Binder

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Uma pessoa usando um binder no peito

Binder para seios, mais conhecido simplesmente por binder (do inglês: breast binder), é uma peça de vestuário que permite a prática da amarração dos seios (do inglês: binding), com o objetivo de achatar os seios utilizando materiais constritivos, como tiras de pano, roupas íntimas construídas especificamente para proporcionar maior conforto, muitas vezes compostas por spandex ou outra fibra sintética e até camisas em camadas de apertadas a soltas.[1]

As pessoas que usam binders incluem homens trans (para criar euforia de gênero ao achatar o peito), indivíduos transmasculinos,[2] pessoas andróginas e não-binárias, crossdressers, cosplayers, transformistas e performistas drag (como drag kings).[3]

Os binders também podem ser usados como alternativas aos sutiãs ou por razões de vontade própria.

Motivação[editar | editar código-fonte]

Há muitas razões pelas quais as pessoas amarram seus seios:[4]

  • Para uma recuperação acelerada, reduzindo o movimento após uma lesão ou cirurgia.
  • Para pessoas transgênero, incluindo pessoas não-binárias, como substituto ou antes da cirurgia de masculinização do tórax.
  • Para cosplay, crossplay e outras formas de fantasia .
  • Para ocultação de seios ou desenvolvimento mamário.
  • Pela beleza e estética.
  • Para uma aparência masculina ao se vestir, para ajudar a se passar como homem.
  • Para criar euforia de gênero alterando a aparência do peito.
  • Para atletismo.
  • Supressão da lactação (ablactação).

Alguns adolescentes começam a usar binders quando entram na puberdade. Isso geralmente é feito por motivos de constrangimento (eles não querem que os outros saibam que eles começaram a se desenvolver) ou desejo de ser como eram antes (eles não querem ter seios ainda). Isso tem riscos potenciais, pois o tecido em desenvolvimento pode se adaptar à forma restrita, resultando em deformidade permanente. A vinculação da mama em meninas adolescentes pode ser um sintoma de transtorno dismórfico corporal.[5]

As mulheres que desenvolveram seios maiores em terapia de reposição hormonal ou cirurgia de aumento de mama podem optar por binders.

Homens trans podem amarrar seus seios como alternativa ou enquanto aguardam a cirurgia de mastectomia, a fim de serem reconhecidos como apresentação masculina. A aparência de um peito achatado e masculino pode causar euforia de gênero.

Homens cisgênero também podem encontrar motivos para se vincular se acometidos de ginecomastia como meio de controlar a aparência no local da cirurgia ou durante a espera antes da cirurgia. No entanto, homens cis com ginecomastia geralmente usam sutiãs masculinos.

Mulheres trans, e pessoas altersexo que desenvolveram seios através da hormonoterapia, podem vivenciar disforia de gênero atípica ou fluida e optar por usar binder, como por exemplo aquelas com expressão de gênero butch ou neutra.[6] Outros podem acabar usando binders por motivos de destransição.

Métodos[editar | editar código-fonte]

Existem roupas íntimas específicas, conhecidas como binders ou sutiãs de ligação (geralmente usando elastano ou outra fibra sintética) e são comumente usados para amarrar os seios. Estes podem ser mais caros do que outras opções e não são amplamente estocados, mas geralmente são considerados menos perigosos do que as alternativas.

Outros materiais comuns de encadernação incluem tiras de pano, ataduras elásticas ou não elásticas e camisas em camadas de apertadas a soltas. A fita adesiva também foi usada, mas é perigosa e deve ser evitada. Bandagens elásticas, como bandagens de ás, também não são seguras de usar. É mais seguro usar um binder de uma empresa respeitável ou um sutiã esportivo de alto impacto.[7]

Complicações[editar | editar código-fonte]

Para minimizar as complicações, muitas vezes é aconselhável que um dispositivo/método de binding deve estar sempre tão solto quanto possível e não deve ser usado por mais de 8 horas.[8] O binding por longos períodos de tempo pode levar a erupções cutâneas ou infecções fúngicas sob os seios,[9][10] dor no peito ou nas costas, falta de ar, superaquecimento ou, raramente, costelas fraturadas.[8] Além disso, alguns materiais de binders não convencionais, como fita adesiva ou ataduras atléticas, são conhecidos por aumentar o risco de um indivíduo para resultados negativos de saúde, como falta de ar, danos musculoesqueléticos e danos à pele.[11] A amarração insegura pode levar à deformação permanente das mamas,[12] cicatrizes e constrição pulmonar,[13] e a amarração de longo prazo pode afetar adversamente o resultado de uma futura mastectomia.[14]

Muitos que usam binder para fins de afirmação de gênero não estão dispostos a procurar atendimento médico devido à percepção de falta de conhecimento dos profissionais de saúde e continuam usando binders de qualquer maneira, pois acreditam que os benefícios superam os riscos.[8] Em caso de preocupações com a saúde, eles tendem a procurar ajuda de profissionais de saúde que consideram trans-friendly e que não estigmatizam sua prática vinculante.[15]

História[editar | editar código-fonte]

O binding tem sido usada em muitos contextos históricos. Usar um espartilho era uma maneira de reduzir o tamanho dos seios.[16] Diferentes períodos de tempo da história tiveram diferentes pontos de vista sobre a forma feminina, incluindo o uso generalizado de espartilhos ao longo da história da Europa Ocidental até a era vitoriana. O dudou [en] chinês e o sarashi japonês achatavam os seios das mulheres. Na década de 1920, as melindrosas amarravam seus peitos para obter uma aparência menos tradicional.[17]

Ver também[editar | editar código-fonte]

Referências

  1. «Chest binding: tips and tricks». helloclue.com (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2022 
  2. Countryman, Betty Ann. "Breast care in the early puerperium." Journal of Obstetric, Gynecologic, & Neonatal Nursing 2.5 (1973): 36–40
  3. Doubek, Anthony. Boxers and Binders: an FTM Story (em inglês). [S.l.]: Lulu.com 
  4. Swift, Kathy; Janke, Jill (maio de 2003). «Breast Binding … Is It All That It's Wrapped Up To Be?». Journal of Obstetric, Gynecologic & Neonatal Nursing (em inglês) (3): 332–339. doi:10.1177/0884217503253531. Consultado em 18 de julho de 2022 
  5. Horowitz, Karyn; Gorfinkle, Kenneth; Lewis, Owen; Phillips, Katharine A. (dezembro de 2002). «Body Dysmorphic Disorder in an Adolescent Girl». Journal of the American Academy of Child & Adolescent Psychiatry (em inglês) (12): 1503–1509. doi:10.1097/00004583-200212000-00023. Consultado em 18 de julho de 2022 
  6. Raphael, Shoshana (29 de setembro de 2020). «When Other People Get to Give Away Their Binders». Autostraddle (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2022 
  7. GenderGP (22 de junho de 2020). «Trans Tape for Chest Binding: Insights on How To Use Tape». GenderGP Transgender Services (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2022 
  8. a b c «Inside the Landmark, Long Overdue Study on Chest Binding». www.vice.com (em inglês). Consultado em 18 de julho de 2022 
  9. Feldman, JL; Goldberg, J (2006). «Transgender primary medical care: Suggested guidelines for clinicians in British Columbia». Vancouver Coastal Health. Consultado em 15 de junho de 2014 
  10. Erickson-Schroth, Laura (2014). Trans Bodies, Trans Selves: A Resource for the Transgender Community. [S.l.]: Oxford University Press. ISBN 9780199325351 
  11. «Chest Binding: A Physician's Guide». PRIDEinPractice. 6 de abril de 2019. Consultado em 1 de outubro de 2020 
  12. «Binding FAQ» (PDF). University of Michigan Health System. Cópia arquivada (PDF) em 6 de setembro de 2012 
  13. Dutton, Lauren; Koenig, Karel; Fennie, Kristopher (1 de agosto de 2008). «Gynecologic care of the female-to-male transgender man». Journal of Midwifery & Women's Health. 53 (4): 331–337. ISSN 1542-2011. PMC 4902153Acessível livremente. PMID 18586186. doi:10.1016/j.jmwh.2008.02.003 
  14. Makadon, Harvey J.; Mayer, Kenneth H.; Potter, Jennifer; Goldhammer, Hilary (2015). The Fenway Guide to Lesbian, Gay, Bisexual and Transgender Health. [S.l.]: ACP Press. ISBN 9781934465783 
  15. Jarrett, Brooke A.; Corbet, Alexandra L.; Gardner, Ivy H.; Weinand, Jamie D.; Peitzmeier, Sarah M. (dezembro de 2018). «Chest Binding and Care Seeking Among Transmasculine Adults: A Cross-Sectional Study». Transgender Health (em inglês) (1): 170–178. ISSN 2380-193X. PMC 6298447Acessível livremente. PMID 30564633. doi:10.1089/trgh.2018.0017. Consultado em 18 de julho de 2022 
  16. Smith, Merril (2014). Cultural encyclopedia of the breast. Lanham: Rowman & Littlefield. 46 páginas. ISBN 9780759123311 
  17. Farrell-Beck & Gau, J. & C. (2002). Uplift: The bra in America. Philadelphia: Philadelphia: University of Pennsylvania Press