Betty Grable

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Betty Grable
Grable em sua foto em traje de banho.
Nome completo Elizabeth Ruth Grable
Outros nomes The Girl With the Million Dollar Legs
The Pin-Up Girl
Nascimento 18 de dezembro de 1916
St. Louis, Estados Unidos Missouri
Morte 2 de julho de 1973 (56 anos)
Santa Monica, California,  Estados Unidos
Ocupação Atriz
Atividade 1930 - 1955
Cônjuge Jackie Coogan (1937 - 1939)
Harry James (1943 - 1965)
IMDb: (inglês)

Elizabeth Ruth Grable conhecida como Betty Grable (St. Louis, 18 de Dezembro de 1916Santa Monica, 2 de Julho de 1973) foi uma dançarina, cantora e atriz estadunidense.

Participou de mais de 50 filmes, e foi durante a década de 1940 uma das atrizes mais bem paga de Hollywood, fazendo dela uma das estrelas da 20th Century Fox. Sua foto em traje de banho, olhando para trás por sobre o ombro direito, transformou-a na maior das pin-ups durante a Segunda Guerra Mundial.[1] Apesar dos seus êxitos, Grable sempre foi modesta e franca acerca de seus talentos artísticos. Ela sempre admitia estar longe de ser "a melhor bailarina ou cantora do mundo." Os filmes em que participou, arrecadaram uma importância superior a 100 milhões de dólares, segundo o Departamento do Tesouro dos Estados Unidos.[2] Estima-se que ela tenha ganhado mais de US$ 3 milhões durante sua carreira.[3]

Infância[editar | editar código-fonte]

Betty Grable nasceu Elizabeth Ruth Grable em 18 de dezembro de 1916, em Saint Louis, no Meio-Oeste americano. Ela era a caçula de três filhos do casal Lillian Rose (née Hofmann; 1889-1964) e John Charles Grable (1883-1954), um corretor da bolsa. Ela tinha ascendência holandesa, irlandesa, alemã e inglesa. O apelido de "Betty" ela ganhou ainda criança. Apesar de seu sucesso, ela sofria de demophobia, medo de multidões, e era sonâmbula.

Carreira[editar | editar código-fonte]

Início de carreira: 1929–1939[editar | editar código-fonte]

Grable e sua mãe viajaram para Hollywood em 1929, logo após o crash da bolsa de Nova York, na esperança de alcançar o estrelato. Sua mãe nunca mediu esforços para que sua filha ficasse famosa, falsificando inclusive sua identidade para arranjar um contrato e, aos 12 anos, a menina já atuava em Dias Felizes (1929), com o rosto cheio de maquiagem e cabelos de loiro platina, cabelo que usou por toda sua vida. Isto eventualmente levou a ter pequenos papéis em A Caminho de Hollywood (1930) e em curtas-metragens comercias para a 20th Century Fox.

Em 1930, aos 13 anos, Grable iniciou uma parceria com a produtora de Samuel Goldwyn, tornando-se uma das primeiras Goldwyn Girls, aparecendo em uma série de pequenos papéis em filmes, entre eles, o mega-hit Whoopee! (1930), estrelado por Eddie Cantor. Apesar de não ter recebido nenhum crédito na tela por sua atuação, ela conduziu número musical de abertura do filme, intitulado "Cowboys". Em 1932, assinou um contrato com a RKO Pictures, seu primeiro filme para o estúdio, Probation (1932), deu a jovem Grable o seu primeiro papel no cinema creditado. Nos anos seguintes, porém, Betty foi novamente relegada a papéis menores e sem créditos em uma série de filmes, muitos deles tornaram-se sucessos em todo o mundo, como o hit de 1933 Cavalgada. Ela recebeu papéis maiores em A Alegre Divorciada (1934) e Nas Águas da Esquadra (1936), dois filmes musicais estrelados pelos populares Fred Astaire e Ginger Rogers.

No final dos anos 30, Grable assinou com a Paramount Pictures, que lhe emprestou a 20th Century-Fox para co-estrelar uma comédia adolescente chamada Loucuras de Estudantes (1936), mas seu desempenho foi ignorado pelo público e crítica, em favor da recém-chegada Judy Garland. Quando ela voltou para a Paramount, começou uma nova fase em sua carreira; o estúdio começou lançando-a em uma série de filmes universitários, a maioria das vezes retratando personagens ingênuas e pouco inteligentes. Estes filmes inclui, Amor Entre Bastidores (1937) e Jazz Academia (1938). Embora Grable interpretasse os papéis principais nesses filmes, isso a levou ao estereotipo da inocente e não tão brilhante "loira burra".

Em 1939, ela apareceu ao lado de seu então marido Jackie Coogan em Ela Prefere os Atletas, um filme B cujo famoso título serviu de apelido para Grable.[4] A comédia não alcançou o sucesso esperando pela Paramount, então o estúdio a liberou de seu contrato, Grable então preparava-se para deixar Hollywood e levar uma vida mais simples. No entanto, ela mudou de ideia levada pela chance de vencer na Broadway; ela aceitou a oferta de Buddy DeSylva para estrelar seu musical DuBarry Was a Lady ao lado de Ethel Merman. A peça foi um sucesso de crítica e público e foi um marco em sua carreira.

Estrelato na Fox: 1940–1949[editar | editar código-fonte]

Em uma entrevista de 1940, Grable afirmou que estava "cansada" do show business e que ela estava pensando em se aposentar. Mas o sucesso de DuBarry Was a Lady chamou a atenção de Darryl F. Zanuck, chefe da 20th Century-Fox, que lhe ofereceu um contrato de longo prazo. "Se isso não é sorte, eu não sei do que você chamaria isso", disse Grable em sua primeira entrevista depois de assinar com o estúdio. Zanuck, que havia ficado impressionado com o desempenho do musical de Buddy DeSylva, deu-lhe o papel principal no filme Serenata Tropical (1940). O papel tinha sido inicialmente atribuído a Alice Faye, a estrela preferida dos musicais da Fox, mas ela teve que recusar o papel devido problemas de saúde não esclarecidos. Depois de analisar o seu teste de tela, Zanuck substituiu Faye por Grable no filme. A comédia musical em Technicolor foi co-estrelada por Don Ameche e Carmen Miranda. O desempenho de Grable em Down Argentine Way é considerado um dos destaques do filme. Serenata Tropical foi um sucesso de crítica e de bilheteria, arrecadando $2 milhões de dólares em seu lançamento, e muitos críticos proclamaram Grable como a sucessora natural de Alice Faye. O sucesso do filme levou o estúdio a escala-las como imãs em A Vida é uma Canção (1940), ao longo dos anos, boatos foram criados sobre rivalidade entre Grable e Faye durante as filmagens, mas isso foi sempre negado por elas. Depois de Tin Pan Alley, Grable participaria novamente com Don Ameche do hit Sob o Luar de Miami (1941), que também traz a atriz Carole Landis no elenco.

Em 1941, a Fox tentou ampliar a gama de publico de Grable, lançando-a em dois filmes com enredos diferentes do que ela havia estrelado anteriormente. O primeiro, Um Yankee na R.A.F., lançado em setembro, foi co-estrelado com o galã Tyrone Power. O filme seguiu o enredo de muitos outros filmes da época da Segunda Guerra Mundial, mas não foi considerado um filme de propaganda pelo estúdio. Na época de seu lançamento, A Yank in the R.A.F. recebeu críticas positivas, com muitos críticos destacando a química na tela entre Grable e Power. Ele também foi um grande sucesso de bilheteria, tornando-se o quarto filme mais popular daquele ano. O segundo filme, Quem matou Vicki?, lançado em novembro, oferecia a Grable sua segunda parceria com Carole Landis, e também co-estrelou Victor Mature. Dirigido por H. Bruce Humberstone, este noir preto-e-branco foi bem avaliado pela maioria dos críticos, e teve um sucesso financeiro razoável.

Grable e Carmen Miranda no sucesso de 1942, Minha Secretária Brasileira.

A fama de Grable continuou a subir quando ela estrelou A Canção do Havaí, ao lado de Victor Mature e Jack Oakie. No mesmo ano ela participaria do elenco de Rapsódia da Ribalta co-estrelado por John Payne, no qual ela interpretou uma estrela glamourosa da Broadway. A Fox, em seguida, começou a desenvolver o roteiro de um filme baseado no romance "Second Honeymoon" de Philip Wylie, o resultado do projeto foi a comédia musical Minha Secretária Brasileira (1942), dirigido por Irving Cummings, tendo novamente Payne como seu par romântico e Cesar Romero e Carmen Miranda no elenco, seu futuro marido, Harry James também participaria do longa-metragem. O filme foi um sucesso imediato, arrecadando mais de $2 milhões dólares em bilheteria. O sucesso levou a Fox a aumentar o seu salário, dando-a uma escolha mais ampla sobre os filmes que faria.

Grable foi eleita em sorteio a número um de bilheteria pelos espectadores do cinema americano em 1943; ela ultrapassou Bob Hope, Gary Cooper, Greer Garson, Humphrey Bogart e Clark Gable em popularidade. Seu filme seguinte, Turbilhão, lançado em junho de 1943, foi um Technicolor co-estrelado por George Montgomery. O filme arrecadou mais de US$ 3,5 milhões de bilheteria e foi bem recebido pela crítica. Rosa, A Revoltosa (1943) foi igualmente bem sucedido nas bilheterias, embora não conseguisse obter o mesmo favoritismo crítica. O sucesso de Grable como uma pin-up girl promoveu sua carreira como uma estrela de cinema fazendo com que o chefe do estúdio Fox, Darryl F. Zanuck manifestasse interesse em ampliar o alcance dela como atriz. Apesar de sua falta de qualidade, os seus filmes eram imensamente populares.

Grable em 1951.

Com o fim da guerra, Grable segurou suas pernas no Lloyd's de Londres por uma cifra considerada gigantesca, US$ 1.000.000 por perna.[5] Depois de dar à luz sua filha, Grable voltou a Fox para estrelar Mulheres e Diamantes (1945), ao lado de Dick Haymes e Phil Silvers. Depois de As Irmãs Dolly (1945), nenhum de seus novos filmes conseguiram repetir o sucesso dos antigos. Após cinco anos de trabalho constante, Grable tirou férias prolongadas. Ela, no entanto, voltou brevemente para as filmagens de A Professora Se Diverte (1946), no qual ela apareceu como um fã do personagem de seu marido Harry James. Grable estava relutante em voltar ao cinema, mas a Fox estava desesperadamente precisando de seu retorno. Sem os seus filmes, que geravam grandes lucros, o estúdio lutava para se manter à tona. Sua Alteza, a Secretária (1947), onde ela interpreta Cynthia Pilgrim, uma estudante universitária, não conseguiu recuperar o investimento financeiro que a companhia esperava.

Seu filme seguinte, ...E os Anos Passaram de Walter Lang, foi lançado em setembro de 1947, co-estrelado por Dan Dailey. O enredo conta a história de dois velhos artistas de vaudeville que se vêem no passado em seu auge através de uma série de flashbacks. O filme foi aclamado pela crítica e foi um sucesso de bilheteria, arrecadando cerca de US$ 5 milhões.

Em 1948, ela foi lançada em A Condessa Se Rende, um filme em que Jeanette MacDonald ou Gene Tierney havia sido consideradas para seu papel. Grable co-estrelou ao lado de Douglas Fairbanks Jr. e foi originalmente dirigido por Ernst Lubitsch. Mas após a morte prematura de Lubitsch durante a produção, ele foi substituído por Otto Preminger. Grable teve problemas durante as filmagens tanto com Fairbanks como com Preminger, e por diversas vezes abandonou as gravações, mas seguindo os conselhos de seu agente, ela retornou ao set para concluir as filmagens. Quando o filme foi finalmente lançado, ele recebeu críticas mistas; e não gerou a receita esperada pelo estúdio.

No mesmo ano, Grable foi escalada para as filmagens de Quando o Amor Sorri ao lado de Dan Dailey, por sua atuação no longa-metragem, Dailey recebeu uma indicação ao Oscar, a única de sua carreira. Fechando a década, Grable estrelou Essa Loira é um Demônio (1949), apesar do elenco ser constituído por Cesar Romero e Rudy Vallée, o filme foi duramente criticado, mas ao contrário do que se pensa, foi um sucesso de bilheteria razoável.

Declínio e últimos filmes: 1950–1955[editar | editar código-fonte]

Desde 1942, Grable estava entre as "10 estrelas mais rentáveis do cinema", ela inclusive chegou ao 1º lugar em 1943, e em segundo lugar em 1947 e 1948 (em 1947 Grable era a atriz mais bem paga dos Estados Unidos, ganhando cerca de 300 mil dólares no ano - uma quantia fenomenal para a época). Em 1949, embora ainda estivesse entre os dez primeiros, ela caiu da segunda para a sétima posição. A Fox ficou preocupada que Grable estivesse tornando-se "coisa do passado", o chefe de produção do estúdio, Darryl F. Zanuck, adaptou Noiva que não Beija para atender os talentos dela. O filme era um remake do seu antigo sucesso, Turbilhão. Apesar da semelhança no enredo, o novo filme teve canções inéditas, e números de danças coreografados para modernizar-lo. Noiva que não Beija foi lançado em maio de 1950, e foi um sucesso de bilheteria, apesar das críticas menos favoráveis. Seu filme seguinte, A Cegonha Demora-se, lançado em dezembro de 1950, foi novamente estrelado ao lado de Dan Dailey, e igualmente bem sucedido financeiramente. Em 1950, Grable tinha recuperado seu status como a mulher mais popular do cinema americano; ficando em quarto lugar geral, atrás apenas John Wayne, Bob Hope e Bing Crosby.

Embora, no início da década de 1950, Grable estivesse à procura de originalidade nos scripts oferecidos a ela, ela não teve sorte em encontrar personagens que realmente gostaria de interpretar, relutantemente, ela concordou em fazer Minha Cara Metade (1951), novamente com Dan Dailey, o filme foi um sucesso moderado, e foi rapidamente seguido por Ao Cair do Pano (1951), co-estrelado por Macdonald Carey, Rory Calhoun, e Eddie Albert. O filme recebeu críticas favoráveis da maioria dos críticos e foi um sucesso de bilheteria. Em 1952, Grable começou a renegociar seu contrato com a Fox. Ela pediu um salário maior e a opção de fazer apenas os filmes quisesse. O estúdio se recusou em atender suas exigências, e ela deixou a companhia. Como resultado, Grable foi substituída por Marilyn Monroe na adaptação para o cinema de Os Homens Preferem as Loiras.[6]

Grable ao lado de Marilyn Monroe e Lauren Bacall em cena do filme Como Agarrar um Milionário de 1953.

Depois de um ano longe das telas, Grable reconciliou-se com a Fox e concordou em estrelar um remake musical de A Vida É uma Canção (1953). O filme foi uma tentativa do estúdio em recapturar o auge de Grable como maior estrela do estúdio, e, embora ela fizesse par romântico com o popular Dale Robertson, o filme foi um fracasso crítico e de bilheteria. Ela estrelou em seguida Como Agarrar um Milionário, ao lado de Marilyn Monroe e Lauren Bacall. Durante a produção, surgiram rumores que Grable e Monroe não se davam bem. Grable, cuja carreira estava em declínio, foi sendo substituída por Monroe, como a mais nova estrela da Fox e, possivelmente, como sucessora oficial. How to Marry a Millionaire foi um triunfo de bilheteria quando lançado, arrecadando cerca de US$ 8 milhões. Esse foi também o seu último grande sucesso com o estúdio.[7]

Depois de recusar um papel principal em O Mundo da Fantasia de Irving Berlin, Grable teve seu contrato novamente suspendo pela Fox e foi substituída por Ethel Merman. Em um esforço para evitar ser processada, ela rancorosamente concordou em voltar a Fox para completar mais dois filmes. O primeiro, Aposenta-se um Marido (1955), com Jack Lemmon e Marge e Gower Champion. O filme teve um sucesso razoável de bilheteria, especialmente no exterior. Ela, então, concordou em fazer Como Usar as Curvas (1955), já como artista freelancer, sobre a garantia de que Marilyn Monroe seria sua co-estrela. Mas Monroe desistiu da produção, e foi substituída por Sheree North. O lançamento do filme foi cercado por uma enorme campanha publicitária de promoção, mas, apesar disso, o filme não conseguiu fazer jus ao investimento feito pela Fox, muitos críticos se queixam da falta de química entre Grable e North. Mas, no entanto, tornou-se um sucesso de bilheteria, ganhando mais de US$ 3,7 milhões. Depois deste, Grable disputou o papel de Miss Adelaide em Garotos e Garotas (1955), mais perdeu o personagem para a atriz Vivian Blaine.

Em 1955, com o fim de seu contrato com a Fox, Grable se aposentou das telas do cinema, embora continuasse se apresentando nos palcos e na televisão, sobre o ocorrido, a atriz relatou em uma entrevista na Europa no ano de 1960 que "a era dos grandes musicais não poderiam durar eternamente" por isso acabou não renovando seu contrato com o estúdio, deixando de vez a carreira no cinema.[8]

Por volta de 1969, Grable decidiu aceitar o convite para ser a estrela principal do musical The Peaceful Palace em Londres. A peça no entanto foi um fracasso e acabou ficando poucos dias em cartaz. Uma nova oportunidade surgiu em 1972, quando recebeu um convite para estrelar a nova versão do musical No, No, Nanette na Austrália, Grable deveria embarcar em princípios de maio daquele ano, mas poucos dias antes, teve de cancelar a viagem, havia descoberto que estava com câncer de pulmão.[8]

Vida pessoal e morte[editar | editar código-fonte]

Betty Grable foi casada duas vezes, primeiro com o ex-ator infantil Jackie Coogan em 1937, a relação durou até 1939.

Em 1943, Betty se casou com o trompetista Harry James, mas alguns anos depois, o casamento tornou-se um pesadelo cheio de escândalos. O casal teve duas filhas, Victoria e Jessica. James era alcoólatra e um viciado em jogos de azar, fazendo com que Grable também se tornasse dependente de bebidas alcoólicas e em corridas de cavalos, juntos eles desperdiçaram mais de $ 5 milhões e quase arruinaram com sua família. James também é acusado de ter sido um pai ausente e irresponsável, que minou o respeito próprio de sua esposa com relações extraconjugais e com suas dívidas de jogo.[9] Em 1965, eles se divorciaram.

Após o divorcio, Grable começou um relacionamento com o dançarino Bob Remick, vários anos mais jovem, com quem permaneceu até a sua morte em 1973.[10]

A atriz morreu de câncer de pulmão, em 1973, com apenas 56 anos. Encontra-se sepultada no Inglewood Park Cemetery, Inglewood, Condado de Los Angeles, Califórnia.[11]

Legado[editar | editar código-fonte]

Pegadas e assinatura de Betty Grable no pátio do Grauman's Chinese Theatre.

Betty Grable foi talvez a mulher mais desejada durante uma década crucial na história americana.[12] Grable apareceu em vários filmes de grande sucesso musical nos anos 40, e era conhecida por vários apelidos durante seu auge, incluindo: "A menina com as pernas de um milhão de dólares" (por ter seguro das suas pernas no valor de um milhão de dólares cada no Lloyd's of London), "A rainha do musical de Hollywood", e "A querida dos anos 40".[13]

A sua foto em traje de banho, olhando para trás por sobre o ombro direito, transformou-a na maior das pin-ups durante a Segunda Guerra Mundial. A imagem foi posteriormente incluída numa lista compilada pela revista LIFE, 100 Photographs that Changed the World (As 100 Fotos que Mudaram o Mundo).[14] Betty Grable foi uma das seguidoras do mito do sensualismo explosivo, iniciado por Mae West e seguido depois por Marilyn Monroe. A imagem de Monroe era a idealização da 20th Century-Fox, que desejava uma atriz loira, resistente e esperta, para que pudesse substituí-la no estúdio.[15] Grable também serviu de inspiração para Hugh Hefner fundar a revista Playboy.[16]

A boneca Barbie, criada na década de 1950, teve como inspiração Betty Grable.[17] Em 8 de fevereiro de 1960, ela foi homenageada com uma estrela na Calçada da Fama de Hollywood.[18] E em 2009, foi introduzida no Hall of Fame do Missouri.[19] Ela também serviu de inspiração para o quarto episódio da quarta temporada de Os Simpsons, onde Bart imita a pose icônica de Betty Grable em Lisa the Beauty Queen, em que Homer inscreve Lisa em um concurso de beleza para aumentar a sua confiança e seu irmão a ensina a andar corretamente em saltos altos.[20]

Filmografia[editar | editar código-fonte]

Todos os títulos em Português dos filmes estrangeiros referem-se a exibições no Brasil.
Ano Filme / Série Papel Nota
1929 Dias Felizes Participação (como Corista)
1930 A Caminho de Hollywood Participação (como Corista)
Follies de 1930 Participação (como Corista)
Whoopee! Participação (como Corista)
1931 Kiki Participação (como Corista)
Crashing Hollywood Curta-metragem
Ex-Sweeties Curta-metragem
O Homem do Outro Mundo Participação (como Corista)
Once a Hero Curta-metragem
1932 Cortesãs Modernas (não creditado)
Lady! Please! Curta-metragem (não creditado)
Probation Ruth
The Flirty Sleepwalker Curta-metragem
Hollywood Lights Curta-metragem
The Age of Consent Participação (como estudante no dormitório)
Hold 'Em Jail Bárbara
Loja de Novidades Curta-metragem
Meu Boi Morreu Participação (como Corista)
1933 Cavalcade Participação (não-confirmado) / (não creditado)
Anjo de New York Lucy
Cruzeiro dos Amores Primeiro Aeromoça (sem créditos)
O Preço da Inocência Beverly Bennett
The Sweetheart of Sigma Chi Cantora de banda com Ted Fio Rito
Air Tonic Ela mesma Curta-metragem
1934 School for Romance Estudante Curta-metragem
Love Detectives Alice Curta-metragem
Elmer Steps Out Curta-metragem
Business Is a Pleasure Curta-metragem
Susie's Affairs Susie Lee Curta-metragem
Folias de Estudante Cayenne (sem créditos)
A Alegre Divorciada Dançarina
By Your Leave Frances
Ferry-Go-Round Betty Curta-metragem
1935 This Band Age Betty (cantora da Banda)
Na Pista da Viúva Mary Roberts
The Spirit of 1976 Curta-metragem
A Night at the Biltmore Bowl Vocalista
Drawing Rumors Curta-metragem
No Rítmo do Jazz Sylvia
A Quiet Fourth Curta-metragem
1936 Colégio do Sapequismo Dorothy
Nas Águas da Esquadra Cantora do trio
Os Reincidentes Mildred Webster
Loucuras de Estudantes Laura Watson
1937 Amor Entre Bastidores Jane Morrow
Uma Só Vez na Vida Gwen
1938 Jazz Academia Betty
Quero um Marido Nancy Larkin
Caloura entre Calouros Joyce Gilmore
1939 O Terror dos Maridos Susan Hayes
Ela Prefere os Atletas Carol Parker
Na Reta de Chegada Ina Firpo
1940 Serenata Tropical Glenda Crawford
A Vida é uma Canção Lily Blane
1941 Sob o Luar de Miami Kay Latimer
Um Yankee na R.A.F. Carol Brown
Quem Matou Vicki? Jill Lynn
1942 A Canção do Havaí Eileen O'Brien
Rapsódia da Ribalta Pat Lambert
Minha Secretária Brasileira Vicky Lane
1943 Turbilhão Kate Farley
Rosa, A Revoltosa Madeleine 'Madge' Marlowe / Rosie O'Grady
1944 Quatro Moças num Jipe Ela mesma
A Preferida Lorry Jones como Laura Lorraine
1945 Mulheres e Diamantes Bonnie Collins
As Irmãs Dolly Yansci 'Jenny' Dolly
1946 A Professora Se Diverte (sem créditos)
1947 Sua Alteza, a Secretária Cynthia Pilgrim
...E os Anos Passaram Mãe
1948 A Condessa Se Rende Francesca / Angelina
Quando o Amor Sorri Bonny Kane
1949 Esta Loira é um Demônio Freddie
1950 Noiva que não Beija Ruby Summers
A Cegonha Demora-se Kitty Moran
1951 Minha Cara Metade Kay Hudson
Ao Cair do Pano Delilah Lee
1953 A Vida É uma Canção Molly Larkins
Como Agarrar um Milionário Loco Dempsey
1955 Aposenta-se um Marido Julie Lowndes
Como Usar as Curvas Stormy Tornado

Referências

  1. «BETTY GRABLE BIOGRAPHY». The Biography Channel. Consultado em 27 de janeiro de 2015. 
  2. «Família sepulta hoje Betty Grable». Jornal do Brasil. 5 de julho de 1953. Consultado em 14 de janeiro de 2015. 
  3. «Betty Grable - Hollywood Star Walk». Los Angeles Times. Consultado em 17 de junho de 2016. 
  4. «Betty Grable, la pin-up». ilpost.it/. Consultado em 15 de agosto de 2016. 
  5. «Pernas de Mariah Carey valem R$ 2 bilhões; confira outros famosos com corpo assegurado». purepeople.com/. Consultado em 14 de janeiro de 2015. 
  6. «Biografia: Betty Grable's Legs». Cinema Clássico. Consultado em 3 de março de 2015. 
  7. «Lauren Bacall: The real winner in 1953's 'How to Marry a Millionaire'». Entertainment Weekly. 13 de agosto de 2014. Consultado em 15 de agosto de 2016. 
  8. a b «A MORTE DA "PIN-UP GIRL"». Jornal do Brasil. 4 de julho de 1973. Consultado em 3 de março de 2015. 
  9. Spero Pastos (9 de março de 1987). «Picks and Pans Review: Pin-Up: the Tragedy of Betty Grable». Peolpe. Consultado em 02 de dezembro de 2015. 
  10. «Betty Grable, a mais famosa garota pin-up dos anos 40». OK Magazine. Consultado em 15 de agosto de 2016. 
  11. Betty Grable (em inglês) no Find a Grave
  12. «BETTY GRABLE». Turner Classic Movies. Consultado em 02 de dezembro de 2015. 
  13. Claire Suddath (01 de setembro de 2010). «Betty Grable's Legs». TIME. Consultado em 25 de julho de 2014. 
  14. «Betty Grable a eterna Pinup». Bocaberta. 26 de novembro de 2008. Consultado em 25 de julho de 2014. 
  15. «PERSONAGENS FAMOSOS QUE VOCÊ NÃO CONHECERIA DESCARACTERIZADOS». Cinema a Dois. 14 de maio de 2016. Consultado em 15 de agosto de 2016. 
  16. «BETTY GRABLE'S MILLION DOLLAR LEGS». Legacy.com. 14 de maio de 2016. Consultado em 15 de agosto de 2016. 
  17. Desenho compara curvas de Barbie com as de uma "mulher real"; veja
  18. «Betty Grable: Walk of Fame Stars». walkoffame.com/. Consultado em 14 de janeiro de 2015. 
  19. «Betty Grable - Hall of Famous Missourians - Missouri State». house.mo.gov/. Consultado em 27 de janeiro de 2015. 
  20. «Os Simpsons recriam imagens históricas e o resultado é bem interessante». R7.com. Consultado em 25 de abril de 2016. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Commons
O Commons possui imagens e outras mídias sobre Betty Grable