Binótris

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A página está num processo de expansão ou reestruturação.
Esta página está em processo de expansão ou reestruturação durante um curto período.
Isso significa que o conteúdo está instável e pode conter erros que estão a ser corrigidos. Por isso, não convém editar desnecessariamente ou nomear para eliminação durante esse processo, para evitar conflito de edições; ao invés, exponha questionamentos na página de discussão. Caso a última edição tenha ocorrido há vários dias, retire esta marcação.
Binótris
Estatueta no Rijksmuseum de Binótris vestindo roupas cerimoniais
Faraó do Egito
Reinado 43-45 anos
Antecessor(a) Queco
Sucessor(a) Tlas ou Uenegue
 
Dinastia II dinastia
Religião Politeísmo egípcio
Titularia
Nome Lista Real de Abidos
V10AW10AE11R8N35V11A
(B3-nṯr)
Lista Real de Sacará
V10AW10AG29R8X1
D21
G43V11A
(B3-nṯr.w)
Cânone de Turim
HASHHASHR8r
N35
V11AG7
(...nṯr-rn)
Nome de Ouro (Pedra de Palermo)
M22D21
N35
S12
(Rn-nb.w)
Hórus
G5R8n
(Nj-nṯr = "Divino")[1]
Duas Senhoras
G16R8n
(Nj-nṯr-nbt.j)

Binótris (em grego clássico: Binothris), Biófis (em grego clássico: Biophis), Ninetjer ou Banetjer é o nome de Hórus do terceiro faraó da II dinastia. A duração do seu reinado é desconhecida. O Cânone de Turim sugere um reinado improvável de 96 anos[2] e o historiador Manetão sugeriu 47.[3] Os egiptólogos questionam ambos como erros de interpretação ou exageros. Geralmente creditam Binótris com um reinado de 43 anos ou 45 anos. Sua estimativa é baseada nas reconstruções da conhecida inscrição da Pedra de Palermo, relatando os anos 7 a 21, a inscrição da Pedra do Cairo relatando os anos 36-44.[4][5] Segundo diversos autores, governou o Egito a partir de c. 2 850 a 2 760 a.C.[6] ou mais tarde, de c. 2 760 a 2 715 a.C..[7]

Referências

  1. Clayton 1994, p. 26.
  2. Gardiner 1997, p. 15 & Tabela I..
  3. Waddell 2004, p. 37-41.
  4. Emery 1964, p. 105.
  5. Wilkinson 1999, p. 119–126 & 204.
  6. Bierbrier 2008, p. 328.
  7. Hornung 1999, p. 224.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Bierbrier, Morris L. (2008). «Chronology». Historical Dictionary of Ancient Egypt. Lanham, Marilândia; Toronto; Plymouth, RU: The Scarecrow Press, Inc. 
  • Clayton, Peter A. (1994). «Dynasty 2». Chronicle of the Pharaohs (em inglês). Londres: Thames and Hudson. ISBN 0-500-05074-0 
  • Emery, Walter Bryan (1964). Ägypten. Geschichte und Kultur der Frühzeit. Munique: Fourier 
  • Gardiner, Alan H. (1997). The royal canon of Turin. Oxônia: Instituto Griffith de Oxônia. ISBN 0-900416-48-3 
  • Hornung, Erik; Lorton, David (1999). History of Ancient Egypt: An Introduction. Ítaca, Nova Iorque: Imprensa da Universidade Cornell. ISBN 0-8014-8475-8 
  • Waddell, William Gillian (2004). Manetho (The Loeb classical Library, Volume 350). Cambrígia, Massachusetts: Imprensa da Universidade de Harvard. ISBN 0-674-99385-3 
  • Wilkinson, Toby A. H. (1999). Early Dynastic Egypt. Londres e Nova Iorque: Routledge. ISBN 0415186331