Bertrando de Toulouse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Mapa político dos estados cruzados a cerca de 1100. O Condado de Trípoli está com fundo de cor de vinho.

Beltrão ou Bertrando de Toulouse, ou de Saint-Gilles (c.1065 - 21 de Abril de 1112), foi conde de Toulouse e de Trípoli desde 1105 e até à sua morte. Era filho de Raimundo IV de Toulouse com a sua primeira esposa Eldearda (m.1089), filha de Fulque Bertrando I da Provença.

Casou-se em 1095 com Helena da Borgonha, filha de Odo I, Duque da Borgonha, com a qual teve a seguinte descendência:

Quando o seu pai partiu para a Primeira Cruzada em 1096, confiou a Bertrando o governo do condado de Toulouse. Em 1098 este apoderou-se dos privilégios dos cânones de Saint-Sernin, que pediram auxílio à sua prima Filipa de Toulouse e ao seu esposo, o duque Guilherme IX da Aquitânia.

Guilherme IX da Aquitânia o Trovador, rival dos Saint-Gilles (Raimundo, Bertrando e Afonso) pela posse do condado de Toulouse

Estes invadiram e ocuparam o condado, aprisionando Bertrando. A situação durou até 1101, quando o duque da Aquitânia também tomou a cruz, empenhando o condado de Toulouse ao próprio Bertrando para pagar a empresa. E de 1101 a 1108, o jovem conde esteve em conflito com o papa Pascoal II sobre a abadia de Saint-Gilles.

Com a morte de Raimundo IV de Toulouse em 1105, Bertrando herdou todos os seus títulos. Quatro anos depois também aderiu às cruzadas, deixando o condado de Toulouse ao seu irmão Afonso-Jordão, ainda menor de idade. Ao chegar a Trípoli, ainda nas mãos dos muçulmanos e cercada pelos cristãos, o seu primo Guilherme-Jordão da Cerdanha tinha tomado a liderança do condado e recusou-se a ceder-lhe a herança do pai.

Na disputa que se seguiu, Guilherme aliou-se a Tancredo da Galileia, regente do Principado de Antioquia, e em resposta Bertrando pediu a intervenção de Balduíno I de Jerusalém, rival deste poderoso príncipe. Com a mediação do rei, que era apoiado por Balduíno de Bourcq e Joscelino de Courtenay, Bertrando e Guilherme acabaram por acordar em cada um manter o controlo das suas próprias conquistas, com o primeiro a prestar vassalagem a Balduíno I e o segundo a Tancredo (que foi também forçado a abandonar as suas pretensões sobre o condado de Edessa).

Bertrando lucrou mais com este acordo quando, com a ajuda de uma frota genovesa, tomou Trípoli pouco tempo depois, a 12 de Julho de 1109. E quando Guilherme-Jordão foi assassinado alguns meses mais tarde, tornou-se no único governante do condado. Depois da sua morte a 21 de Abril de 1112, o território passou para o seu filho Pôncio de Trípoli - a herança de Raimundo de Saint-Giles na Terra Santa manteve-se na sua descendência até 1187, data em que passaria para os príncipes de Antioquia.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Les comtes de Toulouse, Jean-Luc Dejean, 1979, 1988, ISBN 2-213-02188-0
  • L'Empire du Levant: Histoire de la Question d'Orient, René Grousset, 1949
Precedido por
Raimundo IV
Armas dos condes de Toulouse
Conde de Toulouse

1105 - 1112
Sucedido por
Afonso-Jordão
Precedido por
Guilherme-Jordão
da Cerdanha
(disputado)
Brasão de armas dos condes de Trípoli
Conde de Trípoli

1109 - 1112
Sucedido por
Pôncio de Trípoli