Betelgeuse

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

Coordenadas: Sky map 05h 55m 10.3053s, +07° 24′ 25.426″

Betelgeuse
Representação artística da estrela e sua nebulosa
Dados observacionais (J200)
Constelação Orion
Asc. reta 05h 55m 10,31s[1]
Declinação +07° 24′ 25,43″[1]
Magnitude aparente 0,50[2] (0,00 a 1,30)[3]
Características
Tipo espectral M1-M2Ia-Iab[4]
Cor (U-B) +2,06[2]
Cor (B-V) +1,85[2]
Variabilidade semirregular (SRc)[3]
Astrometria
Velocidade radial +21,9 km/s[1]
Mov. próprio (AR) 26,42 ± 0,25 mas/a[5]
Mov. próprio (DEC) 9,60 ± 0,12 mas/a[5]
Paralaxe 4,51 ± 0,80 mas[5]
Distância 720 ± 130 anos-luz
220 ± 40 pc
Detalhes
Massa 14 M
Raio 887 ± 203[6] R
Luminosidade 4.520-14.968 L
Temperatura 3 600 K
Idade 6 × 106 anos
Outras denominações
Alpha Orionis, 58 Ori, HR 2061, BD+7°1055, HD 39801, SAO 113271, FK5 224, HIP 27989
Betelgeuse
Orion constellation map.png

Alpha Orionis (α Orionis), conhecida como Betelgeuse, é uma estrela de brilho variável sendo a 10ª ou 12ª estrela mais brilhante das que podem ser vistas da Terra. É também a segunda estrela mais brilhante na constelação de Orion. Apesar de ter a designação α ("alpha") na Classificação de Bayer, ela não é mais brilhante que Rigel (β Orionis) no comprimento de ondas visíveis. No entanto, é a maior fonte no comprimento de onda infravermelho presente no céu.[7]

Características[editar | editar código-fonte]

Betelgeuse é uma estrela muito grande, luminosa e fria classificada como uma supergigante vermelha de tipo espectral M1-2 Ia-ab.[4] A letra "M" indica que ela é uma estrela vermelha pertencendo à classe espectral M, tendo portanto uma temperatura superficial baixa; o sufixo "Ia-ab" é a classe de luminosidade da estrela e indica que ela é intermediária entre uma supergigante de luminosidade normal e uma supergigante de alta luminosidade. A principal característica do espectral visual de estrelas desse tipo é a presença de bandas de absorção de óxido de titânio(II) (TiO) na região verde do espectro, que indicam baixa temperatura superficial. A baixa intensidade da linha de cálcio neutro a 4 227 Å é o principal indicador de alta luminosidade.[8] Desde a introdução do sistema de classificação MKK em 1943, o espectro de Betelgeuse tem servido como padrão a partir do qual outras estrelas são classificadas.[9]

Supergigantes vermelhas como Betelgeuse são estrelas massivas que já saíram da sequência principal e estão nas últimas etapas de sua evolução. Essas estrelas consomem seu combustível rapidamente e vivem por apenas alguns milhões de anos. Originalmente uma estrela de classe O da sequência principal, Betelgeuse já consumiu todo o hidrogênio em seu núcleo, resultando na contração do núcleo pela força da gravidade. Para balancear o núcleo mais quente e denso, as camadas externas da estrelas expandiram e esfriaram. Embora seu estado evolutivo exato seja desconhecido, o mais provável é que Betelgeuse esteja atualmente fundindo hélio para gerar carbono e oxigênio no núcleo, com uma camada de fusão de hidrogênio ao redor do núcleo. A estrela é massiva o suficiente para eventualmente começar a fusão de elementos mais pesados, passando por etapas de fusão de carbono, neônio, oxigênio e silício, até a formação de um núcleo de ferro, que vai sofrer colapso gerando uma supernova de tipo II.[6][10]

Variabilidade[editar | editar código-fonte]

Curva de luz (banda V) de Betelgeuse entre dezembro de 1988 e agosto de 2002

Betelgeuse é classificada como uma estrela variável semirregular, indicando que varia de brilho com alguma periodicidade, mas com amplitude variável, ciclos de diferentes comprimentos, e com períodos sem variabilidade ou com variabilidade irregular. A estrela é colocada no subgrupo SRc, que inclui supergigantes vermelhas pulsantes com amplitudes de cerca de uma magnitude e períodos de dezenas a centenas de dias.[3]

Betelgeuse tipicamente apresenta apenas pequenas variações de brilho, se mantendo perto da magnitude aparente +0,5, mas em seus extremos pode variar entre magnitude 0,0 e +1,3. No General Catalogue of Variable Stars, a estrela é listada com um possível período de 2 335 dias.[3] Análises detalhadas mostraram que há um período principal próximo de 400 dias e um período secundário maior próximo de 2 100 dias.[11][12] Em dezembro de 2019, Betelgeuse entrou em um período de brilho anormalmente baixo, atingindo uma magnitude de +1,506 em janeiro de 2020. Isso pode ser causado por a estrela estar coincidentemente no mínimo de luz dos dois períodos de variabilidade, incluindo um período primário mais profundo que o normal. Durante o brilho baixo, a estrela possui bandas de absorção moleculares mais intensas e uma temperatura superficial cerca de 100 K mais fria que o normal.[13][14][15]

Modelos de pulsações radiais em supergigantes vermelhas mostram que os períodos primários de centenas de dias tipicamente são causados por pulsações no período fundamental ou no primeiro sobretom.[16][12] As linhas espectrais de Betelgeuse mostram variações pelo efeito Doppler, evidenciando variações na velocidade radial conforme a superfície da estrela se aproxima e se afasta da Terra. Essas variações estão aproximadamente em fase com as mudanças de brilho, o que comprova que pulsações radiais são responsáveis pelo período primário.[17][18] Observações mostram que as pulsações também causam variações no raio e temperatura da atmosfera estendida de Betelgeuse.[19][20]

A causa dos longos períodos secundários não é conhecida, mas eles não podem ser explicados por pulsações radiais.[12] Observações interferométricas de Betelgeuse mostram que a superfície da estrela possui grandes manchas quentes, que provavelmente são células convectivas gigantes; cada uma possui uma fração significativa do diâmetro da estrela e emite 5–10% do fluxo total da estrela.[21][11] A principal hipótese para explicar os períodos secundários é que eles são causados pela evolução dessas células; especificamente, eles correspondem ao período que as células levam para subir à superfície. Essa hipótese é apoiada por modelos teóricos e também explica variações de longo período na velocidade radial.[22]

Além dos períodos de variabilidade dominantes, variações aleatórias (estocásticas) de pequena amplitude também são observadas. Elas podem ser causadas por granulação, similar ao que ocorre no Sol mas em escala muito maior.[12]

O escurecimento de 2019-2020[editar | editar código-fonte]

Os astrônomos esperam que Betelgeuse exploda como uma supernova nos próximos 100.000 anos, quando seu núcleo entrar em colapso. Mas o escurecimento da estrela, que começou em outubro, não era necessariamente um sinal de uma supernova iminente. Uma estrela variável semiregular pulsante, Betelgeuse, está sujeita a vários ciclos de aumento e diminuição do brilho devido a alterações em seu tamanho e temperatura.[23] Os astrônomos, em 2019, que notaram pela primeira vez o escurecimento de Betelgeuse, os astrônomos da Universidade Villanova Richard Wasatonic e Edward Guinan e o amador Thomas Calderwood, teorizam que uma coincidência de um ciclo de luz normal mínimo de 5,9 anos e um período de 425 dias mais profundo do que o normal é os fatores de condução.[24] Eles explicaram que outras causas possíveis podem ser uma erupção de gás ou poeira ou flutuações no brilho da superfície da estrela.[25]

Em janeiro de 2020, Betelgeuse havia diminuído em um fator de aproximadamente 2,5 da magnitude 0,5 a 1,5, e foi reportado ainda mais fraco em fevereiro,[26] a um mínimo recorde de +1.614, observando que Betelgeuse naquele momento era "menos luminosa e mais fria" nos 25 anos de seus estudos e calculando também uma diminuição no raio.[27]

Em meados de fevereiro, a forma aparente de Betelgeuse mudou e sua luminosidade foi medida em cerca de 36% do brilho normal, (uma mudança perceptível até a olho nu).[28] e, finalmente, caindo para cerca de 40% do brilho usual. A temperatura média da superfície de Betelgeuse em 14 de fevereiro era de cerca de 3.325 graus Celsius.[29] Isso é apenas 50-100 graus Celsius mais frio que a temperatura que uma equipe calculou como temperatura da superfície de Betelgeuse em 2004. No final de fevereiro, Betelgeuse começou a resplandecer novamente.[30]

Alguns acreditaram que o evento foi um presságio da desgraça[31], sinalizando a explosão iminente da estrela. Mas então o escurecimento parou abruptamente.[32] Um estudo examinou a luz ultravioleta emitida por Betelgeuse durante o evento. O evento de escurecimento ocorreu exatamente quando os cientistas do Hubble estavam procurando observar Betelgeuse com o telescópio, fornecendo uma chance de entender por que a estrela havia começado a escurecer.[33] Observando Betelgeuse em comprimentos de onda ultravioleta, os pesquisadores descobriram uma massa de material brilhante e quente movendo-se para fora do hemisfério sul da estrela a cerca de 320.000 quilômetros por hora e, finalmente, sendo ejetado para o espaço.[34] Esse material pode ter começado a esfriar à medida que se movia pelo espaço, formando uma densa nuvem de poeira que obscureceu parcialmente Betelgeuse.[35]

Supernova[editar | editar código-fonte]

Como uma estrela massiva próxima do fim de sua vida, é previsto que Betelgeuse exploda como uma supernova de tipo II em algum momento dos próximos 100 000 anos.[6] Isso acontecerá pouco depois de a estrela começar a queimar carbono no seu núcleo, progredindo então para a queima de elementos mais pesados até a formação de um núcleo massivo de ferro, que é instável e sofre o colapso que gera a supernova. O momento preciso em que a supernova vai ocorrer é altamente incerto e depende do estado evolucionário exato da estrela, que é desconhecido devido a incertezas em parâmetros como massa, distância e rotação. As características de Betelgeuse são consistentes com uma estrela no começo da fase de queima de hélio, com a supernova ocorrendo no final da estimativa de 100 000 anos, mas um estado evolutivo mais avançado não está descartado, apesar de ser improvável.[6][36] Estudos de asterosismologia mostram que qualquer sinal acústico do núcleo provavelmente é amortecido pelas camadas externas da estrela, impossibitando a determinação direta do interior da estrela por esse método.[36] Modelos incorporando rotação mostram que se Betelgeuse tiver rotação e massa suficientemente altas, a estrela provavelmente ainda evoluirá para uma fase de supergigante azul antes de explodir, gerando uma supernova similar a SN 1987A.[37]

A supernova de Betelgeuse emitirá cerca de 2×1046 J de neutrinos e produzirá uma explosão com uma energia cinética de 2×1044 J, deixando para trás uma estrela de nêutrons com cerca de 1,5 M. Assumindo que seja uma supernova II típica, vista da Terra ela teria uma magnitude aparente máxima de −12,4.[6] Ela seria mais brilhante que a lua cheia e seria visível mesmo durante o dia. Esse tipo de supernova permanece com um brilho aproximadamente constante por 2–3 meses antes de perder luminosidade rapidamente. A luz visível é produzida principalmente pelo decaimento radioativo de cobalto, e mantém seu brilho devido ao aumento da transparência do hidrogênio ejetado pela supernova.[38] Os raios X e raios gama gerados na supernova não serão suficientes para penetrar a atmosfera terrestre, e a onda de choque gerada pela explosão não deve afetar a Terra.[6]

Etimologia[editar | editar código-fonte]

Nebulosa em torno da Betelgeuse

O nome é uma contração do árabe يد الجوزا yad al-jawzā, ou "a mão do (guerreiro, homem) do centro". Jauza, o do centro, inicialmente se referia a Gémeos entre os Árabes, mas a algum momento decidiram referir-se a Orion por este nome. Durante a Idade Média o primeiro caracter do nome , y (, com dois pontos sob ele), foi erroneamente traduzido para o Latim como um b (, com um ponto apenas), e Yad al-Jauza tornou-se Bedalgeuze. Então, durante o Renascimento, alguém tentou derivar o nome árabe deste nome corrompido, e decidiu que ele foi escrito originalmente como Bait al-Jauza. Esta pessoa imaginativa então declarou que Bait seria "braço" em Árabe, para surpresa dos árabes em todo o mundo. O linguista sem nome da Renascença então "corrigiu" a grafia para Betelgeuse e o termo moderno nasceu. Para que Betelgeuse tivesse o sentido do "braço do centro", o original deveria ser ابط Ibţ (al-Jauza).

Outros nomes:

  • Al Dhira (o braço)
  • Al Mankib (o Ombro)
  • Al Yad al Yamma (a Mão direita)
  • Ardra (Hindi)
  • Bahu (sânscrito)
  • Bed Elgueze
  • Beit Algueze
  • Besn (Persa) (o braço)
  • Beteigeuze
  • Beteiguex
  • Betelgeuze (Bet El-geuze),
  • Betelgeza (Esloveno)
  • Betelguex
  • Ied Algeuze (A mão de Orion)
  • Yedelgeuse
  • 平家星 Heikeboshi (Japan)(Bintang klan Heike),[39][40]

Referências

  1. a b c «* alf Ori -- Red supergiant star». SIMBAD. Centre de Données astronomiques de Strasbourg. Consultado em 16 de janeiro de 2020 
  2. a b c Nicolet, B. (outubro de 1978). «Catalogue of homogeneous data in the UBV photoelectric photometric system». Astronomy and Astrophysics, Suppl. Ser. 34: 1-49. Bibcode:1978A&AS...34....1N 
  3. a b c d Samus, N. N.; Kazarovets, E. V.; Durlevich, O. V.; Kireeva, N. N.; Pastukhova, E. N. (janeiro de 2009). «VizieR Online Data Catalog: General Catalogue of Variable Stars (Samus+, 2007-2017)». VizieR On-line Data Catalog: B/gcvs. Bibcode:2009yCat....102025S 
  4. a b Keenan, Philip C.; McNeil, Raymond C. (outubro de 1989). «The Perkins catalog of revised MK types for the cooler stars». Astrophysical Journal Supplement Series. 71: 245-266. Bibcode:1989ApJS...71..245K. doi:10.1086/191373 
  5. a b c Harper, G. M.; et al. (julho de 2017). «An Updated 2017 Astrometric Solution for Betelgeuse». The Astronomical Journal. 154 (1): artigo 11, 6 pp. Bibcode:2017AJ....154...11H. doi:10.3847/1538-3881/aa6ff9 
  6. a b c d e f Dolan, Michelle M.; Mathews, Grant J.; Lam, Doan Duc; Lan, Nguyen Quynh; Herczeg, Gregory J.; Dearborn, David S. P. (2016). «Evolutionary Tracks for Betelgeuse». The Astrophysical Journal. 819. 7 páginas. Bibcode:2016ApJ...819....7D. arXiv:1406.3143v2Acessível livremente. doi:10.3847/0004-637X/819/1/7 
  7. R. Cutri and M. Skrutskie (2009-09-07). "Very Bright Stars in the 2MASS Point Source Catalog (PSC)". The Two Micron All Sky Survey at IPAC. Consultado em 17 de Julho de 2020
  8. R. O. Gray. «A Digital Spectral Classification Atlas». A Knowledgebase for Extragalactic Astronomy and Cosmology. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  9. Garrison, R. F. (1993). «Anchor Points for the MK System of Spectral Classification». Bulletin of the American Astronomical Society. 25: 1319. Bibcode:1993AAS...183.1710G. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  10. Kaler, James B. «Betelgeuse (Alpha Orionis)». Stars website. University of Illinois. Consultado em 31 de janeiro de 2020 
  11. a b Montargès, M.; Kervella, P.; Perrin, G.; Chiavassa, A.; Le Bouquin, J.-B.; Aurière, M.; López Ariste, A.; Mathias, P.; Ridgway, S. T.; Lacour, S.; Haubois, X.; Berger, J.-P. (2016). «The close circumstellar environment of Betelgeuse. IV. VLTI/PIONIER interferometric monitoring of the photosphere». Astronomy & Astrophysics. 588: A130. Bibcode:2016A&A...588A.130M. arXiv:1602.05108Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/201527028 
  12. a b c d Kiss, L. L.; Szabó, Gy. M.; Bedding, T. R. (2006). «Variability in red supergiant stars: Pulsations, long secondary periods and convection noise». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 372 (4): 1721–1734. Bibcode:2006MNRAS.372.1721K. arXiv:astro-ph/0608438Acessível livremente. doi:10.1111/j.1365-2966.2006.10973.x 
  13. Edward F. Guinan; Richard J. Wasatonic; Thomas J. Calderwood (8 de dezembro de 2019). «ATel #13341: The Fainting of the Nearby Red Supergiant Betelgeuse». The Astronomer's Telegram. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  14. Edward F. Guinan; Richard J. Wasatonic; Thomas J. Calderwood (23 de dezembro de 2019). «ATel #13365: Updates on the "Fainting" of Betelgeuse». The Astronomer's Telegram. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  15. Edward F. Guinan; Richard J. Wasatonic (20 de janeiro de 2020). «ATel #13410: The Continued Unprecedented Fading of Betelgeuse». The Astronomer's Telegram. Consultado em 22 de janeiro de 2020 
  16. Guo, J. H.; Li, Y. (2002). «Evolution and Pulsation of Red Supergiants at Different Metallicities». The Astrophysical Journal. 565 (1): 559–570. Bibcode:2002ApJ...565..559G. doi:10.1086/324295 
  17. Goldberg, L. (1984). «The variability of alpha Orionis». Astronomical Society of the Pacific. 96. 366 páginas. Bibcode:1984PASP...96..366G. doi:10.1086/131347 
  18. Smith, Myron A.; Patten, Brian M.; Goldberg, Leo (dezembro de 1989). «Radial Velocity Variations in α Orionis, α Scorpii, and α Herculis». Astronomical Journal. 98. 2233 páginas. Bibcode:1989AJ.....98.2233S. doi:10.1086/115293 
  19. Ravi, V.; Wishnow, E.; Lockwood, S.; Townes, C. (dezembro de 2011). «The Many Faces of Betelgeuse». Astronomical Society of the Pacific. 448: 1025. Bibcode:2011ASPC..448.1025R. arXiv:1012.0377Acessível livremente 
  20. O'Gorman, E.; et al. (agosto de 2015). «Temporal evolution of the size and temperature of Betelgeuse's extended atmosphere». Astronomy & Astrophysics. 580: A101, 11 pp. Bibcode:2015A&A...580A.101O. doi:10.1051/0004-6361/201526136 
  21. Haubois, X.; Perrin, G.; Lacour, S.; Verhoelst, T.; Meimon, S.; et al. (dezembro de 2009). «Imaging the Spotty Surface of Betelgeuse in the H Band». Astronomy & Astrophysics. 508 (2): 923–32. Bibcode:2009A&A...508..923H. arXiv:0910.4167Acessível livremente. doi:10.1051/0004-6361/200912927 
  22. Stothers, Richard B. (dezembro de 2010). «Giant Convection Cell Turnover as an Explanation of the Long Secondary Periods in Semiregular Red Variable Stars». The Astrophysical Journal. 725 (1): 1170-1174. Bibcode:2010ApJ...725.1170S. doi:10.1088/0004-637X/725/1/1170 
  23. Dolan, Michelle M.; Mathews, Grant J.; Lam, Doan Duc; Quynh Lan, Nguyen; Herczeg, Gregory J.; Dearborn, David S. P. (março de 2016). «Evolutionary Tracks for Betelgeuse». ApJ (em inglês). 819 (1). 7 páginas. ISSN 0004-637X. doi:10.3847/0004-637X/819/1/7 
  24. «ATel #13365: Updates on the "Fainting" of Betelgeuse». ATel. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  25. «Betelgeuse is 'fainting' but (probably) not about to explode | EarthSky.org». earthsky.org (em inglês). Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  26. «ATel #13439: Betelgeuse Updates». ATel. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  27. Friday, Erika K. Carlson | Published:; December 27; 2019. «Betelguese's bizarre dimming has astronomers scratching their heads». Astronomy.com. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  28. «ESO Telescope Sees Surface of Dim Betelgeuse». Tech Explorist (em inglês). 14 de fevereiro de 2020. Consultado em 14 de fevereiro de 2020 
  29. Levesque, Emily M.; Massey, Philip (24 de fevereiro de 2020). «Betelgeuse Just Isn't That Cool: Effective Temperature Alone Cannot Explain the Recent Dimming of Betelgeuse». arXiv:2002.10463 [astro-ph] 
  30. «Betelgeuse is significantly warmer than expected». Tech Explorist (em inglês). 7 de março de 2020. Consultado em 9 de março de 2020 
  31. Mack, Eric. «Famed supergiant star Betelgeuse will explode some day, and it's acting weird right now». CNET (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2020 
  32. Mack, Eric. «Betelgeuse supernova explosion on hold as giant star stops dimming». CNET (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2020 
  33. Frazier, Sarah (12 de agosto de 2020). «NASA Satellite's Lone View of Betelgeuse Reveals More Strange Behavior». NASA. Consultado em 14 de agosto de 2020 
  34. Rincon, Paul (29 de junho de 2020). «Nearby 'supernova' star's dimming explained». BBC News (em inglês) 
  35. Ryan, Jackson. «NASA telescope uncovers the cause of Betelgeuse's mysterious dimming». CNET (em inglês). Consultado em 14 de agosto de 2020 
  36. a b Nance, S.; Sullivan, J. M.; Diaz, M.; Wheeler, J. Craig (setembro de 2018). «The Betelgeuse Project II: asteroseismology». Monthly Notices of the Royal Astronomical Society. 479 (1): 251-261. Bibcode:2018MNRAS.479..251N. arXiv:1805.10347Acessível livremente. doi:10.1093/mnras/sty1418 
  37. van Loon, J. Th. (maio de 2013). «Betelgeuse and the Red Supergiants». Betelgeuse Workshop 2012. Edited by P. Kervella, T. Le Bertre and G. Perrin. EAS Publications Series. 60: 307-316. Bibcode:2013EAS....60..307V. arXiv:1303.0321Acessível livremente. doi:10.1051/eas/1360036 
  38. Wheeler, J. Craig (2007). Cosmic Catastrophes: Exploding Stars, Black Holes, and Mapping the Universe 2nd ed. Cambridge, UK: Cambridge University Press. pp. 115–17. ISBN 978-0-521-85714-7 
  39. "en:Daijirin" p.2327 ISBN:4385139024
  40. en:Hōei Nojiri"Shin seiza jyunrei"p.19 ISBN: 9784122041288

Ligações externas[editar | editar código-fonte]