Bernat Metge

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Bernat Metge
(1340-1413)
O Sonho, publicado pela primeira vez entre 7 de Dezembro de 1398 e 28 de Abril de 1399
Nascimento 1340
Barcelona, Flag of Spain.svg Espanha
Morte 28 de junho de 1413
Barcelona, Flag of Spain.svg Espanha

Bernat Metge (* Barcelona, 1340 - † Barcelona, entre 27 de Fevereiro e 28 de Junho de 1413), foi humanista, chanceler, tradutor e poeta catalão, foi também introdutor do estilo renascentista na literatura catalã e detentor de um estilo preciso, elegante e claro, sendo a sua obra mais famosa O Sonho publicada em 1399.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Bernard Metge nasceu em Barcelona e era filho de Guillem Metge, uma espécie de boticário associado à familia real de Aragão e que morreu por volta de 1359. Seu pai lhe transmitiu os primeiro conhecimentos de filosofia natural mostrados mais tarde num poema com imitação burlesca chamado Medicina apropriada a todo mau (1396) e em alguns comentários de O Sonho. A profissão do padrasto, Ferrer Saiol, também influencia a sua formação intelectual, porque, além de escrivão e protonotário da rainha Eleonor de Prades[1], foi também tradutor para o catalão da obra De re rustica, um tratado de ciência agrária publicado por Palladius Rutilius[2], fato esse que impulsionou a carreira profissional de Bernat Metge para a chancelaria.

Assim, seguindo o caminho do padrasto, Bernat Metge, em 16 de dezembro de 1370 se torna notário, e desde muito jovem esteve ligado à chancelaria dos Aragão, graças ao alto cargo ocupado pelo seu padrasto, Ferrer Saiol. Foi chanceler da rainha Leonor da Sicília[1], esposa de Pedro IV de Aragão de 15 de Abril de 1371 a 20 de Abril de 1375. Em 1375, por ocasião da morte da rainha, passou a trabalhar como escrivão para o futuro rei João I e de sua esposa Violante de Bar (1365-1431)[3], que lhe tinham muito afeto e o obsequiaram com numerosos favores, porém, durante esse período esteve envolvido em acusações de corrupção relativos à sua gestão. Em 1381 publicou Llibre de Fortuna e Prudència (Livro da Fortuna e da Sabedoria), poema alegórico em que discute a questão da Providência Divina ao mais puro estilo da tradição medieval, baseado na obra De consolatione philosophiae[4] de Boécio (480-524).

Fez também a tradução do relato de Valter e Griselda, última das novelas do Decameron, porém, não o fez a partir do original italiano de Bocaccio, mas através da tradução latina de Petrarca (el Griseldis). A importância da tradução de Metge se deve, além da sua elegante prosa, à carta introdutória que acompanha o relato, pois que representa a primeira amostra de admiração por Petrarca que se conhece na Espanha. Em 2 de Maio de 1379 casa-se com Eulàlia Vivó († Outubro 1390) com quem teve um filho. Depois do falecimento da primeira esposa casa-se em segunda núpcias com Eulàlia Formós, com quem teve pelo menos quatro filhos. Durante a década de 1390 ocupou uma posição muito delicada: a de administrar os dízimos que o Papa Clemente VII havia outorgado a João I em 1392, como benefício por ele ter conquistado e pacificado a Ilha de Sardenha.

Sua obra de maior prestígio foi O Sonho (El sueño), redigido em 1399, de onde lhe ressurge a figura de João I no purgatório. Esta obra foi escrita no cárcere, depois que o escritor caiu em desgraça e foi encarcerado pela nova rainha María de Luna (1358-1406)[5] e pelos novos colaboradores do falecido João. A obra lhe permitiu recuperar os favores reais e seu posto junto à chancelaria.

Sabe-se também que foi autor de uma tradução do poema latino De vetula, atribuído a Ovídio, e de dois poemas satíricos e humorísticos escritos na prisão. Porém, estas obras não foram conservadas.

Obras[editar | editar código-fonte]

  • Llibre de Fortuna e Prudència (Livro da fortuna e da sabedoria, 1381)
  • Ovidi enamorat (Ovídio enamorado)
  • Valter e Griselda (1388)
  • Apologia (1395)
  • Lo somni (O Sonhos, 1399)

Referências[editar | editar código-fonte]

Veja também[editar | editar código-fonte]

Anexo:Lista de humanistas do Renascimento


Notas

  1. a b Leonor da Sicília (1325-1375) (* Paternò, 1325 - † Lérida, 20 de Abril de 1375), rainha de Aragão e esposa de Pedro IV, O Cerimonioso.
  2. Rutílio Tauro Emiliano Paládio (Rutilius Taurus Aemilianus Palladius), mais conhecido como Paládio, foi escritor agrônomo de língua latina do século IV.
  3. Violante de Bar (1365-1431) (* 1365 - † Barcelona, 3 de Julho ou 13 de Agosto de 1431), infanta de Bar e rainha consorte de Aragão como segunda esposa de João I de Aragão.
  4. A Consolação da Filosofia foi escrita por Boécio por volta do ano 524.
  5. María de Luna (1358-1406) (* 1358 - † Villarreal, 20 de Dezembro de 1406), rainha consorte de Aragão devido ao seu matrimônio com Martín de Aragão.


Portal A Wikipédia possui o portal: