Bilawal Bhutto Zardari

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Under construction icon-yellow.svg
Este artigo carece de caixa informativa. Foi sugerido que adicione esta.
Bilawal Bhutto Zardari.

Bilawal Bhutto Zardari (em sindi: بلاول ڀٽو زرداري; em urdu: بلاول بھٹو زرداری, Carachi, 21 de setembro de 1988) é um político paquistanês que serve como presidente do Partido Popular do Paquistão e preside o comitê executivo central de seu partido.[1][2][3]

Pertencente à politicamente poderosa família Bhutto, ele é o filho do ex-presidente Asif Ali Zardari e da ex-primeira-ministra Benazir Bhutto e neto do ex-presidente Zulfiqar Ali Bhutto e de sua esposa, a princesa iraniana Nusrat Bhutto. Bilawal Bhutto Zardari graduou-se e pós-graduou-se na Universidade de Oxford. Ele foi feito o chefe cerimonial do Partido Popular do Paquistão após o assassinato de sua mãe em 2007, e em 2014 ele assumiu a presidência do partido. Seu pai é uma das pessoas mais ricas do Paquistão.[4][5][6]

Início de vida e educação[editar | editar código-fonte]

Bilawal Bhutto Zardari nasceu no Hospital Lady Dufferin em Carachi, no Paquistão, em 21 de setembro de 1988, como o primeiro dos três filhos da futura primeira-ministra do Paquistão, Benazir Bhutto, e seu marido, Asif Ali Zardari, que mais tarde tornou-se o Presidente do Paquistão, em 2008. Ele tinha apenas três meses de idade quando sua mãe, Benazir Bhutto, tornou-se a primeira mulher primeira-ministra do Paquistão, em 1988. Ele tem duas irmãs, Bakhtawar e Asifa. Ele é neto do ex-presidente Zulfiqar Ali Bhutto e de Nusrat Bhutto. Seus tios maternos são Murtaza Bhutto e Shahnawaz Bhutto, além da tia Ghinwa Bhutto (esposa de Murtaza), bem como seu avô paterno é Hakim Ali Zardari, e tias paternas são Azra e Faryal, todos políticos. Sua prima, Fatima Bhutto, é uma poetisa e escritora.[7][8]

Bilawal Bhutto Zardari estudou no Aitchison College, em Lahore, mas devido a ameaças de segurança mudou-se para Karachi Grammar School e mais tarde participou da Escola Internacional de Froebel, em Islamabad.[9] Seu pai esteve numa cadeia paquistanesa entre 1996 e 2004 devido a acusações de corrupção. Ele deixou o Paquistão com sua mãe e irmãs em abril de 1999, passando a infância em Dubai e Londres durante o auto-exílio de sua família.[10] Mais tarde, ele estudou na School Rashid em Dubai, onde foi vice-presidente do conselho estudantil.[11] Ele tem uma faixa preta em taekwondo.[8]

Em 2007, Bilawal Zardari matriculou-se na Christ Church, um colégio constituinte da Universidade de Oxford. Ele estudou história britânica e mais tarde transferiu-se para estudar história geral.[12] Em dezembro de 2007, ele visitou o Paquistão depois que sua mãe, Benazir Bhutto, foi assassinada. Ele também retornou ao Paquistão em setembro de 2008 para testemunhar seu pai ser empossado como presidente do Paquistão.[13] Bilawal completou sua formação em junho de 2010.[14][15][16]

Carreira política[editar | editar código-fonte]

Após o assassinato de Benazir Bhutto, Asif Ali Zardari declarou Bilawal Bhutto Zardari como sucessor de sua mãe na liderança do partido.[17][18]] Bilawal Zardari foi nomeado presidente do Partido Popular do Paquistão em 30 de dezembro de 2007,[19] quando ainda estava estudando na Universidade de Oxford.[20] Em 2011, Bilawal Bhutto Zardari voltou definitivamente para o Paquistão e tornou-se mais ativamente envolvido na política paquistanesa,[21] nomeadamente quando seu pai foi receber cuidados médicos em Dubai em dezembro de 2011.[22] Em maio de 2012, Bilawal Zardari afirmou que o Paquistão pediu à Interpol para emitir um "mandado vermelho" contra o ex-governante militar Pervez Musharraf em relação ao caso do assassinato de sua mãe.[23] Ele fez seu primeiro grande discurso público em 27 de dezembro de 2012, que marcava o quinto aniversário da morte de sua mãe.[24]

Em 2013, com 25 anos, tornou-se elegível para concorrer à Assembleia Nacional do Paquistão, já que a Constituição do país exige uma idade mínima de legisladores de 25 anos. Bilawal Bhutto Zardari não se candidatou a um cargo público nas eleições de 2012, mas prometeu disputar a próxima eleição geral no país, em 2018.[25]

Referências

  1. «Bhutto's son launches political career». aljazeera.com. Consultado em 16 de abril de 2015 
  2. «Bilawal Bhutto Zardari: The new hope for Pakistan's future – The Express Tribune Blog». blogs.tribune.com.pk. Consultado em 1 de junho de 2016 
  3. «Who Is Bilawal Bhutto Zardari And Why Will The Teen Assume His Assassinated Mother's Post?». MTV News. Consultado em 1 de junho de 2016 
  4. Dawn.com (10 de maio de 2015). «Bilawal Bhutto graduates from Oxford with MA degree». www.dawn.com. Consultado em 1 de junho de 2016 
  5. «Profile: Bilawal Bhutto Zardari – BBC News». BBC News (em inglês). Consultado em 1 de junho de 2016 
  6. Masood, Salman (19 de outubro de 2014). «Bhutto's Son Tries to Revive the Pakistan Peoples Party's Fortunes». The New York Times. ISSN 0362-4331. Consultado em 1 de junho de 2016 
  7. «Profile: Bilawal Bhutto Zardari». Telegraph. 31 de dezembro de 2007. Consultado em 2 de dezembro de 2011 
  8. a b «Benazir's son regrets he couldn't play cricket». The Times of India. 30 de dezembro de 2007. Consultado em 30 de dezembro de 2007 
  9. «PPP chairman Bilawal leaves for Oxford». Sify News. Consultado em 8 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 4 de janeiro de 2008 
  10. Masood, Salman (23 de novembro de 2004). «After 8 Years in Jail, Husband of Bhutto Is Free». nytimes.com. Consultado em 16 de julho de 2011 
  11. Robinson, Simon (29 de dezembro de 2007). «Bhutto's Successor». Time. Consultado em 12 de julho de 2011. Cópia arquivada em 29 de junho de 2011 
  12. Britten, Nick (1 de janeiro de 2008). «Security assessment for Bilawal Bhutto Zardari». Telegraph. Consultado em 2 de dezembro de 2011 
  13. Wilkinson, Isambard (9 de setembro de 2008). «Benazir Bhutto's widower Asif Ali Zardari sworn in as Pakistan president». The Telegraph. London. Consultado em 23 de setembro de 2008. Cópia arquivada em 12 de setembro de 2008 
  14. «Profile: Bilawal Bhutto». BBC. 30 de dezembro de 2007. Consultado em 30 de dezembro de 2007. Cópia arquivada em 1 de janeiro de 2008 
  15. Britten, Nick (1 de janeiro de 2008). «Security assessment for Bilawal Bhutto Zardari». London: The Daily Telegraph. Consultado em 1 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 2 de janeiro de 2008 
  16. Sengupta, Somini (31 de dezembro de 2007). «Opposition Parties Vow to Proceed With Jan. 8 Election». The New York Times. Consultado em 1 de janeiro de 2008. Cópia arquivada em 10 de maio de 2013 
  17. «Bhutto's Son, Husband To Lead Party». cbsnews.com. 11 de fevereiro de 2009. Consultado em 19 de março de 2011 
  18. Walsh, Declan (1 de janeiro de 2008). «Zardari Rejects Claim of Al-Qaida Link to Bhutto's Murder». The Guardian. Consultado em 19 de março de 2011 
  19. «Bhutto's Son Given Top Party Job». Sky News. Consultado em 30 de dezembro de 2007 [ligação inativa] 
  20. «Key party role for Bhutto's son». The Press Association. 30 de dezembro de 2007. Consultado em 30 de dezembro de 2007. Arquivado do original em 2 de janeiro de 2008 
  21. «Pakistan Peoples Party – PPP». ppp.org.pk. Consultado em 16 de abril de 2015 
  22. Jason Burke (13 de dezembro de 2011). «Zardari treated for stroke as son Bilawal is groomed for power in Pakistan». The Guardian. Consultado em 14 de dezembro de 2011 
  23. «Pakistan has asked Interpol to issue red warrant for Musharraf: Bilawal». The News. Islamabad. 28 de maio de 2012. Consultado em 27 de dezembro de 2012 
  24. «Bhutto's son makes debut in Pakistan politics». Al Jazeera. 27 de dezembro de 2012. Consultado em 27 de dezembro de 2012 
  25. «Bilawal qualifies to become MNA». The Nation. Consultado em 16 de abril de 2015 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

O Commons possui uma categoria contendo imagens e outros ficheiros sobre Bilawal Bhutto Zardari