Bill Farr

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Question book.svg
Esta página ou secção não cita fontes confiáveis e independentes, o que compromete sua credibilidade (desde dezembro de 2009). Por favor, adicione referências e insira-as corretamente no texto ou no rodapé. Conteúdo sem fontes poderá ser removido.
Encontre fontes: Google (notícias, livros e acadêmico)
Bill Farr
Nascimento 30 de outubro de 1925
Sapucaia
Morte 13 de setembro de 2010 (84 anos)
Rio de Janeiro
Ocupação Ator e Cantor
IMDb: (inglês)

Antônio Medeiros Francisco, de nome artístico Bill Farr (Sapucaia, 30 de outubro de 1925 - Rio de Janeiro, 13 de setembro de 2010) foi um cantor e ator brasileiro. Passou a infância em Petrópolis e, quando ainda estudante do Colégio Werneck, organizou um grupo vocal. Depois que terminou seu curso científico, ingressou na carreira artística.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Começou como vocalista no Hotel Quitandinha, em Petrópolis. Depois passou a atuar na Rádio Nacional do Rio de Janeiro por intermédio de César de Alencar, participando dos programas Gente Nova, de Celso Guimarães, Programa César de Alencar, Um Milhão de Melodias e Orquestra Melódica. Tornou-se vocalista da orquestra de Ferreira Filho.

Em 1952, gravou seu primeiro disco, pela Sinter, com Abraça-Me, samba de Luís Bittencourt, e Depois do Amor, bolero de José Maria de Abreu e Osvaldo Santiago. No mesmo ano, foi lançado como galã no cinema por José Carlos Burle nos filmes Carnaval Atlântida e Barnabé, Tu És Meu. Em 1953, por intermédio de Bené Nunes, transferiu-se para a gravadora Continental, pela qual lançou com sucesso, em 1954, o foxtrote Oh, de Arnold Johnson e Byron Gay, com versão de Haroldo Barbosa, que foi, por vários meses, campeão de vendas.

No mesmo período, gravou o samba Podem Falar, de Antônio Maria e Ismael Neto, a cançoneta Coisas de Paris, de Haroldo Barbosa, e o foxtrote Zum-zum-zum, de Lúcio Alves. No ano seguinte, lançou a marcha Tira a Boca do Caminho, de Mário Lago e Chocolate. Gravou também o fox-polca A Casa do Nicola, de João de Barro e o samba-canção O Que É Amar, de Johnny Alf.

Em 1956, gravou com Emilinha Borba, com arranjos de João de Barro, o fox-marcha Bate o Bife. No mesmo ano, gravou os sambas Só Errando o Português, de Lúcio Alves, e Sonho Desfeito, de Armando Cavalcanti, Paulo Soledade e Tom Jobim. Em 1957, gravou os sambas Vamos Beber, de Paquito, Nelson Boexi e Romeu Gentil, e Não Me Jogue Fora, de Aldacir Louro e Avaré, a Toada do burrinho, de Catulo de Paula e Hermenegildo Francisco, e a valsa Mulher Ideal, de Klécius Caldas e Armando Cavalcanti.

Em 1958 lançou o bolero Vencida, do maestro Eduardo Patané, e os sambas-canção Eu Não Existo Sem Você, de Tom Jobim e Vinícius de Moraes, e Canção para Ninar Gente Grande, de Antônio Maria e Evaldo Gouveia. Em 1959, gravou Mais Um Samba Popular, de Ataulfo Alves, e Manhã de Carnaval, de Luiz Bonfá e Antônio Maria.

Em 1960, gravou o clássico samba Mulher de Trinta, de Luiz Antônio. Em 1961, lançou seu último disco, interpretando a marcha Passarela, de Jota Jr. e Castelo, e o samba Lá Vem Mangueira, de Paquito, Romeu Gentil e Paulo Gracindo.

Trocou a carreira de cantor pelo comércio exterior, indo para Madri, Espanha, trabalhar em um escritório brasileiro.

Aos 80 anos, participou do septuagésimo aniversário da Rádio Nacional do Rio de Janeiro, ao lado de antigos funcionários, produtores e artistas da rádio, como Marlene, Jorge Goulart, Ademilde Fonseca, Daisy Lúcidi e Gerdau dos Santos.

Ligações externas[editar | editar código-fonte]

Ícone de esboço Este artigo sobre um(a) cantor é um esboço. Você pode ajudar a Wikipédia expandindo-o.