Bexiga hiperativa

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa

Bexiga hiperativa (OAB) é uma condição em que há um sentimento frequente da necessidade de urinar em um nível que afeta negativamente a vida de uma pessoa.[1] A necessidade frequente de urinar pode ocorrer durante o dia, à noite, ou ambos.[2] Se há perda de controle da bexiga, em seguida, é conhecida como incontinência de urgência. Mais de 40% das pessoas com bexiga hiperativa tem incontinência.[3] Cerca de 40% a 70% da incontinência urinária é devido a bexiga hiperativa,[4] mas não representa risco à vida. A maioria das pessoas com a condição têm problemas por anos.[5]

A causa da bexiga hiperativa é desconhecida.[5] Fatores de risco incluem obesidade, cafeína, e prisão de ventre.[3] Diabetes mal controlada, mobilidade funcional reduzida e dor pélvica crônica podem agravar os sintomas. Pessoas muitas vezes têm os sintomas por um longo tempo antes de procurar tratamento e a doença é, muitas vezes, identificadas por cuidadores. O diagnóstico é baseado nos sinais e sintomas e requer que outros problemas, tais como infecções do trato urinário ou condições neurológicas, sejam excluídos.[5][1] A quantidade de urina em cada micção é relativamente pequeno. Dor ao urinar sugere que há um outro problema além da bexiga hiperativa.[5]

O tratamento específico nem sempre é necessário. Se for desejado, exercícios Kegel, treinamento da bexiga, e outros métodos comportamentais são, inicialmente, recomendados.[6] A perda de peso em pessoas que estão acima do peso, redução no consumo de cafeína, e ingestão moderada de fluídos, também podem ter benefícios. Medicamentos, normalmente do tipo anti-muscarínicos, são recomendados somente se outras medidas não forem eficazes. Eles não são mais eficazes do que os métodos comportamentais; no entanto, estão associados a efeitos colaterais, particularmente em pessoas mais velhas.[7] Alguns métodos de estimulação elétrica não-invasiva parecem ser eficazes, enquanto estão em uso.[8] Injeções de toxina botulínica na bexiga é outra opção. Cateteres urinários ou cirurgia geralmente não são recomendados. Um registro diário para acompanhar a doença pode ajudar a determinar se os tratamentos estão funcionando.[6]

Estima-se que a bexiga hiperativa afete 7-27% dos homens e 9-43% das mulheres, tornando-se mais comum com a idade. Alguns estudos sugerem que a condição é mais comum em mulheres, especialmente quando associada a perda de controle da bexiga.[5] Os custos econômicos da bexiga hiperativa foram estimados nos Estados Unidos em 12,6 bilhões e 4,2 bilhões de Euros em 2000.[9]

Referências

  1. a b «Diagnosis and Treatment of Overactive Bladder (Non-Neurogenic) in Adults: AUA/SUFU Guideline Amendment.». The Journal of Urology. 193. PMID 25623739. doi:10.1016/j.juro.2015.01.087 
  2. «Urinary Bladder, Overactive» 
  3. a b Gibbs, Ronald S. (2008). Danforth's obstetrics and gynecology. [S.l.: s.n.] ISBN 9780781769372 
  4. Ghosh, Amit K. (2008). Mayo Clinic internal medicine concise textbook. [S.l.: s.n.] ISBN 9781420067514 
  5. a b c d e «Diagnosis and Treatment of Overactive Bladder (Non-Neurogenic) in Adults: AUA/SUFU Guideline» (PDF) [ligação inativa] 
  6. a b «Diagnosis and treatment of overactive bladder (non-neurogenic) in adults: AUA/SUFU guideline.». The Journal of Urology. 188. PMID 23098785. doi:10.1016/j.juro.2012.09.079 
  7. «Drugs with anticholinergic effects and cognitive impairment, falls and all-cause mortality in older adults: A systematic review and meta-analysis.». British Journal of Clinical Pharmacology. 80. PMC 4541969Acessível livremente. PMID 25735839. doi:10.1111/bcp.12617 
  8. Stewart, Fiona; Gameiro, Luis F.; El Dib, Regina; Gameiro, Monica O.; Kapoor, Anil; Amaro, Joao L. (9 de dezembro de 2016). «Electrical stimulation with non-implanted electrodes for overactive bladder in adults». The Cochrane Database of Systematic Reviews. 12: CD010098. ISSN 1469-493X. PMID 27935011. doi:10.1002/14651858.CD010098.pub4. Cópia arquivada em 6 de agosto de 2017 
  9. Abrams, Paul (2011). Overactive bladder syndrome and urinary incontinence. [S.l.: s.n.] ISBN 9780199599394