo. Em uma área dominada por regimes autoritários ou militaristas, a capital libanesa era geralmente considerada como um paraíso do liberalismo, embora precário. Com o seu porto marítimo e o aeroporto - juntamente com o sistema econômico e cambial livre, lei de sigilo bancário e taxas de juros favoráveis ​​- Beirute tornou-se um centro bancário estabelecido para a riqueza árabe, grande parte da qual foi investida em construção civil, empresas comerciais e indústrias (principalmente a fabricação de têxteis e sapatos, processamento de alimentos e impressão).[32] A economia de Beirute é diversificada, incluindo publicações, bancos, comércio e diversas indústrias. Durante esse período, Beirute foi o centro de serviços financeiros da região. No início do boom do petróleo a partir da década de 1960, os bancos baseados no Líbano foram os principais receptores dos petrodólares da região.[33]

Beirute é o ponto focal da economia do Líbano. A capital é sede da sede do Banco do Líbano, do Banco Central do Líbano, da Bolsa de Valores de Beirute, da sede da companhia aérea Middle East Airlines, da Comissão Econômica e Social das Nações Unidas para a Ásia Ocidental, da União dos Bancos Árabes e da União de Bolsas de Valores Árabes.[34]

O sistema bancário é a espinha dorsal da economia local com um balanço de 152 bilhões de dólares no final de 2012, chegando a 3,5 vezes o PIB estimado em 43 bilhões de dólares pelo FMI.[35] Os depósitos bancários também aumentaram em 2012 em 8% para 125 bilhões de dólares, 82% dos ativos do setor. "Os bancos ainda estão atraindo depósitos porque as taxas de juros oferecidas são superiores às da Europa e dos Estados Unidos", diz Marwan Mikhael, chefe de pesquisa no BLOM Bank.[36]

Turismo[editar | editar código-fonte]

Centro histórico à noite.

A indústria do turismo em Beirute tem sido historicamente importante para a economia local e continua a ser hoje uma importante fonte de receita para a cidade e o Líbano em geral. Antes da Guerra Civil Libanesa, Beirute era amplamente considerada como "A Paris do Oriente Médio",[37] muitas vezes citado como um centro financeiro e empresarial onde os visitantes poderiam experimentar a cultura do Mediterrâneo levantino. A atmosfera diversificada e a história antiga de Beirute tornam a cidade um importante destino que está se reconstruindo lentamente após a contínua turbulência. Embora nos últimos tempos, certos países, como os Estados Unidos, frequentemente colocam o Líbano (e Beirute em particular), dentro de sua lista de avisos de viagem devido a um grande número de atentados com carros e violência política orquestrada.[38][39][40]

De acordo com as estatísticas turísticas de 2012, 34% dos turistas em Beirute vieram de estados da Liga Árabe, 33% vieram de países europeus (principalmente França, Alemanha e Reino Unido) e 16% da América (cerca de metade dos quais são dos Estados Unidos).[41]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. Word from the President, Beirut.gov.lb
  2. Reconstruction of Beirut, Macalester College
  3. Lebanon's Reconstruction: A Work in Progress, VOA News Arquivado em 29 de agosto de 2008 no Wayback Machine.
  4. Beirut: Between Memory And Desire, Worldview
  5. «GAWC World Cities - The World's Most Important Cities». Diserio.com. Consultado em 26 de março de 2013 
  6. «Beirut - Modern Beirut». www.macalester.edu. Consultado em 29 de março de 2016 
  7. «Howstuffworks "Geography of Beirut"». Geography.howstuffworks.com. Consultado em 5 de maio de 2009. Cópia arquivada em 28 de abril de 2009 
  8. a b worldweatheronline.com (ed.). «Beirut, Beyrouth Monthly Climate Average, Lebanon». Consultado em 24 de junho de 2017 
  9. Lebanese Ministry of Environment: "Lebanon State of the Environment Report", Chapter 1, page 9, 2001.
  10. «United Nations: "Demographic Yearbook 2003", page 53, 2003» (PDF). Consultado em 17 de janeiro de 2010 
  11. Lebanese Ministry of Environment: "Lebanon State of the Environment Report", Chapter 1, page 11, 2001.
  12. «Encyclopedia of the Nations». Nationsencyclopedia.com. Consultado em 17 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 13 de janeiro de 2010 
  13. At Beirut Protest, a Reminder of Religious Diversity, The New York Times. Acessado em 17 de novembro de 2007.
  14. Augustus R. Hezbollah. Princeton: Princeton UP, 1990. Print.Pg 52
  15. Norton, Augustus R. Hezbollah. Princeton: Princeton UP, 1990. Print. Pg. 11-12, Footnote 1
  16. «Great Lebanon — TIME». TIME. 7 de junho de 1926. Consultado em 5 de maio de 2009 
  17. «Beirut from the sky, Parliament Square, Ryad el Solh square». Lebanonpanorama.com. Consultado em 5 de maio de 2009 
  18. «Links». Web.archive.org. 12 de outubro de 2007. Consultado em 25 de julho de 2009. Cópia arquivada em 12 de outubro de 2007 
  19. Beirut – The Pearl of the Middle East.
  20. «Beirut Official Website». www.beirut.gov.lb. Consultado em 29 de março de 2016 
  21. «United Nations Economic and Social Commission for Western Asia». Escwa.org.lb. Consultado em 17 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 5 de setembro de 2015 
  22. «Arab Air Carriers Organization». Aaco.org. Consultado em 17 de janeiro de 2010. Cópia arquivada em 28 de janeiro de 2010 
  23. «Union of Arab Banks». uabonline.org. Consultado em 29 de janeiro de 2011 
  24. «Union of Arab Stock Exchanges». arabstockexchanges.org. Consultado em 12 de fevereiro de 2011. Arquivado do original em 5 de novembro de 2010 
  25. «International Labour Organization (Lebanon)». Ilo.org.lb. Consultado em 17 de janeiro de 2010 
  26. «UNESCO Beirut». Consultado em 17 de janeiro de 2010 
  27. «Twinning the Cities». City of Beirut. Consultado em 13 de janeiro de 2008. Arquivado do original em 21 de fevereiro de 2008 
  28. «Yerevan – Twin Towns & Sister Cities». Yerevan Municipality Official Website. 2005—2013 www.yerevan.am. Consultado em 4 de novembro de 2013 
  29. ԵՐԵՎԱՆԻ ՔԱՂԱՔԱՊԵՏԱՐԱՆՊԱՇՏՈՆԱԿԱՆ ԿԱՅՔ [Yerevan expanding its international relations] (em Armenian). [1]. Consultado em 5 de agosto de 2013. Cópia arquivada em 12 de maio de 2013 
  30. «Isfahan, Beirut named sister cities». MNA. Consultado em 2 de maio de 2007. Arquivado do original em 12 de outubro de 2007 
  31. «Sister Cities of Istanbul». Consultado em 8 de setembro de 2007 
  32. «Beirut – national capital, Lebanon». Consultado em 25 de agosto de 2016 
  33. «Economy». Consultado em 27 de novembro de 2010. Arquivado do original em 8 de setembro de 2013 
  34. "Contact Us Arquivado em 27 de janeiro de 2010 no Wayback Machine.." Middle East Airlines. Retrieved 19 October 2009.
  35. «Torbey: Banks will maintain profits in 2013». Consultado em 25 de agosto de 2016 
  36. «Lebanon's banking sector still well-fueled – Executive Magazine». 12 de março de 2013. Consultado em 25 de agosto de 2016. Arquivado do original em 4 de outubro de 2013 
  37. Shair, Kamal (14 de outubro de 2006). «Out of the Middle East: The Emergence of an Arab Global Business». I.B.Tauris. Consultado em 25 de agosto de 2016 – via Google Books 
  38. «Lebanon Travel Warning». U.S. Department of State – Bureau of Consular Affairs. Consultado em 19 de maio de 2014 
  39. «Travel advice and advisories for Lebanon». Government of Canada. Consultado em 25 de maio de 2014 
  40. «Lebanon Travel Advice». Gov.uk. Consultado em 25 de maio de 2014 
  41. «WebHost4Life». Consultado em 25 de agosto de 2016 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Beirute