Bistam

Origem: Wikipédia, a enciclopédia livre.
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Bistam
BistamCoinHistoryofIran.jpg
Dracma de Bistam
Xá sassânida
Reinado 590/1–596 ou 594/5–600
Antecessor(a) Cosroes II
Sucessor(a) Cosroes II
 
Morte 596 ou 600
Pai Sapor

Bistam/Bestam ou Vistam/Vistahm (também transliterado Wistaxm; em persa: بیستام) foi um nobre da família Ispabudã, tio materno do xá sassânida Cosroes II (r. 591–628). Ele ajudou Cosroes a retomar seu trono após a rebelião de Vararanes VI (r. 590–591), mas depois liderou uma revolta, que abrangeu o Oriente iraniano inteiro antes de ser suprimido.

Biografia[editar | editar código-fonte]

Início da vida[editar | editar código-fonte]

Bistam era filho de Sapor (Asparapete) e neto de Aspebedes (Bawi). Pertencia a família Ispabudã, um dos sete clãs partas que formaram a elite da aristocracia do Império Sassânida. Sabe-se que teve um irmão chamado Bindoes e uma irmã de nome incerto que se casou com o xá Hormisda IV (r. 579–590) e foi a mãe do herdeiro dele, Cosroes II.[1][2] No final do reinado de Hormisda, a família de Bistam sofreu, junto com os outros clãs aristocráticos, durante as perseguições lançadas pelo xá: Sapor foi assassinado, e ele sucedeu seu pai como aspabedes do Ocidente. Finalmente, tais perseguições levaram o general Baram Chobim (que intitulou-se Vararanes VI) a revolta em 590. Vararanes, cuja revolta rapidamente atraiu grande apoio, marchou sobre a capital, Ctesifonte.[3]

Nesse tempo, na capital, Hormisda tentou marginalizar Bistam e seu irmão Bindoes, mas foi dissuadido, de acordo com Sebeos, por seu filho Cosroes II. Bindoes foi preso, mas Bistam aparentemente fugiu da corte; logo depois, contudo, os dois irmãos aparecem como os líderes de um golpe palaciano que depôs, cegou e matou Hormisda, elevando seu filho Cosroes ao trono.[4] Incapaz de opôr-se a marcha de Vararanes VI sobre Ctesifonte, Cosroes e os dois irmãos fugiram para o Azerbaijão. Bistam ficou para trás para reunir tropas, enquanto Bindoes escoltou Cosroes para o Império Bizantino. No começo de 591, Cosroes retornou com auxílio militar dos bizantinos e foi acompanhado por 12 000 cavaleiros armênios e 8 000 tropas do Azerbaijão recrutadas por Bistam. Na batalha de Blaratona, o exército de Vararanes VI sofreu uma derrota decisiva, e Cosroes II reclamou Ctesifonte e seu trono.[2][5][6]

Últimos anos e rebelião[editar | editar código-fonte]

Dracma de Vararanes VI (r. 590–591)
Dinar de ouro de Cosroes II (r. 590–628)

Após sua vitória, Cosroes II recompensou seus tios com altas posições: Bindoes tornou-se tesoureiro e primeiro ministro e Bistam recebeu o posto de aspabedes do Oriente, englobando Tabaristão e Coração.[7] Logo, contudo, Cosroes mudou suas intenções: tentando dissociar-se de seu pai assassinado, o xá decidiu executá-los. Bindoes foi logo condenado à morte e de acordo com uma fonte siríaca capturado enquanto tentava fugir para junto de seu irmão no Oriente.[2][8] Ao saber do assassinato de seu irmão, Bistam ergue-se em revolta aberta. De acordo com Abu Hanifa de Dinavar, Bistam enviou uma carta para Cosroes anunciando sua pretensão ao trono através de sua herança parta (arsácida):

Você não é mais digno de governar do que eu. Na verdade, eu sou mais merecedor por conta da minha descendência de Dário, filho de Dário, que lutou com Alexandre. Vocês sassânidas enganosamente ganharam superioridade sobre nós [os arsácidas] e usurparam nosso direito, e nos trataram com injustiça. Seu ancestral Sasano foi nada mais que um pastor.

A revolta de Bistam, como a de Vararanes VI, encontrou apoio e espalhou-se rapidamente. Magnatas locais bem como os restos dos exércitos de Vararanes VI reuniram-se com ele, especialmente após ele casar-se com Gordiya, a irmã de Vararanes. Bistam repeliu vários esforços dos leais a Cosroes de dominá-lo, e ele logo dominou todo o quadrante Oriental e norte do Império Sassânida, um domínio que se estendeu do rio Oxo à região de Ardabil, no Ocidente. Ele até fez campanha no Oriente, onde subjugou dois príncipes heftalitas da Transoxiana, Shaug e Pariowk.[2][9] A data da revolta de Bistam é incerta. De suas moedas sabe-se que sua rebelião durou por sete anos. As datas comumente aceitas são ca. 590–596, mas alguns estudiosos como J.D. Howard–Johnston e P. Pourshariati empurram o evento para mais tarde, em 594/595, para coincidir com a rebelião armênia de Vahewuli.[10]

Como Bistam começou a ameaçar a Média, Cosroes enviou vários exércitos contra seu tio, mas não conseguiu alcançar um resultado decisivo: Bistam e seus seguidores retiraram-se para a região montanhosa de Gilan, enquanto vários contingentes armênios do exército real rebelaram-se e desertaram para Bistam. Finalmente, Cosroes convocou os serviços do armênio Simbácio Bagratuni, que enfrentou Bistam próximo de Cumis. Durante a batalha, Bistam foi assassinado por Pariowk, incitado seja por Cosroes, seja por sua esposa Gordia. No entanto, as tropas de Bistam conseguiram repelir o exército real em Cumis, e foi necessário outra expedição de Simbácio no ano seguinte para finalmente debelar a rebelião.[2][11]

Legado[editar | editar código-fonte]

A cidade de Bastam, no Irã, pode ter seu nome derivado de Bistam, bem como o sítio monumental de Taq-e Bostan. Apesar da rebelião e morte de Bistam, o poder da família Ispabudã era grande demais para ser quebrado. De fato, um dos filhos de Bindoes foi instrumental no julgamento de Cosroes II após sua deposição em 628, e dois dos filhos de Bistam, Vinduya e Tiruya, junto com o primo deles Narsi, foram comandantes do exército persa que confrontou os árabes muçulmanos em 634.[2][12]

Referências

  1. Pourshariati 2008, p. 106–108.
  2. a b c d e f «BESṬĀM O BENDŌY» (em inglês). Consultado em 30 de junho de 2014 
  3. Pourshariati 2008, p. 122ff.
  4. Pourshariati 2008, p. 127–128, 131–132.
  5. Pourshariati 2008, p. 127–128.
  6. Martindale 1992, p. 232.
  7. Pourshariati 2008, p. 131–132.
  8. Pourshariati 2008, p. 132; 134.
  9. Pourshariati 2008, p. 132–133, 135.
  10. Pourshariati 2008, p. 133–134.
  11. Pourshariati 2008, p. 136–137.
  12. Pourshariati 2008, p. 163, 189, 212.

Bibliografia[editar | editar código-fonte]

  • Pourshariati, Parvaneh (2008). Declínio e queda do Império Sassânida. Nova Iorque: IB Tauris & Co Ltd. ISBN 978-1-84511-645-3 
  • Martindale, John Robert; Jones, Arnold Hugh Martin; Morris, John (1992). The Prosopography of the Later Roman Empire - Volume III, AD 527–641. Cambridge e Nova Iorque: Cambridge University Press. ISBN 0-521-20160-8