Bienequés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bienequés
Estela da tumba restaurada de Bienequés.
Faraó do Egito
Reinado 33 anos, c.2 910 a.C.
Antecessor(a) Semempsés
Sucessor(a) Boco (provavelmente), Nefercaés ou Hórus Pássaro
 
Sepultado em Tumba Q, Umel Caabe, Abidos
Dinastia I dinastia
Pai Semempsés (provavelmente) ou Miebido
Religião Politeísmo egípcio
Titularia
Nome
M23
t
L2
t
G16T22 D20
N35
(Nsw.t-bty-nb.ty-sn)
Hórus
X7
D36
(Ḥr-qˁ3)
Lista Real de Abidos
<
X7D58V28
>
(Qbḥ)
Lista Real de Sacará
<
X7D58V28G43W15
>
(Qbḥ.w-ḫntj)
Cânone de Turim
HASHHASHD58V28V11AG7
(...beh)
(...bḥ)
Título

Bienequés (em grego clássico: Bieneches), Ubientes (em grego clássico: Ubienthes) ou Vibentis (em grego clássico: Vibenthis), também chamado em egípcio de Caá, Qaa ou Ca'á, foi o último faraó da I dinastia egípcia.

Data de reinado[editar | editar código-fonte]

Segundo Manetão, que o denomina Bienequés (Africano), ou Ubientes (Eusébio), reinou 26 anos. O Cânone de Turim atribui-lhe 63 anos de reinado. Um fragmento de uma tigela encontrado em Sacará menciona o segundo Hebesede de Hórus Caá que, se o festival fosse celebrado pela primeira vez durante seu 30º e a segunda vez durante seu 33º ano no poder, indicaria um reinado de pelo menos 33 anos.[1]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Em seu reinado, Bienequés suprimiu o nome de seu antecessor Semempsés dos monumentos, ao que considerou usurpador do trono, de igual forma que este o tinha feito com seu antecessor Miebido.[carece de fontes?]

Rótulo de marfim de Bienequés com seu nome sereque e Nebty sn.

Várias inscrições em vasos de pedra mencionam um segundo festival de Sede para Bienequés, que aponta para pelo menos 33 anos de reinado. O primeiro festival geralmente não era celebrado antes dos 30 anos de reinado, e os festivais subsequentes podiam ser repetidos a cada três anos. A Pedra de Palermo menciona apenas o ano da coroação e alguns eventos de culto usuais que foram celebrados sob cada rei. As numerosas etiquetas de marfim datadas de seu reinado também mencionam apenas arranjos típicos, como representar e contar as ofertas fúnebres e os pertences pessoais do rei. Vários túmulos de mastaba de altos funcionários datam do reinado de Bienequés: Mercá (S3505), Henucá (desconhecido enterro), Neferefe (enterro desconhecido também) e Sabefe (enterrado na necrópole real de Bienequés).[2][3]

Tumba[editar | editar código-fonte]

Mapa da tumba de Bienequés. Observe o sepultamento "subsidiário" ao redor da câmara.

Com análises em sua tumba de Umel Caabe, em Abidos, duas questões ainda estão em pendência. Uma delas é o motivo de objetos do faraó Hotepsequemui, da II dinastia egípcia, estarem depositados no sepultamento. Outro motivo era a diminuição de túmulos "subsidiários", supostamente destinados a tumba dos serviçais do rei e que, no caso da tumba de Bienequés, são em número 26.[4]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Doberstein, Arnoldo Walter (2010). O Egito antigo. Porto Alegre: Edipucrs. ISBN 9788539700219 
  • Lacau, P.; Lauer, J. P. (1959). La Pyramide a Degeres IV, Inscriptions Gravees sur les Vases. Cairo: IFAO 
  • Wilkinson, Toby A. H. (1999). Early Dynastic Egypt. Londres/Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-18633-1 

Precedido por
Semempsés
Faraó
2960 a.C. - 2926 a.C.
Sucedido por
Boco