Bioquímico

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Ir para: navegação, pesquisa
Ambox rewrite.svg
Esta página precisa ser reciclada de acordo com o livro de estilo (desde setembro de 2016).
Sinta-se livre para editá-la para que esta possa atingir um nível de qualidade superior.
Portal A Wikipédia possui o portal:


Bioquímico[nota 1] (contração de bio e químico= químico da vida, químico-biologista) é o profissional que estuda e aplica as leis da química e bioquímica para o entendimento e para aplicação tecnológica de biomoléculas e de organismos vivos (bioquímica industrial, biotecnologia e bioprocessos,bioquímica de alimentos, bioquímica médica e clínica, bioquímica agrícola e ambiental, bioquímica veterinária) para benefícios comerciais, industriais, e/ou benefícios a saúde humana e animal, a agrícola e ambiental.

O Bioquímico[editar | editar código-fonte]

Trata-se do profissional que estuda e aplica as leis da química e bioquímica para o entendimento e a aplicação tecnológica de biomoléculas e de organismos vivos (bioquímica industrial, biotecnologia e bioprocessos, bioquímica médica e clínica) para benefícios comerciais e industriais, e/ou benefícios a saúde humana e animal, a agropecuária e ao meio ambiente. O Bioquímico, portanto,é o profissional que estuda a bioquímica de um ponto de vista de ciência básica e aplicada tecnologicamente e industrialmente. Os bioquímicos utilizam ferramentas e conceitos da química e da biologia, particularmente da química orgânica, físico-química, fermentações e metabolismo, biologia celular, biologia molecular e genética, para a elucidação dos sistemas vivos e para sua aplicação tecnológica e industrial.Desta forma o bioquímico possui conhecimentos científicos, capacitação técnica e habilidades para atuar em ensino superior, pesquisa, desenvolvimento e inovação, controle e garantia de qualidade, produção industrial, laboratórios, comércio de produtos científicos, laboratoriais e industriais, bioeconomia, além de aprender sobre os princípios éticos e legais relativos à profissão no âmbito do seu exercício profissional.[1]

O campo de estudo da bioquímica engloba o estudo de proteínas, carboidratos, ácidos nucléicos (DNA, RNA), lipídeos, vitaminas, íons bioinorgânicos (Cálcio, Magnésio,Potássio, Cloreto por exemplo), metabolismo, enzimas, fermentações, compostos de metabolismo secundário, tais como os da fitoquímica, com aplicações em áreas industriais diversas, de serviços laboratoriais de análises (análises clínicas, análises de alimentos, análises de fármacos e cosméticos, análises ambientais), de comércio e marketing de produtos relacionados, patentes e inovações, assuntos regulatórios, segurança química e biossegurança, garantia e controle de qualidade etc...

Para tanto os bioquímicos se utilizam de instrumentos e técnicas químicas, bioquímicas e biofísicas, tais como análises químicas e físico-químicas, eletroforese, cromatografia (em especial HPLC/CLAE e gasosa), espectrofotometria, reação em cadeia da polimerase (PCR), plasmídeos e tecnologia do dna recombinante (engenharia genética), espectrometria de massas, ressonância magnética nuclear, ensaios de fluorescência (espectroscopia de fluorescência por exemplo), biorreatores, ensaios de ligação de biomoléculas (Western Blot), dicroísmo circular, PCR quantitativo, bioinformática, Sohxlet, destilação, centrifugação, Kjeldalhl, Demanda química de oxigênio (DQO), Infra-vermelho, calorimetria e análises térmicas, citometria de fluxo, ensaios de ligação e técnicas imunológicas (ELISA, Western, Imunohistoquímica), ensaios enzimáticos, bioensaios, microscopia entre outros.

De igual importância para o bioquímico se encontram os conhecimentos de metodologia científica, estatística,projeto experimental, controle de qualidade, inovação tecnológica, gestão (de laboratórios e de projetos), empreendedorismo, patentes e propriedade intelectual,biossegurança e segurança química, normas de qualidade ISO 9000, 14001 e 17025) e BPF e BPL dentre outros.

A bioquímica surgiu a partir das investigações de fisiologistas e químicos sobre compostos e conversões químicas em seres humanos e plantas no século XIX[2][3] O termo bioquímica foi proposto pelo químico e médico alemão Carl Neuberg (1877-1956) em 1903, embora no século 19 grandes pesquisadores como Wohler, Liebig, Pasteur e Claude Bernard estudassem a química da vida sobre outras denominações.[4][5] Vale destacar que o primeiro instituto de pesquisa estruturado e voltado unicamente para a química da vida surgiu em 1872, como Instituto de Química Fisiológica da Universidade de Strasbourg enquanto que em 1880 a universidade norte-americana de Yale estruturou os primeiros cursos regulares de química fisiológica. Por volta de 1899, quando a universidade inglesa de Cambridge criou o laboratório de química dentro do departamento de fisiologia, a química da vida já estava estabelecida como ciência, sob diferentes denominações.[4] Ao longo do século 20 e 21, cursos de graduação (ou licenciatura) foram criados em diversos países europeus e latino americanos (Brasil e Portugal incluídos), EUA e Austrália, com o intuito de consolidar o conhecimento bioquímico em um mesmo profissional, algo que antes estava disperso em diferentes profissões. Alguns bioquímicos de destaque podem ser vistos abaixo e nessa listagem: Lista de Bioquímicos.

Bacharelado (graduação) e licenciaturas em Bioquímica[editar | editar código-fonte]

É preciso ressaltar que os cursos de graduação em bioquímica são tradicionais em países da Europa (Reino Unido, Alemanha, Espanha, Portugal, França e Itália),na America Latina (Argentina, Paraguai, Uruguai,Chile,Colombia, México e Guatemala) no Canadá, na Austrália e nos Estados Unidos. Neste último país, os cursos de bacharelado em bioquímica existem desde a década de 50. Segundo a ASBMB (American Society for Biochemistry and Molecular Biology) existem cerca de 600 Instituições nos Estados Unidos que oferecem os cursos de bioquímica/biologia molecular e estima-se que cerca de 2000 bacharéis foram graduados nos anos de 2001-2002. No Reino Unido existem mais de 100 cursos de graduação em bioquímica.[6][7]

A licenciatura em bioquímica, em Portugal, foi criada em 1979, na Universidade de Coimbra,[8] sendo prontamente seguido de diversas outras universidades. [9] O bioquímico português Ruy Eugénio Pinto falecido em 2009, é considerado um dos pais da primeira licenciatura em bioquímica naquele país. [10]

O bacharelado em bioquímica, no Brasil, foi criado em 2001, na Universidade Federal de Viçosa, [11][12] visando suprir a necessidade crescente de profissionais qualificados para atuar nas áreas de pesquisa e desenvolvimento tecnológico das diversas áreas relacionadas com o curso.[13]

Em moldes semelhantes, foi criado em 2008, o segundo curso de graduação em bioquímica do Brasil; a Universidade Federal de São João del Rei,[14] implantou o curso em seu campus de expansão Divinópolis (Centro-oeste)[15]. Mais recentemente ainda,no Instituto de Química da USP começou a ser oferecido um Bacharelado em Química com ênfase em bioquímica e foi criado o terceiro curso de graduação em Bioquímica, na Universidade Estadual de Maringá (UEM).[6]

A fortíssima base de cálculo, química orgânica e física (as mesmas dos cursos de química), bem como em biologia, bioquímica e biotecnologia, fornece conhecimentos técnicos fundamentais em diversas áreas: melhoria contínua de produtos e processos, pesquisa e desenvolvimento, controle e garantia de qualidade, produção biotecnológica e bioquímica,gestão de projetos, de laboratórios e de inovações, assessoria e consultoria científica, vendas e representação técnica, elaboração e análise de documentações técnico-científicas e patentes. Além disso, existe forte incentivo a empregabilidade dos alunos através do empreendedorismo (empresas-juniores) e estágios obrigatórios ou eletivos em empresas e indústrias. Com isso, os Bacharéis em Bioquímica já fazem parte de empresas e indústrias nas áreas de química, farmacêutica, biotecnológica, de alimentos, de cosméticos, de biocombustíveis, agronômica, veterinária, papel e celulose, entre muitas outras. Como exemplos citamos Sucos Tial, GranBio, Natura, Valee, Souza Cruz,Aspen pharma, Pratti Donaduzzi. Já entre os órgãos governamentais, temos bioquímicos atuando como concursados no Lanagro,Inmetro, BioManguinhos/Fiocruz, SAAE-Viçosa.[1][1]

Em 2004, um grupo de alunos de graduação da Bioquímica UFV (Brasil) criou a Tecnomol, primeira empresa júnior de Bioquímica do Brasil.Esse movimento foi seguido nos anos seguintes pelos alunos de graduação da Bioquímica UFSJ e Bioquímica UEM, com suas respectivas empresas juniores. Os principais objetivos de uma empresa júnior são estimular o empreededorismo e aprendizados relacionados a prática empresarial e de gestão (de projetos, marketing, recursos humanos, qualidade). Entre os serviços oferecidos pela Tecnomol no ano de 2016 estão: análises químicas, físico-químicas,imunológicas, bioquímicas e de biologia molecular, extração de óleos essenciais, melhoramento de processos fermentativos e consultorias para as áreas industrial e de segurança laboratorial.

Em 2014 foi criado o Movimento BioquímicaBrasil, com site, página de facebook e vídeo de divulgação no youtube dedicados a divulgar o Bacharel em Bioquímica e a divulgar a ciência Bioquímica.[1] Desde o início do movimento, a influência de conceitos-chave de empreendedorismo, responsabilidade individual, responsabilidade social e vivência no mercado de trabalho não acadêmico se mostrou forte, sendo um dos seus objetivos criar redes que conectem o bioquímico com suas áreas de atuação e com o seu mercado de trabalho além de estimular a responsabilidade individual e social pela carreira de bioquímico. Entre 2015 e 2016, o movimento conseguiu definir a identidade do bioquímico brasileiro e algumas simbologias, como o dia do bioquímico brasileiro (8 de Maio) e um símbolo único da profissão,disponibilizado gratuitamente no site do Movimento BioquímicaBrasil[1] .

Disciplinas curriculares do bacharelado (licenciatura) em Bioquímica[editar | editar código-fonte]

No Brasil, o currículo deverá seguir as orientações dadas pela resolução 36 do CRQ e resolução 1511 do CRQ para que o aluno obtenha as atribuições profissionais de 1 a 7 e de 1 a 13, conforme currículo efetivamente cursado. O currículo efetivamente cursado é analisado pelo CRQ, que irá conferir as atribuições de 1 a 7 ou 1 a 13 ao bioquímico. Em geral, as disciplinas comuns a diversos bacharelados, no Brasil, América Latina, Portugal,Espanha, Reino Unido e Estados Unidos são:

Química: Química Orgânica, Química Inorgânica e geral, Físico-química, Química analítica, Instrumental de Análise;

Ciências Exatas: Física, Cálculo (Matemática), Estatística, Controle estatística da qualidade e de processos;

Bioquímica: Bioquímica de ácidos nucléicos e Biologia molecular, Bioquímica de carboidratos, Bioquímica de proteínas, Bioquímica de lipídeos, Metabolismo e fermentações, Enzimologia, Bromatologia e análise     de alimentos, Biossegurança, Bioinformática,Bioquímica analítica, Bioquímica fisiológica, Bioquímica clínica e Diagnóstico Molecular, Química de produtos naturais, Toxicologia;

Tecnologias e Industriais: Processos Fermentativos Industriais, Cinética de Processos Bioquímicos industriais,Operações Unitárias, Fenômenos de transporte, Desenho técnico, Química de alimentos, Cultura de tecidos, Melhoramento animal, Melhoramento vegetal, Microbiologia de alimentos, Microbiologia médica, Microbiologia veterinária,Qualidade da água, Microbiologia de águas, Microbiologia ambiental, tecnologia de papel e celulose, química ambiental, química medicinal, tecnologia em vacinas, análise de OGMs.

Biologia: Biologia Celular, Histologia, Fisiologia (humana, vegetal e de microrganismos), Genética,Microbiologia, Imunologia, Patologia, Anatomia, Botânica, Parasitologia

Bioeconomia: Sociologia, Bioética, Teoria geral de Administração, Empreendedorismo, Proteção industrial e intelectual, patentes.

Campos de atuação[editar | editar código-fonte]

As atribuições profissionais do bioquímico no Brasil são conferidas pelo Conselho Regional de Química, de acordo com o currículo efetivamente cursado, obedecendo a resolução 36, a resolução 1511 do CRQ e o decreto-lei 85877.[16] [1]As mesmas atribuições ocorrem em Portugal.[17] Deve-se atentar que existem campos de atuação já consolidados e tradicionais (análises de bioquímica clínica, análises de alimentos, cosméticos, comércio de produtos laboratoriais, por exemplo) até campos de atuação mais recentes e cujo mercado de trabalho ainda não está plenamente desenvolvido (biotecnologias, biocombustíveis, biofármacos, diagnóstico molecular). É importante salientar que o decreto 85877, em seus artigos 1 e 4, deixa clara a atuação do bioquímico em relação a áreas industriais e de análises diversas, área farmacêutica, veterinária, bromatológica, fitoquímica e análises clínicas.[18]

  • Pesquisa, desenvolvimento e inovação industriais e acadêmicas;
  • Melhoria contínua de produtos e processos industriais;
  • Análises laboratoriais diversas (análises de fármacos,biofármacos, biocombustíveis, águas, cosméticos, alimentos, toxicológicas, clínicas e diagnóstico molecular, biotecnológicas, agroquímicas etc...);
  • Produção industrial bioquímica: processos fermentativos, fitoquímica, biocombustíveis, biofármacos, aromas, vacinas, queijos, vinhos, iogurte etc...
  • Garantia e controle de qualidade;
  • Gestão de laboratórios: direção, supervisão e responsabilidade técnica;
  • Gestão de inovações e patentes;
  • Empreendedorismo;
  • Gestão de projetos;
  • Comércio, marketing e representação técnica de produtos e equipamentos científicos, laboratoriais e industriais;
  • Assessoria e consultoria científica;
  • Ensino em universidades públicas e privadas;
  • Bioinformática;
  • Bioestatística;
  • Perícia criminal: perito criminal nas áreas de genética forense e química forense;
  • Operação e manutenção de equipamentos laboratoriais e industriais;
  • Estudos de viabilidade técnico-ecônomica;
  • Biossegurança e segurança química;
  • Bioética.

Locais de atuação[editar | editar código-fonte]

Na prática, os bioquímicos se dividem entre ambientes corporativos (escritórios), laboratoriais, universitários (salas de aula) e industriais (plantas de produção)[1] [16] conforme abaixo:

Setores de atuação de grande importância[editar | editar código-fonte]

  • Aplicação tecnológica e industrial de biomoléculas:
  1. Bioquímica médica e clínica: vacinas e kits diagnóstico; fármacos, biofármacos; cosméticos; terapia gênica; análises toxicológicas e análises de química clínica e bioquímica clínica, química forense e diagnóstico molecular[16][1][nota 2]
  2. Bioquímica industrial: Utilização de metabolismos e processos fermentativos para produção de bioprodutos como vinho, queijos, cerveja, chocolate, leite, iogurte, vacinas, biofármacos, aromas, proteínas recombinantes, enzimas comerciais, biocombustíveis; Utilização de enzimas substituindo reagentes químicos em processos químicos e bioquímicos industriais;controle e garantia de qualidade;melhoramento contínuo de produtos e processos bioquímicos e biotecnológicos; Utilização de fitoquímica ou química de produtos naturais e óleos essenciais principalmente em cosméticos e alimentos, Biorrefinaria;
  3. Bioquímica agrícola: melhoramento genético de plantas e animais; produção e análise de agroquímicos (fertilizantes, inseticidas,nematicidas etc...);
  4. Bioquímica de alimentos:química de alimentos e bioquímica de alimentos: alimentos nutricionalmente mais ricos e tecnologicamente melhores;análises de alimentos e bromatologia; produção de alimentos por processos fermentativos; análise de OGMs (alimentos transgênicos);
  5. Biotecnologias: biologia molecular vegetal, humana, animal e de microrganismos; bioinformática; biossegurança e segurança química; química verde.
  • Ciências básicas:
  1. Estudo do sistema biológico em nível molecular: fisiologia normal e patológica e formas de manipulação ou alteração da fisiologia ou patologia: expressão, transmissão e função da informação genética, química medicinal; farmacologia, agroquímica, bioquímica fisiológica, biologia molecular, enzimologia e metabolismo;
  2. Ciências ômicas: Projetos Genoma, Proteoma, Lipidoma, glicomica e imunoma e etc...);
  3. Metabolismo e fermentações: Vias de síntese e degradação das biomoléculas; mecanismos de regulação das inúmeras reações que ocorrem simultaneamente na célula e no organismo;fluxos metabólicos; processos fermentativos;
  4. Estudo do sistema bioquímico: determinação das propriedades químicas, físico-químicas, biofísicas e estruturais das biomoléculas e de suas interações entre si;
  • Bioeconomia:
  1. Indústria: Desenvolvimento, planejamento, inovação e gestão;
  2. Empreendedorismo: Sistemas de start ups, gestão e inovação;
  3. Biodireito: Sistemas de patentes, legislações e regulamentações;
  4. Bioética: Desenvolvimento da consciência ética e tecnológica da sociedade em geral acerca do uso de biotecnologia e bioquímica;
  5. Comércio: vendas, marketing, assessoria científica, treinamentos técnicos em consumíveis, reagentes e equipamentos para laboratórios e indústrias.

.

Diferenças para outras profissões[editar | editar código-fonte]

A bioquímica é uma ciência e tecnologia essencial para diversas profissões como biólogos,biomédicos, agrônomos, veterinários etc.. A profissão e o curso nasceram da necessidade de unificação desses conhecimentos em um só perfil, o perfil de bioquímico. No Brasil,considera-se como origem do bioquímico: a química, a biologia, a farmácia, a agronomia e a engenharia química. As profissões abaixo ás vezes podem ser confundidas com o bioquímico:

  • Bioquímico: Tem como foco o estudo da bioquímica pura e da bioquímica aplicada em diversos setores industriais e laboratoriais: pesquisa, desenvolvimento, garantia e controle qualidade, melhoria contínua de produtos e processos bioquímicos, gestão de laboratórios e plantas produtivas, gestão de patentes e inovação.O Bioquímico atua como se fosse um químico ou químico industrial especializado na interface com a biologia e biotecnologia, em indústrias farmacêuticas, de alimentos, de cosméticos, papel e celulose, biotecnológica, veterinária e em laboratórios de análises ambientais, de águas e esgotos, análises clínicas,análises de alimentos, análises de fármacos e cosméticos.É considerado um profissional da química e da biotecnologia;[18]
  • Engenheiro Bioquímico: O engenheiro tem como foco o estudo dos processos industriais: produção, estocagem, acondicionamento, conservação, garantia e controle de qualidade relacionados a processos bioquímicos e biotecnológicos industriais.O Engenheiro Bioquímico atua como se fosse um engenheiro químico especializado na interface com a biologia e biotecnologia, nas indústrias acima citadas. É considerado um profissional da química, da engenharia e da biotecnologia;[19]
  • Farmacêutico: Tem como foco o medicamento e a saúde humana, aplicando para isso conhecimentos específicos da bioquímica humana para orientar o paciente ao uso racional de medicamentos (atenção e assistência farmacêuticas; dispensação de medicamentos). Atua em farmácias, drogarias,laboratórios de análises clínicas, indústria farmacêutica e hospitais. No Brasil, deve obedecer regulamentações específicas do Sistema Único de Saúde (SUS) e Vigilância sanitária (Anvisa). É considerado um profissional de saúde, e dependendo da interpretação pessoal, também um profissional da química.[20] Por bastante tempo, os cursos de graduação em farmácia no Brasil denominaram-se Farmácia-Bioquímica, em errônea alusão à habilitação em análises clínicas . Isto gerou na sociedade, e mesmo nos meios acadêmicos, a falsa noção de que bioquímica seria análises clínicas somente e seria sinônimo de farmácia, o que de fato não é verdadeiro.[19] [nota 1][nota 2]
  • Profissões biológicas: Como dito acima, a bioquímica vive na interface entre química e biologia e assim é utilizada como ciência e tecnologia por biólogos, biomédicos e biotecnologistas. Entretanto, deve-se ter com clareza que estas carreiras tem forte embasamento biológico, enquanto que o bioquímico tem forte embasamento químico e de ciências exatas. Nas graduações em biotecnologia a grade curricular possui disciplinas obrigatórias de ciências biológicas diversas como zoologia, evolução, ecologia, fisiologia, entomologia, botânica etc (o conceito de biotecnologia é o mais amplo possível, sendo o de qualquer tecnologia derivada das ciências biológicas, por isso o biotecnologista ser muito mais próximo ao biólogo que ao profissional da química. Inclusive, o termo biotecnologia é carregado de apelo de marketing: deve-se ter cuidado com a graduação e universidade escolhidas!).Já na grade curricular de bioquímica as disciplinas obrigatórias serão as que o definem como profissional da química, ou seja, química orgânica, bioquímicas, físico-químicas, físicas, metabolismo e processos fermentativos etc...sendo que as disciplinas biológicas são optativas (eletivas), para ajudar a compor uma ênfase em biotecnologia (o conceito de biotecnologia, para o bioquímico, é o de qualquer tecnologia derivada dos conhecimentos moleculares da química, bioquímica, biologia molecular, metabolismo e processos fermentativos), daí os bioquímicos entenderem serem profissionais da química e da biotecnologia, ao mesmo tempo.

    Referências

    Notas[editar | editar código-fonte]

    1. No Brasil, não se deve confundir bioquímico com farmacêutico. São profissionais distintos, apesar de atuarem em segmentos relacionados.
    2. a b As análises clínicas bioquímicas fazem parte do campo das análises clínicas, embora não sejam sinonimas. Existem outros setores nas análises clínicas.

    Bibliografia[editar | editar código-fonte]

    MENEGHINI, Rogério; FONSECA, Lúcia. Índices alternativos de avaliação da produção científica em bioquímica no Brasil. Ciência e Cultura, São Paulo, v. 42, n. 9, p. 629-46, set. 1990.

    Ver também[editar | editar código-fonte]

    Ligações externas[editar | editar código-fonte]