Biritinga

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Município de Biritinga
Bandeira indisponível
Brasão indisponível
Bandeira indisponível Brasão indisponível
Hino
Gentílico biritinguense
Prefeito(a) Antonio Celso Avelino de Queiroz (PDT)
(2017 – 2020)
Localização
Localização de Biritinga
Localização de Biritinga na Bahia
Biritinga está localizado em: Brasil
Biritinga
Localização de Biritinga no Brasil
11° 37' 01" S 38° 48' 00" O11° 37' 01" S 38° 48' 00" O
Unidade federativa Bahia Bahia
Mesorregião Nordeste Baiano IBGE/2008 [1]
Microrregião Serrinha IBGE/2008 [1]
Municípios limítrofes Serrinha, Lamarão, Água Fria, Sátiro Dias, Nova Soure, Araci, Tucano e Teofilândia
Distância até a capital 192 km
Características geográficas
Área 550,079 km² [2]
População 15 737 hab. IBGE/2013[3]
Densidade 28,61 hab./km²
Altitude 249 m
Clima Semi-árido
Fuso horário UTC−3
Indicadores
IDH-M 0,538 baixo PNUD/2010 [4]
PIB R$ 42 219,177 mil IBGE/2008[5]
PIB per capita R$ 2 950,95 IBGE/2008[5]

Biritinga é um município brasileiro do estado da Bahia. Localizado no Território de Identidade do Sisal. Sua população estimada em 2013 era de 15.737 habitantes.

Biritinga, nome indígena que significa: Biri-Cana Silvestre e Tinga-Branca.

História[editar | editar código-fonte]

A região onde hoje localiza-se o município, era anteriormente habitada pelos índios Biritingas.

Em 1822 João Pedreira fundou em terras pertencentes à Sesmaria de Biritinga a Fazenda Bebedouro, 9 km distante da atual cidade de Biritinga. Em 1864 já havia um pequeno núcleo que pertencia ao município de Inhambupe, sendo criado distrito pela lei provincial nº 1.267 de 8 de abril de 1873 com a abertura da estrada real pelo agrimensor provinciano Joaquim Nobre da Silva Basto, ligando Alagoinhas a Monte Santo, a mesma passou a cortar as terras hoje pertencentes ao atual município de Biritinga num lugar denominado Manga, onde havia água em abundância.

Acredita-se que o nome tenha origem devido a neste lugar haver um grande pé de manga, cuja árvore foi transformada em pouso de tropeiros e viajantes. Também acredita-se que "manga" vem do nome dado ao local descampado onde os animais dos tropeiros pastavam.

Com o movimento da estrada, para ali foram atraídos os primeiros moradores onde fixaram residência, entre muitos, o casal Manoel Pinho e Maria Pereira, construindo a sua primeira casa comercial. O povoado de Manga foi oficializado pelo ato estadual de 16 de abril de abril de 1890, mas o distrito de Biritinga foi anexado ao município de Serrinha dois meses depois do ato estadual. Naquele mesmo ano, outro ato de 6 de junho também anexava o distrito a Inhambupe, mas não foi executado. Foi então transferida a sede do distrito para o lugar denominado Manga, com o nome de Biritinga.

Em abril de 1891, foi criado o cartório de Paz, sendo o primeiro escrivão Manoel Pereira de Santana e o Juiz de Paz Francisco Pedreira Lobo.

Foram doados pelo Sr. Antonio Martins de Cerqueira muitos metros quadrados de terras para a construção da capela de Nossa Senhora de Belém, cujas primeiras pedras foram postas pelo Sr. Antonio Vicente Mendes Maciel, conhecido pelo nome de Antonio Conselheiro.

Em 1919 foi criada a paróquia de Manga e seu primeiro vigário foi Fábio Moreira, ficando assim como distrito de Serrinha muitos anos; em 23 de abril de 1962, Salvador Fabiano de Carvalho, morador e fazendeiro local, lutou junto com a comunidade, passando assim categoria de cidade pela lei nº 1684 de 23 de abril de 1962; Diário Oficial de 25 de abril de 1962, com o nome de Biritinga.

Geografia[editar | editar código-fonte]

Localização[editar | editar código-fonte]

O município de Biritinga localiza-se na região nordeste do Estado da Bahia. Seu território abrange uma área de 550Km² de planícies. Suas terras confrontam-se com as terras dos municípios vizinhos de Araci e Tucano ao Norte; Água Fria ao Sul; Sátiro Dias a Leste e Teofilândia e Serrinha a Oeste.

Sua população urbana está estimada em 3.000 pessoas e a população rural em 12.737, no total de 15.737 habitantes. Sua sede está situada a uma altitude de 249 metros acima do nível do mar. Como acidente geográfico a destacar estão o monte do Pé do Oiteiro e a Pedra do Mocó. Hidrograficamente, o território é formado pelos rio Inhambupe e Várzea.

O clima é semi-árido e o solo é muito fértil. A vegetação predominante é a caatinga, minérios encontrados: Petróleo, urânio e gás.

A fauna é constituída de animais de pequeno porte, a destacar: tatu, teiú, veado, preá etc.

A pesca e sazonal de acordo com o período das chuvas, havendo traíra, tilápia e outras espécies.

Rodovias[editar | editar código-fonte]

  • BA 233 - Serrinha a Biritinga;
  • BA 084 - Biritinga a Nova Soure;

Hidrografia[editar | editar código-fonte]

Hidrograficamente, o município de Biritinga possui dois rios intermitentes, sendo o Rio Inhambupe que atravessa o território do município e deságua no oceano atlântico na Praia de Baixios - Município de Esplanada e o Rio Paracatu, afluente do Inhambupe, que limita os municípios de Biritinga e Água Fria. O município possui um abundante lençol freático, sendo motivo de orgulho para todos biritinguenses, pois abastece as cidades de Serrinha, Conceição do Coité, Retirolândia, Teofilândia, além da Mineração Fazenda Brasileiro, Empresa do Grupo Canadense Yamana Gold Inc. Situada no Município de Barrocas. Marco da fundação da cidade de Biritinga, a Fonte do Champrão ainda brota água bem no centro da cidade.

Economia[editar | editar código-fonte]

O município possui segundo o Cadastro Central de Empresas/2011, 139 unidades empresariais funcionado empregando 913 pessoas no setor privado do município. Além disso, o IBGE aborda que a renda média das famílias residentes na zona rural é de R$ 120,50 enquanto a renda média dos moradores da zona urbana é de R$ 320,00. Vale salientar, que cerca de 80% das famílias sobrevivem com até 1 salário mínimo, apresentando alto índice de vulnerabilidade social. O município possui um Produto Interno Bruto – PIB Percapta de R$ 4.389,83. Segundo o Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD/2013) o Índice de Desenvolvimento Humano Municipal – IDH-M é de 0,538, o município possui ainda, segundo dados do Banco do Nordeste, o índice de 61,33% de sua população em situação de pobreza e exclusão social, destes 33,47% estão abaixo da linha da pobreza e sobrevivem com menos de um salario mínimo.

A base econômica do município está na agricultura familiar de subsistência, como propriedades agrícolas dedicando-se ao plantio de feijão, milho, mandioca e amendoim,além de outros benefícios sócio assistenciais, mantidos pelo Governo Federal como: aposentadorias, programas de transferência de renda como, por exemplo o Programa Bolsa Família e o funcionalismo público municipal.

O setor pecuário dedica-se a criação de bovinos, suínos, ovinos e caprinos. A fruticultura é muito desenvolvida com a produção de acerola, caju, goiaba, graviola, manga, laranja etc.

Turismo[editar | editar código-fonte]

O Calendário festivo do Município é bastante diversificado, tendo ênfase na festa de São Sebastião em 20 de janeiro, com leilões, procissões, além do evento festivo (Biritinga Folia) com bandas locais e nacionais, que ocorre em conjunto com a festa do padroeiro (São Sebastião), além do famoso acompanhamento para a Tapera (fazenda que reside a capela do santo) onde ocorre o encerramento das festividades da cidade, ocorrendo sempre na segunda-feira pós o Biritinga Folia, caracterizado pelo encontro de pessoas em torno da capela. Há também festa da emancipação política em 23 de abril, as festas juninas, cavalgadas, Independência do Brasil, festa da padroeira Nossa Senhora de Belém em 10 de setembro, rezas do mês de setembro, além de tantas outras demonstrações e representações populares.

Referências

  1. a b «Divisão Territorial do Brasil». Divisão Territorial do Brasil e Limites Territoriais. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2008. Consultado em 11 de outubro de 2008. 
  2. IBGE (10 out. 2002). «Área territorial oficial». Resolução da Presidência do IBGE de n° 5 (R.PR-5/02). Consultado em 5 de dezembro de 2010. 
  3. «Censo Populacional 2013». Censo Populacional 2013. Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). 1 de julho de 2013. Consultado em 3 de novembro de 2013. 
  4. «Ranking decrescente do IDH-M dos municípios do Brasil». Atlas do Desenvolvimento Humano. Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD). 2010. Consultado em 25 de agosto de 2013. 
  5. a b «Produto Interno Bruto dos Municípios 2004-2008». Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Consultado em 11 de dezembro de 2010. 

Ligações externas[editar | editar código-fonte]