Bienequés

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Bienequés
Estela da tumba restaurada de Bienequés.
Faraó do Egito
Reinado 33 anos, c.2 910 a.C.
Antecessor(a) Semempsés
Sucessor(a) Boco (provavelmente), Nefercaés ou Hórus Pássaro
 
Dinastia I dinastia
Sepultado em Tumba Q, Umel Caabe, Abidos
Pai Semempsés (provavelmente) ou Miebido
Religião Politeísmo egípcio
Titularia
Nome
M23
t
L2
t
G16T22 D20
N35
(Nsw.t-bty-nb.ty-sn)
Hórus
X7
D36
(Ḥr-qˁ3)
Lista Real de Abidos
<
X7D58V28
>
(Qbḥ)
Lista Real de Sacará
<
X7D58V28G43W15
>
(Qbḥ.w-ḫntj)
Cânone de Turim
HASHHASHD58V28V11AG7
(...beh)
(...bḥ)
Título

Bienequés (em grego clássico: Bieneches), Ubientes (em grego clássico: Ubienthes) ou Vibentis (em grego clássico: Vibenthis), também chamado em egípcio de Caá, Qaa ou Ca'á, foi o último faraó da I dinastia egípcia.

Data de reinado[editar | editar código-fonte]

Segundo Manetão, que o denomina Bienequés (Africano), ou Ubientes (Eusébio), reinou 26 anos. O Cânone de Turim atribui-lhe 63 anos de reinado. Um fragmento de uma tigela encontrado em Sacará menciona o segundo Hebesede de Hórus Caá que, se o festival fosse celebrado pela primeira vez durante seu 30º e a segunda vez durante seu 33º ano no poder, indicaria um reinado de pelo menos 33 anos.[1]

Reinado[editar | editar código-fonte]

Em seu reinado, Bienequés suprimiu o nome de seu antecessor Semempsés dos monumentos, ao que considerou usurpador do trono, de igual forma que este o tinha feito com seu antecessor Miebido.[carece de fontes?]

Rótulo de marfim de Bienequés com seu nome sereque e Nebty sn.

Várias inscrições em vasos de pedra mencionam um segundo festival de Sede para Bienequés, que aponta para pelo menos 33 anos de reinado. O primeiro festival geralmente não era celebrado antes dos 30 anos de reinado, e os festivais subsequentes podiam ser repetidos a cada três anos. A Pedra de Palermo menciona apenas o ano da coroação e alguns eventos de culto usuais que foram celebrados sob cada rei. As numerosas etiquetas de marfim datadas de seu reinado também mencionam apenas arranjos típicos, como representar e contar as ofertas fúnebres e os pertences pessoais do rei. Vários túmulos de mastaba de altos funcionários datam do reinado de Bienequés: Mercá (S3505), Henucá (desconhecido enterro), Neferefe (enterro desconhecido também) e Sabefe (enterrado na necrópole real de Bienequés).[2][3]

Tumba[editar | editar código-fonte]

Mapa da tumba de Bienequés. Observe o sepultamento "subsidiário" ao redor da câmara.

Com análises em sua tumba de Umel Caabe, em Abidos, duas questões ainda estão em pendência. Uma delas é o motivo de objetos do faraó Hotepsequemui, da II dinastia egípcia, estarem depositados no sepultamento. Outro motivo era a diminuição de túmulos "subsidiários", supostamente destinados a tumba dos serviçais do rei e que, no caso da tumba de Bienequés, são em número 26.[4]

Referências

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Doberstein, Arnoldo Walter (2010). O Egito antigo. Porto Alegre: Edipucrs. ISBN 9788539700219 
  • Lacau, P.; Lauer, J. P. (1959). La Pyramide a Degeres IV, Inscriptions Gravees sur les Vases. Cairo: IFAO 
  • Wilkinson, Toby A. H. (1999). Early Dynastic Egypt. Londres/Nova Iorque: Routledge. ISBN 0-415-18633-1 

Precedido por
Semempsés
Faraó
2960 a.C. - 2926 a.C.
Sucedido por
Boco